A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Martins C., Barbeiro S., Canhoto M., Arroja B., Gonçalves C., Silva F., Cotrim I., Vasconcelos H. Centro Hospitalar de Leiria Novembro de 2013 Caracterização.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Martins C., Barbeiro S., Canhoto M., Arroja B., Gonçalves C., Silva F., Cotrim I., Vasconcelos H. Centro Hospitalar de Leiria Novembro de 2013 Caracterização."— Transcrição da apresentação:

1 Martins C., Barbeiro S., Canhoto M., Arroja B., Gonçalves C., Silva F., Cotrim I., Vasconcelos H. Centro Hospitalar de Leiria Novembro de 2013 Caracterização de população com hepatite B crónica seguida em consulta de Hepatologia de um hospital distrital XXVIII Reunião Anual do Núcleo de Gastrenterologia dos Hospitais Distritais

2 Caracterização em termos epidemiológicos, clínicos e terapêuticos dos doentes com hepatite B crónica seguidos em consulta de Hepatologia de um hospital distrital. Objectivo

3 Estudo retrospectivo com análise dos processos clínicos dos doentes com o diagnóstico de hepatite B crónica seguidos em consulta de Gastro- Hepatologia no Hospital de Leiria no período de Junho de 2009 a Junho de Feita análise dos seguintes parâmetros: género, idade, via de transmissão, características clínicas, bioquímicas, virológicas e histológicas, terapêutica e resposta à terapêutica. Material e métodos

4 Resultados Total de doentes incluídos: 100 Género

5 Média de idades 52.7 anos ± 11.3 Proveniência

6 Via de transmissão

7 Hábitos etílicos

8 > 25 g álcool/dia33% > 60 g álcool/dia21%

9 Consumo de drogas ev.

10 Co-infecções Hepatite C Hepatite D 3% 1%

11 Carga viral

12 Serologia

13 Transaminases

14 Biópsia Hepática Doentes biopsados 44% Grau de fibrose – score de Ishak

15 Estadio da doença 37 % Portadores inactivos 54 % Hepatite B crónica AgHBe negativa 9% Hepatite B crónica AgHBe positiva

16 Tratamento 25 % Doentes tratados 36 % Tentada mais do que uma terapêutica

17 Tratamento n = 18 n = 10 n = 3 n = 12

18 Interferão (n =18) 44 % completaram o tratamento Resposta virológica75% Resposta virológica sustentada 38% Perda de AgHBs 1 doente

19 Efeitos secundários Necessidade de suspensão terapêutica 22 % 56 % Interferão (n =18)

20 Lamivudina (n= 10) Resposta virológica60% Resposta virológica parcial20% Não resposta primária20% 16%: Breakthrough virológico

21 Adefovir (n=3)

22 Adefovir (n=3) Switch para Entecavir

23 Entecavir (n=3) Breakthrough virológico

24 Entecavir (n=3) Switch para Tenofovir Breakthrough virológico

25 Tenofovir (n=12)

26 Perda de AgHBe 1 doente Seroconversão AgHBe 1 doente Tenofovir (n=12)

27 AgHBs Seroconversão espontânea 2,7 %

28 10% Evolução 7% Cirróticos Abandono da consulta 2% Carcinoma hepato-celular Mortalidade 2% 1% Transplante hepático

29 Cirrose 57% > 60 g/dia

30 Conclusões Taxa baixa de seroconversão sob tratamento Elevada resposta virológica ao tenofovir Grau de fibrose baixo Elevada taxa de efeitos secundários do interferão versus boa tolerabilidade dos análogos dos nucleósidos/nucleótidos Elevada taxa de consumo de bebidas alcoólicas


Carregar ppt "Martins C., Barbeiro S., Canhoto M., Arroja B., Gonçalves C., Silva F., Cotrim I., Vasconcelos H. Centro Hospitalar de Leiria Novembro de 2013 Caracterização."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google