A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

12/1/20141 II - Caracterização dos Resíduos Sólidos Resíduos: Mudanças e Riscos Composição variável dos resíduos; Composição variável dos resíduos; Riscos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "12/1/20141 II - Caracterização dos Resíduos Sólidos Resíduos: Mudanças e Riscos Composição variável dos resíduos; Composição variável dos resíduos; Riscos."— Transcrição da apresentação:

1 12/1/20141 II - Caracterização dos Resíduos Sólidos Resíduos: Mudanças e Riscos Composição variável dos resíduos; Composição variável dos resíduos; Riscos associados: Ambiental / Saúde pública Riscos associados: Ambiental / Saúde pública Como avaliar a dimensão dos riscos? Como avaliar a dimensão dos riscos? Conhecimento dos RS: Conhecimento dos RS: Tipo/características/quantidades/propriedades... Tipo/características/quantidades/propriedades... Trajetória/manuseio/processos de trabalho... Trajetória/manuseio/processos de trabalho... Tendências de crescimento / áreas disponíveis / Tendências de crescimento / áreas disponíveis / consórcios intermunicipais... consórcios intermunicipais...

2 12/1/20142 II - Caracterização dos Resíduos Sólidos

3 12/1/20143 Caracterização: Tipos: Física / Química / Bacteriológica Importância: Planejamento / Operação da GRSU Importância: Planejamento / Operação da GRSU Representatividade dos resultados: Programa de Amostragem Representatividade dos resultados: Programa de Amostragem Preparação e manuseio: Preparação e manuseio:

4 12/1/20144 Definições Periculosidade: Característica apresentada por um resíduo que, em função de propriedades físicas, químicas ou infecto-contagiosas, pode apresentar: Periculosidade: Característica apresentada por um resíduo que, em função de propriedades físicas, químicas ou infecto-contagiosas, pode apresentar: Risco à saúde pública: mortalidade, incidência de doenças ou acentuando seus índices e Risco à saúde pública: mortalidade, incidência de doenças ou acentuando seus índices e Risco ao meio ambiente: Risco ao meio ambiente: manuseio/destino inadequados manuseio/destino inadequados

5 12/1/20145 Definições Resíduos Sólidos (NBR 10004/2004): São resíduos nos estados SÓLIDO/SEMISÓLIDO Resíduos Sólidos (NBR 10004/2004): São resíduos nos estados SÓLIDO/SEMISÓLIDO Sub-produto das atividades comunitárias Sub-produto das atividades comunitárias Origens: Doméstica, Industrial, RSS, Origens: Doméstica, Industrial, RSS, Comercial, Agrícola,... Comercial, Agrícola,... Lamas dos processos industriais. Lamas dos processos industriais.

6 12/1/20146 DIFERENÇA: DIFERENÇA: Lixo X Resíduo?

7 12/1/20147 ABNT – NBR CLASSE I: Perigoso Resíduos Classe I: Perigosos Resíduos Classe I: Perigosos Inflamabilidade, Inflamabilidade, Corrosividade, Corrosividade, Reatividade, Reatividade, Toxicidade, Toxicidade, Patogenicidade. Patogenicidade. ABNT – NBR CLASSE II: Não Perigoso CLASSE II A: Não Inerte CLASSE II B: Inerte

8 12/1/20148 ABNT – NBR 10004: Classe II A Não inertes Propriedades: Propriedades: Combustibilidade; Combustibilidade; Biodegradabilidade; Biodegradabilidade; Solubilidade em água. Solubilidade em água. ABNT – NBR 10004: Classe II B Inertes. Solubilidade em água: Anexo G

9 12/1/20149 Caracterização e Classificação de Resíduos NÃO Resíduo Classe II O Resíduo tem origem conhecida? Consta dos Anexos A/B? Tem características Perigoso? sim Resíduo Classe I NÃO Constituintes Conc > Anexo G? sim Classe II A Classe II B Inerte NÃO sim

10 12/1/ Origem e Formação do Lixo. Fatores intervenientes: Fatores intervenientes: Número de habitantes do local; Número de habitantes do local; Área relativa de produção; Área relativa de produção; Variações sazonais; Variações sazonais; Condições climáticas; Condições climáticas; Hábitos/costumes da população; Hábitos/costumes da população; Nível educacional; Nível educacional; Poder aquisitivo; Poder aquisitivo; Freqüência de coleta; Freqüência de coleta; Segregação na origem: separação entre seco e úmido; Segregação na origem: separação entre seco e úmido; Sistematização da origem: separação nos diversos componentes recicláveis; Sistematização da origem: separação nos diversos componentes recicláveis; Disciplina e controle de pontos produtores; Disciplina e controle de pontos produtores; Leis e regulamentações específicas. Leis e regulamentações específicas.

