A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

RECURSOS HUMANOS em SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO Administração de Serviços de Alimentação Módulo II.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "RECURSOS HUMANOS em SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO Administração de Serviços de Alimentação Módulo II."— Transcrição da apresentação:

1 RECURSOS HUMANOS em SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO Administração de Serviços de Alimentação Módulo II

2 Fatores que interferem no dimensionamento do pessoal Tipo do local: empresa, hospital, spa, restaurante comercial, merenda escolar, hotel, casa de repouso; Tipo de construção: monobloco (horizontal ou vertical), pavilhonar; Tipo de clientela: pacientes, funcionários,... Número de refeições a serem servidas a quem: diretoria, funcionários, pacientes e acompanhantes; Tipo de cardápio: personalizado (hospital); luxo ou médio/popular (indústria);

3 Fatores que interferem no dimensionamento do pessoal Padrão de atendimento: à francesa, à inglesa, cafeteria ou self-service; Sistema de distribuição de refeições: centralizado, descentralizado ou misto; Sistema de higienização: centralizado, descentralizado ou misto; Quantidade e qualidade das instalações e equipamentos; Qualificação do pessoal técnico e subalterno disponível; Jornada de trabalho. MEZOMO, 1994; TEIXEIRA,1997

4 Cálculo para o Dimensionamento do Pessoal Em relação ao número de leitos do hospital 1 funcionário 8 leitos (proporção 1:8): incluindo substitutos de folgas e férias (ausências previstas) Substituição de eventuais faltas e licenças (ausências imprevistas): acrescenta-se 20% sobre o total EXERCÍCIO: Quantos funcionários seriam necessários para um hospital de 100 leitos?

5 Cálculo para o Dimensionamento do Pessoal Em relação ao quadro de pessoal do hospital 6, 8, 10 e 12% do total de funcionários do hospital para o S. A. 8%: porcentagem fiel (boa organização e racionalização do serviço) – MEZOMO 10 a 15% do total para S.A. – TEIXEIRA e cols. EXERCÍCIO: Quantos funcionários para o S. A. seriam necessários para um hospital com total de 130 funcionários? MEZOMO, 1994; TEIXEIRA,1997

6 Cálculo para o Dimensionamento do Pessoal Em relação ao número de refeições servidas IPF = nº de refeições x n minutos jornada diária de trabalho x 60 minutos IPF (Indicador de Pessoal Fixo) nº de refeições servidas (Almoço, Jantar e Ceia) n minutos: tempo médio gasto na produção e distribuição de uma refeição MEZOMO, 1994

7 Este tempo médio depende de: Nº de refeições servidas por dia e horários; Nº de dias de trabalho na semana; Diferenciação de cardápios; Nº concomitante de pontos de distribuição; Qualidade e quantidade de funcionários; Sistema de distribuição de refeições; Horário de cada turno; Características regionais; e Fatores intrínsecos da própria empresa. MEZOMO, 1994

8 Tabela de aplicação de (n) minutos Nº de refeiçõesMinutos (n) ou mais7 GANDRA & GAMBARDELLA, 1986

9 Cálculo para o Dimensionamento do Pessoal IAD = média diária de empregados ausentes x 100 nº de pessoal fixo IAD (Indicador de Absenteísmo Diário) Média de empregados ausentes = faltas por licença, afastamentos e gestação dividido pelo período considerado MEZOMO, 1994

10 Distribuição do pessoal do S. A. Fatores determinantes: Tipo de construção do local; Capacidade; Especialidade; Número de leitos; Planta física; Área da UAN (Unidade de Alimentação e Nutrição); Nº de funcionários; Equipamentos; Sistema de distribuição de refeição; e Fluxograma. MEZOMO, 1994

11 Distribuição do Pessoal Administração (pessoal burocrático, encarregados e chefia) 15% Recebimento de estocagem 8% Preparo de gêneros 11% Cocção 20% Merenda, lanche, desjejum 5% Cafeteria 7% Copas de distribuição 20% Lavagem de louça e faxina 8% Serviço noturno 6% MEZOMO, 1994

12 Tipos de cargo no S. A. Chefia geral do Serviço; Chefia de Seção ou Setor ou encarregado de Setor ou Turma; Supervisor; Nutricionista; Técnico em Nutrição e Dietética; Cozinheiro; Auxiliar de cozinheiro; Auxiliar de cozinha; Copeiro; Estoquista; Auxiliar de administração. TEIXEIRA,1997

13 Título do Treinamento; Objetivos (geral e específicos); Justificativa; Clientela-alvo; Carga horária; Períodos de duração; Local; Conteúdo programático; Métodos didáticos; Recursos audiovisuais Técnicas e critérios de avaliação; Responsáveis. Plano de Treinamento TEIXEIRA,1997

14 Treinamento – Objetivos da Educação em Serviço 1. Mostrar ao funcionário, a organização administrativa da instituição onde trabalha; 2. Situar sua participação junto a cada elemento da equipe e a importância do seu desempenho; 3. Torná-lo consciente de sua responsabilidade, deveres e direitos dentro da empresa; 4. Levá-lo a desenvolver habilidade no desempenho de suas tarefas; 5. Familiarizá-lo com o uso adequado do equipamento disponível; e 6. Orientá-lo quanto à cordialidade devida à clientela, superiores hierárquicos e colegas de trabalho. MEZOMO, 1994; TEIXEIRA,1997

15 Treinamento e Reciclagem Técnicas dietéticas em bases científicas: Pré-preparo; Preparo; Cocção; Armazenamento; e Distribuição. TEIXEIRA,1997 desperdício de gêneros alimentícios danos no valor nutritivo da refeição

16 Treinamento = Fator de Motivação Melhor capacidade de trabalho; Maior participação e contribuição de novas idéias; Maior valorização e aceitabilidade pelo grupo; Maior segurança; Menores custos operacionais. TEIXEIRA,1997

17 Treinamento: Vantagens Melhoria da produtividade; Maior segurança e higiene no trabalho; Melhoria das técnicas, dos padrões de execução; Maior confiança no desempenho do empregado, diminuindo as ações de supervisão; Redução das taxas de absenteísmo; TEIXEIRA,1997

18 Treinamento: Vantagens Redução das taxas de rotatividade de mão- de-obra; Melhoria da qualidade dos produtos e serviços; Redução da frequência de perdas e danos, desperdícios de gêneros e danos em equipamentos e utensílios. TEIXEIRA,1997

19 ROTINA É um componente da organização de um Serviço de Alimentação; É definida como a descrição dos passos dados para a realização de uma atividade ou operação; É fundamento indispensável à execução das numerosas atividades que nele se desenvolvem a cada momento; A inexistência de rotinas gera a desorganização, comprometendo o funcionamento do S. A.;

20 ROTINA A composição de cada tarefa é descrita através das rotinas; sua alteração pode significar aperfeiçoamento gradativo. A mensuração do desempenho do seu cumprimento, figura como teste de avaliação e fornece subsídios valiosos para a tomada de decisões; O descumprimento de uma das ações que compõem a atividade, é um passo em falso, gerador de conseqüências não previstas;

21 ROTINA A incorreção ou a falha destas, representa quase sempre a prestação desqualificada de um serviço, com conseqüente descontentamento do usuário ou a fabricação incorreta de um produto, com perdas materiais. MEZOMO, 1994; TEIXEIRA,1997

22 ROTEIRO É a determinação das ações, que cada funcionário deve executar num determinado período. MEZOMO, 1994


Carregar ppt "RECURSOS HUMANOS em SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO Administração de Serviços de Alimentação Módulo II."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google