A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Orientação para Aposentadoria Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Orientação para Aposentadoria Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga."— Transcrição da apresentação:

1 Orientação para Aposentadoria Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga

2 Orientação para aposentadoria Entendendo a saúde na definição da Organização Mundial da Saúde: “situação de perfeito bem–estar físico, mental e social” da pessoa, devendo ser analisada de forma ampla e contextualizada, não podendo ser vista isoladamente. Envelhecimento / Ativo

3 Trabalho O trabalho é entendido como categoria fundante das relações sociais, isso implica dizer que esta categoria é o ponto de partida da humanização do homem, sendo o principal ordenador da vida humana; Na nossa sociedade o trabalho se constitui uma atividade central para o homem.

4  É um fenômeno mundial - está ocorrendo rapidamente, atingindo todas as classes sociais. Segundo Veras (1994), pela queda das taxas de mortalidade e fecundidade e ao aumento da expectativa de vida, resultado no crescimento da população idosa;  Atualmente há no mundo 600 milhões de pessoas com mais de 60 anos;  No Brasil 18 milhões. Até 2050, o número de idosos aumentará de 600 milhões a quase 2 bilhões. Envelhecimento

5 POPULAÇÃO MUNDIAL

6 BRASIL IBGE

7 BRASIL IBGE

8 Aposentadoria No Brasil, à aposentadoria, seguindo o exemplo de outros países, surge em resposta aos problemas sociais que se apresentavam à época e vinculavam-se às questões relacionadas ao envelhecimento do trabalhador que por meio dos movimentos operários lutavam por melhores condições de vida e trabalho; Desde então, como se refere Haddad (1993,p.18) “velhice e aposentadoria passaram a estar associadas”. O direito à aposentadoria – que inclui a velhice subsidiada e o direito de descanso no fim da vida - tornou-se uma extensão do direito universal do trabalho.

9 Aposentadoria Lei nº , de 1º de outubro de o Estatuto do Idoso. Que determina como obrigação do Poder Público “o estabelecimento de mecanismos que favoreçam a divulgação de informações de caráter educativo sobre os aspectos biopsicossociais de envelhecimento” (Artº 3º, VII), bem como a criação e estimulo de programas de preparação dos trabalhadores para a aposentadoria (Artº 28, II) com o intuito de estimular o pré-aposentado a realizar novos projetos sociais conforme seus interesses, esclarecendo também seus direitos sociais.

10 Servidores do Estado/RN Servidores : Ativos – Acima de 50 anos – (44%) Aposentados – Fonte: SEARH – Ago/14ª Lembrar: O aumento da expectativa de vida da população mundial exige uma reflexão mais profunda e ousada sobre as questões inerentes a esses processos

11

12 Servidores da UFRN Dados da UFRN Quadro atual: Servidores ativos – Servidores aposentados – Servidores acima de 50 anos – 2,453 (44,86%) Fonte: PROGESP – jul/14

13 Projeto Vida com Maturidade O Projeto Vida com Maturidade surgiu a partir de 2003 diante de um contexto social onde as ameaças de reforma no sistema da Previdência Social dos servidores públicos motivaram a correria destes à aposentadoria de forma precipitada, despertando assim, nos profissionais da área de Recursos Humanos preocupação com as questões ligadas ao aspecto psicossocial do indivíduo O projeto tem como público-alvo os servidores ativos acima de 50 anos e aposentados.

14 Ações do Projeto OBJETIVO: Oportunizar aos servidores um espaço permanente no âmbito da UFRN para reflexão, expressão e conscientização dos aspectos biopsicossociais do processo de envelhecimento e da aposentadoria enquanto momentos de transição na vida do ser humano. Ações: – Atendimento Multiprofissional; – Encontro vida com Maturidade; – Grupo recriando com Maturidade.

15 Atendimento Multiprofissional Visa acolher, orientar e acompanhar os servidores em processo de aposentadoria por invalidez e compulsória objetivando a elaboração de um projeto de vida.