11 12/1/ Origem e Formação do Lixo. Outros Fatores Importantes: Outros Fatores Importantes: Cidades turísticas; Cidades turísticas; Variações na economia. Variações na economia.

12 12/1/ Classificação dos Resíduos Sólidos Objetivos: Comparar situações GRS eficiente. Comparar situações GRS eficiente.

13 12/1/ Tipos de Classificação Natureza física: Secos; Natureza física: Secos; Úmidos ; Úmidos ; Composição química: Orgânicos; Composição química: Orgânicos; Inorgânicos; Inorgânicos; Risco (NBR 10004/2004). Risco (NBR 10004/2004).

14 12/1/ Classificação quanto à origem: Resíduo Doméstico (Residencial) Resíduo Doméstico (Residencial) Itens perigosos: pilhas, baterias, tintas e vernizes, lâmpadas fluorescentes... Itens perigosos: pilhas, baterias, tintas e vernizes, lâmpadas fluorescentes...

15 12/1/ Classificação quanto à origem: Resíduo Comercial: Resíduo Comercial: Lojas, lanchonetes, escritórios, hotéis,... Lojas, lanchonetes, escritórios, hotéis,... Resíduo Público Resíduo Público Varrição e podas de árvores, Varrição e podas de árvores, limpeza de praias, limpeza de praias, galerias, córregos, galerias, córregos, feiras livres... feiras livres...

16 12/1/ Resíduos dos Serviços de Saúde – RSS CONAMA N o 358 de 29 / 04 / 2005 e CONAMA N o 358 de 29 / 04 / 2005 e RDC N o 306 ( 07/12/2004) – ANVISA RDC N o 306 ( 07/12/2004) – ANVISA RSS são provenientes de: RSS são provenientes de: unidades que execute atividades de natureza médico- assistencial unidades que execute atividades de natureza médico- assistencial humana ou animal ; Laboratórios de análise, necrotérios/funerárias, drogarias/farmácias, distribuidores remédios; Centros de ensino / pesquisa em saúde; Centros de ensino / pesquisa em saúde; Centros de controle de zoonoses; Centros de controle de zoonoses; Serviços de acupuntura. Serviços de acupuntura.

17 12/1/ RSS CLASSE A (A1...A5) Agentes biológicos A1: culturas e estoques de microrganismos, vacinas com microrganismos vivos/atenuados, resíduos de atenção à saúde humana/animal...; A1: culturas e estoques de microrganismos, vacinas com microrganismos vivos/atenuados, resíduos de atenção à saúde humana/animal...; A2: carcaças, peças anatômicas, vísceras e resíduos de animais submetidos a processos de experimentação/inoculação de mo, cadáveres de animais suspeitos..., A2: carcaças, peças anatômicas, vísceras e resíduos de animais submetidos a processos de experimentação/inoculação de mo, cadáveres de animais suspeitos..., A3: membros de seres humanos, produtos de fecundação sem sinais vitais...; A3: membros de seres humanos, produtos de fecundação sem sinais vitais...; A4: filtros de ar e gases aspirados de áreas contaminadas, bolsas transfusionais vazias ou com volume residual pós-transfusão.... A4: filtros de ar e gases aspirados de áreas contaminadas, bolsas transfusionais vazias ou com volume residual pós-transfusão.... A5: órgãos, tecidos, fluidos orgânicos. A5: órgãos, tecidos, fluidos orgânicos.

18 12/1/ RSS CLASSE B: Agentes químicos Características: Características: Inflamabilidade, corrosividade, reatividade e toxicidade. Inflamabilidade, corrosividade, reatividade e toxicidade. Produtos hormonais ou antimicrobianos; Produtos hormonais ou antimicrobianos; Resíduos contendo metais pesados... Resíduos contendo metais pesados...

19 12/1/ RSS CLASSE C: Radionuclídeos. GESTÃO CNEN GESTÃO CNEN (Comissão Nacional de Energia Nuclear)

20 12/1/ RSS CLASSE D: Resíduos comuns. Áreas administrativas; Áreas administrativas; Sobras de alimento; Sobras de alimento; Gesso hospitalar. Gesso hospitalar. NÃO APRESENTAM RISCOS biológicos, químicos ou radiológicos

21 12/1/ RSS CLASSE E: Resíduos PERFUROCORTANTES. Lâminas de barbear, agulhas e escalpes, ampolas de vidro, brocas, micropipetas, utensílios de vidro quebrados em laboratório... Lâminas de barbear, agulhas e escalpes, ampolas de vidro, brocas, micropipetas, utensílios de vidro quebrados em laboratório...

