A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Grupo de Pesquisa HANDOFFS Reunião 01 Horário: 14horas Dia: 10 de Fevereiro, 2014 Local: Sala de Reunião No. 1 da FACE 1.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Grupo de Pesquisa HANDOFFS Reunião 01 Horário: 14horas Dia: 10 de Fevereiro, 2014 Local: Sala de Reunião No. 1 da FACE 1."— Transcrição da apresentação:

1 Grupo de Pesquisa HANDOFFS Reunião 01 Horário: 14horas Dia: 10 de Fevereiro, 2014 Local: Sala de Reunião No. 1 da FACE 1

2 Presentes ao Encontro Antonio Isidro Filho* Corina Bontempo Duca de Freitas Guillermo Asper Isabela Pereira Rodrigues Juce Andrade Julia Bucher-Maluschke 2 * Chefe do ADM que esteve presente para realizar a abertura do encontro

3 Apresentações do participantes: para nos conhecermos melhor, ajudar no entrosamento interpessoal e externar nossos interesses quanto a participar do projeto; (IO) Intenção original do projeto HANDOFFS com paciente como sujeito da ação. Apresentação proposta de projeto de pesquisa. Discussão do projeto e estabelecimento do curso de ação a ser seguido. 3

4 Intenção Original (IO) do Projeto Handoffs: Definição Tradicional ▫Trata da interação entre profissionais decorrentes da transição entre eles do paciente como objeto da ação de saúde. Contemplando aspectos de transferência de informações, responsabilidade e autoridade relacionadas aos cuidados com o paciente. 4

5 (IO) Definição proposta para: Projeto Handoffs Paciente Sujeito Trata das interações no ambiente de saúde ocorridas entre o profissional, o paciente e seu grupo de apoio, sendo o paciente sujeito da ação. E envolve troca de informações, transferência e aceitação de responsabilidades e reconhecimento do compartilhamento parte à parte da autoridade dos lados da interação 5

6 (IO) Modelo Para Reflexão de Papel Plausível para Handoffs Paciente Sujeito 6 LITERATURA RECONHECIDA NORMAS INTERNAS OBSERVAÇÃO DA REALIDADE REFLEXÃO SOBRE O PAPEL

7 (IO) Foco de atenção Neste primeiro contato com o tema e sua realidade a abordagem durante o ano 2014 observará os seguintes parâmetros: ▫a) o estudo será feito num hospital de ensino certificado, na capital do Brasil. ▫b) os pesquisadores serão alunos e professores de curso da Universidade de Brasília em Gestão e Inovação de Processos Críticos em Organizações de Serviço; ▫c) os pacientes foco da pesquisa serão aqueles diabéticos ou hipertensos agendados com antecedência para realização de cirurgias; ▫d) o processo a ser caracterizado consiste no conjunto de etapas do processo de admissão para internação; ▫e) a situação de handoffs tipo paciente sujeito da ação consiste na interação entre profissionais de saúde, na presença ativa do paciente. E entre estes profissionais e o próprio paciente, durante o processo de admissão. Os documentos utilizados e as ações praticadas e o registro das percepções dos stakeholders associados à ação. 7

8 Apresentação proposta de projeto de pesquisa. 8

9 TítuloResumo Proposta Casastrada no DEx 9 GESTÃO E INOVAÇÃO EM ORGANIZAÇÕES DE SERVIÇOS HOSPITALARES (GIOS-HANDOFFS) Conhecer hábitos na transferência de informação e responsabilidade, com o paciente sujeito da ação. Estes observados nas interações entre agentes do hospital, pacientes e seu grupo de apoio, em situações de admissão. Trata-se de um estudo sobre handoffs tipo organização-cliente. As interações serão associadas as situações de risco presentes. Os pacientes serão diabéticos ou hipertensos agendados com antecedência para cirurgias. A Literatura, Normas e Realidade permitirão refletir sobre o papel.

