A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Diretoria de Graduação e Educação Profissional Câmpus Curitiba.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Diretoria de Graduação e Educação Profissional Câmpus Curitiba."— Transcrição da apresentação:

1 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Diretoria de Graduação e Educação Profissional Câmpus Curitiba.

2 CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA UTFPR CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA UTFPR

3  Coordenação: Profa. Neusa Nogas Tocha  Início de funcionamento do Curso: 1º semestre de 2011  Fundamentação legal: Resolução nº. 117/10-COEPP  Duração do curso: oito semestres (prazo máximo 12 (doze semestres) - Matutino)  Titulação conferida: Licenciado em Matemática IDENTIFICAÇÃO GERAL

4 universitaria/diretorias/dirgrad/departamentos/matematic a/licenciatura (projeto do curso, regulamentos do estágio supervisionado, das atividades complementares, do TCC e o regulamento didático-pedagógico) INFORMAÇÕES SOBRE O CURSO E LEGISLAÇÃO DA UTFPR

5 Regime Acadêmico: (art. 6º) - Os cursos de graduação serão desenvolvidos em regime semestral, sendo o ano civil dividido em dois períodos letivos de, no mínimo, 100 (cem) dias de trabalho acadêmico efetivo cada um. Registro e matrículas: (art. 11) - Quando classificado e cumpridas as exigências previstas no edital do processo seletivo, o aluno será matriculado em todas as disciplinas/unidades curriculares do primeiro período do currículo do curso, em vigor, para o qual foi classificado. REGULAMENTO DIDÁTICO-PEDAGÓGICO

6 Trancamento de matrícula: (art. 18, § 2º) - O trancamento de matrícula no curso somente poderá ocorrer a partir da segunda matrícula exceto nos casos previstos em lei ou por motivo de força maior. Cancelamento em disciplinas: (art. 19) - Não será permitido cancelamento de matrícula em disciplinas/unidades curriculares, exceto para realizar Estágio Curricular Obrigatório ou por motivos de força maior, devidamente comprovados.

7 A Matemática auxilia na formação de posturas críticas, possibilita o desenvolvimento da criatividade e da imaginação, incentiva a iniciativa e favorece a capacidade de resolver problemas e interpretar dados. Os cursos de Licenciatura em Matemática devem ser engendrados para formar profissionais com liderança intelectual, social e política, capazes de intervir na realidade e melhorar as condições de ensino e aprendizagem vigentes, possibilitando à população o pleno exercício da cidadania. CONCEPÇÃO DO CURSO

8 Formar profissionais que detenham um sólido conhecimento em Matemática para atuarem como professores de Matemática na Educação Básica, assim como pesquisadores da área de Educação Matemática e de Ensino de Matemática, além de outras mais que estiverem no escopo de suas competências. O Curso procura fornecer as condições para que o graduado detenha as necessárias dimensões do Ensino, da Pesquisa e da Extensão em Matemática, tornando-o um profissional com condições de seguir estudos na pós-graduação em Educação Matemática, Matemática, Matemática Aplicada e áreas afins à Matemática. OBJETIVO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

9 Em termos gerais, o perfil do egresso deve ser o do professor com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva, capacitado a absorver novas tecnologias e a manipular novas mídias, estimulado pelas potencialidades da Matemática, atuando com visão ética, moral e humanística, em atendimento às demandas da sociedade. PERFIL ESPERADO DO FUTURO PROFISSIONAL

10 Que se forme como educador, pesquisador e gestor, atuando sempre com uma postura crítico- reflexiva, atuando como: Professor educador: envolvido de forma interdisciplinar com o processo de ensino e aprendizagem; Professor crítico-reflexivo: consciente do seu papel na formação de opiniões; O QUE SE ESPERA DO LICENCIADO EM MATEMÁTICA

11 Professor Pesquisador: ocupando-se da pesquisa, utilizando metodologia adequada e aplicada a diferentes campos de atuação de sua prática pedagógica; Professor Gestor: capaz de gerir diferentes situações inerentes à sua prática profissional. O QUE SE ESPERA DO LICENCIADO EM MATEMÁTICA

