A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Luis Roque klering Inovações nas organizações empresariais, públicas e sociais: tipos e propriedades.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Luis Roque klering Inovações nas organizações empresariais, públicas e sociais: tipos e propriedades."— Transcrição da apresentação:

1 Luis Roque klering Inovações nas organizações empresariais, públicas e sociais: tipos e propriedades

2 Luis Roque klering Professor da EA/UFRGS (graduação e PG); Mestrado PPGA/UFRGS; Doutorado FEAC/USP; Em pós-doutorado no EGC; tema: Governança Digital Pública Experiência em TI desde 1974; mentor AVA NAVI Interesses de estudo: estrat. org.; Adm P.; EAD.

3 Inovações empresariais Conceito de Inovação: constitui um processo fundamental de produção de um produto (bem ou serviço), visando a alcançar diferenciação no mercado, e conseqüentemente também lucros, visando a sustentar novas atrações de capital. Fonte: texto original "Que tipo de inovação buscar", de Geoffrey A. Moore, publicado na revista The Harvard Business Review e Zero Hora de 02/06/2005)

4 Inovações empresariais Tipos de Inovações: a) de ruptura: decorre da descontinuidade de uma tecnologia; ou seja, uma outra tecnologia nova substitui uma anterior; gerando um mercado novo, diferente. Ex.: emergência do telefone celular, substituindo o telefone fixo; b) de aplicação: decorre do uso novo (alternativo) de uma tecnologia já existente, usando-a para novos fins. Ex.: uso do GPS para monitoramento de veículos; plataforma Moodle como plataforma de comunicação;

5 Inovações empresariais Tipos de Inovações: c) de produto: decorre da elevação do estágio de desenvolvimento de um bem ou serviço, para um novo patamar de capacidade e qualidade. Exemplo: novo release de um software; d) de processo: decorre da remodelação de um processo de produção já existente, tornando-o mais eficiente. Exemplo: criação da fila única em bancos, em lugar das antigas filas separadas para cada caixa;

6 Inovações empresariais Tipos de Inovações: e) de marketing: decorre da melhoria de comunicação e interação com clientes. Ex.: mecanismos de comércio eletrônico; f) de estrutura: decorre da alteração da estrutura de produção de um produto. Ex.: estruturação de fábricas (relacionadas) na forma de um cluster, condomínio ou sistema;

7 Inovações empresariais Tipos de Inovações: g) experiencial: decorre de alterações visando a melhorar a experiência de clientes, ao usarem um produto. Ex.: matrícula eletrônica; eventos de recepção festivos; aprendizagem com exercícios on-line e jogos de empresa; h) no modelo de negócios: decorre da reestruturação do papel de empresas na cadeia de valor de um negócio. Ex.: venda de carros ou microcomputadores por internet (diretamente da fábrica); prestação de serviços de profissionais diretamente na casa de clientes ou pacientes.

8 Inovações empresariais Ciclo de vida de produtos: Cada ciclo de vida de um produto tende a privilegiar certo tipo de inovação. A fase de mercado inicial de um produto pode ocorrer em função de inovação de ruptura, quando então visionários e entusiastas adotam rapidamente um novo produto. Foi o que ocorreu, por exemplo, na introdução do telefone celular, quando alguns entusiastas e visionários adotaram rapidamente a nova tecnologia. Esta fase (do mercado inicial) também pode ser ativada (estimulada) via inovações no produto (agregando valor ao mesmo), ou de aplicações (ampliando seu leque de possibilidades de uso). Por exemplo, aperfeiçoando uma plataforma de EAD, para ter mais opções de uso e maior diferenciação com outras plataformas de EAD.

9 Inovações empresariais Ciclo de vida de produtos: Na fase de limbo de um produto, pode ser conveniente enfocar (mirar) melhor um nicho específico de aplicação, que tem uma demanda mais específica a ser solucionada pela tecnologia; é o caso, por exemplo, que ocorre atualmente, com a aplicação do telefone celular para atender a demanda de internet de banda larga (3G). Na fase de boliche de um produto ou tecnologia, o mesmo ganha a aceitação entre pragmáticos. Nesta fase, um produto deve conseguir convencer potenciais clientes iniciais das suas vantagens. Foi o que ocorreu, por exemplo, em certa fase de difusão do telefone celular, em contraposição ao telefone fixo. Em relação à plataforma de EAD NAVi, a mesma necessita convencer potenciais clientes das suas vantagens em relação a outras, instalando-a em pontos (usuários) específicos.

