A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Auto-Avaliação na Educação a Distância Impacto na Formação de Estudantes e Tutores em Cursos de Pós-Graduação Relato de experiência Lane Primo Senac/CE.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Auto-Avaliação na Educação a Distância Impacto na Formação de Estudantes e Tutores em Cursos de Pós-Graduação Relato de experiência Lane Primo Senac/CE."— Transcrição da apresentação:

1 Auto-Avaliação na Educação a Distância Impacto na Formação de Estudantes e Tutores em Cursos de Pós-Graduação Relato de experiência Lane Primo Senac/CE 14º ABED Santos/SP º ABED Santos/SP 2008

2 2 Auto-Avaliação na Educação a Distância O contexto que motivou o estudo O princípios teóricos e os questionamentos As experiências sobre auto- avaliação na EAD A proposta ? Pensando na situação

3 3 ! Auto-Avaliação na Educação a Distância Observando a experiência A Experiência As Observações As relações feitas e as lições tiradas As considerações para o futuro

4 4 Auto-Avaliação na Educação a Distância O contexto que motivou o estudo Os princípios teóricos e os questionamentos As experiências sobre auto- avaliação na EAD A proposta ? Pensando na situação

5 5 O Contexto A proliferação de cursos na modalidade: A proliferação de cursos na modalidade: No período de 2003 a 2006, houve um aumento de: - 571% em número de cursos - 315% em número de matrículas No período de 2003 a 2006, houve um aumento de: - 571% em número de cursos - 315% em número de matrículas Dados do Censo da Educação Superior (INEP, 2007)

6 6 O Contexto O que esses dados provocam? O que esses dados provocam? Inquietações e reflexões por parte dos educadores e dos envolvidos. Quais são os desafios?... Quais são os desafios?... Necessidade de superar a passividade dos estudantes Reflexo de anos de de uma pedagogia transmissiva

7 7 O Contexto Quais são os desafios? [continua] Quais são os desafios? [continua] De aprender a lidar com uma nova demanda comunicacional Provocada pela evolução da tecnologia e convergência das mídias De promover o desenvolvimento de comunidades De buscar a construção coletiva de conhecimentos

8 8 O Contexto Quais são os desafios? Quais são os desafios? De (re)significar processos e práticas educativas É neste desafio que entra a motivação para este trabalho De quebrar vários paradigmas formas de avaliação De procurar novas formas de avaliação

9 9 O Contexto Amotivação para este estudo Necessidade de aprofundamento no tema avaliação na EAD Abertura para observação de atitudes em cursos virtuais Perspectivas de ampliação dos estudos sobre novas metodologias Possibilidade de experimentar novas práticas pedagógicas em cursos virtuais e em públicos distintos Oportunidade de verificar a comunicação educativa através do diálogo tutor x estudante

10 10 Auto-Avaliação na Educação a Distância O contexto que motivou o estudo Os princípios teóricos e os questionamentos As experiências sobre auto- avaliação na EAD A Proposta ? Pensando na situação

11 11 Os princípios teóricos e os questionamentos São as bases conceituais que norteiam o trabalho Mediação Mediação Avaliação Avaliação Comunicação Comunicação Observação da Prática Questionamentos para as discussões

12 12 Os princípios teóricos e os questionamentos Mediação é o tratamento de conteúdos e das formas de expressão dos diferentes temas, a fim de tornar possível o ato educativo dentro do horizonte de uma educação concebida como participação, criatividade, expressividade e relacionalidade.Gutierrez e Prieto Gutierrez a mediação constitui um movimento para a recriação de estratégias de modo que o estudante possa atribuir sentido àquilo que aprende. Prado e Martins ? No modelo cognitivista, como verificar se a tarefa ou a discussão gerada fez com que os estudantes criassem relações e desenvolvessem sentido no que estudam?

13 13 Os princípios teóricos e os questionamentos Mediação é conceber metodologias de ensino e estratégias de utilização de materiais de ensino/aprendizagem que potencializem ao máximo as possibilidades de aprendizagem autônoma. Vale selecionar os meios mais adequados, criar e implementar estratégias que viabilizem a aprendizagem.BelloniBelloni ? Como potencializar as possibilidades de autonomia em um grupo de estudantes adultos, trabalhadores em período integral que participa, em maioria, pela primeira vez, de um curso de EAD? Será potencializar ou sensibilizar a aprender a aprender nesse novo contexto?

