A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Planejamento Estratégico Institucional - Ongs Apresentação: Halem Guerra Nery Instituto Ambiental Ecosul de SC.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Planejamento Estratégico Institucional - Ongs Apresentação: Halem Guerra Nery Instituto Ambiental Ecosul de SC."— Transcrição da apresentação:

1 Planejamento Estratégico Institucional - Ongs Apresentação: Halem Guerra Nery Instituto Ambiental Ecosul de SC

2 A nova terceira via As atividades sem fins lucrativos de 22 países excluídas as congregações religiosas - movimentam US$ 1,5 trilhão, o equivalente a 5,1% do PIB mundial. Se fosse uma economia em separado, essa terceira via seria a 8ª posição no ranking mundial, à frente do Brasil, Rússia e da Espanha. No Brasil a força do voluntariado representa um contingente de mão de obra superior ao do funcionalismo público. Há aproximadamente 250 mil ONGs que empregam 1,2 milhão de pessoas e movimentam R$ 16 bilhões / ano (FGV) = a 1,6% do PIB Brasileiro (6% na Europa e EUA) A expressão econômica, no entanto, não é a mais relevante: o voluntariado ganha espaço na sociedade por sua presença no encaminhamento dos problemas sociais e defesa de interesses que vão desde a ecologia aos direitos humanos. O êxito e a qualidade do trabalho do terceiro setor - expurgados os mal intencionados que tentam utilizá-lo para outros fins - indicam a maneira como a sociedade promoverá a convivência entre as funções do Estado, as ações do mercado e a imensa tarefa entre as políticas públicas e o dia-a-dia das demandas sociais.

3 Planejamento Estratégico Teve origem nos Estados Unidos, nos anos 60, como evolução do planejamento a longo prazo.Se expandiu nos anos 80, com o método SWOT (strenghts, weaknesses, opportunities and threats- forças, fraquezas, oportunidades e ameaças). Com a recessão econômica, competição externa e corte de subsídios, surgiu a necessidade de melhoria de receitas, eficiência de custos, satisfação do cliente, motivação do funcionário e apoio público e veio então a busca da Qualidade Total

4 Planejamento Estratégico Definições: Planejamento - método integrado, formal e sistemático de tomada de decisão, que busca assegurar que as organizações (Núcleo Distrital) alcancem seus objetivos. Estratégia - conjunto de ações para ordenar e alocar os recursos organizacionais, de modo viável e particular, referenciado nas competências e falhas internas, e nas mudanças previstas no ambiente.

5 Planejamento Estratégico Princípios: ações guiadas por uma estratégia deliberadamente planejada produzem resultados mais satisfatórios que ações produzidas por outros meios. A estratégia é a resposta às ameaças e às oportunidades identificadas quando da análise do contexto, bem como dos pontos fracos e fortes encontrados na organização. Nascem do talento, do conhecimento acumulado, da imaginação e de projeções, devem ser quantificadas em termos de mão de obra, recursos financeiros e tempo. “O que se pode prever não nos assusta” Alternativa ao Planejamento Estratégico: Fazejamento resolver os problemas assim que eles surgem.

6 Planejamento Estratégico Valores: previsão; racionalidade; quantificação; submissão do indivíduo ao grupo; liderança empreendedora; democracia participativa;

7 Planejamento Estratégico Processo de decisão transparente e democrático Liderança empreendedora Democracia participativa

8 Planejamento Ação Monitoramento Ação Monitoramento Planejamento Planejamento Estratégico Ciclo básico:

9 fazer as atividades corretamente. fazer as atividades corretas. eficácia: eficiência: Planejamento Estratégico Conceitos:

10 Missão Diagnóstico do Ambiente Objetivos Estratégicos Indicadores de Desempenho Metas de Desempenho Monitoramento do Desempenho Planos de Ação Planejamento Gestão para Resultados Gestão

11 Gestão para Resultados Núcleo Distrital do RV Membros: Grupos temáticos;. coordenação;. participantes; Funções: determinar a direção estratégica; implementar e administrar o processo de mudança alinhado com a direção estratégica.