10 Inovações empresariais Ciclo de vida de produtos: Na fase de tornado de um produto ou tecnologia, a mesma passa por uma fase de grande aceitação e difusão, passando a constituir um padrão para as aplicações em geral. É a fase que está ocorrendo atualmente com o uso crescente de notebooks, em contraposição aos computadores de mesa; dos monitores de cristal em contraposição aos convencionais; de TVs de telas planas, em substituição às telas convencionais.

11 Inovações empresariais Ciclo de vida de produtos: Após a fase de tornado, um produto ou tecnologia tende a evoluir para uma fase de mercado de massa. Constitui um período de consolidação, em que a clientela espera usufruir das vantagens do produto, bem como de novos avanços tecnológicos. Tende a ocorrer uma fase de mercado de massa inicial, que depois amadurece e, por fim, que tende a ir para o declínio.

12 Inovações empresariais Ciclo de vida de produtos: Após percorrer essas diferentes fases de desenvolvimento, um produto ou tecnologia tende a desembocar para a fase de obsolescência e final de vida. É importante destacar que diferentes esforços de ativação e reativação, pela reintrodução de diferentes inovações (de produto, de aplicação, de estrutura etc.), podem manter um produto no mercado por um período praticamente indefinido. Às vezes pode ser forçando um término aparente ao mesmo, para reintroduzí-lo depois de outra forma, com nova tecnologia. É o que foi realizado, por exemplo, pela VW com seu famoso "Fusca", que permaneceu como produto viável durante várias décadas, até que foi "transformado" para um outro produto: o "Beetle".

13 Inovações públicas Propriedades de projetos inovadores: Dimensões das transformações: Relação com o ambiente (Planejamento) Organização/estrutura Direção/coordenação Cultura Distribuição do Poder Forma de Controle Tecnologia dos processos Relações humanas internas

14 Inovações públicas Propriedades (ou atributos) de projetos inovadores: a) Introdução de mudanças, qualitativas e quantitativas, em relação a práticas anteriores; um projeto deve introduzir novos modos ou modelos de provisão de bens e serviços, ser capaz de mudar hábitos ou costumes de trabalho, desenvolver produtos e serviços, tanto novos, quanto renovar antigos ;

15 Inovações públicas Propriedades de projetos inovadores: b) Melhoria da qualidade de vida do público-alvo; um projeto deve ser capaz de gerar novas fontes de renda, ou melhorar a habitação, saneamento, saúde, educação do público-alvo; aumentar os cuidados com o meio-ambiente, as relações com as comunidades, a segurança, a liberdade de expressão, a autoestima dos cidadãos; c) Auto-sustentabilidade; um projeto deve ser capaz de vir a sustentar-se de forma própria ou autônoma, tendo em vista seu enfoque no desenvolvimento das pessoas e instituições envolvidas, evitando práticas paternalistas;

16 Inovações públicas Propriedades de projetos inovadores: d) Viabilidade técnica, social, política, ecológica, gerencial, econômica e financeira ; um projeto deve ser exeqüível em termos técnicos, sociais, políticos, ecológicos, gerenciais, econômicos e financeiros, ou seja, dispor de tecnologia e recursos suficientes e adequados para sua implementação, e proporcionar adequada relação custo-benefício; e) Credibilidade pública; um projeto deve merecer das instituições envolvidas na sua implantação suficiente importância e visibilidade interna, e oferecer pronta-resposta a demandas do público-alvo;

17 Inovações públicas Propriedades de projetos inovadores: f) Accountability; um projeto deve ter suas contas e seu funcionamento apresentado de forma clara, objetiva e transparente aos seus apoiadores e à sociedade em geral, com prestações regulares de contas; g) Desenvolvimento de tecnologia (de gestão) e responsabilidade na utilização de recursos e oportunidades; um projeto deve melhorar a gestão de recursos sociais, criando e melhorando tecnologias (de gestão), desenvolvendo novas habilidades de ação, dentro de critérios de ética, eficiência, correção e justiça;

18 Inovações públicas Propriedades de projetos inovadores: h) Consolidação e ampliação do diálogo com a sociedade civil; um projeto deve melhorar a comunicação, interação e envolvimento de uma comunidade, em relação a assuntos de seu interesse, criando uma maior “massa crítica” e consciência social, assim como maior responsabilidade pelas coisas públicas; h) Articulação com diferentes setores sociais; um projeto deve melhorar a comunicação, a interação e envolvimento entre os diferentes setores e atores sociais: o setor público, o setor privado, e o chamado “terceiro setor”, em relação a demandas e assuntos de interesse real e potencial da sociedade, criando maior responsabilidade e solidariedade social, formulando e implementando soluções, principalmente via redes de ações