14 14 Os princípios teóricos e os questionamentos Avaliação Formativa PerrenoudPerrenoud é formativa toda a avaliação que ajuda o estudante a aprender e a se desenvolver, ou melhor, que participa da regulação das aprendizagens e o desenvolvimento no sentido de um projeto educativo.? De que maneira envolver o estudante na regulação da aprendizagem, se o modelo mental ao qual está acostumado é o da expectativa da nota? é um processo contínuo que pode ocorrer a qualquer momento do curso, trazendo à tona lacunas na matéria do curso ou na capacidade que o estudante tem de entendê-la. É uma oportunidade para os professores mudarem o rumo do curso. Palloff e Pratt ? Como o tutor pode ir além e perceber que há a necessidade de mudança no contexto da EAD?

15 15 Os princípios teóricos e os questionamentos Avaliação Souza et al Recomendam instrumentos de avaliação voltados para a metacognição, entre eles: protocolos e auto-informes.? De que maneira a inserção dos protocolos em uma auto-avaliação poderá levar o estudante a modificar as estruturas e forma de atuação para uma aprendizagem mais significativa na EAD? Questões que solicitam: o processo de construção da atividade - As dificuldades experimentadas - As dúvidas - As autocorreções dos erros

16 16 Os princípios teóricos e os questionamentos Comunicação KenskiKenski os processos de interação e comunicação no ensino sempre dependeram muito mais das pessoas envolvidas no processo do que das tecnologias utilizadas, seja o livro, o giz, ou o computador e as redes. é a maneira como essa tecnologia é utilizada para a mediação entre professores, estudantes e a informação que faz a diferença.? Então, como usar as ferramentas para favorecer o processo de comunicação/negociação do estudante através do diálogo tutor x aprendiz x resultados? Como usar as respostas da auto-avaliação, principalmente as questões metacognitivas, para uma comunicação mais clara que leve tanto o estudante quanto o tutor a avaliarem a postura ética e os procedimentos adotados?

17 17 Os princípios teóricos e os questionamentos Comunicação HadjiHadji O ato de avaliar sempre tem uma dimensão de comunicação. Quando o professor-avaliador se pronuncia sobre as expectativas que possui e o modo de julgamento, trata-se de uma mensagem para os estudantes. ? Até que ponto essa troca de mensagens pode gerar problemas atitudinais? Conflito quanto a relação de poder? Autoria? Não reconhecer o erro como oportunidade? Como a auto-avaliação pode favorecer a abertura ao diálogo? BarlowBarlow Relata observações quanto a uma comunicação formativa com base na captação das reações dos estudantes, suas questões sobre o sentido e o alcance do que foi colocado pelo professor- avaliador, seus pedidos de explicação sobre as apreciações e notas

18 18 Auto-Avaliação na Educação a Distância O contexto que motivou o estudo Os princípios teóricos e os questionamentos As experiências sobre auto- avaliação na EAD A Proposta ? Pensando na situação

19 19 O que as experiências de auto-avaliação na EAD revelam? Christante et al Na área de Saúde, os programas de educação médica a distância foram analisados de forma crítica e foram considerados de boa qualidade. Quanto à auto-avaliação foi observado que: Quanto à auto-avaliação foi observado que: há um descompasso do que o clínico considera como necessidade de aprendizagem e a sua realidade. Recomendam que: Recomendam que: a auto-avaliação deve ser utilizada em combinação com sistemas de avaliação por pares (inclusão de médicos, consultores e pacientes)....natureza solitária do trabalho... rápida produção científica que tornam os conhecimentos obsoletos... preferência por assuntos de domínio o que provoca pouca ampliação Provocado pela...

20 20 O que as experiências de auto-avaliação na EAD revelam? PrataPrata Apresenta um framework de avaliação com o uso de agentes inteligentes O módulo de auto-avaliação contém: O módulo de auto-avaliação contém: Considerações: Considerações: destaca a importância da comunicação, da necessidade de uma pedagogia e de uma didática específicas para a EAD informações sobre a situação do estudante com relação à turma. Há perguntas para o estudante refletir e responder. Participação, acuidade, dificuldades e resultado das avaliações. Questões sobre o curso, o professor e os colegas. No trabalho não há detalhes sobre os resultados, porém, aborda questões éticas (plágio e falsificação).

