A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Mestrandas: Elene Zavoudakis Lívia Maria Albertasse Tulli Lívia Maria Albertasse Tulli Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Mestrandas: Elene Zavoudakis Lívia Maria Albertasse Tulli Lívia Maria Albertasse Tulli Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos."— Transcrição da apresentação:

1 Mestrandas: Elene Zavoudakis Lívia Maria Albertasse Tulli Lívia Maria Albertasse Tulli Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos

2 Introdução Introdução Revisão de Literatura Revisão de Literatura Objetivos Objetivos Materiais e Métodos Materiais e Métodos Resultados e Discussões Resultados e Discussões Conclusão Conclusão Referências Bibliográficas Referências Bibliográficas CARACTERIZAÇÃO HIDROLÓGICA E AMBIENTAL DA SUB-BACIA DO CÓRREGO SANTA ISABEL, BRAÇO NORTE DO RIO JUCU, DOMINGOS MARTINS (ES)

3 Introdução Caracterização hidrológica e ambiental Caracterização hidrológica e ambiental Caracterização da sub-bacia Caracterização da sub-bacia Posicionamento geográfico e limites (// à BR 262) Posicionamento geográfico e limites (// à BR 262) Área: 5,795 km² Área: 5,795 km² Abrangência Abrangência Variação altimétrica e Clima (tropical altitudem. anual – 18º C e mín absoluta < 7ºC) Variação altimétrica e Clima (tropical altitudem. anual – 18º C e mín absoluta < 7ºC) Áreas verdes: prop. rurais x Mata Atlântica Áreas verdes: prop. rurais x Mata Atlântica Economia: Turismo (eco, agro e aventura) e hortifrutigranjeira Economia: Turismo (eco, agro e aventura) e hortifrutigranjeira

4 Revisão de Literatura Bacia hidrográfica (VIESSMAN, HARBAUGH E KNAPP, 1972) Bacia hidrográfica (VIESSMAN, HARBAUGH E KNAPP, 1972) Parâmetros físicos da bacia hidrográfica (HORTON, 1932) Parâmetros físicos da bacia hidrográfica (HORTON, 1932) Ordem dos cursos dágua (STRAHLER, 1957) Ordem dos cursos dágua (STRAHLER, 1957) Ecossistema bacia hidrográfica (GREGORY & WALLING, 1973 e CHRISTOFOLETTI, 1974) Ecossistema bacia hidrográfica (GREGORY & WALLING, 1973 e CHRISTOFOLETTI, 1974)

5 Objetivos Objetivo Geral Objetivo Geral Realizar estudos de impacto ambiental, tendo com área de pesquisa a sub-bacia do córrego Santa Isabel. Realizar estudos de impacto ambiental, tendo com área de pesquisa a sub-bacia do córrego Santa Isabel. Objetivos específicos Objetivos específicos Caracterizar morfologicamente a sub-bacia supracitada; Caracterizar morfologicamente a sub-bacia supracitada; Diagnosticar os principais problemas ambientais desta bacia; Diagnosticar os principais problemas ambientais desta bacia; Analisar suas causas e conseqüências para sua área de influência. Analisar suas causas e conseqüências para sua área de influência.

6 Materiais e Métodos Caracterização hidrológica da sub-bacia do córrego Santa Isabel Caracterização hidrológica da sub-bacia do córrego Santa Isabel Geração da base de dados Geração da base de dados Modelagem hidrológica do terreno Modelagem hidrológica do terreno Análise morfométrica da bacia Análise morfométrica da bacia Diagnóstico de problemas ambientais Diagnóstico de problemas ambientais Coleta de pontos utilizando GPS Coleta de pontos utilizando GPS

7 Resultados e Discussões Hipsometria Hipsometria Classes de declividade Classes de declividade Exposição do terreno Exposição do terreno Iluminação do terreno Iluminação do terreno Hidrografia Hidrografia Análise morfométrica Análise morfométrica Diagnóstico ambiental Diagnóstico ambiental

8 Conclusões O manejo ecossistêmico da sub-bacia hidrográfica do Córrego Santa Isabel irá depender de sua dinâmica precipitação- deflúvio e da contínua interdependência entre todos os fatores da bacia, físicos, geológicos, de vegetação, dentre outros, a fim de que os impactos (reações) decorrentes das atividades e ações antrópicas sejam sempre minimizados ou compensados. Os impactos muitas vezes não são absorvidos, dependendo do tipo e intensidade da atividade e da capacidade de autodepuração desta bacia. O SIG se constitui valiosíssima ferramenta para dar suporte às análises e estudos ambientais, bem como à gestão e tomadas de decisão sobre os recursos hídricos, podendo gerar um sem-número de classificações e cruzamentos de dados.

