A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia,"— Transcrição da apresentação:

1 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 1 Apostila2 Prof. Hélio Henkin FCE/UFRGS Economia de Empresas (Eco 02017) (para o curso de Relações Internacionais)

2 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 2 2. ASPECTOS HISTÓRICOS E TEÓRICOS DA EMPRESA 2.1 A evolução da empresa moderna 2.2 Determinantes da dimensão horizontal da empresa: economias de escala e economias de escopo 2.3 Mercado e empresas como mecanismos alternativos de coordenação: a abordagem dos custos de transação

3 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI A evolução da empresa moderna Fundamentos da divisão de trabalho intrafirmas e interfirmas: Adam Smith, Marx, Knight, Hayek e Chandler (ver textos de apoio)

4 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI Determinantes da dimensão horizontal da empresa: economias de escala e economias de escopo Economias de escala Economias de escopo A dimensão horizontal da empresa (ver Apostila 1, seção 1.4)

5 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI Mercado e empresas como mecanismos alternativos de coordenação: a abordagem dos custos de transação 2.4 Análise comparativa institucional, custos de transação e o escopo vertical da empresa

6 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 6 Quais são as questões? Em geral: –Por que uma empresa substituiria uma transação interna (make) por uma transação de mercado (buy)? –O que determina aquilo que acontece dentro da empresa e quando haverá relação entre empresas? –O que determina a existência de empresas? –O que determina a fronteira da integração ou tamanho da empresa?

7 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 7 A teoria neoclássica da empresa Aspectos internos (estrutura interna) são desconsiderados A empresa como uma black box A empresa como função de produção Problema da empresa é eficiência na escolha da cesta de fatores/insumos e na cesta de produtos

8 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 8 A teoria neoclássica da empresa Razões para a vigência do enfoque neoclássico da empresa (cf. Hart (1995) qualidade da formalização matemática, geral e elegante utilidade para analisar a reação da firma diante de mudanças exógenas no ambiente, tais como impostos, preços dos fatores, salários etc utilidade para analisar interação estratégica entre oligopolistas, relacionando o grau de concentração na indústria e o nível de produção e preços

9 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 9 A teoria neoclássica da empresa Se a troca no mercado gera eficiência e bem-estar social (com pressupostos de racionalização e informação perfeita), por que parte das transações são internalizadas?

10 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 10 A teoria neoclássica da empresa Por que os sistemas capitalistas não são caracterizados predominantemente por um amplo conjunto de produtores independentes operando nos mercados?

11 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 11 O problema da existência da empresa: A formulação de Coase Qual a natureza da empresa? Quais são os limites da empresa? O que determina o escopo horizontal da empresa? O que determina o escopo vertical da empresa? Perguntas não respondidas pela teoria neoclássica da empresa

12 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 12 O problema da existência da empresa: a formulação de Coase O Escopo horizontal: deseconomias de escala determinam o limite superior de produção potencial da empresa Mas quais são as fontes das deseconomias? Por que não replicar a planta, se houver custo médio crescente na produção? Teoria tradicional é teoria da planta e não da empresa

13 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 13 O problema da existência da empresa: a formulação de Coase COMPONENTES MATÉRIAS PRIMAS SISTEMASMONTAGEMDISTRIBUIÇÃO SERVIÇOS DE SUPORTE: contabilidade, assessoria jurídica, finanças, processamento, sistemas de informação, planejamento estratégico, recursos humanos TRANSPORTE E ARMAZENAMENTO

14 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 14 O problema da existência da empresa: a formulação de Coase O escopo vertical: o que determina o número de estágios do processo de produção que serão internalizados na organização interna da empresa?

15 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 15 O problema da existência da empresa: a formulação de Coase A teoria tradicional apenas sustenta que a especialização e divisão do trabalho gera economias de escala que justificam a internalização de atividades ou estágios produtivos. Pergunta: por que as transações entre os estágios sucessivos não poderiam ser feitas usando a coordenação do sistema de preços (mercados)?

