A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. PAULO RENATO DOS SANTOS COSTA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA - MG GASTROPATIAS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. PAULO RENATO DOS SANTOS COSTA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA - MG GASTROPATIAS."— Transcrição da apresentação:

1 Prof. PAULO RENATO DOS SANTOS COSTA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA - MG GASTROPATIAS

2 Vômito Apatia Anorexia Desidratação Estômago GASTROPATIAS MANIFESTAÇÕES CLINICAS

3 Vômito AgudoCrônico Abordagem inicial

4 1 a SITUAÇÃO CLÍNICA Vômito agudo

5 Vômito Agudo Síndrome clínica GASTRITE AGUDA

6 Gastrite aguda Quadro agudo de: Vômito Apatia Anorexia Desidratação Síndrome clínica

7 Gastrite aguda Dieta Intolerância alimentar Indiscrição alimentar Corpo estranho Produtos químicos Causas

8 Gastrite aguda Drogas Antiinflamatórios, antibióticos, outros... Agentes infecciosos Doenças virais e bacterianas–quadro inicial Doenças metabólicas sistêmicas Com manifestação inicial de vômito Causas

9 Gastrite aguda Apresentações clínicas Paciente em estado crítico Alerta (sem evidências de corpo estranho ou doenças sistêmicas, desidratação leve ou inaparente) Jejum e tratamento sintomático Recuperação espontânea Paciente clinicamente estável Deprimido, estupor (desidratação acentuada, choque, dor abdominal, febre) Exames complementares (hemograma, bioquímica sérica, urinálise, RX, US) Tratamento intensivo

10 Manejo dietético Jejum 24 horas Retorno à alimentação de forma gradativa Alimentos de alta digestibilidade Gastrite aguda Simples Tratamento

11 Gastrite aguda grave Tratamento Internação e fluidoterapia Reposição IV Cristalóides isotônicos Déficit + perdas + manutenção

12 Gastrite aguda Tratamento Antieméticos, antiácidos, Protetores de mucosa Paciente em estado grave Não indicado Paciente clinicamente estável Indicado

13 Fisiopatologia do vômito Centro do vômito Receptores: Ach e H 1 Zona do gatilho Receptores: D 2 e 5-HT 3 Corrente sanguínea Aferentes viscerais Receptores: 5-HT 3 Sistema vestibular Receptor H 1 Córtex cerebral

14 Antieméticos X receptores AntieméticosD2D2 AchH1H1 5-HT 3 Metoclopramida Clorpromazina Ondansetrona Dimenidrato++++

15 2 a SITUAÇÃO CLÍNICA Vômito com sangue (Hematêmese)

16 Vômito com presença de SANGUE (Hematêmese) Gastropatias erosivas e ulcerativas

17 Efeitos adversos (Patogenia) Fatores agressivos Mecanismos de proteção X Úlceras gastroduodenais Patogenia

18 Pré-epiteliais (extrínsecos) Muco Bicarbonato Epiteliais (intrínsecos) Resistência celular Mecanismos p/ excreção ácida Rápida renovação celular Pós-epiteliais (intrínsecos) Aporte sanguíneo Mecanismos de proteção da mucosa Céls. superficiais Céls. mucosecretoras Céls. parietais Céls. principais Céls. argentafins

19 Patogenia das lesões na mucosa gastroduodenal Fatores agressivos Endógenos (Hcl, pepsina, ácidos biliares) Exógenos (ex: AINEs) Superam ou diminuem a eficiência dos mecanismos de proteção Lesão da mucosa Erosões – úlceras – sangramento – hematêmese - melena Úlceras gastroduodenais Patogenia Agentes agressores

20 Úlceras gastroduodenais Etiologia (Principais causas) AINEs Glicocorticóides Síndrome choque Uremia

21 Úlceras gastroduodenais Etiologia (Principais causas) Insuficiência hepática Mastocitoma Gastrinoma Estresse

22 Antiinflamatórios não esteróides (AINEs) Úlceras gastroduodenais bbbb x Tipo de AINEs utilizado Posologia e duração do tratamento Fatores concomitantes (estresse, gastrite) Condição clínica geral do paciente Sensibilidade individual do paciente Fatores que interferem Relação entre AINEs e úlceras gastroduodenais

23 Hematêmese Melena Anorexia Dor abdominal cranial Mucosas pálidas Úlceras gastroduodenais Sinais clínicos

24 Úlceras gastroduodenais Histórico Sinais clínicos Endoscopia Diagnóstico

25 Úlceras gastroduodenais Clínico (medicamentoso) Inibidores da secreção ácida Protetores de mucosa Alimentação freqüente Cirúrgico Úlcera perfurada Tratamento

