A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Tratar Plantas com PLANTAS Pico | sede Ass. Jovens Agricultores do Pico ~ Ribeira do Meio ~ André Henriques da Silva [ ] Outubro 2009.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Tratar Plantas com PLANTAS Pico | sede Ass. Jovens Agricultores do Pico ~ Ribeira do Meio ~ André Henriques da Silva [ ] Outubro 2009."— Transcrição da apresentação:

1 Tratar Plantas com PLANTAS Pico | sede Ass. Jovens Agricultores do Pico ~ Ribeira do Meio ~ André Henriques da Silva [ ] Outubro 2009

2

3 Objectivos Conhecer 3 situações concretas de aplicabilidade das macerações. Conhecer 3 situações concretas de aplicabilidade das macerações. Identificar os pontos críticos da realização de uma maceração. Identificar os pontos críticos da realização de uma maceração.

4 Programa 1. Extractos Vegetais e os Biopesticidas 2. Matérias-Primas e Equipamento 3. Metodologias de Acompanhamento e Controlo 4. Aplicação de Extractos Vegetais 5. Formulações específicas 6. Cobertos Vegetais

5 Programa 1. Extractos Vegetais e os Biopesticidas 2. Matérias-Primas e Equipamento 3. Metodologias de Acompanhamento e Controlo 4. Aplicação de Extractos Vegetais 5. Formulações específicas 6. Cobertos Vegetais

6 Extractos Vegetais e os Biopesticidas 1. Origens e Aplicações « 2. Tipos de extracção Tisanas: Tisanas: Infusão Infusão Decocção Decocção Maceração Maceração Em água (a frio) Em água (a frio) Hidroalcoólica Hidroalcoólica Óleos essenciais: Óleos essenciais: Destilação a vapor Destilação a vapor 3. Terminologia e Âmbito do Curso Biopesticidas de origem não vegetal Biopesticidas de origem não vegetal 4. Modos de Acção

7 Aplicações dos Extractos Vegetais Insecticida; Insecticida; Insectifugo; Insectifugo; Fungicida; Fungicida; Fungi-estático; Fungi-estático; Micronutrição; Micronutrição; Reforço de defesas naturais; Reforço de defesas naturais; Despoletar de respostas imunitárias; Despoletar de respostas imunitárias;......

8 Extractos Vegetais e os Biopesticidas 1. Origens e Aplicações 2. Tipos de extracção « Tisanas: Tisanas: Infusão Infusão Decocção Decocção Maceração Maceração Em água (a frio) Em água (a frio) Hidroalcoólica Hidroalcoólica Óleos essenciais: Óleos essenciais: Destilação a vapor Destilação a vapor 3. Terminologia e Âmbito do Curso Biopesticidas de origem não vegetal Biopesticidas de origem não vegetal 4. Modos de Acção

9 Programa 1. Extractos Vegetais e os Biopesticidas 2. Matérias-Primas e Equipamento 3. Metodologias de Acompanhamento e Controlo 4. Aplicação de Extractos Vegetais 5. Formulações específicas 6. Cobertos Vegetais

10 Matérias-Primas e Equipamento Água, Solução Hidroalcoólica e Óleos Essenciais Água, Solução Hidroalcoólica e Óleos Essenciais Origem Origem Controlo de Parâmetros de Qualidade Controlo de Parâmetros de Qualidade Material Vegetal Material Vegetal Tipos Tipos Fresco Fresco Seco Seco Propagação e Recolha Propagação e Recolha Gestão de Espaços Gestão de Espaços Condições Ideais de Propagação e Recolha Condições Ideais de Propagação e Recolha Condições e Equipamentos Condições e Equipamentos Local Local Preparação Preparação Armazenamento Armazenamento Aplicação Aplicação Adjuvantes e Complementos Adjuvantes e Complementos

11 Programa 1. Extractos Vegetais e os Biopesticidas 2. Matérias-Primas e Equipamento 3. Metodologias de Acompanhamento e Controlo 4. Aplicação de Extractos Vegetais 5. Formulações específicas 6. Cobertos Vegetais

12 Metodologias de Acompanhamento e Controlo Preparação, Acompanhamento e Controlo da Fermentação Preparação, Acompanhamento e Controlo da Fermentação Interrupção da Fermentação Interrupção da Fermentação Estabilização Final Estabilização Final Desodorizações Desodorizações

13 Programa 1. Extractos Vegetais e os Biopesticidas 2. Matérias-Primas e Equipamento 3. Metodologias de Acompanhamento e Controlo 4. Aplicação de Extractos Vegetais 5. Formulações específicas 6. Cobertos Vegetais

14 Aplicação de Extractos Vegetais Água de Pulverização e Dinamização Água de Pulverização e Dinamização Como e Quando Aplicar Biopesticidas Como e Quando Aplicar Biopesticidas Compatibilidades Compatibilidades Macerações Compostas Macerações Compostas

15 Programa 1. Extractos Vegetais e os Biopesticidas 2. Matérias-Primas e Equipamento 3. Metodologias de Acompanhamento e Controlo 4. Aplicação de Extractos Vegetais 5. Formulações específicas 6. Cobertos Vegetais

16 Formulações Específicas 1. Urtiga _ Urtica dioica 2. Cavalinha _ Equisetum arvense 3. Fetos _ Pteridium aquilinum 4. Absinto_ Artemisia absinthium 5. Consolda_ Symphytum officinalis 6. Outras plantas interessantes: 1. AlhoAllium sativum 2. SalgueiroSalix sp. 3. PiretroTanacetum cinerariifolium 4. ArrudaRuta graveolens

17

18 Urtiga Urtica dioica

19 Cavalinha Equisetum arvense

20 Fetos Pteridium aquilinum

21 Absinto Artemisia absinthium

22 Consolda Symphytum officinalis

23 Alho Allium sativum

24 Salgueiro Salix sp.

25 Piretro Tanacetum cinerariifolium

26 Arruda Ruta graveolens

27 Cacto Opuntia ficus indica

28 Feno Grego Trigonella foenum grecum

29 Lavanda Lavandula officinalis

30 Salva Salvia officinalis

31 Regulação de Pulverização Volume de Calda vs. Tamanho da Sebe Volume de Calda vs. Tamanho da Sebe Zonas de pulverização Zonas de pulverização Coalescencia / ponto de gota Coalescencia / ponto de gota

32 Regulação de Pulverização Volume de Calda vs. Tamanho da Sebe « Volume de Calda vs. Tamanho da Sebe « Zonas de pulverização Zonas de pulverização Coalescencia / ponto de gota Coalescencia / ponto de gota

33 Regulação de Pulverização Volume de Calda vs. Tamanho da Sebe Volume de Calda vs. Tamanho da Sebe Zonas de pulverização « Zonas de pulverização « Coalescencia / ponto de gota Coalescencia / ponto de gota

34 Regulação de Pulverização Volume de Calda vs. Tamanho da Sebe Volume de Calda vs. Tamanho da Sebe Zonas de pulverização Zonas de pulverização Coalescencia / ponto de gota « Coalescencia / ponto de gota «

35 Objectivos Conhecer 3 situações concretas de aplicabilidade das macerações. Conhecer 3 situações concretas de aplicabilidade das macerações. Identificar os pontos críticos da realização de uma maceração. Identificar os pontos críticos da realização de uma maceração.

36 BOM TRABALHO... em Comunhão com a Natureza!


Carregar ppt "Tratar Plantas com PLANTAS Pico | sede Ass. Jovens Agricultores do Pico ~ Ribeira do Meio ~ André Henriques da Silva [ ] Outubro 2009."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google