16 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 16 O problema da existência da empresa: a formulação de Coase Proposição 1: empresas e mercados são modos alternativos de coordenação das transações inerentes ao sistema econômico Mercado: coordenação por sistema de preços (incentivo) Empresa: coordenação por autoridade (comando)

17 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 17 O problema da existência da empresa: a formulação de Coase Proposição 1: empresas e mercados são modos alternativos de coordenação das transações inerentes ao sistema econômico Com a suposição de que as trocas no mercado levam à minimização de custos e exaustão dos ganhos de comércio (eficiência produtiva e alocativa, por que então existem empresas?)

18 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 18 O problema da existência da empresa: a formulação de Coase Proposição 2: há custos de utilizar o mecanismo de mercado que são economizados através da utilização do mecanismo de comando na empresa Qual a natureza destes custos? O que determina o limite de integração vertical? Quais são os custos da organização interna?

19 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 19 A investigação sobre a natureza da firma e o desenvolvimento da teoria dos custos de transação Williamson: transações, incerteza, comportamento oportunista, especificidade de ativos, estruturas organizacionais de governança das transações (leitura do texto original)

20 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 20 A decisão de fazer ou comprar (make or buy) MATÉRIAS PRIMAS INSUMO BPRODUTO ACLIENTE

21 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 21 A decisão de fazer ou comprar (make or buy) Modos de organização alternativos: –Mercados spot –Contratos de longo prazo –Integração vertical

22 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 22 A decisão de fazer ou comprar (make or buy) Modos de organização alternativos: –Mercados spot: a quantidade e o preço do insumo são determinados no mercado. Os termos de troca são determinados a cada transação.

23 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 23 A decisão de fazer ou comprar (make or buy) Modos de organização alternativos: –Contratos de longo prazo: os termos de troca entre produtores de A e fornecedores de B são determinados em um contrato (preços e quantidades), que governarão as presentes e as futuras transações

24 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 24 A decisão de fazer ou comprar (make or buy) Modos de organização alternativos: –Integração vertical: a produção de B é integrada à produção de A (in-house)

25 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 25 SPOT MARKETS Vantagens: 1) Eficiência adaptativa; 2) Minimização de custo; 3) Realização de economias de escala.

26 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 26 SPOT MARKETS Vantagens: 1) Eficiência adaptativa: Variações no preço do insumo ou na demanda pelo insumo provocarão alterações (respectivamente) na quantidade e no preço do insumo, garantindo a realização do excedente máximo

27 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 27 SPOT MARKETS Vantagens: 2) Minimização de custos: - dado que a firma é o residual claimant (absorve a renda líquida da empresa), internalizando os benefícios marginais de investimento em redução de custo;

28 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 28 SPOT MARKETS Vantagens: 2) Minimização de custos: Exemplo: Lucro (q, e) = p.q - c(q,e) - e onde e= investimento ou esforço de reduzir o custo A hipótese de maximização do lucro leva a: d c(q*,e*)/de = -1. Neste ponto o investimento para reduzir o custo é maximizado, pois dc/de<0

29 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 29 SPOT MARKETS Vantagens: 3) Economias escala: Se há economias de escala, é vantajoso fazer outsourcing quando a escala de utilização do insumo é menor do que a correspondente à escala ótima mínima (esta é uma razão da especialização, a la A. Smith)

30 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 30 Implicação das fontes das vantagens dos Spot Markets Se a fonte está associada a adaptação e minimização de custo, quando estas não forem facilmente viabilizadas (por ser onerosa a troca de fornecedor) então haverá limites para os ganhos da troca. Se houver algo que ligue (tranca) o comprador ao fornecedor, então haverá incentivos à integração (em algum grau);

31 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 31 Implicação das fontes das vantagens dos Spot Markets A situação de relação ligada ou trancada ocorre quando há investimentos específicos à relação, formando especificidade de ativos;

32 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 32 Especificidade de ativos Quando a realização do potencial de ganhos de troca exige investimentos específicos, que customizarão o suprimento para um determinado comprador, surgem duas possibilidades: –há um custo adicional da customização; –o uso alternativo do ativo propicia um valor inferior ao valor investido;

33 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 33 Especificidade de ativos O custo do investimento específico é um custo irrecuperável (sunk costs); A existência dos investimentos específicos representa um incentivo a uma relação de longo prazo.

34 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 34 Especificidade de ativos Especificidade de ativos físicos; Especificidade de localização; Especificidade de recursos humanos; Ativos dedicados.

