A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1. T EXTO BÍBLICO INSPIRADOR (J O 2, 1-12) 1 Ao terceiro dia, celebrava-se uma boda em Caná da Galileia e a mãe de Jesus estava lá. 2 Jesus e os seus.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1. T EXTO BÍBLICO INSPIRADOR (J O 2, 1-12) 1 Ao terceiro dia, celebrava-se uma boda em Caná da Galileia e a mãe de Jesus estava lá. 2 Jesus e os seus."— Transcrição da apresentação:

1

2 1. T EXTO BÍBLICO INSPIRADOR (J O 2, 1-12) 1 Ao terceiro dia, celebrava-se uma boda em Caná da Galileia e a mãe de Jesus estava lá. 2 Jesus e os seus discípulos também foram convidados para a boda. 3 Como viesse a faltar o vinho, a mãe de Jesus disse-lhe: «Não têm vinho!» 4 Jesus respondeu-lhe: «Mulher, que tem isso a ver contigo e comigo? Ainda não chegou a minha hora.» 5 Sua mãe disse aos serventes: «Fazei o que Ele vos disser!» 6 Ora, havia ali seis vasilhas de pedra preparadas para os ritos de purificação dos judeus, com capacidade de duas ou três medidas cada uma. 7 Disse-lhes Jesus: «Enchei as vasilhas de água.» 8 Eles encheram-nas até cima. Então ordenou-lhes: «Tirai agora e levai ao chefe de mesa.» 9 E eles assim fizeram. O chefe de mesa provou a água transformada em vinho, sem saber de onde era - se bem que o soubessem os serventes que tinham tirado a água; chamou o noivo 10 e disse-lhe: «Toda a gente serve primeiro o vinho melhor e, depois de terem bebido bem, é que serve o pior. Tu, porém, guardaste o melhor vinho até agora!» 11 Assim, em Caná da Galileia, Jesus realizou o primeiro dos seus sinais miraculosos, com o qual manifestou a sua glória, e os discípulos creram nele. 12 Depois disto, desceu a Cafarnaúm com sua mãe, os irmãos e os seus discípulos, e ficaram ali apenas alguns dias.

3 2. F UNDAMENTAÇÃO PASTORAL Para a fundamentação pastoral da Missão Vicarial 2015 e subsequente programação partimos do número 24 da Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, onde o Papa Francisco descreve a atitude missionária da Igreja em ‘saída’ através de cinco verbos que caraterizam as atitudes e etapas da missão: «A Igreja em ‘saída’ é a comunidade de discípulos missionários que ‘primeireiam’, que se envolvem, que acompanham, que frutificam e festejam» [PEAFF]. P APA F RANCISCO, Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, § 24. «A Igreja em ‘saída’ é a comunidade de discípulos missionários que ‘primeireiam’, que se envolvem, que acompanham, que frutificam e festejam» [PEAFF]. P APA F RANCISCO, Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, § 24.

4 Primeiriar «Primeireiam – desculpai o neologismo –, tomam a iniciativa! A comunidade missionária experimenta que o Senhor tomou a iniciativa, precedeu-a no amor (cf. 1Jo 4,10) e, por isso, ela sabe ir à frente, sabe tomar a iniciativa sem medo, ir ao encontro, procurar os afastados e chegar às encruzilhadas dos caminhos para convidar os excluídos. Vive um desejo inexaurível de oferecer misericórdia, fruto de ter experimentado a misericórdia infinita do Pai e a sua força difusiva. Ousemos um pouco mais no tomar a iniciativa!» (EG, 24). A mãe de Jesus toma iniciativa: «a mãe de Jesus disse-lhe: «Não têm vinho!»

5 Envolver-se Como consequência da tomada de iniciativa, «a Igreja sabe ‘envolver- se’. Jesus lavou os pés aos seus discípulos. O Senhor envolve-se e envolve os seus, pondo-se de joelhos diante dos outros para os lavar, mas, logo a seguir, diz aos discípulos: ‘Sereis felizes se o puderdes em prática’ (Jo 13,17). Com obras e gestos, a comunidade missionária encurta distâncias, abaixa-se – se for necessário – até à humilhação e assume a vida humana, tocando a carne sofredora de Cristo no povo. Os evangelizadores contraem assim o ‘cheiro de ovelha’» (EG, 24). Maria envolveu-se com aquela situação humana e encurtou distâncias mesmo diante da resposta de Jesus: «Mulher, que tem isso a ver contigo e comigo? Ainda não chegou a minha hora.» Sua mãe disse aos serventes: «Fazei o que Ele vos disser!»

