A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Saúde Suplementar: Rumo à Eficiência Alfredo de Almeida Cardoso Diretor de Normas e Habilitação de Operadoras – ANS Rio de Janeiro- Novembro de 2006.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Saúde Suplementar: Rumo à Eficiência Alfredo de Almeida Cardoso Diretor de Normas e Habilitação de Operadoras – ANS Rio de Janeiro- Novembro de 2006."— Transcrição da apresentação:

1 Saúde Suplementar: Rumo à Eficiência Alfredo de Almeida Cardoso Diretor de Normas e Habilitação de Operadoras – ANS Rio de Janeiro- Novembro de 2006

2 2 Pilares da Saúde Suplementar SAÚDE SUPLEMENTAR QUALIDADEASSISTENCIAL CONTRIBUIÇÕESESPONTÂNEAS

3 3 Pilares da Saúde Suplementar QUALIDADEASSISTENCIAL CONTRIBUIÇÕESESPONTÂNEAS Segurança Econômico Financeira Qualidade Objetiva/ Avaliação de Acesso

4 4 Segurança Econômica Autorização de Funcionamento Acompanhamento da Liquidez Acompanhamento das Provisões Regulamentadas Regulamentação das Provisões Necessárias Melhoria da Distribuição da Liquidez do Mercado Racionalização da Composição do Capital das OPS Estímulos a Capitalização PRÉ- CONDIÇÕES PARA OPERAÇÃO

5 5 DESPESAS RECEBIMENTOSTempo CICLO FINANCEIRO FAVORÁVEL Ciclo Financeiro e Provisões 1º Mês2º Mês 3º Mês Mês N+1 Mês 100% DA -20% RESULTADO MES 80% ACUMULADO 80%160% PROVISÕES DA +DM 100% SE NEGATIVO COMPLETADO PELAS PROVISÒES 50% RECEITAS – 50% OU 80% DESPESAS - 64% 100% DA +DM

6 6 DESPESAS RECEBIMENTOS Tempo CICLO FINANCEIRO DESFAVORÁVEL Ciclo Financeiro e Provisões Mês Desp. Assist Oculta 100% DM +DA DM RESULTADO MES ACUMULADO PROVISÕES DM SE NEGATIVO COMPLETADO PELAS PROVISÒES PEONA DEPENDE DE NOTA TÉCNICA ATUARIAL = 1.5 RECEITA DEPENDENCIA OPERACIONAL CERCA DE DUAS VEZES A DESPESA MÉDICA Mês DM DEPENDENCIA OPERACIONAL

7 7 Risco de Insolvência Choques Exógenos Variáveis Macroeconômicas Regulação Barreiras à entrada (escala) e à saída Nova dinâmica na relação entre receitas e despesas Forças de Mercado Competição efetiva e potencial Eficiência Gerencial Judiciário concessão de liminares não previstas em contrato Risco de Insolvência de Operadoras

8 8 Qualidade Assistencial Contratualização TISS Autorização de Funcionamento Cadastramento da Rede de Prestadores Programa de Qualificação PRÉ- CONDIÇÕES PARA OPERAÇÃO Fiscalização

9 9 Redução da Assimetria de Informações Um dos objetivos da regulação é reduzir a assimetria de informações, produzindo benefícios duradouros que impactam toda a cadeia produtiva. Informações Econômico Financeiras: Próximo Desafio : Informações assistenciais objetivas

10 10 Resultados Geral por ID_AS Distribuição das operadoras por nível de desempenho e motivo de inconsistência Nota: Entre as 827 operadoras com ID_AS zero, 2 (0,24%) receberam esta nota por qualidade da assistência. Não se aplica 0 0> e e 0,5 e 0,75 e < 1 1

11 11 Eficiência SAÚDE SUPLEMENTAR Com Menos Contribuições Espontâneas Mais e Melhor Qualidade Assistencial/ Acesso

12 12 Eficiência Eficiência OPERADORAS E PRESTADORES Com Menos Contribuições Espontâneas Mais e Melhor Qualidade Assistencial/ Acesso Concorrência

13 13 Concorrência Concorrência para transferir custos na cadeia Concorrência por maior poder de barganha Concorrência direcionamento e restrição de escolha Concorrência por reduzir custos por restrição de serviços Concorrência por valor gerado ( o que é valor mesmo?) Redefining Health Care Porter e Teisberg/2006

14 14 O Risco x Retorno da Saúde Suplementar (Geração de valor) Expectativa de retorno Qual a solução para Mercados de risco? Crescimento Assumir Riscos Operadora Beneficiário Aumento de receitas Inclusão no sistema Vendendo planos individuais Ter seu risco aceito Rentabilidade (ROE) Qualidade Assistencial Como crescer em planos individuais? Como minimizar riscos para ambas as partes? Como diminuir custos sem perda de qualidade? Quais as perguntas certas?

15 15 O Risco x Retorno da Saúde Suplementar (Geração de valor) Qual o papel do regulador? Operadora Beneficiário Aumento de receita Vendendo planos individuais Rentabilidade (ROE) Inclusão no sistema Ter seu risco aceito Qualidade Assistencial Estímulo ao mercado Flexibilização de Reajustes com salva guardas Acreditação de prestadores e operadoras Quais as perguntas certas? Como crescer em planos individuais? Como minimizar riscos para ambas as partes? Como diminuir custos sem perda de qualidade?

16 16 O Risco x Retorno da Saúde Suplementar (Geração de valor) Qual o papel do regulador? Estímulo ao mercado Liberação de reajuste com salva guardas Acreditação de operadoras e prestadores Operadora Beneficiário Racionalizar Custos (Incorp Tecnológica x Ressarcimento SUS) Soluções para idosos x Alternativas para o pacto intergeracional Fidelização/ Sazonalidade/ Concorrência de Mercado Portabilidade de Carências/ reajuste único Diferencial de produto Padronização Ind Qualidade Objetiva facilita escolha

17 17 Dimensão Econômico-Financeira Dimensão Qualidade Assistencial Cenário Atual Operadora tipo 1Operadora tipo 2Operadora tipo 3Operadora tipo 4 Operadora tipo 5

18 18 Aonde o regulador quer chegar? Dimensão Econômico-Financeira Dimensão Qualidade Assistencial Operadora tipo 1Operadora tipo 2Operadora tipo 3Operadora tipo 4 Operadora tipo 5

19 Contatos:


Carregar ppt "Saúde Suplementar: Rumo à Eficiência Alfredo de Almeida Cardoso Diretor de Normas e Habilitação de Operadoras – ANS Rio de Janeiro- Novembro de 2006."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google