22 12/1/ Fonte: I Encontro Técnico Sobre RSS da Região Metropolitana de Campinas.

23 12/1/ Plano de Gerenciamento dos RSS – PGRSS Processo de licenciamento ambiental. Processo de licenciamento ambiental. Princípios: Princípios: Minimização / Não geração de resíduos Minimização / Não geração de resíduos Conteúdo PGRSS: Conteúdo PGRSS: geração, segregação, acondicionamento, coleta, armazenamento, transporte, tratamento e disposição final.

24 12/1/ Objetivos do PGRSS Gerais - Atendimento a legislação - Atendimento a legislação - Implantação da política ambiental Específicos - Redução de Riscos - Redução do nº de acidentes de trabalho - Redução dos custos no manejo dos resíduos - Redução do nº de infecções hospitalares - Incremento da reciclagem

25 12/1/ Etapas do PGRSS Segregação: Separação no momento e local da geração; Segregação: Separação no momento e local da geração; Acondicionamento: Acondicionamento: Sacos plásticos branco leitoso – Classe A e B (NBR9191/00) e Recipiente Rígido – Classe E. Sacos plásticos branco leitoso – Classe A e B (NBR9191/00) e Recipiente Rígido – Classe E. Identificação; Identificação; Transporte interno; Transporte interno; Armazenamento temporário; Armazenamento temporário; Tratamento e Tratamento e Disposição Final. Disposição Final.

26 12/1/201426Acondicionamento Fonte: I Encontro Técnico Sobre RSS da Região Metropolitana de Campinas.

27 12/1/201427Acondicionamento Fonte: I Encontro Técnico Sobre RSS da Região Metropolitana de Campinas.

28 12/1/201428Acondicionamento Fonte: I Encontro Técnico Sobre RSS da Região Metropolitana de Campinas. Papel Vidro Plástico Metal

29 12/1/ Tratamento - Autoclave Fonte: I Encontro Técnico Sobre RSS da Região Metropolitana de Campinas.

30 12/1/ Resíduos Industriais Composição variada Composição variada Coleta/disposição final: GERADOR Coleta/disposição final: GERADOR Disposição inadequada contaminação solo, subsolo, águas superficiais e subterrâneas: riscos MA e saúde pública.; Disposição inadequada contaminação solo, subsolo, águas superficiais e subterrâneas: riscos MA e saúde pública.; Atenção: Resíduos Classe I Atenção: Resíduos Classe I

31 12/1/ Portos e Aeroportos. Resíduos Assépticos: Domiciliares. Resíduos Assépticos: Domiciliares. Resíduos Sépticos: Resíduos Perigosos (regiões epidêmicas) Resíduos Sépticos: Resíduos Perigosos (regiões epidêmicas)

32 12/1/ Resíduos Agrícolas. Responsabilidade pós-consumo do fabricante Responsabilidade pós-consumo do fabricante Embalagens, defensivos agrícolas, ração, Embalagens, defensivos agrícolas, ração, restos de colheitas, etc. restos de colheitas, etc.

33 12/1/ Entulho Geralmente Inertes. Reciclagem. Especial : Produção esporádica; Produção esporádica; Veículos abandonados, mobiliário, animais mortos, etc. Veículos abandonados, mobiliário, animais mortos, etc.

34 12/1/ Responsabilidades TIPOS DE LIXO RESPONSÁVEL DomiciliarPrefeitura ComercialPrefeitura * Público Prefeitura RSSGerador IndustrialGerador Portos, aeroportos Gerador AgrícolaGerador EntulhoGerador *

35 12/1/ Caracterização dos RSU Refere-se à produção – tipos, quantidades, Refere-se à produção – tipos, quantidades, propriedades físicas, químicas, bacteriológicas...; propriedades físicas, químicas, bacteriológicas...; Objetivo: Planejamento das etapas SLU; Objetivo: Planejamento das etapas SLU; Variável: Caracterização periódica. Variável: Caracterização periódica.