6 Acompanhar «Em seguida, a comunidade missionária dispõe-se a ‘acompanhar’. Acompanha a humanidade em todos os seus processos, por mais duros e demorados que sejam. Conhece as longas esperas e fadiga apostólica. A Evangelização patenteia muita paciência» (EG, 24). A água simboliza a humanidade, que é preciso amar e acompanhar. O encher as talhas de água são os processos de construção do humano. «Ora, havia ali seis vasilhas de pedra preparadas para os ritos de purificação dos judeus, com capacidade de duas ou três medidas cada uma. Disse-lhes Jesus: «Enchei as vasilhas de água.» Eles encheram- nas até cima. Então ordenou-lhes: «Tirai agora e levai ao chefe de mesa.» 9 E eles assim fizeram.

7 Frutificar «A comunidade evangelizadora mantém-se atenta aos frutos, porque o Senhor a quer fecunda. Cuida do trigo e não perde a paz por causa do joio. O semeador, quando vê surgir o joio no meio do trigo, não tem reações de lamentação e alarmismo. Encontra o modo para fazer com que a Palavra se encarne numa situação concreta e dê frutos de vida nova, apesar de serem aparentemente imperfeitos ou defeituosos» (EG, 24). O chefe de mesa das bodas de Caná é exemplo da atenção à fecundidade: «O chefe de mesa provou a água transformada em vinho, sem saber de onde era - se bem que o soubessem os serventes que tinham tirado a água; chamou o noivo e disse-lhe: «Toda a gente serve primeiro o vinho melhor e, depois de terem bebido bem, é que serve o pior. Tu, porém, guardaste o melhor vinho até agora!»

8 Festejar «Por fim, a comunidade evangelizadora jubilosa sabe sempre ‘festejar’: celebra e festeja cada pequena vitória, cada passo em frente na evangelização. No meio desta exigência diária de fazer avançar o bem, a evangelização jubilosa torna-se beleza na liturgia» (EG, 24). Também os discípulos celebram o milagre de Jesus. «Assim, em Caná da Galileia, Jesus realizou o primeiro dos seus sinais miraculosos, com o qual manifestou a sua glória, e os discípulos creram nele».

9 Igreja em ‘saída’ A direção para onde caminha a Igreja em saída é expressa pelo termo «periferia». O sentido usado pelo Papa não se refere apenas às periferias geográficas mas engloba sobretudo as periferias existenciais, como se expressou nas Congregações gerais antes do Conclave de 2013: «A Igreja é chamada a sair de si mesma e ir às periferias, não só às geográficas, mas também àquelas existenciais: as do mistério do pecado, da dor, da injustiça, da ignorância e da ausência de fé, as do pensamento, e de todas as formas de miséria».

10 3. L EMA DA M ISSÃO A partir da indicação de Maria aos serventes, «Fazei o que Ele vos disser!», procura-se um lema direcionado a cada pessoa, mantendo o fundo do texto bíblico. Assim, uma das hipóteses avançadas é a seguinte: «Faz o que Ele te diz!». FAZ O QUE ELE TE DIZ! O que é que Jesus diz? O que fazer? FAZ O QUE ELE TE DIZ! O que é que Jesus diz? O que fazer?

11 4. C ARATERIZAÇÃO DA P ARÓQUIA Nível histórico Está atestada a presença humana em Bucelas desde os tempos celtas (como bem o evoca o brasão de armas da vila). Conheceu depois a ocupação dos romanos (é de destacar a presença do monumental cipo junto da Igreja Paroquial. Em tempos antigos, porém, a sede da freguesia não se achava em Bucelas, mas sim, em Vila de Rei; a sede da paróquia apenas foi transferida em Terra pertencente à coroa que a doou aos Condes da Castanheira. No tempo de D. Pedro II regressa ao Rei que a doa a seu filho Francisco. Integrada nesta altura na casa do Infantado.

