A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UGE-Sebrae/NA Novembro/2012. As MPE no Brasil 1- A importância das MPE na economia 2- Cenário internacional 3- Economia brasileira – Situação atual e.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UGE-Sebrae/NA Novembro/2012. As MPE no Brasil 1- A importância das MPE na economia 2- Cenário internacional 3- Economia brasileira – Situação atual e."— Transcrição da apresentação:

1 UGE-Sebrae/NA Novembro/2012

2 As MPE no Brasil 1- A importância das MPE na economia 2- Cenário internacional 3- Economia brasileira – Situação atual e perspectivas 4- Grandes mudanças sociais no Brasil 5- Expansão dos pequenos negócios

3 A importância das MPE na economia

4 Fontes: RAIS, CAGED, FUNCEX e Sebrae/NA,

5 Cenário internacional

6 Europa em crise (Zona do Euro) e resto do mundo em desaceleração, devendo se recuperar lentamente nos próximos anos.

7 EUA: projeções do FMI sinalizam recuperação lenta da economia, porém, com crescimento da relação dívida pública/PIB.

8 Cenário Internacional: Perspectivas • Recuperação lenta e gradual da economia dos EUA com crescimento (indesejado) da relação dívida/PIB. • Eventual agravamento da crise na Zona do Euro (não descartado) tende a prejudicar o fluxo financeiro internacional (escassez e encarecimento) assim como as transações comerciais globais. • Desaceleração do ritmo de crescimento da economia chinesa tende a deprimir os preços das commodities, principalmente, minerais e metálicas. • Com a retração dos mercados globais, há o risco de a China direcionar maior quantidade de seus produtos para países emergentes, como o Brasil, acirrando ainda mais a concorrência como os produtos nacionais, interna e externamente.

9 Economia Brasileira Situação atual e perspectivas

10 PIB brasileiro cresceu apenas 0,4% no 2º trimestre de 2012, prejudicado pela Indústria (ótica produção) e pelos Investimentos e Exportações (ótica demanda).

11 O setor de Serviços vem sustentando o crescimento do PIB, enquanto a indústria mostra-se fragilizada.

12 Taxa de câmbio (R$/US$), após ter se desvalorizado, tende a continuar no patamar entre R$ 2,00 e R$ 2,05 por dólar.

13 No curto prazo, processo de desindustrialização fica mais evidenciado que no longo prazo, pois mais setores foram impactados negativamente.

14 Rendimento real (R$ constantes de fev/12) Nos últimos 8 anos, o rendimento médio real (*) das pessoas ocupadas cresceu 29%. Mantido o ritmo atual, em 5 anos poderá crescer de 17% a 22% acumulados Fonte: Elaboração própria a partir do BACEN Rendimento médio (em R$ ctes de fev/12) (*) Nota: média móvel de 12 meses do rendimento médio real efetivo, no mês, das pessoas ocupadas

15 A inflação medida pelo IPCA deve fechar 2012 e anos seguintes acima da meta (4,5%), mas mostra-se sob controle.

16 Taxa básica de juros (Selic), depois de registrar o menor nível histórico, deve voltar a subir em 2014 para conter a inflação.

17 PIB – Taxa de crescimento real PIB deve crescer apenas 1,5% em 2012, mas são esperadas taxas maiores de crescimento nos próximos anos.

18 Grandes mudanças sociais no Brasil

19 Entre 2003/2011, 32 milhões de pessoas saíram das classes D/E para as classes C e A/B. Até 2014, mais 15 milhões podem seguir o mesmo caminho. Fonte: Centro de Políticas Sociais/FGV Milhões de habitantes por classe social Mudança de configuração das classes sociais

20 A proporção da população total na “Pobreza”(*) tende a convergir para algo próximo a 16% da população em % população total na pobreza (*) Pobreza: renda equivalente a duas cestas básicas “mínimas” recorde histórico recorde histórico % da População na pobreza Fonte: Elaboração própria a partir do IPEA DATA

