A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Adenomegalias em pediatria: o que fazer? AARTIGO DE REVISÃO d Caroline Dias Orientador: Jefferson Pinheiro Brasília. 29 de novembro de 2013 MONOGRAFIA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Adenomegalias em pediatria: o que fazer? AARTIGO DE REVISÃO d Caroline Dias Orientador: Jefferson Pinheiro Brasília. 29 de novembro de 2013 MONOGRAFIA."— Transcrição da apresentação:

1 Adenomegalias em pediatria: o que fazer? AARTIGO DE REVISÃO d Caroline Dias Orientador: Jefferson Pinheiro Brasília. 29 de novembro de 2013 MONOGRAFIA DE CONCLUSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA EM PEDIATRIA HOSPITAL MATERNO INFANTIL DE BRASÍLIA (SES/DF)

2 Introdução Definição : doença dos gânglios linfáticos com alteração do tamanho e/ou consistência do linfonodo. A maioria é benigna (80%). O corpo humano possui aproximadamente 600 linfonodos. Queixa frequente – 20 % das consultas pediátricas Causa ansiedade em pais e médicos Protocolo: facilitar diagnóstico e tratamento

3 Metodologia Revisão de literatura nacional e internacional dos últimos 10 anos com bases de dados em Medline, Lilacs-Bireme e Cochrane. Artigos de língua inglesa e portuguesa de maior relevância, selecionados de acordo com os critérios do Centro de Oxford de Evidência Formatação seguiram as normas do Jornal de Pediatria da Sociedade Brasileira de Pediatria

4 Desenvolvimento imunológico nas crianças Neonatal: incomum, pouca estimulação antigênica Infância: comum - crescimento do sistema linfóide após exposição a antígenos, reação a doenças Adultos: regressão e estabilização entre anos

5 Desenvolvimento Imunológico nas crianças Localização: cervical, occipital, axilar,epitroclear, supraclavicular, mediastinal, abdominal, região inguinal Locais mais comuns de adenomegalia na infância: região cervical, axilar e inguinal Medidas comuns na infância que podem não denotar doenças: -cervical: até 1cm -inguinal: até 1,5cm -axilar: até 1cm -supraclavicular: incomuns -epitroclear: até 0,5cm

6 Investigação Características do linfonodo: -Localização; número de linfonodos/cadeias envolvidas -Tamanho -Sinais inflamatórios -Consistência; abscesso -Mobilidade Sinais e sintomas do paciente; viagens, traumas, medicamentos utilizados

7 Classificação das adenomegalias CLASSIFICAÇÃO DAS ADENOMEGALIAS LocalizaçãoLocalizadas 1 cadeia envolvida Generalizadas 3 ou mais cadeias envolvidas TempoForma aguda < 6 semanas Forma crônica > 6 semanas EtiologiaInfecciosa Vírus Bactérias Fungos Parasitas Neoplásicas Linfomas Leucemias Outras Doença Kawasaki Doença Kikuchi Colagenoses Medicamentos

8 Etiologia das adenomegalias na infância Adenomegalias cervicais: -Linfonodos múltiplos ou único, com diâmetro menor ou em torno de 2cm, móveis, fibroelásticos(!): Reação a traumas, infecções próximas, doenças virais como mononucleose, citomegalovírus; protozoários como toxoplasmose; bacterianas por Streptococo, Stafilococo. -Linfonodo único, crescimento lentificado, geralmente maior do que 2 cm de diâmetro, endurecidos, podendo ser fixos: Tuberculose, fungos(paracoccidioidomicose), linfomas.

9 Etiologia das adenomegalias na infância Adenomegalias inguinais: -Drenagem de MMII, genitália, parede abdominal inferior -Picadas de insetos, infecções locais próximos, dermatites alérgicas. -Tuberculose ganglionar- doença comum na faixa etária pediátrica no Brasil

10 Etiologia das adenomegalias na infância Adenomegalias axilares -Drenagem de MMSS, mamas, tórax e parede abdominal -Traumas, piodermites, hidroadenites, imunizações -Doença da arranhadura do gato, Artrite idiopática juvenil

11 Etiologia das adenomegalias na infância Adenomegalias supraclaviculares (75% malignidade) - Causas: linfomas, leucemias, Tuberculose, Doença da arranhadura do gato - A esquerda: drenagem intrabdominal (ultrassonografia de abdome) - A direita: drenagem pulmonar e mediastinal (radiografia de tórax)

