A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ANÁLISE DO MOMENTO HISTÓRICO Taubaté – 03.09.2014.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ANÁLISE DO MOMENTO HISTÓRICO Taubaté – 03.09.2014."— Transcrição da apresentação:

1 ANÁLISE DO MOMENTO HISTÓRICO Taubaté –

2 ANÁLISE DO MOMENTO HISTÓRICO 1. Proposições principais:  a. Toda conjuntura é fruto de uma estrutura  b. Todo olhar é um olhar, fruto de uma opção  c. Acrescentar o olhar evangélico ao olhar analógico ANÁLISE DO MOMENTO HISTÓRICO 1. Proposições principais:  a. Toda conjuntura é fruto de uma estrutura  b. Todo olhar é um olhar, fruto de uma opção  c. Acrescentar o olhar evangélico ao olhar analógico

3 2- UM OLHAR SOBRE OS ACONTECIMENTOS HOJE

4 ACONTECIMENTO 1 O JAPÃO SE ARMA

5 Acontecimento 2 Em 2014 o aparece um novo califado: o mundo jamais será o mesmo.

6 Acontecimento 3 Israel x Palestina

7 ACONTECIMENTO 4 A ÁFRICA DAS ETNIAS: O BANHO DE SANGUE

8

9 Acontecimento 6 O capital massacra: Crise do euro só? Acontecimento 6 O capital massacra: Crise do euro só?

10

11 Manifestações: tudo começou em Davos ACONTECIMENTO 8

12 Acontecimento 9 Tea Party é só um chá conservador?

13 Acontecimento 10 Francisco: sinal dos tempos?

14 Acontecimento 11 E o preconceito continua...

15 3. Análise estrutural a. Estamos vivendo um momento histórico no qual tudo é atingido pela crise: I- Valores II- Instituições III - A relação com o sagrado IV – As estruturas políticas V – As estruturas econômicas b. As diversas denominações deste momento I – Crise epocal ou Mudança de Época II – Pós-Modernidade, Modernidade Tardia – Hiper-modernidade III – Crise no Paradigma Civilizacional Burguês (ou Modernidade) 3. Análise estrutural a. Estamos vivendo um momento histórico no qual tudo é atingido pela crise: I- Valores II- Instituições III - A relação com o sagrado IV – As estruturas políticas V – As estruturas econômicas b. As diversas denominações deste momento I – Crise epocal ou Mudança de Época II – Pós-Modernidade, Modernidade Tardia – Hiper-modernidade III – Crise no Paradigma Civilizacional Burguês (ou Modernidade)

16 4. AS UTOPIAS DA MODERNIDADE

17 1

18

19

20 Social Democracia Eduard Bernstein final do século XIX

21 5. O Caminhar das utopias no “Breve Século XX”

22 1917

23 Estado de Bem-Estar social (Welfare State) ou Estado-Providência onde o Estado é o agente promotor e defensor social e organizador da economia. O Estado regulamenta toda a vida e saúde social, política e econômica, e garante serviços públicos e proteção à população – Crise e Keynesianismo

24 União Soviética é vencedora. Com o fim da 2ª. Guerra, há um imenso crescimento econômico. A sociedade demanda por maior igualdade sócio- econômica. Entra em ação a Social democracia ou o Estado de Bem-Estar Social.O capital aceita a redução dos lucros pelo crescimento e pelo medo.

25 6. A disputa das utopias O século XX foi o momento histórico da disputa das utopias  Revolução Russa: o socialismo comunista, proposta real de Estado  Crash  Keynesianismo (John M. Keynes), teoria econômica que contesta o liberalismo sem assumir a proposta marxista Década de 60  O socialismo comunista vai mal  “Maio francês”  Crítica à direita e à esquerda 1970  Inicia-se o terceiro momento da Revolução Industrial Década de 70  Ocidente força a URSS a exaurir suas forças.