10 Nome efetivo do projeto a implementar em 2014 POTENCIAIS RISCOS DE HANDOFFS COM O PACIENTE SUJEITO DA AÇÃO: OBSERVAR PROCESSOS DE ADMISSÃO DE PACIENTES EM HOSPITAL DE ENSINO CERTIFICADO NA CAPITAL DO BRASIL. 10

11 Pesquisadores Responsáveis Alaíde Francisca de Castro Corina Bontempo Duca de Freitas Guillermo Asper* Isabela Pereira Rodrigues Jane Dullius Juce Andrade Julia Bucher-Maluschke Rommel Mendonça Stenio Meirelles de Carvalho 11 * Pesquisador Organizador, viceCoordenador NEORG/CEAM/UnB

12 JUSTIFICATIVA DO PROJETO (a) Handoff clínico é um processo interativo de passagem de informação específica do paciente de um profissional para outro com o objetivo de garantir a continuidade e a segurança do cuidado do paciente (Wayne et al, 2008). 12

13 JUSTIFICATIVA DO PROJETO (b) Tratam-se de situações que requerem estreita coordenação e intenso e efetivo intercâmbio de informações, no ato em que a responsabilidade sobre o cuidado do paciente é compartilhada ou muda de mãos, ou quando a autoridade sobre as decisões a serem tomadas é igualmente compartilhada ou transferida (Friesen ), considerando-se ainda o papel da participação do paciente e seu grupo de apoio. 13 Pre-operative checklists and handover of patient from ward sister to operating theatre nurse, Chaucer Hospital

14 JUSTIFICATIVA DO PROJETO (c) Nos hospitais, handoffs ocorrem quando da admissão do paciente, quando é transferido de uma unidade para outra e quando recebe alta, quando são solicitados pareceres de especialistas, quando prescrições médicas são repassadas para a farmácia e em qualquer situação em que haja transferência da responsabilidade do cuidado do paciente entre pessoal de saúde - médicos, enfermeiros, farmacêuticos, entre outros (Chircu et al, 2013) 14 elective surgery patients often waited up to six hours at the pre-admission clinic for a junior doctor to be free to take their history. Eight District Health Boards (DHBs) Waikato

15 JUSTIFICATIVA DO PROJETO (d) Friesen et. al. (2008) ainda chamam a atenção para o fato que é o aumento do nível de especialização, logo a crescente complexidade dos serviços de saúde que aumentam o risco da execução de eventos handoffs uma vez que estes requerem transferência de responsabilidades, autoridade e informação. Essa especialização leva ao aumento da frequência de handoffs e a variedade de especialidades ao desafio do uso de uma linguagem comum a todos. 15

16 JUSTIFICATIVA DO PROJETO (d) Estudos têm demonstrado como momentos caracterizados como handoffs são importantes na prevenção de erros de medicação, fator determinante de grande parte de eventos adversos hospitalares, comprometendo a segurança do paciente e a eficácia e eficiência do cuidado oferecido. 16 The Rhode Island, Brown U. Educational Hospital was fined $50,000 after brain surgeons operated on the wrong part of the heads of three patients in 2007.

17 JUSTIFICATIVA DO PROJETO (e) Encontrou-se que segundo Runy (2008) 35% das situações de falhas médicas desnecessárias são consequência da quebra de comunicação em condições de handoffs. Um dos casos emblemáticos de handoffs mal sucedidos é o de Willie King, em Tampa, ainda no século 20. King teve a perna errada amputada uma vez que a transferência da informação foi errada, preenchida por um agente administrativo, cujo erro embora notado pela enfermeira do pool de enfermagem não foi alertado à enfermeira do turno, e a perna errada foi cortada. 17