12 Etiologia das adenomegalias na infância Adenomegalias epitrocleares: -Traumas membros superiores -Doença da arranhadura do gato, Mononucleose -Linfomas, leucemias

13 Etiologia das adenomegalias na infância Adenomegalias generalizadas - Em 90% das mononucleoses, e também em outras doenças virais;tuberculose; toxoplasmose, HIV (fase aguda); Lupus eritematoso sistêmico e artrite idiopática juvenil; leucemias. - Medicamentos

14 ADENOMEGALIAS HISTÓRIA E EXAME FÍSICO CARACTERÍSTICA DO LINFONODO SINTOMAS ASSOCIADOS HISTÓRIA E EXAME FÍSICO CARACTERÍSTICA DO LINFONODO SINTOMAS ASSOCIADOS LINFONODO <3CM FIBROELÁSTICO; CADEIAS: CERVICAL, AXILAR OU INGUINAL; SEM SINTOMAS SISTÊMICOS LINFONODO <3CM FIBROELÁSTICO; CADEIAS: CERVICAL, AXILAR OU INGUINAL; SEM SINTOMAS SISTÊMICOS ADENOMEGAL IA REACIONAL ACOMPANHAR POR 2 A 4 SEMANAS RESOLUÇÃO? ACOMPANHAR POR 2 A 4 SEMANAS RESOLUÇÃO? SIM NÃO LINFONODOS COM < 3CM ÚNICO OU GENERALIZADOS FIBROELÁSTICO OU POUCO ENDURECIDO MÓVEL COM FEBRE E/OU RASH E/OU HEPATOESPLENOMEGALIA E/OU ODINOFAGIA LINFONODOS COM < 3CM ÚNICO OU GENERALIZADOS FIBROELÁSTICO OU POUCO ENDURECIDO MÓVEL COM FEBRE E/OU RASH E/OU HEPATOESPLENOMEGALIA E/OU ODINOFAGIA INVESTIGAR INFECÇÃO HEMOGRAMA /VHS / PCR SOROLOGIAS ACOMPANHAR OU ENCAMINHAR AO INFECTOLOGISTA HEMOGRAMA /VHS / PCR SOROLOGIAS ACOMPANHAR OU ENCAMINHAR AO INFECTOLOGISTA GENERALIZADOS OU ÚNICO MAIORES QUE 3CM, ENDURECIDO, FIXO, NÃO DOLOROSOS SINTOMAS COMO FEBRE, SUDORESE NOTURNA, PERDA DE PESO, PRURIDO GENERALIZADOS OU ÚNICO MAIORES QUE 3CM, ENDURECIDO, FIXO, NÃO DOLOROSOS SINTOMAS COMO FEBRE, SUDORESE NOTURNA, PERDA DE PESO, PRURIDO HEMOGRAMA / VHS /DHL / PPD RADIOGRAFIA DE TÓRAX, USG DE ABDOME E ENCAMINHAR AO INFECTOLOGISTA/ONCOLOGIST A HEMOGRAMA / VHS /DHL / PPD RADIOGRAFIA DE TÓRAX, USG DE ABDOME E ENCAMINHAR AO INFECTOLOGISTA/ONCOLOGIST A BIÓPSIA? ÚNICO, CRESCIMENTO RÁPIDO, COM OU SEM SINAIS FLOGÍSTICOS, < 3CM, FIBROELÁSTICO. ASSOCIADO A FEBRE E/OU DOR. ÚNICO, CRESCIMENTO RÁPIDO, COM OU SEM SINAIS FLOGÍSTICOS, < 3CM, FIBROELÁSTICO. ASSOCIADO A FEBRE E/OU DOR. ADENITE ? ADENITE ? ANTIB IOTICO TERAP IA RESO LUÇÃO ? RESO LUÇÃO ? Ultrasson ografia?