26 1991 Fim do “breve” século XX e das utopias

27 Margareth TatcherRonald ReaganFriedrich von Hayek A Utopia Vencedora Sai o Estado mediador entre as classes e assume o Estado a serviço do Capital

28 7. O domínio global e total do capital a. A Ásia assume a visão capitalista em sua forma liberal b. O desenvolvimento dos pontos da 3ª. Revolução Industrial permite: I- globalizar a produção e o consumo; II- globalizar o capital em sua forma financeira; III- menor investimento na produção, mantendo o mesmo ritmo; IV- buscar a força de trabalho aí onde é tratada como semi- escrava; V - usar a globalização dos meios de comunicação para oprimir as culturas que adentram a modernidade, principalmente a asiática, a africana e parte da latino- americana;

29 8. Alguns sinais para um outro olhar Sinal 1 – Desemprego  202 milhões de pessoas estão desempregadas; Sinal 2 – Desigualdade  85 ricos somam tanto dinheiro quanto 3,5 bilhões de pessoas(OIT); Sinal 3 – Concentração de renda  Os 10 mais ricos da Europa mantém fortuna de cerca de US$ 200 bilhões.

30 9. O motivo de tanta concentração A concentração de renda demonstrada acima aconteceu porque, fazendo do Estado um empregado de seus interesses, a elite o levou a desenhar regras no sistema que a favorecem. Por isso afirma-se que “Governar para as elites significa sequestro democrático e desigualdade econômica.” Desregulamentação e opacidade financeira; Os paraísos fiscais; A redução de impostos para as rendas mais altas; Os recortes de despesas em serviços e investimentos públicos. A crise financeira porque passa a Europa, comandada pelo mercado financeiro, exige o retorno dos seus investimentos e a austeridade em políticas econômico- sociais

31 10. Ouvindo Francisco A ELITE DETERMINA  A RALÉ É O RESTO “Não a uma economia de exclusão” “ESSA ECONOMIA MATA!” Papa Francisco, “Evangelii Gaudium”, 2

32 11. CRISE DA UTOPIA. E AGORA? 1.A Crise das Utopias 2. Imersos numa visão de mundo (cultura) 2.1. Características dessa visão de mundo 2.2. Como foi construída essa visão de mundo 3. Construir uma nova visão de mundo 3.1. Alguns pontos dessa nova visão de mundo 3.2. Como construí-la 4. Trazer Gramsci para a conversa

33 12. E NÓS COM ISSO? 1. O contexto latino-americano 1.a. Uma história a partir das elites 1.b. Século XXI na América Latina 1.c. O desejo das elites: o retorno ao passado I- A mídia II- O Judiciário III- O processo político

34 2. AS MANIFESTAÇÕES 2.1. No Mundo e no Brasil 2.2. A busca do NOVO por novos sujeitos históricos 2.3. ainda se faz necessária a pergunta: QUE PROJETO TEMOS?

35 Eleições de outubro Depois de um governo de centro esquerda do PT, as eleições de outubro se revestem de uma importância fundamental. A elite e as classes médias querem o fim do governo atual pois têm uma visão ideológico-econômica divergente. Para esses grupos, as medidas sociais, e econômicas adotadas pelo governo impedem o verdadeiro crescimento. Outros afirmam que o que as elites empresariais e do capital financeiro querem o atual governo já está fazendo. Grupos existem que afirmam que o governo atual é presa do agronegócio e de empresas afins. São contrários aos grandes projetos como as hidrelétricas e a transposição do São Francisco, o problema indígena, da terra, da agricultura familiar, etc. Para tais grupos não se pode votar no menos-pior, mas naquele ou naquela que vão levar a cabo os nossos projetos. Há grupos que veem no atual governo muitos problemas, principalmente com relação aos projetos da esquerda. Entretanto acreditam num avanço político- econômico-social com a continuidade, além de acreditarem na sua credibilidade.


Carregar ppt "ANÁLISE DO MOMENTO HISTÓRICO Taubaté – 03.09.2014."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google