A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Estratégias de implantação da prova tuberculínica em serviço de referência para HIV/AIDS em Campo Grande- Mato Grosso do Sul Autores: Sandra Maria do Valle.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Estratégias de implantação da prova tuberculínica em serviço de referência para HIV/AIDS em Campo Grande- Mato Grosso do Sul Autores: Sandra Maria do Valle."— Transcrição da apresentação:

1 Estratégias de implantação da prova tuberculínica em serviço de referência para HIV/AIDS em Campo Grande- Mato Grosso do Sul Autores: Sandra Maria do Valle Leone de Oliveira, Anamaria Mello Miranda Paniago, Rivaldo Venâncio da Cunha, Olcinei Alves De Oliveira, Angelita Fernandes Druzian, Renato Andreotti Serviço de Referência de Doenças Infecciosas e Parasitárias/ Núcleo Hospitalar de Epidemiologia – HU/UFMS

2 TB infecção População mundial (5,4 bilhões): Estima-se: 1,7 bilhões (30%) estejam infectados por Mycobacterium tuberculosis- M.tb (PT ≥ 10mm) População do Brasil (180 milhões) Estimados 30 milhões de infectados por M.tb Dentre os 85,000 casos de TB no sistema de vigilância em torno de 8% são infectados pelo HIV. The UNION, Disponivel em: 1 jun. 2009

3 Implante do bacilo Disseminação hematogênica intra-celular Disseminação por contiguidade e linfo-hematogênica Infecção Tuberculosa Doença Conversão tuberculínica TB latente (PT positiva) Evolução da infecção tuberculosa 5% 95% 5% Eslaides cedidos por Paulo A. Costa (UDT-UFRJ- 2009)

4 A Prova Tuberculínica Aplicação intradérmica Pápula de aplicação Medição em milímetros Eslaides cedidos por Paulo A. Costa (UDT-UFRJ- 2009)

5 Fator de Risco adoecimento Risco relativo por TB ativa HIV Silicose 68 Transplante Insuficiência renal crônica10-25 Infecção recente (<1 ano) 13 Lesão Fibrótica no RX s/tto ant Perda de Peso > 15% 2-6 Diabetes Mellitus 2-4 Tx c/ inibidores de TNFa 4 ATS/CDC-Am J Respir Crit Care, Jan, 2000

6 Interpretação da PT Efeito Booster: –Avaliar possíveis casos de infecção (PT+) cujo 1º teste foi negativo ou fraco reator; –Aumento da induração em 6mm acima da PT anterior com resultado final ≥ 10mm; –Ocorre mais em populações idosas e HIV+

7 Objetivos

8 relatar as estratégias de utilização da prova tuberculínica na avaliação da infecção do Mycobacterium tuberculosis em pessoas com HIV/AIDS em um Hospital Universitário de Campo Grande de Mato Grosso do Sul.

9 Metodologia

10 Local e população: O Hospital-Dia Prof. Esterina Corsini do Hospital Universitário da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, em Campo Grande, é referência para doenças infecciosas e, em 2007 somavam 492 pessoas em acompanhamento clinico do HIV/AIDS. Período: A implantação da prova tuberculínica foi em julho de 2008: primeiro eixo operacional foi desenvolvido nos anos de ; segundo e terceiro eixo no primeiro semestre de 2008.

11 Re sultados

12 De onde partimos... Da análise da organização do serviço: que dependia do laboratório de imunologia para realização da PT; frequentemente não tinha PPD; agendava PPD com pouca flexibilização; Dos 108 pacientes atendidos no período estudado, 76,1% nunca haviam feito prova tuberculínica; A mediana de acompanhamento era de 8 anos. Muitos prontuários constavam a solicitação médica...mas não tinham resultados ou ao inverso.

13 Estratégias operacionais para implantação :decisão de prioridades por eixos

14 Treinamento de mais (02) pessoas no Serviço de referência Colaboração em treinamentos para o interior: Três Lagoas e Campo Grande Primeiro eixo : Recursos humanos Treinamento de um elemento chave na UDT/UFRJ

15 Aquisição de seringa de tuberculina Padronização da técnica de aplicação e leitura Dois serviços : laboratório e serviço de referência Geladeira e controle de temperatura PPD Rt23 fornecido pela SES Carteirinha com resultado Primeiro eixo : Aquisição de insumos para padronização da técnica

16

17 CARTEIRINHA DE BOLSO DO PACIENTE

18 Associação com data da coleta de carga viral e imediata a solicitação médica abertura do serviço para a demanda “ plasticidade, que é a capacidade de um serviço adaptar técnicas e combinar atividades de modo a melhor respondê-los, adequando-os a recursos escassos e aspectos sociais, culturais e econômicos, presentes na vida diária” Schimidt e Silva (2004) Terceiro eixo: Acolhimento e vinculação Estimulo a autonomia do usuário: convite para testagem Autorização pelo paciente para contato telefônico para retornar a leitura

19 Eixo: Recursos humanos Eixo: insumos e padronização da técnica Eixo: vinculação e acolhimento Anérgicos/ não infectados Infecção tuberculosa TB latente (PT positiva ) 76,5% 13,5% (15/ 108) 5% efeito booster (5/39)

20 De julho a dezembro de 2008, foram atendidos 108 pacientes, dos quais 15 (13,5%) tiveram resultados positivos para a prova tuberculínica; Todos foram encaminhados para o acompanhamento clinico e uso de quimioprofilaxia com Izoniazida.

21 Quais prioridades para manter a estratégia: investir nos três eixos treinamento de recursos humanos permanente, compreendendo a existencia da rotatividade; Sensibilização dos profissionais médicos, compreendendo que o dificil manejo do paciente com HIV o ajuda a esquecer da infecção latente; Manter vinculação e acolhimento do serviço de saúde.

22 Obrigada !


Carregar ppt "Estratégias de implantação da prova tuberculínica em serviço de referência para HIV/AIDS em Campo Grande- Mato Grosso do Sul Autores: Sandra Maria do Valle."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google