18 JUSTIFICATIVA DO PROJETO (f) Em outro caso, uma cirurgia do coração (Rosen, N., 2011) foi executada no paciente errado. “Joan Morris” uma mulher de 67 anos fora internada num hospital para ter uma angiografia cerebral realizada. Concluído o procedimento a Senhora “Morris” foi enviada a um leito diferente de onde ela saíra. E no dia seguinte, no lugar de ser enviada para casa, como estabelecido, ela foi levada para a sala de cirurgia, desta vez para fazer uma cirurgia de coração aberto não requerida. E após permanecer aproximadamente uma hora na mesa de operações, o cirurgião de um departamento diferente chamou e perguntou o que é que estava sendo feito com sua paciente. Uma vez constatado o erro, o procedimento foi cancelado e a Senhora “Morris” foi devolvida ao leito em condição estável. Porém as consequências potenciais de uma cirurgia desnecessária criaram o risco desnecessário de enfarto, infecções, ou outros. 18

19 JUSTIFICATIVA DO PROJETO (g) Os exemplos mostrados falam por si sós. Chircu et al. (2013) observaram como handoffs podem envolver falhas quanto à validade, acurácia, completude e oportunidade da informação, E utilizaram técnicas de desenho e análise de processos hospitalares para ajudar a reduzir erros ao prevenir, detectar e corrigir falhas na qualidade da informação. 19

20 QUAL A LINHA DE ATAQUE? (a) Neste projeto, propõe-se a aplicar uma análise semelhante à de Chircu et al (2013) para avaliar riscos, em processos de admissão hospitalar, para encaminhar cirurgias eletivas de portadores de hipertensão ou diabetes. Estes pacientes utilizam um rol de medicamentos de uso contínuo e essenciais ao seu cuidado, avaliando a adequação dos processos handoffs na admissão quanto à continuidade dos tratamentos e, portanto, à segurança do paciente. 20

21 QUAL A LINHA DE ATAQUE? (b) A atenção à saúde centrada no paciente, estimulando o engajamento ativo deste no seu cuidado, tem se tornado parte integral das políticas de saúde americanas. Programas específicos de tomada de decisão compartilhada são incentivos a mudanças de atitude dos profissionais de saúde, facilitando a participação efetiva do paciente em seus contatos clínicos (Barry, 2012). 21 Nothing about me without me. — Valerie Billingham

22 QUAL A LINHA DE ATAQUE? (c) O respeito à autonomia da pessoa implica no reconhecimento de que ela própria é capaz de zelar pelo seu melhor interesse e, seguramente, deve-se reconhecer que a pessoa detém informações e experiências relevantes para o seu cuidado, especialmente no caso de doenças crônicas degenerativas. Dessa forma, o compartilhamento da tomada de decisões com o paciente, no que diz respeito à sua saúde, impõe-se como forma de diminuir o risco de erros e de respeito à sua autonomia como princípio ético e direito da pessoa. Torna- se interessante, portanto, analisar o grau de participação do paciente promovido no momento da admissão e correlacionar com a qualidade das informações repassadas. Assim, será utilizada abordagem de Barr (2014) para medir a percepção do paciente quanto a oportunidade que lhe é dada de participação, utilizando a escala CollaboRATE. 22

23 QUAL A LINHA DE ATAQUE? (d) CollaboRATE (1)- Compartilhando decisões? How much effort was made to help you understand your health issues? Quanto esforço foi feito para ajudá-lo a compreender seu problema de saúde? How much effort was made to listen to the things that matter most to you about your health issues? Quanto esforço foi feito para escutar as coisas que você considera mais importantes sobre o seu problema de saúde? How much effort was made to include what matters most to you in choosing what to do next? Quanto esforço foi feito para incluir o que você considera mais importante ao escolher o que fazer em seguida? Escala 0 (no effort at all), - nenhum esforço foi feito 1 (a little effort was made) - um pequeno esforço foi feito 2 (some effort was made) - algum esforço foi feito 3 (a lot of effort was made) - muito esforço foi feito 4 (every effort was made) – todo o esforço possível 23

24 QUAL A LINHA DE ATAQUE? (e) A pesquisa quer conhecer e divulgar os hábitos praticados durante a transferência de informação e responsabilidade, considerado o paciente como sujeito da ação, nas interações ocorridas entre os agentes da organização de saúde, os pacientes e seu grupo de apoio, em situações de admissão hospitalar. Eventuais sugestões de inovações poderão auxiliar a minorar erros e retrabalho, permitindo então propor e efetivar implementações de melhoramentos. 24

