A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Projeto Final com objetivo de conclusão

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Projeto Final com objetivo de conclusão"— Transcrição da apresentação:

1 RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO MONITORAMENTO DE RECALQUES SOFRIDOS NO EDIFÍCIO THE ROYAL PLAZA
Projeto Final com objetivo de conclusão do curso de Engenharia Cartográfica Profº. Orientador: Pedro Luis Faggion Graduando: Thiago Schroeder Salomão junho de 2008.

2 REFERÊNCIAS UTILIZADAS
SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. METODOLOGIA 3. RESULTADOS 4. CONCLUSÃO REFERÊNCIAS UTILIZADAS

3 Um edifício pode ser dividido em 3 partes básicas:
1. INTRODUÇÃO Projeto estrutural Um edifício pode ser dividido em 3 partes básicas: Conjunto dependente: solo - estrutura Projeto de fundações Figura 1 – Partes de edifícios FONTE: Adaptado de IWAMOTO (2000)

4 2. Metodologia 2. METODOLOGIA
O projeto da estrutura e fundação são realizados separadamente, e não tem-se o comportamento do conjunto solo-estrutura. PROBLEMA OBJETIVO SOLUÇÃO Controlar os recalques sofridos na estrutura e assim fornecer o comportamento do conjunto solo-estrutura. Conceito de recalque; Método adequado; Equipamentos; Elementos de apoio. PLANEJAMENTO EXECUÇÃO

5 2. METODOLOGIA - PLANEJAMENTO
a) Definição de recalque: Segunda a NBR 6122, recalque é o movimento vertical descendente de um elemento estrutural. Quando o movimento for ascendente, denomina-se levantamento (ABNT,1996). Recalque absoluto distância horizontal recalque em 2 recalque recalque em 1 Recalque diferencial δ recalque diferencial t1 t1 t1 t2 t2 t2 Velocidade = recalque / ∆t FONTE: ALONSO (1991) δ = ∆r / L FONTE: ALONSO (1991) Vista em perfil: Elemento Elemento 2 Vista em perfil: Elemento 1

6 2. METODOLOGIA - PLANEJAMENTO
b) Método utilizado: Utilizou-se o Método Direto de Determinação de Desníveis com a Técnica de NIVELAMENTO GEOMÉTRICO Lance ab = La - Lb visada à mira de ré visada à mira de vante La Lb Figura 2 – Nivelamento geométrico FONTE: FAGGION (2008)

7 2. METODOLOGIA - PLANEJAMENTO
c) Equipamentos e materiais utilizados: Nível digital marca WILD/LEICA modelo NA-3003; Mira de código de barras, em fibra de vidro, marca LEICA modelo GKNL4M; Tripé; Par de hastes; Croqui da obra; Lanterna / holofotes; Câmera Fotográfica. Figura 3 – Nível digital FONTE: MANFRA (2008)

8 Injeção de cimento para chumbamento no fundo do furo;
2. METODOLOGIA - PLANEJAMENTO d) Elementos de apoio: - Monitoramento de estruturas necessidade de uma referência de nível - Bench-mark: São pontos irrecalcáveis (Petrobras, 2005). ±23m de perfuração; Injeção de cimento para chumbamento no fundo do furo; Figura 5 - Bench-mark FONTE: O autor Figura 4 - Construção do Bench-mark FONTE: Norma Petrobras NOTA: Para garantir esta propriedade o bench-mark deve ser instalado em local que não sofra a influência da própria obra ou outras causas que comprometam sua estabilidade (ALONSO, 1991, p. 133).

9 d) Elementos de apoio: - Pinos de controle engastados nos pilares
2. METODOLOGIA - PLANEJAMENTO d) Elementos de apoio: - Pinos de controle engastados nos pilares fêmea parafuso de proteção Pino de monitoramento Figura 7 - Pinos de controle FONTE: VIACARTA (2007) Figura 6 – Pino de controle FONTE: VIACARTA (2007) Foto G - Pinos de controle FONTE: O autor (2008)

10 a) CARACTERIZAÇÃO DA OBRA
2. METODOLOGIA - EXECUÇÃO a) CARACTERIZAÇÃO DA OBRA Figura 9 – Obra Finalizada FONTE: Construtora Andrade Ribeiro Figura 10 – Obra em junho/2008 FONTE: Construtora Andrade Ribeiro FIGURA 8 - PLANTA DE SITUAÇÃO FONTE: O autor (2008)

11 - Região de estudo: 26 pavimentos (aprox. 100m) Superfície terrestre
2. METODOLOGIA - EXECUÇÃO - Região de estudo: 26 pavimentos (aprox. 100m) Superfície terrestre 2 andares no subsolo Figura 11 – Perfil do Edifício FONTE: O autor (2008) 1º subsolo