12  professor em instituições de ensino que oferecem cursos de nível fundamental e médio;  editoras e em órgãos públicos e privados que produzem e avaliam programas e materiais didáticos para o ensino presencial e a distância;  espaços de educação não-formal, como feiras de divulgação científica, museus e em empresas que demandem sua formação específica e em instituições que desenvolvem pesquisas educacionais;  pode também atuar de forma autônoma, em empresa própria ou prestando consultoria. ÁREAS DE ATUAÇÃO

13  Conhecimentos Básicos de Matemática;  Conhecimentos Básicos de Educação;  Conhecimentos Complementares e/ou Interdisciplinares de Matemática e de Educação;  Conhecimentos Metodológicos;  Estágio Curricular. ESPAÇOS CURRICULARES

14  mínimo de (duas mil e oitocentas) horas (Resolução CNE/CP nº 2/2002) Distribuição:  400 horas de prática como componente curricular, vivenciadas ao longo do curso – APCC (distribuídas em algumas disciplinas);  405 horas de estágio curricular supervisionado a partir do início da segunda metade do curso (5º período); CARGA-HORÁRIA

15 Distribuição:  1985 horas para os conteúdos curriculares de natureza científico-cultural (180 horas em disciplinas optativas);  120 horas para o Trabalho de Conclusão de Curso – TCC (6º e 7º período);  200 horas para as atividades curriculares complementares - ACC.

16  Responsável pelas ACC – Profa. Leônia Negrelli Gabardo  Responsável pelo Estágio Supervisionado – Prof. Marco Aurélio Kalinke  Responsável pelo TCC – Prof. André Fabiano Steklain Lisboa PROFESSORES RESPONSÁVEIS

17 MATRIZ CURRICULAR Uma aula corresponde a 50 minutos * A partir do 6º período o aluno deverá cursar no mínimo 180 horas em disciplinas optativas

18 1 0 Período Fundamentos de matemática 1 – 108 aulas Geometria 1 – 108 aulas Lógica matemática 1 – 72 aulas História da educação – 36 aulas Filosofia geral – 36 aulas Comunicação oral e escrita – 36 aulas TOTAL: 396 aulas 2 0 Período Fundamentos de matemática 2 – 108 aulas Geometria 2 – 108 aulas Funções reais de uma variável real – 72 aulas Construções geométricas e geometria descritiva – 72 aulas Políticas educacionais – 36 aulas Psicologia da educação – 54 aulas TOTAL: 450 aulas

19 3 0 Período Cálculo diferencial – 72 aulas Geometria analítica – 108 aulas Tecnologias no ensino de matemática – 54 aulas Organização do trabalho pedagógico e gestão escolar – 36aulas Laboratório de matemática – 54 aulas Didática geral – 36 aulas Metodologia da pesquisa em educação – 36 aulas Libras – 36 aulas TOTAL: 432 aulas 4 0 Período Cálculo integral – 72 aulas Álgebra linear 1 – 72 aulas Álgebra – 72 aulas Metodologia do ensino de matemática – 36 aulas Didática da matemática – 36 aulas Física – 90 aulas Libras – 36 aulasTOTAL: 414 aulas

20 5 0 Período Estágio supervisionado aulas Cálculo de funções reais de várias variáveis reais – 90 aulas Álgebra linear 2 – 72 aulas Cálculo de probabilidades – 72 aulas Modelagem matemática no ensino – 72 aulas Computação – 72 aulas TOTAL: 468 aulas 6 0 Período Estágio supervisionado 2 – 90 aulas TCC 1 – 72 aulas Análise matemática 1 – 72 aulas Equações diferenciais aplicadas – 72 aulas Estatística – 72 aulas TOTAL: 378 aulas

