A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

HABITUS: fundamentos CONCEITO CENTRAL. AGENTES SOCIAIS PRÁTICAS SOCIAIS. REPRODUÇÃO DA ORDEM LIBERDADE. HABITUS E SOCIALIZAÇÃO ( Primária e Secundária.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "HABITUS: fundamentos CONCEITO CENTRAL. AGENTES SOCIAIS PRÁTICAS SOCIAIS. REPRODUÇÃO DA ORDEM LIBERDADE. HABITUS E SOCIALIZAÇÃO ( Primária e Secundária."— Transcrição da apresentação:

1 HABITUS: fundamentos CONCEITO CENTRAL. AGENTES SOCIAIS PRÁTICAS SOCIAIS. REPRODUÇÃO DA ORDEM LIBERDADE. HABITUS E SOCIALIZAÇÃO ( Primária e Secundária )

2 HABITUS: fundamentos APRENDER AS RELAÇÕES SOCIAIS. ASSIMILAÇÃO: NORMAS, VALORES E CRENÇAS. NORMAS: REGRAS E USOS PRESCRITOS. (LINGUA, p.e) VALORES: COISAS OU MANEIRAS DE SER. (HONRA,p.e.) CRENÇAS: FUNDAMENTOS DO GRUPO OU COLETIVIDADES

3 HABITUS: definição Os condicionamentos associados a uma classe particular de condições de existência produzem o habitus. sistemas de disposições duráveis e transmissíveis. estruturas estruturadas organizadas para funcionarem como estruturas estruturantes, isto é, como princípios organizadores de práticas e representações.

4 HABITUS: definição que podem ser objetivamente adaptadas a seu objetivo sem supor a existência de consciência de uma finalidade e controle expresso das operações necessárias para a realizar. objetivamente regulados (reglées) e regulares (régulierés) sem ser a obediência à regras. estando tudo isso, coletivamente orquestrados sem ser o produto da ação de um chefe de orquestra. (Le Sens Pratique)

5 HABITUS: componentes ETHOS MORAL (x ÉTICA). ETHOS MORAL (x ÉTICA). HÉXIS CORPORAL. HÉXIS CORPORAL. HABITUS = ETHOS + HÉXIS. HABITUS = ETHOS + HÉXIS. PRINCÍPIOS E VALORES EM ESTADO PRÁTICO. POSTURAS, DISPOSIÇÕES DO CORPO PLANINHA DE LEITURA ATRAVÉS DA QUAL NOS PERCEBEMOS, JULGAMOS, EXPLICAMOS E AGIMOS NO MUNDO SOCIAL.

6 HABITUS: efeitos estruturais HABITUS E CLASSES DOMINANTES: distinção. HABITUS E CLASSES DOMINANTES: distinção. HABITUS E PEQUENA BURGUESIA: ascetismo. HABITUS E PEQUENA BURGUESIA: ascetismo. HABITUS E CLASSES POPULARES: utilitarismo. HABITUS E CLASSES POPULARES: utilitarismo. HABITUS = ETHOS + HÉXIS. HABITUS = ETHOS + HÉXIS.

7 ESPAÇO SOCIAL E CAMPOS SOCIAIS ReligiosoArtísticoEconômicoPolíticoUniversitárioJurídico Capital econômico Capital Cultural Capital Social Capital Político

8 O QUE SÃO OS CAMPOS SOCIAIS? DIVISÃO DO TRABALHO SOCIAL. AUTONOMIA E ARTICULAÇÃO. FUNCIONAM COMO MERCADOS. SEM FRONTEIRAS DELIMITADAS.

9 O QUE SÃO OS CAMPOS SOCIAIS? SENTIDO DO JOGO. ACORDO EM JOGAR. ACORDO SOBRE O QUE ESTÁ EM JOGO. ACORDO SOBRE AS CRENÇAS DO JOGO. ACORDO SOBRE A CONTNUIDADE DO JOGO.

10 O QUE SÃO OS CAMPOS SOCIAIS? Em termos analíticos, um CAMPO pode ser definido como uma rede ou uma configuração de relações objetivas entre posições.

11 O QUE SÃO OS CAMPOS SOCIAIS? Tais posições são definidas objetivamente em sua existência e pelas determinações que impõem aos seus ocupantes, agentes ou instituições, pela sua situação atual e potencial na estrutura da distribuição das diferentes espécies de poder (ou de capital), cuja possessão comanda o acesso aos lucros específicos que estão em jogo no campo, e, ao mesmo tempo, por suas relações objetivas com as outras posições.