12 Célebre pelos seus vinhos, Bucelas conheceu grande desenvolvimento na segunda metade do século XIX e início do século XX, motivo pelo qual foi elevada a vila a 04 de Dezembro de 1927, atendendo à sua população, ao facto de ser um centro industrial na área da serralharia, e à sua produção vitícola, «universalmente conhecida». Bucelas tem por orago Nossa Senhora da Purificação. A Igreja de Bucelas, matriz desde 1522, foi dedicada em 23 de Janeiro de 1569, pelo Bispo de Viseu, D. Jorge de Ataíde, que a regera anteriormente. Uma Confraria dedicada ao Espírito Santo deteve em Bucelas um pequeno hospital/albergue, para assistência aos peregrinos e pobres.

13 Nível social Geografia do concelho Geografia da freguesia

14 População residente: 4663 Fonte: INE, Censos 2011

15 Parceiros/Entidades/Associações Junta de Freguesia de Bucelas Guarda Nacional Republicana Escolas de Bucelas Associação Apoio Infantil e Social Quinta do Grilo Associação humanitária dos Bombeiros de Bucelas Associação de caçadores de Bucelas Associação Empresarial de Bucelas Associação Recreativa, Cultural e Desportiva de Vila de Rei Banda Recreativa de Bucelas Bucelas Aventura Casa do Povo de Bucelas Centro de Cultura e Desporto de Vila Nova Clube de Futebol «Os Bucelenses» Confraria do Arinto de Bucelas Grupo Colombófilo de Bucelas Grupo Musical e Recreativo da Bemposta Instituição de Apoio Social da Freguesia de Bucelas Núcleo Sportinguista de Bucelas União Cultural e Recreativa de Chamboeira Voluntários Reais – Associação Portuguesa de Recriação Histórica Empresas locais… Junta de Freguesia de Bucelas Guarda Nacional Republicana Escolas de Bucelas Associação Apoio Infantil e Social Quinta do Grilo Associação humanitária dos Bombeiros de Bucelas Associação de caçadores de Bucelas Associação Empresarial de Bucelas Associação Recreativa, Cultural e Desportiva de Vila de Rei Banda Recreativa de Bucelas Bucelas Aventura Casa do Povo de Bucelas Centro de Cultura e Desporto de Vila Nova Clube de Futebol «Os Bucelenses» Confraria do Arinto de Bucelas Grupo Colombófilo de Bucelas Grupo Musical e Recreativo da Bemposta Instituição de Apoio Social da Freguesia de Bucelas Núcleo Sportinguista de Bucelas União Cultural e Recreativa de Chamboeira Voluntários Reais – Associação Portuguesa de Recriação Histórica Empresas locais…

16 Parceiros/Entidades/Associações Junta de Freguesia de Bucelas Guarda Nacional Republicana Escolas de Bucelas Associação Apoio Infantil e Social Quinta do Grilo Associação humanitária dos Bombeiros de Bucelas Associação de caçadores de Bucelas Associação Empresarial de Bucelas Associação Recreativa, Cultural e Desportiva de Vila de Rei Banda Recreativa de Bucelas Bucelas Aventura Casa do Povo de Bucelas Centro de Cultura e Desporto de Vila Nova Clube de Futebol «Os Bucelenses» Confraria do Arinto de Bucelas Grupo Colombófilo de Bucelas Grupo Musical e Recreativo da Bemposta Instituição de Apoio Social da Freguesia de Bucelas Núcleo Sportinguista de Bucelas União Cultural e Recreativa de Chamboeira Voluntários Reais – Associação Portuguesa de Recriação Histórica Empresas locais… Junta de Freguesia de Bucelas Guarda Nacional Republicana Escolas de Bucelas Associação Apoio Infantil e Social Quinta do Grilo Associação humanitária dos Bombeiros de Bucelas Associação de caçadores de Bucelas Associação Empresarial de Bucelas Associação Recreativa, Cultural e Desportiva de Vila de Rei Banda Recreativa de Bucelas Bucelas Aventura Casa do Povo de Bucelas Centro de Cultura e Desporto de Vila Nova Clube de Futebol «Os Bucelenses» Confraria do Arinto de Bucelas Grupo Colombófilo de Bucelas Grupo Musical e Recreativo da Bemposta Instituição de Apoio Social da Freguesia de Bucelas Núcleo Sportinguista de Bucelas União Cultural e Recreativa de Chamboeira Voluntários Reais – Associação Portuguesa de Recriação Histórica Empresas locais…