12 Organização sem uma missão definida Organização com foco em uma missão Missão CAOS Produto final

13 Perguntas chaves: Qual o propósito do Núcleo Distrital? Qual a área de atuação do grupo temático? Qual a abrangência do grupo temático? Missão

14 Cultura e Recreação Educação Saúde Reciclagem e Cidadania Meio Ambiente Infraestrutura Grupos Temáticos Exemplo:

15 Educação Infantil Ensino Fundamental Ensino Médio Escolas técnicas/vocacionais Educação para adultos/continuada Pesquisa

16 Saúde pública e educação sanitária Tratamento de saúde, essencialmente consultas Serviços médicos de reabilitação Tratamento da saúde mental Intervenção de crises Saúde

17 Meio Ambiente Controle e diminuição da poluição Reciclagem e destinação de resíduos Proteção e conservação dos recursos naturais Paisagismo e reflorestamento Animais Proteção e bem-estar do animal Preservação e proteção da vida selvagem Serviços veterinários Meio Ambiente

18 Segurança pública e prevenção do crime Reabilitação de delinqüentes Apoio à vítima Associação de proteção dos consumidores Organizações de serviços legais e leis com múltiplas finalidades Defesa do Cidadão

19 Instituto Ambiental Ecosul “ Promover, incentivar e divulgar a defesa,preservação e conservação do meio ambiente e a promoção do desenvolvimento sustentável em Santa Catarina.” Missão Exemplo:

20 Diagnóstico do Ambiente Político Sócio-cultural EconômicoDemográfico Legal Tecnológico Núcleo Distrital do Rio Vermelho

21 Diagnóstico do Ambiente Pontos chaves: análise dos cenários externo e interno ao Núcleo Distrital para avaliação das dificuldades e oportunidades à realização da missão; oportunidade de trabalhar em equipe e de conhecer as atitudes e opiniões a respeito do objetivo estratégico; levantamento de informações através de uma chuva de idéias.

22 Diagnóstico do Ambiente Ambiente interno: forças - atividades que funcionam bem, as quais a organização se orgulha em demonstrar e que proporcionam resultados; fraquezas – carências e atividades que poderiam ter sido feitas melhor, que caracterizam oportunidades de melhorias.

23 Diagnóstico do Ambiente Ambiente externo: oportunidades - fatores externos que favorecem as atividades da organização, contribuindo para o cumprimento de sua missão; ameaças - fatores de risco ao bom desempenho das atividades da organização, comprometendo o cumprimento de sua missão.

24 Objetivos Estratégicos Pontos chaves: são realistas e descritos para que possam ser compreendidos e utilizados pelos colaboradores; estão relacionados com a missão e devem ser entendidos e compartilhados pelos grupos de interesse:

25 Objetivos Estratégicos Grupo Temático BeneficiáriosFinanciadores Agentes governamentais Organizações parceiras Grupos de interesse :

26 Definição de Resultados: Benefícios e mudanças no ambiente e nos participantes durante ou após o desenvolvimento do trabalho. Gestão para Resultados

27 Possibilidades de mudanças: Conhecimento Atitudes Valores Habilidades Comportamento Condição Status Gestão para Resultados

28 Exemplos de mudanças: Atitudes Reconhecer que freqüentar a escola é necessário para o futuro sucesso Valores Acreditar que colar num teste é errado

29 Exemplos de mudanças: Habilidades Saber interpretar uma leitura Conhecimento Conhecer as necessidades nutricionais Gestão para Resultados

30 Exemplos de mudanças: Comportamento Usar meios verbais e não físicos para resolver um conflito Condição Obter uma melhoria na saúde Status Melhoria na condição de moradia da comunidade. Gestão para Resultados

31 Benefícios da Gestão para Resultados: Foco na missão Feedback e direcionamento para gestores Identificação de necessidades de treinamento Identificação de parceiros para colaboração Gestão para Resultados

32 Benefícios da Gestão para Resultados: Atração de beneficiários Avaliação da efetividade do programa Aumento da imagem pública Aumento na arrecadação de fundos Recrutamento de voluntários

33 Gestão para Resultados Benefícios da Gestão para Resultados: Maior responsabilização e transparência Melhoria na prestação de serviços

34 Indicadores de Desempenho Pontos chaves: são diretamente relacionados aos objetivos estratégicos e a missão; permitem o monitoramento do desempenho; devem ser compreensíveis, de fácil aplicação, e com responsabilidades definidas.