19 Inovações públicas Propriedades de projetos inovadores: h) Articulação entre diferentes atores, grupos, coletivos e segmentos sociais; um projeto deve melhorar a comunicação, participação e comprometimento de diferentes atores, grupos de interesse, coletivos e segmentos sociais, em relação a demandas e assuntos de interesse real e potencial da sociedade, criando maior responsabilidade social, engajamento cívico e solidariedade social, via atuação preferencial em redes; i ) Articulação entre governos de mesmo nível; um projeto deve melhorar o entendimento e a busca de soluções conjuntas entre governos de mesmo nível, via formação de parcerias, associações ou redes de atuação conjunta, de grupos de municípios ou grupos de Estados ;

20 Inovações públicas Propriedades de projetos inovadores: j) Articulação entre governos de diferentes níveis; um projeto deve melhorar o entendimento e a busca de soluções conjuntas entre governos de diferentes níveis, via formação de parcerias para atuação conjunta, em que cada ente federativo cumpre determinado papel, como parte de um sistema ou de uma rede, visando alcançar objetivos comuns entre municípios e Estados e a União; k) Transferibilidade; um projeto deve criar condições e tecnologias transferíveis e aproveitáveis em outras áreas, contextos, administrações e regiões;

21 Inovações públicas Propriedades de projetos inovadores: l) Ampliação do número de beneficiários; um projeto deve gerar impactos não apenas sobre o público-alvo principal, mas também sobre outros cidadãos e segmentos localizados ao redor, passíveis de serem sensibilizados e beneficiados de forma indireta; m) Permeabilidade ao público-alvo; um projeto deve aproximar-se do público-alvo, ser entendível e compreensível, suficientemente simples, informal e coerente com o modo de vida prevalente, para ser facilmente contatado, assimilado e adotado na vida cotidiana dos cidadãos;

22 Inovações públicas Propriedades de projetos inovadores: n) Simplificação da vida dos cidadãos; um projeto deve facilitar e simplificar o acesso dos cidadãos a bens e serviços públicos e sociais; deve racionalizar ações, visando maior eficácia, sem desconsiderar aspectos de tradições, de afeições e de valores do público-alvo; o) Inclusão de minorias sociais; um projeto deve estimular a inclusão ou reinclusão de minorias desfavorecidas historicamente na sociedade, privilegiando maior integração e participação social de segmentos étnicos, de gênero, de idade e de classes sociais historicamente desfavorecidas/prejudicadas;

23 Inovações públicas Propriedades de projetos inovadores: p) Incorporação de tecnologias facilitadoras da ação pública; um projeto deve estimular a introdução de novas tecnologias (como internet, sistemas de acompanhamento informatizado e outros) que facilitem e tornem mais eficaz a ação pública, rompendo ou quebrando paradigmas de ação mais antigos e menos eficazes; q) Fortalecimento do poder de gerenciamento para governos; um projeto deve fortalecer a capacidade de regulação e gerenciamento efetivo de um governo; ao mesmo tempo que delega ações, deve fortalecer a capacidade de planejar, definir estratégias amplas e gerais, visando articular melhor as ações de diferentes atores e setores da sociedade, bem como assegurar para si poder de regulação das ações dos sistemas do território governado

24 Inovações públicas Propriedades de projetos inovadores: r) Enfoque sistêmico; um projeto deve ter enfoque sistêmico, em que as partes desempenham um papel integrativo para o alcance de objetivos comuns; em que se aceita caminhos ou opções alternativas (ao invés de lineares e únicas); em que se considera o sistema focado como contendo partes e, ao mesmo tempo, fazendo parte de um sistema maior; e onde se aceitam constantes prevenções, reavaliações e reajustes; e se enfatizam mais perspectivas dinâmicas e integrativas, do que estáticas e pontuais.

25 Inovações sociais Propriedades de projetos inovadores: As organizações sociais (ONGs, associações, fundações sem fins lucrativos, OSCIPs etc. ) são constituídas para realizarem serviços de interesse social. Constituem o 3º. Setor, nem público, nem privado.

26 Inovações sociais Propriedades de projetos inovadores: Seus projetos podem “carregar”, em grande medida, as mesmas propriedades que os projetos do setor público. Ao mesmo tempo, podem ter maior flexibilidade de ação, estarem submetidas a menos regras/leis e controles públicos, menos burocracias, terem objetivos mais rapidamente definidos e redefinidos. Podem ocupar mais facilmente lacunas da sociedade e do mercado, auxiliando os setores público e privado nos seus papeis e nas suas responsabilidades.

27 Muito obrigado pela atenção!


Carregar ppt "Luis Roque klering Inovações nas organizações empresariais, públicas e sociais: tipos e propriedades."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google