35 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 35 A integração vertical sob o enfoque dos custos de transação e custos de organização

36 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 36 Custos de Transação 1) Custo de descobrir quais são os preços relevantes para se estabelecer determinadas escolhas;

37 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 37 Custos de Transação 2) Custos de negociar e concluir um contrato separado para cada transação que ocorre no mercado;

38 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 38 Custos de Transação 3) Dificuldades para estabelecer especificações no suprimento de bens e serviços em contratos de longo prazo;

39 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 39 Determinantes organizacionais do tamanho da empresa 1) Quanto menor for o custo de organização e mais lento for o aumento de custo à medida que se aumenta a quantidade de transações organizadas;

40 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 40 Determinantes organizacionais do tamanho da empresa 2) Quanto menor for a ocorrência de erros no processo de coordenação por parte do entrepreneur e menor o crescimento de erros quanto a organização aumenta;

41 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 41 Determinantes organizacionais do tamanho da empresa 3) Quanto menor for o preço da oferta de fatores da produção para as empresas que aumentem de tamanho;

42 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 42 Hipóteses comportamentais Comportamento oportunístico Racionalidade limitada

43 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 43 Taxonomia dos contratos Contrato clássico: busca facilitar a troca ou transação através da ênfase em duas características básicas: 1) Autonomia (do contrato), no sentido de que os termos do contrato não se relacionam com fatos que estão além da transação presente;

44 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 44 Taxonomia dos contratos Contrato clássico: busca facilitar a troca ou transação através da ênfase em duas características básicas: 2) As contingências futuras relevantes estão previstas no contrato;

45 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 45 Taxonomia dos contratos Contrato neoclássico: contrato que introduz flexibilidade através da presença de uma terceira parte (arbitragem), evitando o litígio e propiciando a perspectiva de continuidade ou completude do contrato.

46 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 46 Taxonomia dos contratos Contrato relacional: contrato que inclui um amplo conjunto de normas que vão além daquelas centradas na transação ou nos processo imediatamente ligados a ela, implicando uma espécie de mini-sociedade e uma característica de maior adaptabilidade às contingências

47 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 47 Dimensões críticas das transações 1)Incerteza 2)Freqüência 3)Nível de investimentos específicos à transação

48 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 48 Freqüência das transações 1)Única 2)Ocasional 3)Recorrente

49 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 49 Grau de investimentos específicos à transação 1) Investimentos não específicos 2) Investimentos mistos 3) Investimentos específicos

50 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 50 Quadro de exemplos de transações quanto aos critérios propostos FREQÜÊNCIAINVESTIMENTO NÃO- ESPECÍFICO INVESTIMENTO MISTO INVESTIMENTO ESPECÍFICO OCASIONALAquisição de equipamento standard Aquisição de equipamento customizado Construção de uma fábrica RECORRENTEAquisição de produto intermediário standard Aquisição de produto intermediário customizado Suprimento localizado de produto intermediário em estágios sucessivos

51 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 51 Estruturas de governança das transações Formas organizacionais e contratuais

52 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 52 Tipo de TransaçãoTipo de estrutura de governança Ocasional com investimento não específico Regência pelo mercado; contratação clássica Recorrente com investimento não específico Regência pelo mercado; contratação clássica Ocasional com investimento misto Regência trilateral: contrato neoclássico Recorrente com investimento misto Regência trilateral: contrato neoclássico Ocasional com investimento específico Regência Bilateral: contratação relacional Recorrente com investimento específico Regência unificada: integração vertical

53 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 53 Fusões e aquisições Evolução das empresas –Formas de propriedade e controle: a evolução no século XX foi em direção de maior participação de empresas com responsabilidade limitada (limited liability) e/ou organizadas como sociedades anônimas (corporations)

54 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 54 Fusões e aquisições Evolução das empresas nos EUA Em 1947: 47% das empresas manufatureiras são corporações e produziam 92% do valor adicionado Em 1992: 82% das empresas manufatureiras são corporações e produziam 98% do valor adicionado

55 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 55 Fusões e aquisições Curiosidade –A discriminação da responsabilidade limitada como barreira à entrada: o caso dos bancos na Escócia até 1879.