21 7 0 Período Estágio supervisionado 3 – 144 aulas TCC 2 – 72 aulas Análise matemática 2 – 72 aulas Cálculo numérico – 72 aulas TOTAL: 360 aulas 8 0 Período Estágio supervisionado 4 – 162 aulas História da matemática – 72 aulas Educação financeira – 72 aulas Teoria de grupos – 72 aulas TOTAL: 378 aulas

22  Departamento Acadêmico de Matemática (DAMAT) – Chefe: profa. Silvana Heidemann Rocha  Departamento Acadêmico de Educação (DEPED)  Departamento Acadêmico de Comunicação e Expressão (DACEX)  Departamento Acadêmico de Estudos Sociais (DAESO)  Departamento Acadêmico de Física (DAFIS)  Departamento Acadêmico de Informática (DAINF) DEPARTAMENTOS ENVOLVIDOS NO CURSO

23 Órgãos auxiliares à coordenação NDE – Núcleo Docente Estruturante É um órgão consultivo da coordenação de curso, responsável pelo processo de concepção, consolidação e contínua atualização do Projeto Pedagógico do curso. Colegiado do curso Órgão propositivo no âmbito do curso de para os assuntos de ensino, pesquisa e extensão em conformidade com as políticas da Instituição. Representante discente: Willian Carlos Lesinhovski

24 Art O rendimento escolar será apurado através de: I. verificação da frequência, quando couber; II. avaliação do aproveitamento acadêmico. Art A aprovação nas disciplinas presenciais dar-se-á por Nota Final, proveniente de avaliações realizadas ao longo do semestre letivo, e por frequência. § 4º - Considerar-se-á aprovado na disciplina, o aluno que tiver frequência igual ou superior a 75% (setenta e cinco por cento) e Nota Final igual ou superior a 6,0 (seis), consideradas todas as avaliações previstas no Plano de Ensino. DO RENDIMENTO ESCOLAR E DA APROVAÇÃO

25 Art. 16, § 2º - O coeficiente de rendimento do aluno será calculado pela fórmula CR = [Σ ( NF. CH )]/ 10. Σ CH, levando-se em consideração todas as disciplinas/unidades curriculares cursadas. Onde: NF = nota final na disciplina/unidade curricular, expressa de 0,0 a 10,0; CH = carga horária total da disciplina/unidade curricular. COEFICIENTE DE RENDIMENTO - CR

26 Art O desligamento do aluno do curso ocorrerá: I.por transferência para outra instituição de ensino; II.por expressa manifestação de vontade do aluno; III.se o aluno não obtiver aprovação em pelo menos uma disciplina do primeiro período; IV.se o aluno não efetuar sua matrícula no curso, no período estabelecido nas instruções de matrícula, em qualquer período letivo; V.se for ultrapassado o prazo de 04 (quatro) semestres letivos de trancamento de matrícula, para os cursos semestrais, e 02 (dois) anos para os cursos anuais em andamento; VI.por ato administrativo decorrente de motivos disciplinares; VII.por ato administrativo decorrente de processo de jubilamento. DESLIGAMENTO DO CURSO

27 Art A matrícula será feita por disciplina/unidade curricular, a cada período letivo, observadas as exigências de pré-requisitos e a compatibilidade de horários, devendo ser efetuada, pelo aluno, nos prazos estabelecidos nas instruções de matrícula. Art É obrigatório o requerimento de matrícula em pelo menos uma disciplina/unidade curricular em dependência que, dentro do currículo do curso, esteja situada a três ou mais períodos anteriores ao do período do aluno, respeitados os pré-requisitos. Para efeito de matrícula, define-se como período do aluno aquele até o qual a soma da carga horária semanal de disciplinas/unidades curriculares em dependência totalize 16 aulas ou mais, excetuando-se Estágio Curricular Obrigatório e Atividades Complementares(art. 13, § 4º). MATRÍCULA

28 Art No caso do aluno perder alguma avaliação presencial e escrita, por motivo de doença ou força maior, poderá requerer uma única segunda chamada por avaliação, no período letivo. § 1º - O requerimento, com documentação comprobatória, deverá ser protocolado no Departamento de Registros Acadêmicos (DERAC) até 5 (cinco) dias após a realização da avaliação. Falta em dia de Avaliação