17 Nível Paroquial - Corresponsabilidade - Estruturação -Grupos ligados à Liturgia - Catequese infância e adolescência - Corresponsabilidade - Estruturação -Grupos ligados à Liturgia - Catequese infância e adolescência 5. O BJETIVOS DA M ISSÃO - Apresentar a comunidade cristã à comunidade; - Favorecer o empenhamento dos responsáveis dos grupos e serviços da paróquia; - Valorizar o «humano» presente à nossa volta como preparação para o anúncio da fé; - Apresentar a comunidade cristã à comunidade; - Favorecer o empenhamento dos responsáveis dos grupos e serviços da paróquia; - Valorizar o «humano» presente à nossa volta como preparação para o anúncio da fé;

18 6. P ROPOSTAS PARA A M ISSÃO V ICARIAL - Anúncio da Missão na Paróquia com missionários de outras paróquias, como missão porta a porta e diálogo inter-pessoal, visita a doentes; -Dinamização dos verbos PEAFF; - Atividades nas diversas instituições, associações; - Encontros familiares – com a presença de casais de outras paróquias; - Preparados por pessoas de outras paróquias; - Atividades nas escolas e associações; - Igreja aberta e oração permanente; - Anúncio da Missão na Paróquia com missionários de outras paróquias, como missão porta a porta e diálogo inter-pessoal, visita a doentes; -Dinamização dos verbos PEAFF; - Atividades nas diversas instituições, associações; - Encontros familiares – com a presença de casais de outras paróquias; - Preparados por pessoas de outras paróquias; - Atividades nas escolas e associações; - Igreja aberta e oração permanente;

19 7. C ALENDÁRIO 2 Seg3 Ter4 Qua5 Qui6 Sex7 Sáb8 Dom Deixar-se encontrar pelo Senhor PrimeiriarEnvolverAcompanharFrutificarFestejar Não têm vinho. Que temos nós com isso? Enchei as talhas de água. Faz o que Ele te diz CatequeseTodos Famílias Almoço Eucaristia Concerto Procissão de velas e Eucaristia Noite de Misericórdia Encontros familiares Testemunhos de serviço Festa de Bairros Jovens Via Sacra Maria, Mãe da Igreja ajudai-nos a dizer o nosso «sim». Dai-nos a audácia de buscar novos caminhos para que chegue a todos o dom da beleza que não se apaga. Virgem da escuta e da contemplação, intercedei pela nossa Igreja de Lisboa, em caminho sinodal, para que nunca se feche nem se detenha na sua paixão por instaurar o Reino. Estrela da nova evangelização, ajudai-nos a resplandecer com o testemunho da comunhão, do serviço, da fé ardente e generosa, da justiça e do amor aos pobres, para que a alegria do Evangelho chegue até aos confins da terra e nenhuma periferia fique privada da sua luz. Mãe do Evangelho vivo, manancial de alegria para os pequeninos, rogai por nós. Ámen.

20 Maria, Mãe da Igreja ajudai-nos a dizer o nosso «sim». Dai-nos a audácia de buscar novos caminhos para que chegue a todos o dom da beleza que não se apaga. Virgem da escuta e da contemplação, intercedei pela nossa Igreja de Lisboa, em caminho sinodal, para que nunca se feche nem se detenha na sua paixão por instaurar o Reino. Estrela da nova evangelização, ajudai-nos a resplandecer com o testemunho da comunhão, do serviço, da fé ardente e generosa, da justiça e do amor aos pobres, para que a alegria do Evangelho chegue até aos confins da terra e nenhuma periferia fique privada da sua luz. Mãe do Evangelho vivo, manancial de alegria para os pequeninos, rogai por nós. Ámen.


Carregar ppt "1. T EXTO BÍBLICO INSPIRADOR (J O 2, 1-12) 1 Ao terceiro dia, celebrava-se uma boda em Caná da Galileia e a mãe de Jesus estava lá. 2 Jesus e os seus."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google