56 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 56 Fusões e aquisições As corporações e a responsabilidade limitada como condição para o desenvolvimento de empresas de maior porte: os investidores não aceitariam a responsabilidade (liability) decorrente de ações de gerentes os quais não conhecem ou cujas ações não seriam facilmente monitoráveis

57 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 57 Fusões e aquisições Evolução do número de empresas listadas na Bolsa de Nova York –1900: 113 –1920: 391 –Atualmente: cerca de 1900

58 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 58 Fusões e aquisições Fontes de financiamento das corporações –Emissão de ações: tendência de maior taxa de retorno esperada, mas recebimento posterior ao pagamento dos proprietários de títulos de dívida ou créditos bancários –Emissão de títulos de dívida/empréstimos bancários: tendência de menor taxa de retorno esperada, mas recebimento anterior ao pagamento aos proprietários de ações

59 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 59 Fusões e aquisições O problema da separação entre propriedade e controle A controvérsia dos anos 1930: é a corporação a forma mais eficiente de organizar a produção? O livro de Berle e Means (A Moderna Corporação e a Propriedade Privada)

60 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 60 Fusões e aquisições Os gerentes maximizam lucro? O conselho de administração controla os gerentes? Quem controla o conselho de administração? E os conflitos entre detentores de dívida e de ações quanto aos projetos a serem escolhidos e a projeção da divisão dos resultados? E se eventualmente são tomados novos empréstimos? Aumenta o número de credores preferenciais! (Introdução de bond covenants)

61 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 61 Fusões e aquisições A separação entre propriedade e controle implica de fato em maior custo de monitoramento. Mas isto não implica necessariamente menor eficiência, pois os benefícios da organização em corporações podem mais do que compensar os custos de monitoramento.

62 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 62 Fusões e aquisições Tamanho da firma: resultado do balanço entre economias e deseconomias (técnicas, pecuniárias, financeiras, organizacionais)

63 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 63 Fusões e aquisições Tipos de fusão/aquisição: –Fusão vertical (fornecedores e compradores); –Fusão horizontal (competidores no mesmo mercado) –Fusão de conglomerados (empresas em linhas de negócio não relacionados diretamente)

64 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 64 Fusões e aquisições Fontes do aumento de eficiência e de efeitos sociais positivos da fusão/aquisição: –Maior eficiência resultante do desenvolvimento de maiores economias de escala; –Maior eficiência resultante da criação de sinergia; –Menor custo de gerenciamento;

65 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 65 Fusões e aquisições Fontes do aumento de eficiência e de efeitos sociais positivos da fusão/aquisição: –Mudanças na tecnologia e custo de fatores (transporte, telecomunicações) podem propiciar oportunidades de redução de custo com o aumento da escala (ampliar a escala ótima mínima) e estimular fusões. Além disso, a evolução do mercado de capitais também facilita a formação de grande empresas.

66 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 66 Fusões e aquisições Fontes do aumento de eficiência e de efeitos sociais positivos da fusão/aquisição: –A redução dos custos de transação pode estimular a fusão. Por exemplo, se a legislação antitruste e de defesa da concorrência impõe muitas restrições a contratos entre competidores diretos, então isto pode representar um estímulo a fusões. O mesmo pode ser dito da tributação em cascata sobre faturamento ou transações.

67 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 67 Fusões e aquisições Fontes do aumento de eficiência e de efeitos sociais positivos da fusão/aquisição: –A obtenção de significativas economias de escopo pode ser um motivo importante para as fusões. (Exemplo: fabricantes de carros esportivos e carros convencionais)

68 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 68 Fusões e aquisições Fontes do aumento de eficiência e de efeitos sociais positivos da fusão/aquisição: –Numa situação em que os acionistas não conseguem monitorar e corrigir problemas de má gestão (por incompetência ou desvios) dos gerentes – por exemplo, quando alguns dos gestores faz parte do próprio conselho de administração (board) – então a disciplina pode vir do takeover.

69 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 69 Fusões e aquisições Fontes do aumento de eficiência e de efeitos sociais positivos da fusão/aquisição: –Neste caso, são os investidores que realizam o takeover, ganhando o controle e melhorando a gestão da empresa. –O takeover pode ser uma ameaça capaz de disciplinar os gerentes, que temeriam a perda de seus empregos.

70 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 70 Fusões e aquisições Fontes do aumento de eficiência e de efeitos sociais positivos da fusão/aquisição: –Takeovers hostis: gestores e acionistas da empresa-alvo tentam evitar a aquisição, para evitar mudanças de poder, status e emprego.