9 Referências Bibliográficas CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. São Paulo: Edgard Blucher, 2ed, 188p. HORTON, R.E., Drainage Basin Characteristics. Trans. American Geophysical Union, 13: , INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Domingos Martins. SF-24-V-A-III-4-NO. Rio de Janeiro, (Mapa na escala 1:50.000). SILVA, Ardemirio de Barros. Sistemas de Informações Geo-referenciadas: conceitos e fundamentos. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, p. STHRALER, A.N. Quantitative analysis of watershed geomorphology. Trans. American Geophysical Union, 38: , VIESSMAN Jr. W.; HARBAUGH, T. E. & KNAPP, J. W. Introduction to hydrology. New York, Intext Educational VIESSMAN Jr. W.; HARBAUGH, T. E. & KNAPP, J. W. Introduction to hydrology. New York, Intext Educational VILLELA, S. M.; MATTOS, A. Hidrologia Aplicada. São Paulo. McGraw-Hill do Brasil. 245p., 1975.

10

11 ArcView Mapa de Limite Mapa de Hidrografia Mapa de Curva de Nível IBGE ArcGIS 8.3.shp Reclass Modelagem Hidrológica e Analise Morfométrica da Microbacia do Córrego Santa Isabel Modelo Numérico do Terreno - MNT Mapa de Hidrografia Hierarquizad o Hierarquização segundo o critério proposto por STRAHLER (1957) IDRISI

12 Modelo numérico do Terreno - MNT SLOPE ASPECT HILLSHAD RECLASSIFY Mapa de modelo sombreado da bacia Modelo Sombreado do Terreno Orientação do Terreno Declividade do Terreno Mapa de orientação do terreno da bacia Mapa de classes de declividade da bacia 0 – 3% (Relevo Plano) 3 – 8% (Relevo Suavemente Ondulado) 8 – 20% ( Relevo Ondulado) 20 – 45% (Relevo Fortemente Ondulado) 45 – 75% (Relevo Montanhoso) > 75% (Relevo Fortemente Montanhoso) 0 – 45 graus 45 – 90 graus 90 – 135 graus 135 – 180 graus 180 – 225 graus 225 – 270 graus 270 – 315 graus 315 – 360 graus

13 Características geométricas Área de drenagem – A (IDRISI) Perímetro total – P (IDRISI) Coeficiente de compacidade – Kc = 0,28P/A 1/2 Fator de forma – Kf = A/L eixo Características da rede de drenagem Ordem dos cursos dágua (STHRALER) Comprimento do curso dágua principal – L P (STHRALER) Comprimento do eixo da bacia – L eixo (HORTON) Comprimento total dos cursos dágua - L t Densidade de drenagem – D d = L t / A Extensão média do escoamento superficial – L es = A/4 L t Sinuosidade do curso dágua – Sin = L eixo /L talvegue

14

15

16

17

18

19

20 Características FísicasValores Área de drenagem - A 5,795 Km² Perímetro - P 16,532 Km Comprimento do rio principal - Lp 4,411 Km (STHRALER) Comprimento do eixo da bacia - Leixo 14,662 Km (HORTON) Comprimento total dos cursos dágua - Lt 42,577 Km Coeficiente de compacidade - Kc 1,923 (>>1, distribuição de chuvas) Fator de forma - Kf 0,027 (longa e estreita -baixíssimo) Densidade de drenagem - Dd 7,35 km/km² (média – STHRALER, 1957) Ordem dos cursos dágua Ordem 3 Extensão média do escoamento superficial - Les 0,099 Km Comprimento do talvegue - Ltalvegue 4,528 Km Sinuosidade - Sin 3,238 Km


Carregar ppt "Mestrandas: Elene Zavoudakis Lívia Maria Albertasse Tulli Lívia Maria Albertasse Tulli Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google