A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Mudanças Climáticas Globais Ameaça a Biodiversidade Túlio Dornas de Oliveira.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Mudanças Climáticas Globais Ameaça a Biodiversidade Túlio Dornas de Oliveira."— Transcrição da apresentação:

1 Mudanças Climáticas Globais Ameaça a Biodiversidade Túlio Dornas de Oliveira

2 Conceitos Tempo - O tempo é o estado físico das condições atmosférica em um determinado momento e local. O tempo está nublado agora. Clima - O clima é o estudo médio do tempo para o determinado período. Faz referência às características da atmosfera a partir de observações contínuas durante um certo período. O clima neste período do ano é seco e quente.

3 Clima Sendo o clima uma condição atmosférica, ele é determinado por componentes climáticos: > Radiação - Determina o balanço energético > Gases Atmosféricos - CO 2 > Temperatura > Umidade > Pressão Atmosférica A combinação destes fatores determinam as condições Climáticas do Planeta.

4 Clima Mudanças climáticas globais são condições naturais na historia do Planeta, entretanto em uma velocidade muito lenta. > Períodos Glaciais - Frios e Secos > Interglaciais - Quentes e Úmidos Atualmente ocorre um forte e rápido processo de mudança climática global, proporcionado pelas as intensas atividades humanas.

5 Mudanças Climáticas Globais > Principal Indicador: Aquecimento Global. No Ártico a temperatura subiu 5ºC nos últimos 100 anos. > Causas: Aumento intensificado dos gases atmosféricos, principalmente CO 2, o que intensifica o efeito estufa. Modelos climáticos estimam que a temperatura global irá aumentar de 1.4 a 5.8º C neste século (2100), dependendo do esforço das nações para implementar políticas de mitigação ao aumento do gases de efeito estufa;

6 Fonte: kyoto/kyoto

7 Fonte: reportagens/clima/clima07.htm

8 Fonte: proclima/txtproclima.htm

9 CO 2 EM NÚMEROS : - 80% do aquecimento global atual é devido a este gás. - 97% do gás carbônico emitido em 1997 é proveniente das nações industrializadas através da queima de combustíveis fósseis para produção de energia. - 80% de toda energia produzida é consumida por aproximadamente 25% da população mundial que vive nas nações industrializadas. Fator o qual os países em desenvolvimento esperam que as nações desenvolvidas sejam as primeira à promoverem cortes na emissão. - 30% mais CO 2 existem hoje na atmosfera terrestre do que na época da revolução industrial.

10 Implicações da MCG Ponto de vista sócio-econômico Desestruturação dos padrões de sobrevivência do homem: - A previsão é que o nível dos oceanos possam subir entre 15 e 95cm, até 2100, - A subida de um metro no nível dos oceanos deslocaria 70 milhões de pessoas de Bangladesh. - A água salgada dos oceanos invadiriam rios e zonas costeiras, afetando as reservas de água doce e a pesca.

11 Implicações da MCG Ponto de Vista Ambiental Drásticas alterações ambientais modificando a dinâmica dos processos ecológicos nos ecossistemas mundiais: Os modelos climáticos prevêem que, em 2080, não haverá mais gelo durante os meses de verão no ártico, levando à extinção os ursos polares por fome.. As geleiras alpinas perderam metade de seu volume desde 1850, espécies características das baixas montanhas suíças migraram para alta montanha. Os estoques do salmão do Atlântico Norte serão destruídos quando a temperatura regional do oceano aumentar de 6ºC em relação a da média histórica. Lund destacou o intenso desmatamento do cerrado de lagoa Santa entre 1820 e 1860 como o grande responsável pela defasagem no regime de chuvas local.