21 21 O que as experiências de auto-avaliação na EAD revelam? ReisReis Relato de uma aplicação conjunta da avaliação formativa, da somativa e da auto-avaliação em um curso superior. Concluiu que: Concluiu que: a auto-avaliação favorece a construção de estratégias pessoais no desenvolvimento profissional do estudante, o estabelecimento de metas e o exercício da autonomia em relação à própria formação Quanto à auto-avaliação: Quanto à auto-avaliação: permitiu que o estudante em uma determinada situação de aprendizagem desenvolvesse estratégias de análise e interpretação de suas produções e sua autonomia. Disciplina de Metodologia Científica em um IES/SP. No trabalho não há detalhes sobre os aspectos abordados na auto-avaliação.

22 22 O que as experiências de auto-avaliação na EAD revelam? PrimoPrimo Relato da experiência em um curso de capacitação da Educação Corporativa. Permitiu constatar: Permitiu constatar: resultados positivos, principalmente na tomada de consciência da necessidade de participação e verificação do processo de desenvolvimento. Quanto à auto-avaliação: Quanto à auto-avaliação: foi utilizada para que o estudante analisasse a própria participação com relação ao grupo. Após a análise ele elaborava as propostas de melhoria. Os resultados das análises e as propostas de melhoria eram registradas no próprio ambiente. A base eram as informações de acesso às ferramentas em períodos semanais na forma de gráfico de barras.

23 23 Auto-Avaliação na Educação a Distância O contexto que motivou o estudo Os princípios teóricos e os questionamentos As experiências sobre auto- avaliação na EAD A Proposta ? Pensando na situação

24 24 A Proposta Utilizar a auto-avaliação em 3 turmas dos cursos de especialização em: Utilizar a auto-avaliação em 3 turmas dos cursos de especialização em: Gestão Educacional Gestão Educacional Educação a Distância Educação a Distância e Educação Ambiental. e Educação Ambiental. Os cursos de 360 horas foram realizados totalmente a distância com 3 momentos presenciais. Os cursos de 360 horas foram realizados totalmente a distância com 3 momentos presenciais. O ambiente utilizado foi o Moodle. O ambiente utilizado foi o Moodle. Senac Ceará

25 25 ! Auto-Avaliação na Educação a Distância Observando a experiência A experiência As observações As relações feitas e as lições tiradas As considerações para o futuro

26 26 Como foi a experiência? O que é a experiência? O que é a experiência? Uso da auto-avaliação no processo de aprendizagem na educação a distância. Qual a metodologia? Qual a metodologia? Uma pesquisa do tipo exploratória e descritiva que utilizou uma abordagem indutiva como método Como os dados foram tratados? Como os dados foram tratados? Houve o levantamento de dados quantitativos e qualitativos a partir das respostas dos estudantes aos questionários, das postagens no fórum de meta-avaliação e dos pareceres dos tutores. A base da forma científica foi observação e experimentação

27 27 Como foi a experiência? Quais os passos da investigação? Quais os passos da investigação? 1.Aplicação do questionário de auto-avaliação no final de cada módulo dos cursos 2.Tabulação dos resultados 3.Análise quantitativa e qualitativa dos resultados (individual e coletivo) 4.Levantamento dos resultados da avaliação parcial obrigatória composta de questões objetivas 5.Comparação e análise dos resultados 6.Levantamento de experiências semelhantes 7.Elaboração das conclusões

28 28 Como foi a experiência? Quem são os estudantes? Quem são os estudantes? São 75 participantes dos cursos de pós-graduação: 30 de Gestão Educacional 25 de Educação a Distância 20 de Educação Ambiental Qual o perfil para o estudo a distância? Qual o perfil para o estudo a distância? O diagnóstico inicial revelou que: 52% de Gestão Educacional 38% de Educação a Distância 67% de Educação Ambiental cursavam pela primeira vez a distância. Caracterização da população

29 29 Como foi a experiência? Como foi o processo de desenvolvimento e de acompanhamento? Como foi o processo de desenvolvimento e de acompanhamento? O desenvolvimento foi dividido em 3 etapas: Elaboração do Plano de Ação Docente (PAD) – planejamento do módulo do curso. Contém (voltado para a EAD): - Competências a serem desenvolvidas - As bases tecnológicas - Os recursos utilizados - Os procedimentos metodológicos - Os indicadores de avaliação Serve de base para as questões de auto-avaliação e também para as questões da avaliação parcial Elaborado pela tutoria