71 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 71 Fusões e aquisições Fontes do aumento de eficiência e de efeitos sociais positivos da fusão/aquisição: –Quando os próprios empregados adquirem a empresa (por desejarem fazer downsizing, vender ativos ou implementarem novos projetos, e enfrentam a resistência do board); neste caso, o financiamento pode ser por leveraged buyout ou por junk bonds.

72 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 72 Fusões e aquisições Outras razões para fusões (que não a eficiência) –Redução dos impostos (quando lucros e prejuízos se contrabalançam e na nova situação o imposto torna-se quase nulo) –Ganhos de poder de mercado e poder político (embora a legislação antitruste busque coibir esta prática)

73 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 73 Fusões e aquisições Ciclos de fusões e aquisições –Nos EUA: virada do século XIX para o XX, décadas de 20, 60 e 80; associadas a mudanças importantes nas escalas ótimas mínimas (transportes, comunicações) e desenvolvimento do mercado de capitais. –Na Europa há menor intensidade do processo de fusões e aquisições, embora seja crescente; no Reino Unido há mais intensidade do que no Continente. –No Japão, o processo de fusões e aquisições é muito reduzido;

74 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 74 Fusões e aquisições Ciclos de fusões e aquisições –Ciclo do final do século XIX = movimento para o monopólio –Ciclo de 1920 = movimento para o oligopólio –Ciclo de 1960 = movimento para o conglomerado diversificado –Ciclo de = ?

75 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 75 Fusões e aquisições Fusões e a legislação antitruste: –EUA – Sherman Act (1890) – legislação antitruste; –Em 1904, a Corte dos EUA considerou que algumas fusões horizontais infringiam a lei (Sherman Act).

76 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 76 Fusões e aquisições Dimensões recentes: –Número de notificações de fusão em 1992 nos EUA (junto ao Departamento de Justiça): –Número de notificações de fusão em 1997 nos EUA (junto ao Departamento de Justiça):3.702 –Valor nominal das fusões e aquisições em 1990: US$ 200 bilhões –Valor nominal das fusões e aquisições em 1997: US$ 900 bilhões

77 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 77 Fusões e aquisições Entretanto: –A base econômica é muito diferente para comparar diretamente os números das fusões e aquisições; –É de se esperar que os movimentos sejam ondulatórios, não se repetindo linearmente números elevados;

78 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 78 Fusões e aquisições Interpretações existentes para o fenômeno de fusões e aquisições: –Ganhos de eficiência –Ganhos de curto prazo para os investidores (manipulação) –Problemas de poder de mercado

79 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 79 Fusões e aquisições Avaliações dos processos de fusões e aquisições: –Estudos mostram um prêmio de 16% a 35% para os acionistas da empresa adquirida; –Há uma série de táticas de prevenção à aquisição: cláusula de aprovação por maioria absoluta, compras das ações do potencial adquirente individual (que já possui ações da empresa-alvo) com um prêmio (greenmail); cláusula de obrigação de oferta de venda aos acionistas originais, ao preço da proposta do potencial comprador (poison-pill); –Algumas destas táticas comprovadamente reduzem o preço das ações da empresa-alvo.

80 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 80 Fusões e aquisições Avaliações dos processos de fusões e aquisições: –Retornos e ganhos de produtividade são mais difíceis de avaliar e os estudos são mais controversos; mas há vários casos em que o ganho de eficiência realmente ocorre, no nível da planta industrial. –As evidências não apontam para um significativo aumento de poder de mercado com as fusões. O grau de concentração na indústria de transformação não cresceu muito desde E menos de 15% das fusões foram horizontais. –O valor total das ações das empresas combinadas cresceu 7,5% em média após a consolidação.

81 Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia, Finanças e Internacionalização - NEFI 81 Fusões e aquisições Avaliações dos processos de fusões e aquisições: –Mais estudos são necessários, pois o uso do preço das ações para medir os efeitos das fusões pode estar superestimando os seus benefícios.


Carregar ppt "Prof. Hélio Henkin Núcleo de Estudos sobre Indústria, Tecnologia e Trabalho - NETIT FCE/UFRGS – Departamento de Economia Núcleo de Estudos sobre Estratégia,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google