12 O branqueamento dos recifes de corais está ampliando a cada ano e estudos mostram forte correlação entre aumento da temperatura local dos oceanos e o branqueamento.. O declínio de populações de anfíbios por todo o globo fazem destes animais um dos principais indicadores de mudanças climáticas no planeta. O pequeno sapo dourado (Bufo periglenes) da Costa Rica foi declarado extinto. A grande seca em 1987 impossibilitou a formação de poças e impediu a reprodução da espécie. A infecção pelo fungo Chytridiomycosis a pele dessecada dos sapos, ocasionou a redução populacional maciça de várias espécies das florestas tropicais australianas e da América Latina.

13 Estudo de Caso AS FLORESTAS TROPICAIS E AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS: ATITUDES PESSOAIS E ALTERNATIVAS PARA UMA BIOTECNOLOGIA AMBIENTAL PARA O SEQUESTRO DE CARBONO Marcos S. Buckeridge Seção de Fisiologia e Bioquímica de Plantas Instituto de Botânica, SMA-SP

14 Carbono sujo - Originado de materiais externos aos sistema, CO 2 proveniente da queima de combustível fóssil. Carbono limpo - Originado de materiais internos ao sistema. Biomassa. Reciclagem de carbono sem novos acréscimos.

15 O uso de biotecnologia para implementação do carbono limpo. Deste modo o estudo da assimilação de carbono pelas espécies vegetais torna-se essencial. 6CO H 2 0 C 6 H 12 O 6 + 6O 2 + 6H 2 O Amido Celulose

16 Idéia: Sequestro de Carbono Gerar alternativas sócio-econômicas sustentáveis ambientalmente, Forte propósito conservacionista: 40% do carbono assimilado da atmosfera é absorvido pelas florestas. O que reforça a preservação das Florestas (Principalmente Tropicais).

17 Objetivo Verificar as respostas de espécies vegetais a uma situação de aquecimento global. Espécie utilizada: jatobá (Hymenaea courbaril). - Representativa tanto na Floresta Amazônica quanto Mata Atlântica, - Longo período de vida, até centenas de anos.

18 Método 360 ppm CO ppm CO 2 Taxa Fotossintética Acúmulo de Biomassa Número de Estômatos Taxa Fotossintética Acúmulo de Biomassa Número de Estômatos 100 dias

19 Resultados Taxa Fotossintética 60% maior Acúmulo de Biomassa 20% maior (Celulose) Número de Estômatos* 50 mil 70 mil * Plantas de mil estômatos 360 ppm CO ppm CO 2

20 Discussão Com o aumento da concentração de carbono, as taxas fotossintéticas aumentaram e consequentemente o acúmulo de biomassa. Comprova o papel mitigador das Florestas como sequestradores de carbono, justificando a necessidade de criar mais UCs e de se reflorestar áreas degradas e improdutivas. Aplicação de uma política sustentável na Amazônia é essencial, assim como reconstituição da Mata Atlântica. Além disso, o índice estomático mostrou-se um potencial indicador da concentração de CO 2 e consequente aquecimento global.

21 Conclusões Gerais 1. O aquecimento global é o principal indicador da MCG, 2.A redução do níveis de CO 2 na atmosfera é um compromisso global, 3.As MCGs são catastróficas, tanto para biodiversidade mundial, pois promove a extinção de espécies, quanto para sobrevivência sustentável do homem no planeta, 4.As florestas de uma forma geral apresentam papel decisivo na concentrações de CO 2 e portanto na qualidade climática do planeta, 5.A Floresta Amazônica e a Mata Atlântica possuem papel estratégico para o Brasil na luta contra o aquecimento global.

22 Referências Bibliográficas AYODE, JO Introdução à Climatologia para os trópicos. 5 ª Edição. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1998 WARMING, E. e FERRI, MG. Lagoa Santa e A vegetação de cerrados brasileiros. Belo Horizonte: Itatiaia e São Paulo: Ed. USP, RICKLEFS, RE Economia da Natureza Editora Guanabara Koogan Rio de Janeiro Endereços eletrônicos:

23


Carregar ppt "Mudanças Climáticas Globais Ameaça a Biodiversidade Túlio Dornas de Oliveira."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google