30 30 Como foi a experiência? Como foi o processo de desenvolvimento e de acompanhamento? Como foi o processo de desenvolvimento e de acompanhamento? O desenvolvimento foi dividido em 3 etapas: 2. Acompanhamento: 2.1. do estudante 2.2. Elaboração das questões de auto-avaliação 2.3. Configuração do Questionário 2.4. Análise das respostas 2.5. Retorno Conhecimentos e habilidades relacionadas às atividades 1. PAD Atitudes

31 31 Como foi a experiência? Conhecimentos e habilidades relacionadas às atividades

32 32 Como foi a experiência? Atitudes e valores E também uma avaliação do estudante sobre: - A metodologia utilizada - A tutoria, a coordenação e o suporte. - O material didático Questões sobre: - Tempo dedicado ao estudo - Qualidade da participação - Postura frente às dificuldades - Utilização do material didático

33 33 Como foi a experiência? Como foi o processo de desenvolvimento e de acompanhamento? Como foi o processo de desenvolvimento e de acompanhamento? O desenvolvimento foi dividido em 3 etapas: 3. Resultados e encaminhamentos: 3.1. Análise da tutoria 3.2. Elaboração das questões da avaliação parcial obrigatória 3.3. Análise por parte da Coordenação A partir dos resultados a tutoria teve oportunidade de rever o curso e sua ação a fim de elaborar estratégias para melhoria nos módulos seguintes 1. PAD 2. Acompanhamento Os resultados foram discutidos com a equipe nos aspectos pedagógicos e estruturais para as providências

34 34 Como foi a experiência? Resultados gerados pelo ambiente

35 35 Como foi a experiência? A tecnologia de apoio A tecnologia de apoio Ambiente virtual Moodle: - Questionário para a elaboração da auto-avaliação - Mensagem para o contato com o aluno No início foi utilizado o Diário, porém não foi eficiente porque não guardava o registro.

36 36 ! Auto-Avaliação na Educação a Distância Observando a experiência Como foi a experiência? O que foi possível observar? As relações feitas e as lições tiradas As considerações para o futuro

37 37 O que foi possível observar? Respostas Respostas Os estudantes foram convidados a responder o questionário, não era obrigatório. Mudanças Mudanças De um módulo para outro: Aumento do tempo de estudo Autonomia – relativa dependência da tutoria para resolver questões e organizar o estudo. Neste caso, as tutoras avaliaram suas estratégias de mediação para que os estudantes desenvolvessem a autonomia e este indicador fosse reduzido no próximo módulo Alguns estudantes relataram que seria interessante uma maior divulgação no convite. Vale lembrar que a maioria é inexperiente em cursos a distância e precisavam de estratégias diferenciadas A evidência só ficou clara para o tutor por causa da auto-avaliação

38 38 O que foi possível observar? Diálogo Diálogo A tutoria discutiu com os estudantes o resultado da auto-avaliação e foi importante para o esclarecimento e o aprofundamento. A discussão aconteceu provocada pela auto-avaliação Resultados comuns aos 3 cursos Resultados comuns aos 3 cursos Melhorias de uma auto-avaliação para outra nos tópicos: Participação nas atividades em grupo Utilização das mídias disponibilizadas Aplicação dos conhecimentos na vida prática.

39 39 O que foi possível observar? Avaliação parcial Avaliação parcialobrigatória Houve um aumento do número de acessos às auto-avaliações, o que significa a utilização como roteiro de estudo. Constatou-se que os estudantes que responderam a um número acima de 3 avaliações tiveram um resultado superior a 70% de acertos na avaliação parcial obrigatória.

40 40 O que foi possível observar? Tabela 1. Relação entre o número de Auto-Avaliações respondidas e o Resultado da Avaliação Parcial

41 41 O que foi possível observar? Meta-avaliação Meta-avaliação Segundo os depoimentos dos estudantes: As auto-avaliações ajudaram a orientar os tópicos a serem revisados e permitiram a visão global do curso e suas conexões. Elas permitiram a reflexão sobre a forma de conduzir os estudos e as devidas correções. 4 estudantes afirmaram que a auto-avaliação não influenciou no resultado. Foi observado que estes estudantes usaram o questionário como instrumento de testes e não como indicadores para reflexão.