36 12/1/ Principais características FÍSICAS Composição Física ou Gravimétrica; Composição Física ou Gravimétrica; Peso Específico: (Kgf/m 3 ); Peso Específico: (Kgf/m 3 ); Contribuição percapita: (kg/hab.dia); Contribuição percapita: (kg/hab.dia); Teor de Umidade (%); Teor de Umidade (%); Grau de Compactação. Grau de Compactação.

37 12/1/ Principais características Químicas (Tratabilidade) Composição Química; Composição Química; Teor de Matéria Orgânica. Teor de Matéria Orgânica. Presença de: Presença de: Coliformes; Coliformes; Pesquisa de patogênicos. Pesquisa de patogênicos. Principais características Bacteriológicas (Tratablidade)

38 12/1/ Características Físicas (GRSU <> custos) Composição Física ou Gravimétrica: Porcentagens em peso das frações. Composição Física ou Gravimétrica: Porcentagens em peso das frações. IMPORTÂNCIA: Potencialidade econômica do lixo; Potencialidade econômica do lixo; Avalia sistema mais adequado de Avalia sistema mais adequado de tratamento Compostagem. tratamento Compostagem.

39 12/1/ Composição Gravimétrica (%) Componente Brasil México Índia Mat. Orgânica 52,554,4 78 Papel/papelão 24, Plástico 2,9 3,8 0 Metais 2,3 3,2 0,1 Vidros 1,6 8,2 0,2 Outros 16,2 10,4 18,7 Total

40 12/1/ Composição RESÍDUOS SÓLIDOS

41 12/1/ Gravimetria: JF (Domiciliar) - DEMLURB

42 12/1/ Produção diária JF: hab. Tipo de lixo Total coletado (ton./dia) Percentual por tipo Domiciliar311,21 65,7 Comercial9,51 2,0 Industrial10,36 2,2 Hospitalar5,15 1,1 Varrição29,98 6,3 Capina94,31 20 Seletiva12,96 2,7 Total473,48 **

43 12/1/ RSU JF - Por tipo de resíduo

44 12/1/ Composição dos Resíduos Sólidos: São Paulo Tipos deAno Material Papel, papelão 13,416,716,829,225,917,029,614,418,8 Trapo, couro 1,52,73,13,84,3-3,04,53 Plástico ---1,94,37,59,012,022,9 Vidro 0,91,41,52,62,11,54,21,11,5 Metais, latas 1,72,2 7,84,23,255,33,23 Mat. orgânica 82,576,0 52,247,655,047,464,469,5

45 12/1/ Composição dos Resíduos Sólidos: São Paulo/2003

46 12/1/ GRSU - São Paulo em Números População: 11,2 milhões Total Coletado/dia: t Lixo Residencial RECICLADO: < 1% Lixo não-Residencial RECICLADO: < 1% Empresas privadas que coletam lixo: 2 Frota de caminhões privados de coleta: 500 Gasto mensal com GRS: R$80 milhões Gasto percapita diário com GRSU: R$0, catadores e 150 cooperativas

47 12/1/ RSU - Composição

48 12/1/ Peso Específico: (kgf/m 3 ) Razão entre Peso e Volume dos resíduos Razão entre Peso e Volume dos resíduos IMPORTÂNCIA: IMPORTÂNCIA: Capacidade: Coleta e disposição final. Capacidade: Coleta e disposição final. Variável: Bairros e cidades. (~200 kgf/m 3 ) Variável: Bairros e cidades. (~200 kgf/m 3 ) Avanço tecnológico: Redução Avanço tecnológico: Redução

49 12/1/ Contribuição percapita: (Kg/hab.dia) IMPORTÂNCIA: IMPORTÂNCIA: Planejamento do SLU Planejamento do SLU Dimensionamento de instalações e equipamentos Dimensionamento de instalações e equipamentos Função do padrão de consumo; Função do padrão de consumo; Contribuição média: 0,4 a 0,8 kg/hab.dia. Contribuição média: 0,4 a 0,8 kg/hab.dia.

50 12/1/ ESTIMATIVAS DA QUANTIDADE GERADA Objetivo: Prognosticar quantidades geradas no município. Aspectos a considerar: A – População do atual município; B – Geração percapita (amostragem); C 0 – Nível atual de coleta (%) D – Taxa de crescimento populacional (%); E – Incremento da geração percapita de lixo (%); Ct – Nível de coleta pretendido após n anos (%) n – Intervalo de tempo considerado (anos). Estimativas: ATUAL: A* B * C 0 (kg/dia) ; ATUAL: A* B * C 0 (kg/dia) ; FUTURA: { [A * (1 + D) n ] * [B * (1 + E) n ] * Ct } (kg/dia). FUTURA: { [A * (1 + D) n ] * [B * (1 + E) n ] * Ct } (kg/dia).