12 - Região de estudo: 2. METODOLOGIA - EXECUÇÃO
Figura 12 – Região de Estudo FONTE: O autor (2008)

13 b) Procedimento 1º. Nivelamento das bench-marks
2. METODOLOGIA - EXECUÇÃO b) Procedimento 1º. Nivelamento das bench-marks objetivo de verificar o desempenho das bench-marks; 8 campanhas no período de 3 meses; Figura 13: Localização das bench-marks FONTE: O autor

14 2. METODOLOGIA - EXECUÇÃO
Figura 14: Foto do procedimento - bench-mark FONTE: O autor

15 2. METODOLOGIA - EXECUÇÃO
b) Procedimento 2º. Nivelamento dos pinos de controle Figura 15: Parte da área do levantamento FONTE: O autor

16 2. METODOLOGIA - EXECUÇÃO
Figura 16: Foto do procedimento – pinos de controle FONTE: O autor

17 Alguns parâmetros para análise dos resultados:
2. METODOLOGIA Alguns parâmetros para análise dos resultados: - Distorções angulares limites: - Recalques absolutos valores dependentes da região e da fundação construída (nesta obra < 5mm) - Velocidades de recalque 100 µ/dia (neste caso) FONTE: ALONSO(1991) COLARES (2006)

18 - Todas as informações são entregues na forma de TABELAS:
3. RESULTADOS PRODUTOS GERADOS: - Todas as informações são entregues na forma de TABELAS: a) Planilha de nivelamento com todas as leituras efetuadas; b) Recalque Absoluto (mm) e Velocidade do recalque (µ/dias); c) Recalque Diferencial (mm) e Distorção angular: - MAPA DE ISORECALQUES (visualização do fenômeno); Figura 17: Parte de uma planilha de nivelamento FONTE: O autor (2008) Figura 18 – Parte da tabela de recalque/velocidade FONTE: O autor (2008) Figura 19 – Parte da tabela de distorção FONTE: O autor (2008)

19 3. RESULTADOS

20 4. CONCLUSÃO Atingiu-se com êxito o objetivo proposto pois, foram coletadas, com qualidade, todas as informações importantes para o controle do recalque sofrido pela estrutura. Estas informações serão encaminhadas ao projetista da fundação que verificará os valores medidos, para posterior, caso necessário, tomar as medidas de reforço na estrutura. Neste relatório mostrou-se um trabalho prático de engenharia onde fez-se desde o planejamento até a execução do serviço obtendo os resultados com a qualidade exigida pelo contratante. Com isso, é demonstrado que o engenheiro cartógrafo possui a competência necessária para a execução deste serviço.

21 REFERÊNCIAS UTILIZADAS
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6122 Projeto e execução de fundações. Rio de Janeiro. ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR Execução de Levantamentos Topográficos. Rio de Janeiro. ABNT ALONSO, Urbano Rodriguez. Previsão e controle das fundações. Editora Blücher. São Paulo AOKI, N. et al. Interação solo-estrutura em edifícios com fundação profunda: método numérico e resultados observados In Situ. Cadernos de Engenharia de Estruturas, São Carlos, v.8, n. 32, p , 2006. DANZIGER, B. R. et al. Estudo de Caso de Obra com Análise da Interação Solo Estrutura. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005. FAGGION, P. L. et al. Levantamentos Geodésicos I. Curso de graduação de Engenharia Cartográfica. UFPR. (Curitiba, 2008). Notas de aula. GEMAEL, C. Introdução ao Ajustamento de Observações. Curitiba: UFPR, 1994.

22 REFERÊNCIAS UTILIZADAS
GONÇALVES, J. C. Avaliação da influência dos recalques das fundações na variação de cargas dos pilares de um edifício. 126 f. Tese (Mestrado em Engenharia Civil) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004. GONÇALVES, O. M. et al. Normas técnicas para avaliação de sistemas construtivos inovadores para habitações. In: GONÇALVES, O. M. et AL. Coletânea Habitare: Normalização e Certificação na Construção Habitacional vol. 3, p. 44. Disponível em: <http://habitare.infohab.org.br/pdf/publicacoes/LIVROS/05/cap3.pdf>. Acesso em: 01/05/2008. HACHICH, W e FALCONI, F. F. Fundações: Teoria e Prática. Editora Pini. São Paulo IWAMOTO, R. K. Alguns aspectos dos efeitos da interação solo – estrutura em edifícios de múltiplos andares com fundação profunda. 140 f. Tese (Mestre em Engenharia de Estruturas) - Universidade de São Paulo, São Carlos, 2000. PETROBRAS. N-1811: Instalação de referência de nível profunda. Brasil, 2005.


Carregar ppt "Projeto Final com objetivo de conclusão"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google