42 42 O que foi possível observar? O que diz a tutoria? Os pareceres apontam que os estudantes que realizaram as auto-avaliações apresentaram produções e posicionamentos mais críticos e consistentes.

43 43 ! Auto-Avaliação na Educação a Distância Observando a experiência Como foi a experiência? O que foi possível observar? As relações feitas e as lições tiradas As considerações para o futuro

44 44 Que relações fazer e que lições tirar das observações? As auto-avaliações mostraram-se viáveis e permitiram constatar vários pontos positivos, entre eles: As auto-avaliações mostraram-se viáveis e permitiram constatar vários pontos positivos, entre eles: Mudança de comportamento dos estudantes e dos tutores no uso dos recursos e na interatividade; Mudança de comportamento dos estudantes e dos tutores no uso dos recursos e na interatividade; Ajustes por parte da tutoria, no sentido de sensibilizar e/ou potencializar a aprendizagem; Ajustes por parte da tutoria, no sentido de sensibilizar e/ou potencializar a aprendizagem; Melhoria na comunicação tutor x estudante; Melhoria na comunicação tutor x estudante; Aprendizagens mais significativas constatadas nas produções; Aprendizagens mais significativas constatadas nas produções; Aumento do envolvimento e da autonomia do estudante na busca da formação. Aumento do envolvimento e da autonomia do estudante na busca da formação. Mediação Avaliação Formativa Comunicação

45 45 ! Auto-Avaliação na Educação a Distância Observando a experiência Como foi a experiência? O que foi possível observar? As relações feitas e as lições tiradas As considerações para o futuro

46 46 Uso de protocolos e novas estratégias de comunicação com o objetivo de sensibilizar os estudantes no sentido de enxergar a auto-avaliação como uma alternativa para aprender a aprender. O que considerar para o futuro? Para as próximas turmas Modificações para buscar responder às demais indagações com vistas a novas contribuições para a EAD.

47 47 Referências Belloni, M. L. (1999). Educação a Distância. Campinas, SP: Autores Associados, p. 64. Belloni, M. L. (1999). Educação a Distância. Campinas, SP: Autores Associados, p. 64. Brasil, Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), Ministério da Educação e Cultura, Educação a distância cresce mais ainda entre os cursos superiores. Artigo eletrônico Disponível em: Acesso: 3/3/08. Brasil, Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), Ministério da Educação e Cultura, Educação a distância cresce mais ainda entre os cursos superiores. Artigo eletrônico Disponível em: Acesso: 3/3/08. Christante, L., Ramos, M. P., Bessa, R., Sigulem D. (2003). O papel do ensino a distância na educação médica continuada: uma análise crítica. Rev. Assoc. Med. Bras. [online]. vol. 49, nº 3 [citado ], p Disponível em:. ISSN doi: /S Acesso em 7/fevereiro/07. Christante, L., Ramos, M. P., Bessa, R., Sigulem D. (2003). O papel do ensino a distância na educação médica continuada: uma análise crítica. Rev. Assoc. Med. Bras. [online]. vol. 49, nº 3 [citado ], p Disponível em:. ISSN doi: /S Acesso em 7/fevereiro/07. Freire, P. (1996). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra. p.136. Freire, P. (1996). Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra. p.136. Gutierrez, F., Prieto, D. (1994). A Mediação Pedagógica – educação a distância alternativa. Trad. Edilberto M. Sena, Carlos Eduardo Cortes. Campinas, SP: Papirus, p. Gutierrez, F., Prieto, D. (1994). A Mediação Pedagógica – educação a distância alternativa. Trad. Edilberto M. Sena, Carlos Eduardo Cortes. Campinas, SP: Papirus, p. Hadji, C. (2001). Avaliação desmistificada. Trad. Patrícia C. Ramos. Porto Alegre, RS: Artmed Editora. p.109. Hadji, C. (2001). Avaliação desmistificada. Trad. Patrícia C. Ramos. Porto Alegre, RS: Artmed Editora. p.109. Kenski, V. M. (2003). Tecnologias e ensino presencial e a distância. Campinas, SP: Papirus. p.121. Kenski, V. M. (2003). Tecnologias e ensino presencial e a distância. Campinas, SP: Papirus. p.121. Moodle, software livre. Site oficial. Disponível em. Acesso em 14/fevereiro/07. Moodle, software livre. Site oficial. Disponível em. Acesso em 14/fevereiro/07.http://moodle.org/ Palloff, R. M.; Pratt, K. (2002). Construindo comunidades de aprendizagem no ciberespaço. Trad. Vinícius Figueira. Porto Alegre: Artmed, p Palloff, R. M.; Pratt, K. (2002). Construindo comunidades de aprendizagem no ciberespaço. Trad. Vinícius Figueira. Porto Alegre: Artmed, p. 175.