51 12/1/ Teor de Umidade = Peso seco / Peso úmido (%) IMPORTÂNCIA: IMPORTÂNCIA: Tecnologia de tratamento Tecnologia de tratamento Influências: Influências: Poder calorífico, Poder calorífico, Densidade, Densidade, Velocidade decomposição biológica, Velocidade decomposição biológica, Formação de chorume. Formação de chorume. Valor médio ~ 30 a 40%. Valor médio ~ 30 a 40%.

52 12/1/ Grau de Compactação: Indica redução de volume IMPORTÂNCIA: IMPORTÂNCIA: coleta, transporte e disposição final. coleta, transporte e disposição final. Valor médio: 3 a 5 vezes volume inicial Valor médio: 3 a 5 vezes volume inicial

53 12/1/ Características Químicas Teor de Materiais Combustíveis Teor de Materiais Combustíveis Incineráveis / inertes Incineráveis / inertesIMPORTÂNCIA Incineração Incineração

54 12/1/ Composição Química Análises: Análises: N, P, K, S, C, Relação C/N, pH e N, P, K, S, C, Relação C/N, pH e Sólidos voláteis. Sólidos voláteis. Relação (C/N): Indica potencial grau de Relação (C/N): Indica potencial grau de decomposição da matéria orgânica; decomposição da matéria orgânica; Maior relação C/N Menor o estágio de degradação do resíduo. Maior relação C/N Menor o estágio de degradação do resíduo.

55 12/1/ Caracterização Bacteriológica IMPORTÂNCIA: IMPORTÂNCIA: Patogenicidade dos resíduos cuidados Patogenicidade dos resíduos cuidados no manuseio, coleta e transporte; no manuseio, coleta e transporte; Potencialidades de utilização de Potencialidades de utilização de microrganismos para tratamento dos RS microrganismos para tratamento dos RS

56 12/1/ Como Caracterizar o Lixo? Variabilidade ao longo do percurso; Variabilidade ao longo do percurso; Amostragem Função do que se quer avaliar. Amostragem Função do que se quer avaliar. Exemplo: Exemplo: Gravimetria: Aterro Sanitário Gravimetria: Aterro Sanitário Capacidade volumétrica da frota: Capacidade volumétrica da frota: Amostragem na coleta Amostragem na coleta Teor de umidade: Amostragem no AS Teor de umidade: Amostragem no AS Teor de Matéria Orgânica Compostagem AS Teor de Matéria Orgânica Compostagem AS

57 12/1/ Amostragem: gravimetria (CETESB) Amostragem: gravimetria (CETESB) Procedimento para coleta de amostras para análise de composição física 1.Descarregar o caminhão em local previamente escolhido (pátio) Coletar, na pilha resultante da descarga, quatro amostras de 100 litros cada Quantidade inicial < 1,5 toneladas todo o material é amostra; 2. Pesar os resíduos; 3 Dispor os resíduos sobre uma lona e selecionar por tipo.

58 12/1/ Amostragem composição química Amostragem composição química (C/N, C, N, P, K, S, umidade)

59 12/1/ Amostragem: gravimetria Amostragem: gravimetria (PROSAB - RSU: Aterro Sustentável para Municípios de Pequeno Porte) Escolhe-se o veículo de acordo com origem da coleta (bairro representativo); Descarregar resíduos no solo; Romper os sacos de acondicionamento; Coletar 5 amostras: 1 no topo e 4 na base de forma a preencher 4 tonéis de 200 litros; Despejar amostras sobre lona plástica; Misturar as partes homogeneizando-as; Quartear após homogeneização; Descartar 2 partes vis-à-vis; Repetir homogeneização; Quartear novamente e descartar 2 partes vis-à-vis até a obter amostra única de 200 l ou 100 kg; Pesar materiais discriminadamente (gravimetria); Retalhar material remanescente pesar amostra de 2 kg para avaliação do teor de umidade.

60 12/1/ Substância COM RISCO INFECTANTE

61 12/1/ Substância TÓXICA (Risco Químico)

62 12/1/ Substância IONIZANTE


Carregar ppt "12/1/20141 II - Caracterização dos Resíduos Sólidos Resíduos: Mudanças e Riscos Composição variável dos resíduos; Composição variável dos resíduos; Riscos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google