A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO)- 2009 Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO)- 2009 0 carcinoma in situ.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO)- 2009 Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO)- 2009 0 carcinoma in situ."— Transcrição da apresentação:

1

2 Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO) Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO) carcinoma in situ NIC IA1 Confined to the cervix, diagnosed only by microscopy with invasion of < 3 mm in depth and lateral spread < 7 mm IA2 Confined to the cervix, diagnosed with microscopy with invasion of > 3 mm and < 5 mm with lateral spread < 7mm IB1 Clinically visible lesion or greater than A2, < 4 cm in greatest dimension IB2 Clinically visible lesion, > 4 cm in greatest dimension IIA1 Involvement of the upper two-thirds of the vagina, without parametrial invasion, < 4 cm in greatest dimension IIA2 > 4 cm in greatest dimension IIB With parametrial involvement IIIA/B Unchanged IVA/B Unchanged

3 Exame clínico ginecológico Toque retal Cistoscopia seguida de biópsia Retossigmoidoscopia seguida de biópsia Urografia excretora, Rx tórax, enema opaco Denny L, Hacker NF, Gori J, Jones III HW, Ngan HYS, Pecorelli S. FIGO staging classifications and clinical pratice guideline for gynecological cancers. FIGO Committee on Gynecology Oncology. Int Gynaecol Obstet 2000; 70(2000): Rastreamento, diagnóstico e tratamento do carcinoma do colo do útero. Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina. Disponível em URL: Projeto Diretrizes. Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO)- 2009

4 INTRODUÇÃO Estadiamento preconizado pela Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO) Estadiamento Clínico O estadiamento do câncer de colo uterino proposto pela FIGO sofre críticas, pois não leva em consideração informações de exames imagenológicos como o Ultrasson, a Tomografia Computadorizada e a Ressonância Nuclear Magnética; não subdivide os estágios II e III em função do acometimento uni ou bi-lateral dos paramétrios; e tampouco valoriza os informes de exame histopatológico. Novaes PERS, Abrantes MAP, Viégas CMP. Programa de Qualidade em Radioterapia – Câncer de colo uterino. Ministério da Saúde/Instituto nacional do câncer Disponível em URL: Moore DH. Cervical cancer. Obstet Gynecol 2006; 107(5):

5 Whitley at al Radiology 1982

6 Estadiamento nodal recomendado é cirúrgico (FIGO) Estadiamento nodal recomendado é cirúrgico (FIGO)- 2009

7 Lesões abaixo de IB não são vistas em imagem ESTADIAMENTO-FIGO 0CARCINOMA IN SITU ICONFINADO AO COLO IA1Mínima invasão estromal IA2Componente invasivo < ou igual a 5 x 7 mm IBComponente invasivo > que IA2 IITUMOR ALÉM DO UTERO, RESPEITA PAREDE PÉLVICA E TERÇO INFERIOR DA VAGINA IIASem invasão parametrial IIBCom invasão parametrial IIIAINVADE 1/3 INFERIOR DA VAGINA, RESPEITA PAREDE PELVICA IIIBINVADE PAREDE PÉLVICA OU CAUSA HIDRONEFROSE IVAINVADE MUCOSA DE RETO E VAGINA OU EXTENSÃO ALÉM DA PELVE VERDADEIRA IVBMETÁSTASE A DISTÂNCIA

8

9 TC RM TCRM

10

11 I AI BI IAI IBI III V CIRURGIARADIOTERAPIA Estadiamento Invasão parametrial

12 TC RM Invasão Parametrial ESTÁGIO IIA OU IIB????

13 Hedvig Hricak1 and Kyle K. Yu Radiology in Invasive Cervical Cancer AJR 1996;167:

14

15

16

17 Estágio IIIB- invasão da parede pélvica

18

19 Estágio IVA

20

21 Estágio IVA- excede pelve verdadeira

22 Estágio IVB

23 Embora não alterar o estadiamento da FIGO, a detecção de linfonodos é um dos fatores prognóstico isolados mais importantes no câncer de colo uterino inicial. Reinhardt, 2001 Sakuragi, 1999 Kamura, 1999 Chen 1998

24 Hedvig Hricak1 and Kyle K. Yu Radiology in Invasive Cervical Cancer AJR 1996;167:

25 In contrast, tumor may be present in normal- sized nodes and may show FDG uptake. However, for small or necrotic lymph nodes or early nodal involvement, PET/CT is also limited, with high false-negative rates (34). RadioGraphics 2010; 30:1251–1268

26 PET/CT is known to be helpful in differentiating residual or recurrent disease from postirradiation fibrosis when CT findings are inconclusive. Nevertheless, FDG PET may fail to reveal microscopic residual tumor due to resolution limits (66).

27 PET/CT is limited in detecting (a) micrometastatic lung disease less than 1 cm 3 in volume and (b) retrovesical lesions, owing to the clearance of radiotracer into the bladder (54). CONTROVERSO!!!!

28

29

30 normal IB IIB

31

32

33

34

35

36 Obrigada !!!!!!


Carregar ppt "Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO)- 2009 Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO)- 2009 0 carcinoma in situ."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google