A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

João Aprigio Guerra de Almeida Leite humano alimento inteligente Microbiota do Leite Humano Dr. Franz Novaes Instituto Fernandes Figueira.(RJ) www.paulomargotto.com.br.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "João Aprigio Guerra de Almeida Leite humano alimento inteligente Microbiota do Leite Humano Dr. Franz Novaes Instituto Fernandes Figueira.(RJ) www.paulomargotto.com.br."— Transcrição da apresentação:

1 João Aprigio Guerra de Almeida Leite humano alimento inteligente Microbiota do Leite Humano Dr. Franz Novaes Instituto Fernandes Figueira.(RJ)

2 Considerações Gerais A preocupação em reduzir a mortalidade neonatal é crescente em todos os países. Estima-se que somente no ano 2000, quatro milhões de bebês morreram nas primeiras quatro semanas de vida, sendo três quartos destes na primeira semana. Lawnet et al, 2005

3 Alimentação do prematuro é uma questão de vida ou morte! Carvalho, 2007

4

5 Os RNs são expostos aos microrganismos: Muitos através dos alimentos. No caso do leite materno os microrganismos são originários dos mamilos, ductos lactíferos, pele circulante e até das mãos. O processo de colonização afeta a morfologia, fisiologia, e diferenciação do epitélio intestinal. Falk, et al., 2003

6 Germ Free Alimento Água

7 Colonização experimental Efeito da administração de Lactobacilos reuteri no desenvolvimento de vilosidades do íleo após 3 dias. Cortes do tecido ileal.

8 A colonização bacteriana lenta, com número limitado de espécies, tende a ser perigosa pelo fato de que o super crescimento ser um dos fatores que promovem a translocação bacteriana Logo, iniciar a alimentação do RN com o colostro de sua mãe, representa um grande benefício

9 Alterações na microbiota intestinal durante os primeiros 7 dias após o nascimento. Mitsuoka, 1996.

10 Inibem seletivamente microorganismos patogênicos (enterobactérias) Metabolizam lactose produzindo ac. latico, acético, fórmico e succínico que reduzem o pH intestinal O crescimento das bifidobactérias é estimu- lado pela presença do fator bífido, não encontrado no LV. Bifidobactérias do leite humano

11 CARBOIDRATOS Lactose Oligossacarídeos-N Ácido Lático ( pH) Ácidos Graxos de Cadeia Curta Fator Bífidus B.bifidus B.longum B.brevis B.infantis

12 A microbiota da criança amamentada Componentes pré-bióticos estimulam a proliferação de bactérias benéficas como bifidobactérias e lactobacillus. Os quais baixam o pH intestinal e inibem a prolifiração de bactérias patogênicas. A microbiota intestinal funciona como componente da barreira defensiva da mucosa intestinal.

13

14 Lars et al, 2003

15 Translocação No hospedeiro normal ocorre em baixos níveis e as de bactérias são mortas no trajeto ou nos linfonodos.

16 Epitelio especializado asociada a Placa de Peyer Folículos linfoides dispersos Epitelio absortivo Placa de Peyer Células M Placas de Peyer

17 Tempo de vida útil destas células sob refrigeração é de: horas

18 Células da Linhagem Branca Sangue (8000/mm 3 ) Leucócitos-PMN Neutrófilos Sangue (8000/mm 3 ) Leucócitos-PMN Neutrófilos Colostro Humano ( / mm 3 ) Macrófagos; PMN Linfócitos ( ± 10%) Colostro Humano ( / mm 3 ) Macrófagos; PMN Linfócitos ( ± 10%) X

19 Ecologia Microbiana

20 Tipos de contaminantes Microrbianos Bactérias Leveduras Fungos

21 Como as bactérias se reproduzem 1=> 2=> 4=> 8=> 16=> 32=> 64=> 128=> 256=> 512=> 1024=> 2048=> 4096

22 Temperatura de crescimento

23 Atividade de água pH Oxigênio NutrientesTemperatura Tempo Como evitar a multiplicação microbiana?

24 Ecologia do Leite Humano Ordenhado

25 Mesmo quando proveniente de mamas absolutamente normais o leite apresenta variado números e tipos de microrganismos. Mesmo quando proveniente de mamas absolutamente normais o leite apresenta variado números e tipos de microrganismos. Suas fontes de contaminação podem ser classificadas como de origem primária e secundária. Suas fontes de contaminação podem ser classificadas como de origem primária e secundária. Contaminação primária (interna) Contaminação primária (interna) Doadora