21 Desigualdade (Coeficiente de Gini) A desigualdade de distribuição de renda (Coeficiente de Gini*) diminuiu de 0,61 para 0,54, entre 1990 e 2009 e deve convergir para algo próximo a 0,50 em Fonte: Elaboração própria a partir do IPEA DATA Coeficiente de Gini * Gini: 0 – igualdade absoluta (todas as pessoas têm o mesmo nível de renda); 1 – desigualdade absoluta (uma pessoa detém toda a renda) recorde histórico recorde histórico

22 Pobreza e Rendimento Fatores que têm contribuído para o aumento do rendimento médio real dos trabalhadores, queda da pobreza e da desigualdade: - Programa Bolsa Família - Aumentos reais do Salário Mínimo (SM) - Demanda aquecida por mão-de-obra qualificada - Aumento do nível de escolaridade da população - Redução da oferta de mão-de-obra na economia (expansão lenta da População em Idade Ativa – PIA)

23 Participação (%) da mulher na população A participação da mulher na população é de 51% e tende a crescer na PIA(*) e no grupo do Empresário + “Potencial” (**) Fonte: IBGE Participação % das mulheres (*) PIA: População em Idade Ativa (15 anos ou mais) (**) Empresário + “Potencial” = Conta Própria e Empregadores (com e sem CNPJ)

24 População brasileira (em milhões de pessoas) A população brasileira deverá totalizar 207 milhões em 2020, continuando a crescer até A partir daí, cairá em números absolutos. Fonte: Elaboração própria a partir do IBGE População no Brasil (em milhões) 2020

25 BÔNUS DEMOGRÁFICO (até 2020) Em 2020, a participação dos que têm 15 a 64 anos atingirá 71% da população total, decrescendo a partir de 2025 (em %). Fonte: Elaboração própria a partir dos dados do IBGE % sobre a população total 2020

26 Expectativa de vida (em anos) A expectativa média de vida do brasileiro (ao nascer) cresce, atualmente, 2 anos a cada década. Em 2020, será de 76 anos, devendo convergir, no longo prazo, para 84 anos. Fonte: United Nations Expectativa de vida (em anos) 2020/25

27 “Envelhecimento” da população brasileira A proporção dos que tem 40 anos ou mais crescerá, atingindo cerca de 40% da população em 2020 e 60%, em Fonte: Elaboração própria a partir do IBGE 2020

28 Mudanças econômicas e sociais Lenta expansão da oferta de mão-de-obra Maior escolaridade Tendência “estrutural” à queda nas taxas de desemprego, no Brasil Aumento dos custos com mão-de-obra Investimentos em Inovação e Sustentabilidade Retomada lenta do crescimento mundial Aumento dos custos das matérias primas

29 Expansão dos pequenos negócios

30 Forte crescimento a partir de 2009, principalmente por conta do EI. Quase 13 milhões de empresas no Simples até Fonte: Projeção Sebrae a partir de dados da Receita Federal Milhões de empresas Optantes pelo Simples

31 Em 2022, existirão 29,2 milhões de “Empresários e Potenciais Empresários”* e 12,9 milhões de EI + MPE formalmente constituídos Fonte: Elaboração própria a partir do IBGE (*) Empresário e Potenciais Empresários = Empregador e Conta Própria (com e sem CNPJ) Número de Empresários e Potenciais Empresários (em milhões) Número de EI + MPE (em milhões) e proporção dos formalizados

32 Em 2022, EI deverá ser maioria entre os optantes pelo Simples em todo o Brasil. ME e EPP deverão perder espaço. Composição Empresas Urbanas em 2012 e 2022 Fonte: Projeção Sebrae a partir de dados da Receita Federal

33 Obrigado ! • Informações sobre este documento: • Unidade de Gestão Estratégica Sebrae-NA • (61) • (61) • (61)


Carregar ppt "UGE-Sebrae/NA Novembro/2012. As MPE no Brasil 1- A importância das MPE na economia 2- Cenário internacional 3- Economia brasileira – Situação atual e."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google