48 48 Referências Perrenoud, P. (1999). Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens. Entre duas lógicas. Trad. Patrícia Chitoni Barros. Porto Alegre: Artes Médicas, p Perrenoud, P. (1999). Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens. Entre duas lógicas. Trad. Patrícia Chitoni Barros. Porto Alegre: Artes Médicas, p Prado, M. E. B.B., Martins, M. C. (2002). A Mediação Pedagógica em Propostas de Formação Continuada de Professores em Informática na Educação. Artigo. Disponível em. Acesso em 25/fevereiro/07. Prado, M. E. B.B., Martins, M. C. (2002). A Mediação Pedagógica em Propostas de Formação Continuada de Professores em Informática na Educação. Artigo. Disponível em. Acesso em 25/fevereiro/07.http://www.abed.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?UserActiveTe mplate=4abed&infoid=193&sid=102http://www.abed.org.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?UserActiveTe mplate=4abed&infoid=193&sid=102 Prata, D. N. (2003). Estratégias para o Desenvolvimento de um Framework de Avaliação da Aprendizagem a Distância. Disponível em. Acesso em 7/fevereiro/07. Prata, D. N. (2003). Estratégias para o Desenvolvimento de um Framework de Avaliação da Aprendizagem a Distância. Disponível em. Acesso em 7/fevereiro/07.http://www.nce.ufrj.br/ sbie2003/publicacoes/paper16.pdfhttp://www.nce.ufrj.br/ sbie2003/publicacoes/paper16.pdf Primo, L. (2004). Metodologia para acompanhamento de cursos de EAD e avaliação de competências - A2COMP. Dissertação de Mestrado defendida em 1/Dezembro/2004. p Universidade de Fortaleza. Disponível em. Acesso em 22/fevereiro/07. Primo, L. (2004). Metodologia para acompanhamento de cursos de EAD e avaliação de competências - A2COMP. Dissertação de Mestrado defendida em 1/Dezembro/2004. p Universidade de Fortaleza. Disponível em. Acesso em 22/fevereiro/07.https://uol02.unifor.br/oul/ObraBdtd SiteTrazer.do?method=trazer&obraCodigo=69893&programaCodigo=83#https://uol02.unifor.br/oul/ObraBdtd SiteTrazer.do?method=trazer&obraCodigo=69893&programaCodigo=83# Reis, I. (2004). Avaliação e o Processo de Ensino-Aprendizagem Online. Disponível em. Acesso em 7/fevereiro/07. Reis, I. (2004). Avaliação e o Processo de Ensino-Aprendizagem Online. Disponível em. Acesso em 7/fevereiro/07.http://www.abed.org.br/congresso2005/por/pdf/054tcf3.pdf>.http://www.abed.org.br/congresso2005/por/pdf/054tcf3.pdf>. Souza, A. M. M., Depresbiteris, L., Machado, O. T. M. (2004). A mediação como princípio educacional: bases teóricas das abordagens de Reuven Fuerstein. São Paulo: Editora Senac São Paulo, p.39, p.190. Souza, A. M. M., Depresbiteris, L., Machado, O. T. M. (2004). A mediação como princípio educacional: bases teóricas das abordagens de Reuven Fuerstein. São Paulo: Editora Senac São Paulo, p.39, p.190.

49 A observação é o que me possibilita o exercício do aprendizado do olhar. Olhar é como sair de dentro de mim para ver o outro. É partir da hipótese do momento de educação que o outro está para colher dados da realidade, para trazer de volta para dentro de mim e repensar as hipóteses. É uma leitura da realidade para que eu possa me ler. Madalena Freire

50 Obrigada Lane Primo


Carregar ppt "Auto-Avaliação na Educação a Distância Impacto na Formação de Estudantes e Tutores em Cursos de Pós-Graduação Relato de experiência Lane Primo Senac/CE."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google