A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SERRA NEGRA-2010 Palestra Profª Elianeth Dias Kanthack Hernandes.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SERRA NEGRA-2010 Palestra Profª Elianeth Dias Kanthack Hernandes."— Transcrição da apresentação:

1 ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SERRA NEGRA-2010 Palestra Profª Elianeth Dias Kanthack Hernandes

2 Seven Trees - Antonio Peticov, 1993

3 Na medida em que o homem cria, recria e decide, vão se formando as épocas históricas. E é também criando, recriando e decidindo que resolve como deve participar nessas épocas. É por isso que obtém melhor resultado toda vez que, integrando-se no espírito delas, se apropria de seus temas e reconhece suas tarefas concretas. Ponha-se ênfase, desde já, na necessidade permanente de uma atitude crítica, a única com a qual o homem poderá apreender os temas e tarefas de sua época e ir se integrando nela. (Paulo Freire, Educação e mudança. p. 64, 2007).

4 A QUESTÃO DA QUALIDADE...

5 Recuperar:Recuperar: Adquirir novamente (o perdido); reaver, retomar, readquirir, recobrar. FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Minidicionário da Língua Portuguesa, (1993). O QUÊ?

6 O Sermão da Sexagésima (Séc. XVII) de Padre Vieira – O autor conclui que os ouvintes não se interessam pelos sermões porque o pregador perdeu a fé. É preciso acreditar e ter credibilidade!

7 Dentro do processo de ensino- aprendizagem, recuperar significa voltar, tentar de novo adquirir o que perdeu, e não pode ser entendido como um processo unilateral. Se o aluno não aprendeu, o ensino não produziu seus efeitos, não havendo aqui qualquer utilidade em atribuir-se culpa ou responsabilidade a uma das partes envolvidas. Indicação CEE nº 5/98

8 PARA QUEM? TEMOS PENSADO A RECUPERAÇÃO? A AVALIAÇÃO? A ESCOLA... ?

9 O ensino começa e termina com a avaliação... e a RECUPERAÇÃO também!

10 escola A escola, ao viabilizar o fracasso, torna-se um instrumento a serviço da ampliação da injustiça social e da desigualdade. educação A educação é direito fundamental e deve promover a auto-estima e não a sua negação.

11 O que a história conta? Em 1822 – Apenas 0,2% da população brasileira era alfabetizada. Em 1872 – 1º censo brasileiro – 17% da população era alfabetizada. Em 1960 – A porcentagem de alfabetizados passa, pela primeira vez na história, a ser maior que a de analfabetos (46%). Em 1980 – O número absoluto de analfabetos começou a baixar. Em 1990 – (1997) Conseguimos chegar perto da universalização do Ensino Fundamental. A Suécia conseguiu a alfabetização de 100% de sua população no séc. XVII

12 De entender que De entender que temos (bons) problemas para resolver... QUE HORA É ESSA?

13 O projeto não é uma simples representação do futuro, mas um futuro para fazer, um futuro a construir, uma idéia a transformar em ato. Jean Marie Barbier

14 Aprende-se por confronto e não por semelhança. São necessários outros pontos de vista para refletir sobre a pertinência do meu.

15 Res. SEE 18, de 04/03/2009Res. SEE 93, de 18/12/2009 Justificativa : Resultados de Avaliações Internas e Externas (SARESP) Escola deve garantir oportunidades de aprendizagem a todos Recuperação integra o processo de ensino e aprendizagem Respeito à diversidade e aos ritmos de aprendizagem A CENP representou Justificativa: Respeito à pluralidade dos ritmos de aprendizagem O compromisso da escola de oferecer condições favoráveis à superação das dificuldades encontradas no percurso escolar. Importância da diversidade e de alternativas operacionais

16 Res. SEE 18, de 04/03/2009Res. SEE 93, de 18/12/2009 Amplitude : Alunos de classes regulares dos Ciclo I, Ciclo II e Ensino Médio Período : Ciclo I : 2º semestre Ciclo II e Ensino Médio: de março até o final de julho Amplitude: Alunos de classes regulares dos Ciclo II e Ensino Médio Período : Ciclo II e Ensino Médio: durante todo o ano letivo.