15 ADENOMEGALIAS HISTÓRIA E EXAME FÍSICO CARACTERÍSTICA DO LINFONODO SINTOMAS ASSOCIADOS HISTÓRIA E EXAME FÍSICO CARACTERÍSTICA DO LINFONODO SINTOMAS ASSOCIADOS LINFONODO <3CM FIBROELÁSTICO; CADEIAS: CERVICAL, AXILAR OU INGUINAL; SEM SINTOMAS SISTÊMICOS LINFONODO <3CM FIBROELÁSTICO; CADEIAS: CERVICAL, AXILAR OU INGUINAL; SEM SINTOMAS SISTÊMICOS ADENOMEGALIA REACIONAL ACOMPANHAR POR 2 A 4 SEMANAS RESOLUÇÃO? ACOMPANHAR POR 2 A 4 SEMANAS RESOLUÇÃO? SIM NÃO

16 ADENOMEGALIAS HISTÓRIA E EXAME FÍSICO CARACTERÍSTICA DO LINFONODO SINTOMAS ASSOCIADOS HISTÓRIA E EXAME FÍSICO CARACTERÍSTICA DO LINFONODO SINTOMAS ASSOCIADOS LINFONODOS COM < 3CM ÚNICO OU GENERALIZADOS FIBROELÁSTICO OU POUCO ENDURECIDO MÓVEL COM FEBRE E/OU RASH E/OU HEPATOESPLENOMEGALIA E/OU ODINOFAGIA LINFONODOS COM < 3CM ÚNICO OU GENERALIZADOS FIBROELÁSTICO OU POUCO ENDURECIDO MÓVEL COM FEBRE E/OU RASH E/OU HEPATOESPLENOMEGALIA E/OU ODINOFAGIA INVESTIGAR INFECÇÃO INVESTIGAR INFECÇÃO HEMOGRAMA /VHS / PCR SOROLOGIAS ACOMPANHAR OU ENCAMINHAR AO INFECTOLOGISTA HEMOGRAMA /VHS / PCR SOROLOGIAS ACOMPANHAR OU ENCAMINHAR AO INFECTOLOGISTA

17 ADENOMEGALIAS HISTÓRIA E EXAME FÍSICO CARACTERÍSTICA DO LINFONODO SINTOMAS ASSOCIADOS HISTÓRIA E EXAME FÍSICO CARACTERÍSTICA DO LINFONODO SINTOMAS ASSOCIADOS GENERALIZADOS OU ÚNICO MAIORES QUE 3CM, ENDURECIDO, FIXO, NÃO DOLOROSOS SINTOMAS COMO FEBRE, SUDORESE NOTURNA, PERDA DE PESO, PRURIDO GENERALIZADOS OU ÚNICO MAIORES QUE 3CM, ENDURECIDO, FIXO, NÃO DOLOROSOS SINTOMAS COMO FEBRE, SUDORESE NOTURNA, PERDA DE PESO, PRURIDO HEMOGRAMA / VHS /DHL / PPD RADIOGRAFIA DE TÓRAX, USG DE ABDOME ENCAMINHAR AO INFECTOLOGISTA/ONCOLOGISTA HEMOGRAMA / VHS /DHL / PPD RADIOGRAFIA DE TÓRAX, USG DE ABDOME ENCAMINHAR AO INFECTOLOGISTA/ONCOLOGISTA BIÓPSIA?

18 ADENOMEGALIAS HISTÓRIA E EXAME FÍSICO CARACTERÍSTICA DO LINFONODO SINTOMAS ASSOCIADOS HISTÓRIA E EXAME FÍSICO CARACTERÍSTICA DO LINFONODO SINTOMAS ASSOCIADOS ÚNICO, CRESCIMENTO RÁPIDO, COM OU SEM SINAIS FLOGÍSTICOS, < 3CM, FIBROELÁSTICO. ASSOCIADO A FEBRE E/OU DOR. ÚNICO, CRESCIMENTO RÁPIDO, COM OU SEM SINAIS FLOGÍSTICOS, < 3CM, FIBROELÁSTICO. ASSOCIADO A FEBRE E/OU DOR. ADENITE INFECCIOSA ? ADENITE INFECCIOSA ? ANTIBIOTICOTERAPIA RESOLUÇÃO? Ultrassonografia ?

19 Conclusão Adenomegalias são comuns em crianças Causas benignas: adenite reacional (41%), causas virais (24%), adenites infecciosas (24%) Tratamento fácil e sem necessidade de exames Reconhecimento de casos com características malignas

20 OBRIGADA


Carregar ppt "Adenomegalias em pediatria: o que fazer? AARTIGO DE REVISÃO d Caroline Dias Orientador: Jefferson Pinheiro Brasília. 29 de novembro de 2013 MONOGRAFIA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google