25 QUAL A LINHA DE ATAQUE? (f) Brodzinski (2011) destaca que como a conveniência da inovação de processos não pode ser praticada indiscriminadamente se faz necessário um critério de escolha prioritária, e nesses casos os processos handoffs se destacam pela sua condição estratégica. 25

26 OBJETIVO GERAL: Conhecer o processo de admissão de pacientes em um hospital universitário para identificar situações de risco para o paciente no processo de handoff e a correlação com a participação efetiva do paciente. Objetivos específicos: Mapear os processos handoffs durante a admissão hospitalar quanto as ações normatizadas e profissionais responsáveis Observar o processo ocorrendo na prática rotineira e comparar com as normas Conhecer a percepção do paciente sobre sua participação na tomada de decisões e separadamente dos profissionais de saúde que o atendem. Identificar situações de riscos potenciais para o paciente no processo estudado e sua correlação com o nível de participação do paciente 26

27 ETAPAS Mapeamento do processo de admissão a partir das normas hospitalares Observação do processo na prática Entrevista com os profissionais que atendem. Aplicação de questionário em pacientes atendidos e seu grupo de apoio, quando existir 27

28 Discussão do projeto e estabelecimento do curso de ação a ser seguido. 28

29 (IO) Definição sujeita ajustamentos por parte dos participantes do projeto. Handoffs do tipo Paciente Sujeito da Ação. Esta situação consiste na interação entre profissionais de saúde, na presença ativa do paciente. E entre os profissionais de saúde que atendem este paciente, o próprio paciente e seu grupo de apoio, durante os processos de admissão. Os documentos utilizados e as ações praticadas e o registro das percepções dos stakeholders associados à ação. Envolvendo troca bidirecional de informações e aceitação mútua de coresponsabilidades, além de compartilhamento e delimitações de autoridade e decisões sobre a matéria. 29

30 Admissão hospitalar Mapear os processos handoffs durante a admissão hospitalar quanto as ações normatizadas e profissionais responsáveis 30

31 Pacientes de cirurgias eletivas (a) Passo-a-passo (segundo o setor de internação/alta e práticas da clínica cirúrgica). Estas informações preliminares são provenientes de membro da equipe do projeto. a) marcação da data e orientações de preparo para a cirurgia; b) o paciente dois dias antes da cirurgia deve se cientificar da existência de leitos disponíveis para sua internação c) em havendo disponibilidade o paciente deve chegar no setor de internação às 14 horas, um dia antes da data da cirurgia, notadamente aqueles a serem operados na parte da manhã; 31

32 Pacientes de cirurgias eletivas HA1 32

33 Pacientes de cirurgias eletivas (b) Passo-a-passo (continuação) d) não havendo disponibilidade para os pacientes a serem operados na parte da tarde, estes devem chegar pela manhã. e) no setor de internação os pacientes são identificados; f) já identificados estes são acompanhados até a clínica cirúrgica por funcionário da internação; 33

34 Pacientes de cirurgias eletivas HA2 34

35 Pacientes de cirurgias eletivas (c) Passo-a-passo (continuação) g) chegando à recepção da clínica, os que serão submetidos a cirurgia, recebidos por enfermeiro; h) estes seguem então para sala de orientações e normas/rotinas operatórias; i) concluídas as orientações estes vão até o leito acompanhados pelo enfermeiro; j) no leito, eventualmente, são tiradas dúvidas adicionais, se necessário; k) a equipe clínica, no horário que antecede à cirurgia encaminha o paciente ao centro cirurgico. 35

36 Próximo encontro 36 Terá lugar no HUB EM 12 DE MARÇO EM LOCAL E HORA A SER INDICADO PELO Dr. STENIO


Carregar ppt "Grupo de Pesquisa HANDOFFS Reunião 01 Horário: 14horas Dia: 10 de Fevereiro, 2014 Local: Sala de Reunião No. 1 da FACE 1."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google