12 AS LUTAS NOS CAMPOS SOCIAIS? VOLUME E COMPOSIÇÃO DO CAPITAL. CONSERVAR OU ACUMULAR CAPITAL. DESVALORIZAR AS FORMAS ESTRATÉGICAS DE CAPITAL. SUBVERTER AS REGRAS DO CAMPO.

13 HABITUS: fundamentos APRENDER AS RELAÇÕES SOCIAIS. ASSIMILAÇÃO: NORMAS, VALORES E CRENÇAS. NORMAS: REGRAS E USOS PRESCRITOS. (LINGUA, p.e) VALORES: COISAS OU MANEIRAS DE SER. (HONRA,p.e.) CRENÇAS: FUNDAMENTOS DO GRUPO OU COLETIVIDADES

14 HABITUS: definição Os condicionamentos associados a uma classe particular de condições de existência produzem o habitus. sistemas de disposições duráveis e transmissíveis. estruturas estruturadas organizadas para funcionarem como estruturas estruturantes, isto é, como princípios organizadores de práticas e representações.

15 HABITUS: definição que podem ser objetivamente adaptadas a seu objetivo sem supor a existência de consciência de uma finalidade e controle expresso das operações necessárias para a realizar. objetivamente regulados (reglées) e regulares (régulierés) sem ser a obediência à regras. estando tudo isso, coletivamente orquestrados sem ser o produto da ação de um chefe de orquestra. (Le Sens Pratique)

16 HABITUS: componentes ETHOS MORAL (x ÉTICA). ETHOS MORAL (x ÉTICA). HÉXIS CORPORAL. HÉXIS CORPORAL. HABITUS = ETHOS + HÉXIS. HABITUS = ETHOS + HÉXIS. PRINCÍPIOS E VALORES EM ESTADO PRÁTICO. POSTURAS, DISPOSIÇÕES DO CORPO PLANINHA DE LEITURA ATRAVÉS DA QUAL NOS PERCEBEMOS, JULGAMOS, EXPLICAMOS E AGIMOS NO MUNDO SOCIAL.

17 A DISTINÇÃO Ser distinguido é cultivar sua diferença. A arte da distinção burguesa, por exemplo, é se diferenciar. Ar de não ter nada, por oposição, à ostentação ou à vulgaridade do novo rico.Ser distinguido é cultivar sua diferença. A arte da distinção burguesa, por exemplo, é se diferenciar. Ar de não ter nada, por oposição, à ostentação ou à vulgaridade do novo rico.

18 A distinção está no coração do jogo social: ela é um dos motores das nossas condutas sociais, seja no domínio da educação, do trabalho, dos lazeres ou das práticas culinárias.A distinção está no coração do jogo social: ela é um dos motores das nossas condutas sociais, seja no domínio da educação, do trabalho, dos lazeres ou das práticas culinárias. A DISTINÇÃO

19 DOMINAÇÃO, VIOLÊNCIA SIMBÓLICA E LUTA DE CLASSES NATURALIZAÇÃO DA DOMINAÇÃO SOCIAL. IMPOSIÇÃO DE MANEIRA DE VER, AVALIAR E AGIR NO MUNDO SOCIAL COM FUNDAMENTOS PRÉ-REFLEXIVOS. COMO? IMPOSIÇÃO DE CATEGORIAS DE PERCEPÇÃO, EXPLICAÇÃO E JULGAMENTO DO MUNDO SOCIAL. DOXA A LUTA DE CLASSES COMEÇA PELA LUTA PELA CLASSIFICAÇÃO MUNDO SOCAL.

20 DOMINAÇÃO E A DOXA CONJUNTO DE OPINIÕES COMPARTILHADAS. CRENÇAS ESTABELECIDAS. IDÉIAS RECEBIDAS. IMPOSTAS AOS GRUPOS E À SOCIEDADE POR SEGUINTES FATORES: 1- Racionalização e Universalização de exigências particulares. CULTURA LETRADA. 2- Jogo de Linguagem. DISCURSO DA DES- CLASSIFICAÇÃO. 3- Institucionalização da socialização. A ESCOLA.

21 DOMINAÇÃO E A DOXA QUAIS AS CONDIÇÕES DA EFICIÊNCIA DA DOMINAÇÃO SIMBÓLICA? 1- É NECESSÁRIO QUE OS AGENTES INSTITUIÇÕES SEJAM PREPRADOS PARA ACEITAREM O PODER DAS INSTITUIÇÕES. COMO? A- ESTRUTURAS INTERNAS COGNITIVAS E AGETIVAS DOS AGENTES. HABITUS. B- LEGITIMIDADE DOS AGENTES QUE REPRESENTAM AS INSTITUIÇÕES. CAPITAL SIMBÓLICO.