29 Diretrizes dos cursos da UTFPR (art. 10) Atividade Teórica (AT) – São as atividades utilizadas para a exposição teórica de conteúdos, realizadas com a presença de docentes e discentes. Atividade Prática (AP) – São as atividades utilizadas para o desenvolvimento prático de conteúdos, realizadas com a presença de docentes e discentes. São consideradas atividades práticas: as atividades de laboratório, desenvolvimento de projetos, estudos de caso, visitas técnicas, levantamentos em campo, produção de textos dentre outras. ATIVIDADES ACADÊMICAS

30 Atividade Prática Supervisionada (APS) – São as atividades desenvolvidas sob a orientação e supervisão de docentes e realizadas pelos discentes, em horários diferentes daqueles destinados às atividades presenciais. Atividade à Distância (AD) – São as atividades realizadas nas disciplinas semi-presenciais utilizando, obrigatoriamente, tecnologias de informação e comunicação como ferramentas de apoio ao processo de ensino aprendizagem. Atividade Prática como Componente Curricular (APCC) – São atividades a serem desenvolvidas com ênfase nos procedimentos de observação e reflexão, visando à atuação em situações contextualizadas, com o registro dessas observações realizadas e a resolução de situações-problema vivenciadas ao longo dos Cursos de Licenciatura. ATIVIDADES ACADÊMICAS

31 (art. 2º) - As Atividades Complementares têm por objetivo enriquecer o processo de ensino-aprendizagem, privilegiando: I.atividades de complementação da formação social, humana e cultural; II.atividades de cunho comunitário e de interesse coletivo; III.atividades de iniciação científica, tecnológica e de formação profissional. (art. 8º) - O aluno deverá protocolar junto ao professor responsável a entrega da documentação comprobatória para avaliação em Atividades Complementares, no momento que julgar ter os pontos necessários para avaliação. §1º - A documentação comprobatória deverá ser entregue até a data limite prevista em Calendário Acadêmico. §2º - Caso o aluno complete o número mínimo de pontos exigido para aprovação em Atividades Complementares, a matrícula será realizada, sendo o aluno considerado aprovado. Atividade Curricular Complementar

32 §3º - Caso o aluno não complete o número mínimo de pontos exigido para aprovação em Atividades Complementares, a matrícula não será realizada. §4º - Caso o aluno tenha como único requisito faltante para conclusão do curso as Atividades Complementares e não complete o número mínimo de pontos exigido para aprovação, a matrícula será realizada e o aluno será considerado reprovado. Leia atentamente o Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da UTFPR e a tabela de pontuação da ACC para o curso de Licenciatura em Matemática do Câmpus Curitiba, disponível na página do curso; Esclarecimentos e orientações podem ser obtidos junto ao professor responsável pelas Atividades Complementares do Curso. Atividade Curricular Complementar

33 NUAPE - Núcleo de Acompanhamento Psicopedagógico e Assistência Estudantil : -propor e coordenar os programas de apoio psicopedagógico e os programas institucionais de apoio ao estudante; -prestar atendimento médico-odontológico aos discentes; -propor e coordenar ações de educação inclusiva; -prestar atendimento aos discentes com necessidades educacionais especiais; -responsáveis pelo Programa de Bolsa-Permanência ao Estudante da UTFPR.Programa de Bolsa-Permanência ao Estudante da UTFPR ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL

34  Semana Acadêmica  PIBID  PIBIC  PLI  Jovens Talentos  PICME  OBM  Monitoria  Estágio não obrigatório  Projetos de pesquisas em agências de fomento Projetos e atividades em desenvolvimento

35  PROJETO DE ABERTURA DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA,  REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR,  DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR, Referências Bibliográficas

36 BONS ESTUDOS e SUCESSO!!!


Carregar ppt "Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Diretoria de Graduação e Educação Profissional Câmpus Curitiba."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google