A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Tópicos Especiais em Teoria e Análise do Discurso 2/2012

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Tópicos Especiais em Teoria e Análise do Discurso 2/2012"— Transcrição da apresentação:

1 Tópicos Especiais em Teoria e Análise do Discurso 2/2012

2 Definição de discurso (Torres Lima, 2003)Articular a enunciação sobre certo lugar social. O termo lugar diz respeito à identidade dos parceiros do discurso – esse lugar não se refere a status socioeconômicos, mas a formações imaginárias. - Quem sou eu para falar-lhe assim? - Quem é ele para que eu lhe fale assim? - Quem sou eu para que me fale assim? - Quem é ele para que me fale assim? Moita Lopes (2011, IX CBLA) – Repensando o lugar de onde vem o próprio embasamento. Prof. Dr. Cleudemar Alves Fernandes (UFU). Metáfora da rede – a língua (sistema) como o todo que comporta em si o não todo (Ferreira). Não fechamento e não homogeneidade.

3 AD (linha francesa) Michel Pêcheux (principal articulador da AD na França, década de 60) (AAD) e revista Langages (Dubois). Estruturalismo Saussureano ( língua/fala) – fazer com que o sujeito possa reaparecer pela janela, após ter sido expulso pela porta (Dosse). Perspectiva política de intervenção, ação transformadora, que desautomatiza a relação com a linguagem. Cavalcanti (2011 – INPLA): repensar noção de língua que ainda perpassa os estudos linguísticos como os conhecemos.

4 AD (linha francesa) Busca do equilíbrio entre a análise ideológica e a análise da língua. Condições de produção (advinda da Psicologia Social) = meio ambiente material e institucional do discurso + representações identitárias imaginárias. Discurso como instrumento da prática política

5 Michel Foucault – A Ordem do Discurso (1970)

6 Análise do discurso (?) Análise do Discurso de Sustentabilidade das Organizações Automobilísticas

7 Michel Foucault – A Ordem do Discurso (1970)

8 A noção de sujeito Discurso e descentralização do sujeito. O sujeito é sempre e, ao mesmo tempo, sujeito da ideologia e sujeito do desejo inconsciente e isso tem a ver com o fato de nossos corpos serem atravessados pela linguagem antes de qualquer cogitação. (Paul Henry). A linguagem pela ótica discursiva ganha um traço fundacional na constituição do sujeito e do sentido e vai distinguir-se também da condição que lhe confere a psicanálise (Ferreira).

9 (...)a linguagem serve para comunicar e para não comunicar (Pêcheaux) Esquecimento enunciativo Esquecimento número 1: esquecimento ideológico – o modo pelo qual somos afetados pela ideologia. Na realidade, embora se realizem em nós, os sentidos apenas se apresentam como originando-se em nós: eles são determinados pela maneira como nos inscrevemos na língua e na história, e é por isto que significam, e não pela nossa vontade. Esquecimento número 2: ocultação parcial (funcionamento pré-consciente/consciente) – ao falarmos, o fazemos de uma maneira, e não de outra, e, ao longo de nosso dizer, formam-se famílias parafrásticas que indicam que o dizer sempre podia ser outro. Impressão de realidade do pensamento.

10 Análise do discurso /análise de conteúdo Análise de conteúdo: Atitude de voyeur – alinhamento positivista/neopositivista – se atém à transparência. Parte-se da exterioridade para o texto. Trata dos conteúdos da linguagem e da ideologia. Análise do discurso: além do texto. Busca conhecer expressões da exterioridade no texto. Processos de constituição da linguagem e da ideologia e não com seus conteúdos.

11 Análise do discurso /análise de conteúdo Análise de conteúdo: procura extrair sentidos dos textos, respondendo à questão: o que este texto quer dizer? Análise do discurso: considera que a linguagem não é transparente. Desse modo, ela não procura atravessar o texto para encontrar um sentido do outro lado. A questão que ela coloca é : como esse texto significa.

12 Conceitos básicos da AD Problemas com termos (endófora segmental e restauradora). Formação discursiva – o que pode e deve ser dito (relação com gêneros) a partir de uma posição dada, conjuntura dada (local). Interdiscurso (o conjunto de unidades discursivas com as quais um discurso entra em relação) – historicidade. Intradiscurso – opções de formulação.

13 Conceitos básicos da ad Dialogismo (Maingueneau) – vem da Retórica – introdução de diálogo fictício em um enunciado. Pós- Bakhtin: refere-se à dimensão interativa da linguagem (vozes do discurso). Heterogeneidade Mostrada vs. Constitutiva (Maingueneau) – noção de embreantes (plano embreado, entretecido, imbricado). Pré-construído (Pêcheaux) – aquilo que o enunciador apresenta como natural e o que ele pretende a partir daí.

14 AD no Brasil Observação de Ferreira sobre a interdisciplinaridade. 42 anos – disciplina de entremeio – dificuldades de consolidação. Eni Orlandi (divulgadora de Pêcheaux no Brasil) No Brasil, embate com a Linguística – AD acusada de não dar importância à língua, mas ao político (AD radical ou ortodoxa). Escola Brasileira de AD (Orlandi, 2002) – descolada da Linguística. Área de fronteira.


Carregar ppt "Tópicos Especiais em Teoria e Análise do Discurso 2/2012"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google