16 Encontro Mensal Vida com Maturidade Consiste num momento de interação social fomentador de ações preventivas biopsicossociais, estimulando uma participação ativa, com investimento no autocuidado, na cidadania e nas relações sociais. Oportuniza, ainda, uma reflexão do processo de envelhecimento e aposentadoria, objetivando ajustamento saudável para essa etapa da vida.

17 Os eventos abordam temas visando à promoção da saúde e melhoria da qualidade de vida na área da aposentadoria e envelhecimento, relacionamento interpessoal, atividade física, nutrição funcional, sexualidade, cultura e lazer, saúde mental, Direitos e cidadania. Encontro Mensal Vida com Maturidade

18 Grupo Recriando com Maturidade São encontros de vivências grupais que privilegiam o contato entre os indivíduos, troca de experiências, reflexão sobre a história de vida, perdas e ganhos da aposentadoria e a elaboração de um novo projeto de vida.

19 Objetivos: Favorecer a reflexão sobre as perdas e os ganhos que acompanham o processo de transição do envelhecimento e da aposentadoria, possibilitando uma tomada de decisão consciente. Grupo Recriando com Maturidade

20 METODOLOGIA Ênfase em três focos principais: 1.Autoconhecimento 2.Perdas 3.Ganhos  Dinâmicas de grupo, vivências (privilegiando o contato entre os indivíduos e a troca de experiências);  Palestras temáticas;  Elaboração do plano de vida.

21 Resultados observa-se a eficácia do trabalho grupal quando são relatados aspectos relacionados a : minimização da ansiedade; mudança significativa no sentimento e percepção sobre a aposentadoria; mudança para hábitos de vida mais saudáveis; aumento significativo da disponibilidade, antes da aposentadoria, para novos investimentos em relacionamentos afetivos, trabalho voluntário, lazer, cultura e espiritualidade.

22 Simpósios Vida com Maturidade Além das ações direcionadas ao seu público-alvo, o Projeto desenvolve também o “Simpósio Vida com Maturidade”, que aborda temas referentes à aposentadoria e ao envelhecimento saudável para a comunidade acadêmica e sociedade civil.

23 REFLEXÕES A aposentadoria e o envelhecimento são momentos de transformações na vida do trabalhador. Surgindo demandas que devem ser redirecionadas num processo de inovação da energia produtiva e ressignificação da visão de ser humano; É necessário que os profissionais que trabalham com a temática se envolvam com as questões pertinentes a esses processos. Numa sociedade que camufla o envelhecimento a aposentadoria ainda é vista com preconceito. Diante desse quadro: O que está fazendo o Estado? Os gestores? Os profissionais?

24 FACILITAR A VIVÊNCIA DA APOSENTADORIA

25 Responsabilidade por si próprio; Com ênfase nos aspectos físico, espiritual, emocional entre outros; É uma possibilidade para observar-se e perceber como está o corpo físico, mental e emocional, e poder agir sobre eles de maneira benéfica e saudável. ESTIMULAR O AUTOCUIDADO

26 COMBATER O ISOLAMENTO SOCIAL

27 ESTIMULAR A CAPACIDADE CRIATIVA

28 ELEVAR A AUTOESTIMA

29 DISSEMINAR APOSENTADO: SER ATIVO

30 ATIVIDADE FÍSICA

31 PARTILHAR EXPERIÊNCIAS

32 AÇÕES PREVENTIVAS

33 INFORMAÇÃO SOBRE OS DIREITOS

34 O NOVO APRENDER O NOVO

35 NOVO TRABALHO - FORMAL OU VOLUNTÁRIO

36 ARTE, CULTURA E LAZER

37

38 Contatos Equipe técnica: Donália Cândida Nobre – Assistente Social Luciani Soares Silva Macedo – Psicóloga Suzana Pacheco Ferreira de Melo – Psicóloga Telefone: R. 352/356 projetovidacommaturidade.blogspot.com.br /


Carregar ppt "Orientação para Aposentadoria Donália Cândida Nobre Assistente Social Suzana Pacheco F. de Melo Psicóloga."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google