26 Contaminantes primários HIV HIV HTLV-I HTLV-I HTLV-II HTLV-II Vírus da hepatite B Vírus da hepatite B Vírus da hepatite C Vírus da hepatite C Citomegalovírus Citomegalovírus

27 Dentre as principais fontes de contaminantes exter- nos, citam-se:Dentre as principais fontes de contaminantes exter- nos, citam-se: »pêlos, »pele, »saliva, »cabelo, etc. Normalmente, o LHO se conserva melhor quando refrigerado, pois os contaminantes são em sua maioria são mesófilos.Normalmente, o LHO se conserva melhor quando refrigerado, pois os contaminantes são em sua maioria são mesófilos. Contaminação secundária

28 Obs: O S. aureus era considerado um microrganismo saprófitas, atualmente é classificação oportunista. Os microrganismos x seres humanos

29

30

31 Funcionam como uma barreira viva Funcionam como uma barreira viva entre os ductos e o meio ambiente. entre os ductos e o meio ambiente. Funcionam com se fossem uma colônia microbiana que se defende de outros microrganismos por meio da produção de substâncias semelhantes às colici- nas. Funcionam com se fossem uma colônia microbiana que se defende de outros microrganismos por meio da produção de substâncias semelhantes às colici- nas. Além de produzirem ácidos orgânicos de cadeias curtas. Além de produzirem ácidos orgânicos de cadeias curtas. Os microrganismos da mama

32 Podem contaminar por meio de mãos sujas, tosse, espirro ou conversa sobre os utensílios com ou sem o leite. Podem contaminar por meio de mãos sujas, tosse, espirro ou conversa sobre os utensílios com ou sem o leite. Os microrganismos podem ser desalojados das mãos durante a ordenha. Os microrganismos podem ser desalojados das mãos durante a ordenha. Quanto menores as contaminações durante a coleta, melhores as características bacteriológicas do LHO. Quanto menores as contaminações durante a coleta, melhores as características bacteriológicas do LHO. Funcionários

33

34 Manipulador com Infecção

35 Cultura do dedo infectado Caldo TSB Agar Sangue

36 Ambiental - Produtos - Pessoal

37 Higiene das mãos

38

39 Mãos Sujas

40 Mãos após lavagem com água e sabão

41 Mãos após anti-sepsia com álcool 70%

42 Aliança

43 Pano de Limpeza

44 Dinheiro

45 Cabelo

46 Ar de corredor movimentado

47 Paramentação adequada Luvas Avental Gorro Protetores oculares Máscara Calça comprida Sapato fechado

48 Um dos maiores responsáveis pela má quali- dade do leite é a falta de cuidado com os utensílios (bambas, frascos, etc). Um dos maiores responsáveis pela má quali- dade do leite é a falta de cuidado com os utensílios (bambas, frascos, etc). O grande número de microrganismos obser- vado pode ser explicado por sua multiplicação. O grande número de microrganismos obser- vado pode ser explicado por sua multiplicação. Os utensílios mal higienizados podem aumen- tar a carga microbiana em até 30 vezes. Os utensílios mal higienizados podem aumen- tar a carga microbiana em até 30 vezes. Utensílios

49 Os contaminantes da água pertencem aos gêneros Pseudomonas, Achromobacter, Alcaligenes, Flavobacterium, etc. Oriundos, em sua maioria do solo. Tais microrganismos são psicrotróficos, proteolíticos e/ou lipolíticos causando problemas no leite refrigerado. Por isso, só se deveria empregar água tratada. Água

50 Em 444 moscas foram encontradas de 5,5 x 10 2 a 6,6 x 10 6 bactérias. Média 1,2 x 10 6 Se todas fossem transferidas para 50 litros de leite, cada mosca acrescentaria 25 bactérias/mL. Nomalmente as moscas são atraídas pelo material fecal, a maioria das bactérias aderidas a elas são coliformes. (Pinheiro, 2006) Outras Fontes

51 Microrganismos alojados em microssulcos de uma superfície de fórmica

52 Hipoclorito de sódio: destrói a capacidade do microrganismo de funcionar, crescer e reproduzir Não gera resistência Não é tóxico Hipoclorito de sódio

53 Microrganismos mesófilos Se caracterizam por seu crescimento entre temperaturas de 15 a 37ºC. São microrganismos de origem ambiental. Dentre eles podem se encontrar os coliformes Produzem alterações e deterioração aceleradas nos alimentos Microrganismos x Controle de Qualidade