17 Res. SEE 18, de 04/03/2009Res. SEE 93, de 18/12/2009 Carga horária: 2 (duas) a 3 (três) horas semanais (Aluno) Sistema de créditos referente à carga horária total anual do conjunto de classes em funcionamento Tratamento diferenciado para escolas dependendo do IDESP Carga horária: Conjuntos indivisíveis de 10 (dez) aulas de Língua Portuguesa e Matemática (Professor) Escolas com até 15 classes: 1 conjunto de 10 Escolas com 16 a 29 classes: 2 conjuntos de 10 Escolas com 30 ou mais classes: 3 conjuntos de 10

18 Res. SEE 18, de 04/03/2009 Res. SEE 93, de 18/12/2009 Quantidade de Alunos: 15 a 20 alunos organizados por série, por disciplina, por área de conhecimento ou por nível de desempenho Quantidade de Alunos: Grupos de alunos (sem especificar quantidade) do mesmo nível de ensino, organizados por classe/série, por dificuldades de aprendizagem ou por outros critérios. De forma individualizada para alunos que necessitam, temporariamente, de trabalho específico (caráter excepcional).

19 Res. SEE 18, de 04/03/2009Res. SEE 93, de 18/12/2009 Tipo de Recuperação : Recuperação Paralela Atribuição de Aulas: Precedida de questões técnicas e burocráticas. Tipo de Recuperação : Recuperação Paralela e Recuperação Contínua (cita a recuperação final de ciclo). [art. 1º] Atribuição de Aulas: Antecede as questões técnicas e burocráticas.

20 Será a pessoa racional e ilustrada do ideal humanista de educação? Será a pessoa otimizadora e competitiva dos modelos neoliberais de educação? Será a pessoa ajustada aos ideais de cidadania do moderno estado- nação? Será a pessoa desconfiada e crítica dos arranjos sociais existentes preconizada nas teorias educacionais críticas? A cada um desses modelos corresponderá um tipo de conhecimento, um tipo de currículo, e por que não, um tipo de recuperação? Silva, T.T. (1999). Documentos de Identidade: uma introdu ç ão à s teorias do curr í culo. São Paulo: Autêntica Qual é o ser humano desejável para um determinado tipo de sociedade?

21 DIFERENTES OLHARES

22 O que é esperado de nós, educadores?

23 Os alunos mudaram tanto!!!! e a recuperação?

24 Princípios norteadores para o trabalho de Recuperação Reflexão sobre a ação – uma análise sobre os resultados dos projetos já desenvolvidos. Reflexão na ação – durante a implementação do projeto de Recuperação da Aprendizagem. Reflexão para a ação – ação de planejar os próximos Projetos de recuperação, tendo em vista os resultados das reflexões anteriores

25 - Compreenda os motivos das dificuldades de aprendizagem dos alunos. - Procure estabelecer vínculos positivos e de confiança com os alunos. - Valorize os saberes dos alunos. - Acolha as idéias, dúvidas e trate os erros dos alunos como sinais de saberes. O que se espera do professor que atua numa classe de recuperação (1) :

26 - Manifeste confiança na capacidade dos alunos, respeite às dúvidas, saberes, etc. - Seja um observador cuidadoso, capaz de antecipar o que o aluno está pensando, seus conflitos e possíveis dúvidas. O que se espera do professor que atua numa classe de recuperação (2) :

27 - Organize uma boa rotina, pautas de observação e registros constantes do processo de aprendizagem dos alunos. - Saiba organizar bons agrupamentos. - Saber fazer boas perguntas. - Tenha disponibilidade para entender as possíveis rejeições dos alunos às atividades, procurando investigar quais as razões. O que se espera do professor que atua numa classe de recuperação (3) :

28 Plano De Trabalho - Recuperação 1. Avaliação diagnóstica; 2. Plano de Ensino; 3. Orientações periódicas na D.E. com os professores de recuperação; 4. Ficha de acompanhamento do trabalho didático da recuperação paralela; 5. Análise das fichas; 6. Encaminhamentos.


Carregar ppt "ORIENTAÇÃO TÉCNICA/SERRA NEGRA-2010 Palestra Profª Elianeth Dias Kanthack Hernandes."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google