A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

FLUXOS PAPILARES Prof. Dr. Ângelo do Carmo Silva Matthes Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "FLUXOS PAPILARES Prof. Dr. Ângelo do Carmo Silva Matthes Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP."— Transcrição da apresentação:

1 FLUXOS PAPILARES Prof. Dr. Ângelo do Carmo Silva Matthes Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP

2 Derrame Papilar (Fluxo, Descarga) Saída de secreção pela papila mamária, não associada à gravidez ou gestação. 50% das mulheres na menacme apresentam descarga à expressão sem patologia associada. 1 em 4 mulheres com descarga unilateral, uniductal, sero-sanguinolenta, persistente e espontâneo com mais de 65 anos tem Ca de Mama

3 Descarga sanguinolenta espontânea

4 Derrame Papilar Diagnóstico Idade Tempo da última lactação Estresse e uso de medicamentos Condições patológicas prévia Características da secreção

5 Derrame Papilar Características da Secreção –Espontânea ou à expressão –Bilateralidade –Coloração –Quantidade e freqüência –Associação a tumor –Aspecto

6 Derrame Papilar

7

8 Pesquisa do derrame papilar -Citologia da secreção -Exames subsidiários -Ductografia – desusada -Mamografia -Ultra-sonografia

9 Exames na pesquisa da galactorréia -TSH -PROLACTINA -RX DA SELA TÚRCICA -RESSONÂNCIA MAGNÉTICA(se PRL>100ng/ml Rx sela anormal)

10 CITOLOGIA DE DERRAME PAPILAR -MATERIAL ACELULAR - NEGATIVO PARA MALIGNIDADE -POSITIVO PARA MALIGNIDDADE -CONSISTENTE COM LESÃO PAPILAR -CONSISTENTE COM PROCESSO INFLAMATÓRIO

11 CITOLOGIA DE DERRAME PAPILAR - MATERIAL ACELULAR – DESCARGA PAPILAR SEROSA MATERIAL AMORFO – LIPO-PROTEINÁCEO SEM CÉLULAS BENIGNAS OU MALIGNAS -NEGATIVO PARA MALIGNIDADE:ESTASE. ECTASIA DUCTAL CELULARIDADE VARIÁVEL ABUNDANTES MACRÓFAGOS ESPUMOSOS CELULAS COM ALTA RELAÇÃO NÍCLEO-CITOPLASMA NÚCLEOS REDONDOS COM CROMATINA COMPACTA CÉLULAS APÓCRINAS PODEM ESTAR PRESENTES

12 CITOLOGIA DE DERRAME PAPILAR -CONSISTENTE COM LESÃO PAPILAR: PAPILOMATOSE, PAPILOMA, CARCINOMA PAPILAR CELULARIDADE VARIÁVEL PRESENÇA DE CÉLULAS EPITELIAIS, MACRÓFAGOS ED CELULAS APÓCRINAS ESTRUTURAS SINCICIAIS PAPILIFORMES DE CELULAS EPITELIAIS NUCLEO POUCO AUMENTADO COM CROMATINA GRANULAR FUNDO PROTEINÁCEO OU SANGUINOLENTO -

13 - CITOLOGIA DE DERRAME PAPILAR -POSITIVO PARA MALIGNIDDADE CELULARIDADE VARIÁVEL PRESENÇA DE CÉLULAS EPITELIAIS POUCO COESAS OU ISOLADAS ESTRUTURAS SINCICIAIS PAPILIFORMES DE CELULAS EPITELIAIS NÚCLEO AUMENTADO PLEOMÓRFICOS COM MEMBRANA IRREGULAR CROMATINA GRUMOSA E NUCLÉOLO EVIDENTE -

14 - CITOLOGIA DE DERRAME PAPILAR --CONSISTENTE COM PROCESSO INFLAMATÓRIO PRESENÇA DE MACRÓFAGOS, NEUTRÓFILOS, GIGANTÓCITOS DO TIPO CORPO ESTRANHO CELULAS EPITELIAIS POUCO FREQUENTES COM CITOPLASMA REGULAR NÚCLEOS REDONDOS; CENTRAIS E CROMATINA DELICADA

15 DESCARGA MAMILAR

16 CELULAS HISTIOCITÁRIAS

17 CÉLULAS METAPLÁSICAS

18 Causas de derrame papilar - Carcinoma Derrame papilar espontâneo, persistente ou Intermitente, por por único, unilateral, sangüíneo, Serosangüíneo ou aquoso tipo água de rocha.

19 Descarga papilar unilateral uniductal cristalina -a que mais se associa ao carcinoma Derrame pastoso Pode corresponder a: -neoplasia maligna -carcinoma in situ -comedocarcinoma -neoplasia intraductal

20 Descarga bilateral multiductal – galactorréia – secreção leitosa - ectasia ductal não leitosa - papilomatose

21 Galactorréia -derrame papilar lácteo ou colostro-símile fora do ciclo gravídico-pureperal. -portanto não fisiológica -associado a hiperprolactinemia na maioria das vezes - pode estar presente nas pacientes normoprolactinêmicas - pode estar ausente nas pacientes hiperprolactinêmicas -pode resultar de causas fisiológicas, iatrogênicas ou patológicas. -eventualmente amarelada ou esverdeada -bilateral frequentemente, às vezes unilateral -multiductal -pode ser acompanhada de amenorréia, oligoovulação e insuficiência do corpo lúteo

22 Galactorréia -33% das mulheres com amenorréia secundária tem hiperprolactinemia -galactorréia é rara no homem

23 Causas de hiperprolactinemia -uso de derivados de fenotiazina reserpina anfetamina opiáceos diazepínicos butirofenomas alfameildopa antidepressivos tricíclicos -estresse -trauma -cirurgia -anestesia -hipertireoidismo -tumores

24 Tumores que dão hiperprolactinemia levando à galactorréia -adenoma hipofisário -tumor pulmonar (oat cell) -tumor renal -leiomioma uterino Síndromes associadas com galactorréia -Forbes-Albright (tumor intraselar) -Chiari-Frommel (galactorréia inapropriada pós-parto -Argonz del Castilho (galactorréia e amenorréia sem história de gestação prévia)

25 Prolactina elevada -inibe secreção pulsátil de GnRH -tem efeito feedback positvo de alça curta sobre a dopamina -a elevação da dopamina suprime a função do núcleo arqueado -a elevação da dopamina reduz o GnRH

26 Tratamento - Derrame papilar Não há necessidade de terapêutica, exceto: Descarga espontânea abundante Ponto gatilho Incômodo da Paciente

27 Sinal do gatilho

28

29

30

31 Tratamento da galactorréia -agonista da dopamina Com microadenoma hipofisário microcirurgia transfenoidal (muito segura porém alta taxa de recidiva)

32 Tratamento e investigação do fluxo mamário Exérese de unidade mamária

33

34

35

36

37

38

39

40

41

42

43

44

45

46

47

48

49

50

51

52

53

54

55

56


Carregar ppt "FLUXOS PAPILARES Prof. Dr. Ângelo do Carmo Silva Matthes Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google