35 Indicadores de Desempenho Pontos chaves: são associados a quantificadores, que possibilitam a determinação de metas; os quantificadores são compostos de números absolutos ou percentuais; para cada indicador é determinada a frequência da coleta de dados e a área responsável.

36 Metas de Desempenho Pontos chaves: são referências para a avaliação do desempenho; estabelecem níveis de desempenho minimamente aceitáveis, de curto e médio prazos; devem ser realistas porém desafiadoras, encorajando o progresso em relação aos níveis históricos;

37 Monitoramento do Desempenho Pontos chaves: processo administrativo que visa assegurar que o Grupo Temático cumpra suas metas; instrumento para observação de tendências e gerador de planos de ação decorrentes das análises dos dados coletados.

38 Monitoramento do Desempenho Pontos chaves: tem a preocupação com o futuro, agindo com o foco no alcance das metas de desempenho de curto e médio prazo; é apresentado pelo coordenador do grupo; encoraja a mudança através do autocontrole e libera a coordenação para questões estratégicas de longo prazo.

39 Pontos chaves: avalia a eficiência e a eficácia dos planos de ação; facilita a identificação de problemas e a busca de soluções; ajuda a visualizar rapidamente a tendência evolutiva da área operacional; age como veículo de comunicação entre as áreas operacionais e a coordenação; Monitoramento do Desempenho

40 Planos de Ação Pontos chaves: promovem a melhoria contínua do grupo; são conseqüências das análises dos problemas bem como de suas causas;

41 Considerações finais: a organização é construída ao redor da informação e da comunicação e não da hierarquia; fica evidente o compromisso e a responsabilidade de cada um dentro da organização; os planos, as metas e as decisões são feitas em equipe sempre que possível; Gestão para Resultados

42 O que faz um grupo de trabalho bem sucedido são os Seres Humanos de CARÁTER e PROFISSIONALISMO. Pessoas por pessoas, não tem valor algum. Capital Humano é balela! O que move o mundo e faz as coisas acontecerem é o CARÁTER e o PROFISSIONALISMO das pessoas. Se a comunicação está ineficiente, o problema é o comunicador e não o comunicado; Se diariamente temos que "sair do sistema" para a coisa funcionar, o problema é o programador e não o sistema. CARÁTER e o PROFISSIONALISMO vem antes de pessoas e benefícios. Os Melhores Seres Humanos do mundo tem CARÁTER e PROFISSIONALISMO. Para eles, os benefícios são uma mera alavanca para atingir os objetivos sempre maiores que perseguem em todos os momentos de suas vidas. Quem perceber que é importante respeitar isso, irá criar o ambiente ideal à uma geração de riqueza sem precedentes. CARÁTER E PROFISSIONALISMO

43 Ditado chinês: Se dois homens vêm andando por uma estrada, cada um carregando um pão e, ao se encontrarem, eles trocarem os pães, cada homem irá embora com um... Porém, se dois homens vêm andando por uma estrada, cada um carregando uma idéia e, ao se encontrarem, eles trocarem as idéias, cada homem irá embora com duas..." Sempre que possível, troque idéias; elas esclarecem, acrescentam, ajudam, evoluem... Ainda que você não precise, servirão para o outro.

44 Para refletir “PREFIRO AQUELES QUE EU TENHA QUE SEGURAR DO QUE OS QUE EU TENHA QUE EMPURRAR” MARCELL TELES – AMBEV “O PIOR NAUFRÁGIO É DO NAVIO QUE NÃO PARTIU” AMYR KLINK “SE PARAR O BICHO PEGA, SE CORRER, NEM SEMPRE O BICHO COME” “O MAIOR RISCO DE TODOS OS RISCOS, É QUERER NÃO CORRER RISCOS” PETER L. BERSTEIN– LIVRO DESAFIO AOS DEUSES

45


Carregar ppt "Planejamento Estratégico Institucional - Ongs Apresentação: Halem Guerra Nery Instituto Ambiental Ecosul de SC."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google