22 O Espaço Social da Sociedade Francesa (La Distinction ) a) Classes dominantes ou Superiores É possível identificar duas frações opostas da classe dominante: 1- fração dominante: predominância do capital econômico. Ela mesma se decompõe em duas frações segundo a antiguidade do pertencimento à classe dominante:

23 O Espaço Social da Sociedade Francesa (La Distinction) a) Classes Dominantes ou Superiores 1.1. burguesia antiga composta por donos de grandes empresas do comércio e da indústria; 1.2. burguesia nova reunindo os quadros superiores do setor privado, na sua maioria egressos das grandes escolas de gestão econômica e comercial.

24 O Espaço Social da Sociedade Francesa (La Distinction) a) Classes dominantes ou Superiores A fração dominada classe dominante tem mais capital cultural que a fração dominante.

25 O Espaço Social da Sociedade Francesa (La Distinction) b) Pequena Burguesia Seus membros compartilham um certo número de propriedade comuns. Os pequenos burgueses ocupam uma posição média no espaço social. O conceito de pequena burguesia situa este grupo do lado da burguesia uma vez que as práticas e as representações dos indivíduos que a compõem se explicam pela vontade de ascensão social. No que concerne a cultura, a pequena burguesia é desprovida de autonomia em relação a burguesia. Ela respeita profundamente a ordem social estabelecida.

26 Sociedade e Território Aula: P. Bourdieu O Espaço Social da Sociedade Francesa (La Distinction) O Espaço Social da Sociedade Francesa (La Distinction) b) Pequena Burguesia Existem clivagens ao seio da pequena burguesia em três frações:

27 O Espaço Social da Sociedade Francesa (La Distinction) O Espaço Social da Sociedade Francesa (La Distinction) O Espaço Social da Sociedade Francesa (La Distinction) b) Pequena Burguesia 1.b) Pequena burguesia em declínio: a trajetória serve para definir este primeiro grupo. Composta de artesãos e comerciantes.

28 O Espaço Social da Sociedade Francesa (La Distinction) b) Pequena Burguesia 2.b) Pequena burguesia de execução: composta por empregados (trabalhadores não-manuais de nível médio), quadros médios das empresas privadas, os técnicos, professores de nível médio. Ocupam posição central no que concerne a composição do capital.

29 O Espaço Social da Sociedade Francesa (La Distinction) b) Pequena Burguesia 3.b) Pequena burguesia nova constituída por: Pequenos burgueses com forte capital cultural, mas com pouco capital social para tirar partido do seu capital cultural, por

30 O Espaço Social da Sociedade Francesa (La Distinction) b) Pequena Burguesia 3.b) Pequena burguesia nova constituída por: Agentes saídos da burguesia, mas não tendo adquirido nas instituições escolares os títulos que lhes permitam de manter na classe dominante. Seu ponto comum é desenvolver uma luta visando aumentar o status simbólico das profissões que eles exercem e modificar a percepção dos outros agentes sobre eles. Este grupo é composto por:

31 O Espaço Social da Sociedade Francesa (La Distinction ) b) Pequena Burguesia 3.b) Pequena burguesia nova constituída por: métier artístico, intelectuais. métier artístico, intelectuais. encontramos tb neste grupo as profissões de (re)presentação: animadores de rádio e televisão com baixa notoriedade, guias tiríticos, etc. A idade dos seus membros torna-se uma variável pertinente: encontra-se igualmente jovens gerações de enfermeiras e técnicos. encontramos tb neste grupo as profissões de (re)presentação: animadores de rádio e televisão com baixa notoriedade, guias tiríticos, etc. A idade dos seus membros torna-se uma variável pertinente: encontra-se igualmente jovens gerações de enfermeiras e técnicos.

32 O Espaço Social da Sociedade Francesa (La Distinction) O Espaço Social da Sociedade O Espaço Social da Sociedade c) As Classes Populares Elas se caracterizam pela sua despossessão. Elas são condenadas a escolha do necessário. O valor que funda a unidade do grupo é aquele da virilidade: várias práticas e representações encontram seu sentido nesta noção.


Carregar ppt "HABITUS: fundamentos CONCEITO CENTRAL. AGENTES SOCIAIS PRÁTICAS SOCIAIS. REPRODUÇÃO DA ORDEM LIBERDADE. HABITUS E SOCIALIZAÇÃO ( Primária e Secundária."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google