54 Coliformes Microrganismos facultativos Não esporulados Fermentadores da lactose a 35ºC em 48horas Vivem no meio ambiente e em animais de sangue quente. Os Coliformes totais contém os fecais Microrganismos x Controle de Qualidade

55 Termodúricos Microganismos de origem ambiental Diminuem a vida útil dos produtos Se associam com materias primas contaminadas quando em populações elevadas Normalmente se associam com contaminações ambientais Microrganismos x Controle de Qualidade

56 Bolores e leveduras Microganismos de origem ambiental Se associam com materias e equipamentos contami- nados Normalmente se associam com contaminações ambientais. Microrganismos x Controle de Qualidade

57 Estaphylococcus coagulase positiva Principalmente representados pelo Staphylococcus aureus Podem ser produtores de enterotoxinas e causarem intoxicações intestinais Se encontram na garganta e fossas naisas de pes- soas saudáveis, nos manipuladores de alimentos e na maioria das mastites Microrganismos x Controle de Qualidade

58 Psicrotróficos Microganismos de origem ambiental Diminuem a vida útil dos produtos estocados sob refrigeração Sua principal fonte para o LHO é a água Microrganismos x Controle de Qualidade

59 Termodúricos psicrotróficos Microganismos de origem ambiental Diminuem a vida útil dos produtos estocados sob refrigeração Sua principal fonte para o LHO é a água São capazes de resistir à pasteurização Microrganismos x Controle de Qualidade

60 Qualidade Sanitária do LHO (ordenha sem controle) Grupos de Microrganismos MesófilosColiformesTermodúricos Bolores e Leveduras Estafilococos Totais PsicrotróficosTermodúricos-Psicrotróficos Contagem (UFC/mL) >

61

62 InicioMeioFim UFC/mL Microorganismos no LHO Ordenha

63 Frações coletadas (sequencialmente de 10 em 10 mL) Microrganismos no leite humano

64 Ação dos microrganismos no LHO O sonho de uma bactéria é se transformar em duas Os microrganismos podem deteriorar o leite ou serem responsáveis por doenças. Como o LHO se compõem de proteínas, carboidratos e gorduras, etc., fica fácil prever os tipos de deterioração.

65 Os microrganismos variam quanto a suas exigências nutricionais e a capacidade de utilizarem os diferentes substratos que compõem o LHO. Fontes de carbono; Fontes de nitrogênio; Fontes de vitaminas; Sais minerais.

66 Mede a concentração de H+ que é represen- tada pela equação pH = log 1/[H+] É um fator importante na limitação dos tipos de microrganismos capazes de crescerem no alimento. Muito ácidos <4,0. Ácidos 4,0 a 4,5. Pouco ácidos > 4,5 (Leite Humano:6,7 a 6,9).

67 O leite humano coagula em pH 4,7 (ponto isoelétrico da caseína).

68 É um dos fatores ambientais que mais afetam a viabilidade e o crescimento microbiano. A temperatura ótima para a maioria dos patógenos e de 35°C.

69 O potencial de oxirredução (Redox) pode ser afetado por uma série de fatores. A presença do oxigênio é o fator que mais contribui para o aumento do potencial de redox.

70 Aeróbios requerem Eh positivo (presença de O 2 ) (+250 a +500mV); Anaeróbios - requerem Eh negativo (ausência de O 2 ) (+30 a -550 mV); Facultativos - multiplicam-se em Eh positivo ou negativo (+250 a -320mV); Leite humano, Eh varia: de +200 a +400 mV.

71 Fatores que influem na multiplicação bacteriana O crescimento dos microrganismos no LHO obedece a uma curva clássica. Lag Log Estacíonária Morte Log das Contagens

72 Temperatura °C Bactérias (UFC) Tempo de Geração Pop.ao final de 10 horas ,000,

73 Ruptura Glóbulos de Gordura Gordura Livre Membrana (coalescência) Alteração da Proteínas do Soro Floculação Estrutura 4ª Desestabiliz. Micelas de Caseína Coagulação Acidez/Enzimas Efeito dos microrganismos sobre LHO estocado de forma incorreta

74 FIM Portanto, o frio e o calor são nossos maiores aliado na preservação do LHO.


Carregar ppt "João Aprigio Guerra de Almeida Leite humano alimento inteligente Microbiota do Leite Humano Dr. Franz Novaes Instituto Fernandes Figueira.(RJ) www.paulomargotto.com.br."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google