A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Teoria da Informação Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Teoria da Informação Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília."— Transcrição da apresentação:

1 Teoria da Informação Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília

2 Claude Elwood Shannon, 1948 Autor que estabeleceu os fundamentos da Teoria da Informação

3 Teoria da Informação A Teoria da informação ou Teoria Matemática da Comunicação é voltada aos estudos de: Sistemas de Comunicação Transmissão de Dados Criptografia Codificação Ruído Correção de Erros Compressão de Dados Entre Outros

4 Teoria da Informação A cada mensagem está associada uma certa quantidade de informação. O processo de comunicação consiste em estabelecer o fluxo de informações entre fonte e destinatário, o que é feito através da transmissão dos símbolos que compõem a mensagem.

5 MENSAGEM FONTECANALDESTINO

6 Teoria da Informação A Teoria Informacional é essencialmente uma Teoria da Transmissão.

7 Teoria da Informação A Teoria da Informação é, sobretudo, uma teoria matemática que trata de três conceitos básicos: A medida da informação A capacidade de um canal de comunicações transferir informação A codificação, como meio de utilizar os canais com toda a sua capacidade

8 Teoria da Informação A Teoria da Informação operou, no âmbito dos fenômenos comunicacionais, uma distinção entre Forma (aquilo que transporta uma matéria) Conteúdo (a natureza do que é transportado)

9 TEOREMA FUNDAMENTAL

10 Teorema Fundamental Dada uma fonte de informação e um canal de comunicação, existe uma técnica de codificação tal que a informação pode ser transmitida por meio do canal [...] com uma frequência de erros arbitrariamente pequena apesar da presença do ruído.

11 Fonte (Emissor) Fonte (Emissor) Transmissor Canal Receptor Destino Sinal de Entrada Sinal Transmitido Ruído Físico Ruído Semântico Mensagem

12 Teorema Fundamental O aspecto inovador deste teorema é a possibilidade de uma codificação adequada permitir uma transmissão sem erros pelo canal afetado pelo ruído. A codificação é, assim, usada para adaptar a fonte e o canal para a máxima transferência de informação.

13 Teorema Fundamental O processo de transmissão de informações envolve: Emissor Destinatário Código Canal Codificação Decodificação

14 EmissorMensagemTransmissor Sinal Captado Fonte de Ruído Sinal Transmitido ReceptorMensagemDestinatário Codificação Decodificação

15 Modelo Do emissor para o destinatário dá-se uma transferência de informação. Do transmissor para o receptor, efetua-se uma transferência de energia. O emissor procede a uma codificação da sua intenção de sentido num sistema de formas. O receptor realiza a decodificação das formas para reencontrar o sentido.

16 Teorema Fundamental Conhecer a intensidade das mudanças promovidas pela informação. O texto de um informador tem por objetivo mudar o comportamento de seu receptor.

17 Informação x Comunicação Teoria da InformaçãoTeoria da Comunicação Estuda a estruturação da mensagem Estuda o relacionamento mensagem-fonte-receptor Centrada no código Centrada no conjunto mensagem-homem É o sistemaÉ o processo Conjunto de elementos e suas normas de combinação Seqüência de atos espaço- temporalmente localizados

18 ELEMENTOS

19 FONTE

20 Fonte É o ente que produz a informação

21 CÓDIGO

22 Código O código pode melhorar a transmissão de informação O código não contempla o significado da mensagem Só importam: A resistência à distorção provocada pelo ruído; A facilidade de codificação e de descodificação; A rapidez de transmissão.

23 Código A distinção entre forma e conteúdo levou a uma importante tomada de consciência: a comunicação humana não se processa somente com base em signos verbais, orais ou escritos, mas igualmente de gestos, de ícones e de símbolos que os podem substituir.

24 MENSAGEM

25 Mensagem Mensagem é um grupo finito e ordenado de elementos de percepção ordenados e tirados de um repertório unidos em uma estrutura cuja finalidade é modificar o receptor.

26 Mensagem A mensagem é uma realização que se caracteriza por apresentar configurações variáveis ao longo do tempo e, também, para um observador externo à fonte, por apresentar símbolos de um modo aleatório.

27 Mensagem Uma mensagem terá mais valor quanto for o número de modificações que pode provocar

28 REPERTÓRIO

29 Repertório Repertório é uma espécie de vocabulário, de estoque de signos conhecidos e utilizados por um indivíduo. Uma mensagem será ou não significativa (terá mais ou menos mudanças) conforme o repertório dessa mensagem pertencer ou não ao repertório do receptor.

30 Repertório A significação de um repertório, para quem o possui, é função de suas condições de existência, de uma história pessoal. Repertório é, além dos conhecimentos técnicos específicos, todos os valores éticos, estéticos, filosóficos, políticos, a ideologia do indivíduo, do grupo ou da classe social.

31 Repertório Quanto maior o repertório de uma mensagem, menor será sua redundância e vice-versa.

32 Repertório Uma mensagem é elaborada pela fonte com elementos extraídos de um determinado repertório e será decodificada por um receptor que, nesse processo, utilizará elementos extraídos de um outro repertório. Para que se estabeleça o fluxo da comunicação, para que a mensagem seja significativa para o receptor, é necessário que haja uma intersecção entre os repertórios da Fonte e do Receptor.

33 Repertório da Fonte Repertório do Receptor Repertório Comum

34 Repertório Se ambos os repertórios forem absolutamente idênticos, aquilo que chega ao receptor não altera o comportamento. Casos de repertórios tangentes, o receptor verá a mensagem como algo intrigante, portanto algo a desvendar.

35 Repertório do Receptor Repertório da Fonte

36 ORIGINALIDADE

37 Informação e Originalidade Quanto maior a taxa de novidade de uma mensagem maior o seu valor informativo, sendo maior a mudança de comportamento provocada

38 Informação e Originalidade + originalidade = - presibilidade = + informação + previsibilidade = - originalidade = - informação Trouxe uma nova concepção que valoriza o espaço da criação, da inovação

39 Informação e Originalidade A informação ideal tende para o máximo de originalidade Quanto mais imprevisível for, menos será passível de apreensão por um receptor médio, para o qual as mensagens surgem dependentes de uma ordem O original surge como desordem, confusão, complexidade

40 Informação e Originalidade Total previsibilidade (originalidade mínima) = nenhuma informação Imprevisibilidade total (originalidade máxima) = nenhuma informação A mudança no comportamento do receptor de uma mensagem depende do caráter de novo desta mesma mensagem. Mas, o valor da informação comunicada está na possibilidade de desencadear processos de modificações significativas nos repertórios, nos acervos dos conhecimentos estabelecidos.

41 ENTROPIA

42 Entropia É a medida da quantidade de informação presente num evento Quanto maior a quantidade de informação, maior a entropia.

43 Informação e Entropia A informação totalmente original possui entropia máxima, apresentando a entropia como a medida da desordem introduzida numa estrutura informacional.

44 SÓ CONHECEMOS REALMENTE UM FENÔMENO QUANDO PODEMOS MEDÍ-LO E COMPARÁ-LO ( DARWIN ) Quantidade de Informação. É possível medir?


Carregar ppt "Teoria da Informação Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google