26 Úlceras gastroduodenais Antiácidos orais Hidróxido de alumínio, magnésio, carbonato de cálcio Antagonistas dos receptores H 2 Cimetidina, ranitidina, famotidina, nizatidina Inibidores da bomba de protons Omeprazol, Lansoprazol, outros Tratamento – Antiácidos

27 Úlceras gastroduodenais Tratamento - Antiácidos

28 Úlceras gastroduodenais Sucralfato Octasulfato de sacarose e H. de Alumínio Forma um gel Adere no local ulcerado Aumento de prostaglandinas citoprotetoras? Tratamento – Protetores de mucosa

29 Úlceras gastroduodenais Tratamento – Protetores de mucosa

30 3 a SITUAÇÃO CLÍNICA Vômito crônico

31 Duas ou > semanas de duração Pode ser de caráter intermitente Problema comum na clínica Exige diagnóstico e tratamento específico VÔMITO CRÔNICO

32 Causas SISTÊMICAS com manifestação gastrintestinal Causas OBSTRUTIVAS do trato gastrintestinal Doenças PRIMÁRIAS do trato gastrintestinal VÔMITO CRÔNICO

33 Doenças PRIMÁRIASCausas OBSTRUTIVAS Causas SISTÊMICAS c/ manifestação gastrintestinal Piometra Peritonite Hipercalcemia Mastocitomas Gastrinomas Outras Nefropatias Hepatopatias Doenças infecciosas crônicas Endocrinopatias Hipoadrenocorticismo (doença de Addison) Hipertireoidismo VÔMITO CRÔNICO

34 Doenças PRIMÁRIASCausas OBSTRUTIVAS Causas SISTÊMICAS c/ manifestação gastrintestinal PONTOS CHAVES P/ DIAGNÓSTICO Pesquisa de outros sinais, além do vômito... Anamnese Exame físico Exames laboratoriais Meios de diagnóstico por imagem VÔMITO CRÔNICO

35 Doenças PRIMÁRIASCausas SISTÊMICAS Causas OBSTRUTIVAS do trato gastrintestinal (TGI) VÔMITO CRÔNICO OBSTRUÇÃO MECÂNICA Completa e de evolução aguda - (sinais agudos) Parciais ou de evolução lenta - (sinais crônicos)

36 Doenças PRIMÁRIASCausas SISTÊMICAS Causas OBSTRUTIVAS do trato gastrintestinal VÔMITO CRÔNICO OBSTRUÇÃO MECÂNICA X HIPOMOTILIDADE

37 Doenças PRIMÁRIAS Causas SISTÊMICAS Causas OBSTRUTIVAS do trato gastrintestinal OBSTRUÇÕES MECÂNICAS Corpo estranho Estenose pilórica Gastropatia hipertrófica do antro Neoplasias Granulomas (fúngico, eosinofílico) Intussuscepção Outras HIPOMOTILIDADE Hipomotilidade SECUNDÁRIA Gastrite crônica Endocrinopatias Distúrbios eletrolíticos Dor Hipomotilidade PRIMÁRIA (Idiopática) VÔMITO CRÔNICO

38 Doenças PRIMÁRIAS Causas SISTÊMICAS Causas OBSTRUTIVAS do trato gastrintestinal SINAIS CLÍNICOS Características do vômito Vômito de aspecto e odor fecal Grandes volumes Vômito em projétil Vômito de esvaziamento gástrico tardio (>8 h. após ingestão) VÔMITO CRÔNICO

39 Doenças PRIMÁRIAS Causas SISTÊMICAS Causas OBSTRUTIVAS do trato gastrintestinal PONTOS CHAVES PARA O DIAGNÓSTICO Anamnese Exame físico (Palpação abdominal) Meios de diagnóstico por imagem Exames laboratoriais VÔMITO CRÔNICO

40 Vômito Crônico Síndromes específicas de retardo do esvaziamento gástrico Causas OBSTRUTIVAS do trato gastrintestinal

41 Vômito Crônico Retardo do esvaziamento gástrico Sinais clínicos Vômito tardio, 8 horas ou mais após alimentação Vômitos de grande volume, às vezes em jato ou projetil Distensão abdominal pós-prandial Emaciação e apetite preservado Tempo de esvaziamento gástrico anormalmente aumentado

42 Vômito Crônico Retardo do esvaziamento gástrico Obstrução mecânica do fluxo gástrico è Hipomotilidade gástrica è Ambos Pode ser por:

43 Vômito Crônico Retardo do esvaziamento gástrico Obstrução mecânica X Hipomotilidade Diagnóstico por imagem – obstrução mecânica? Histórico e exames laboratoriais? Conteúdo do vômito não digerido (hipomotilidade)

44 Corpo estranho Estenose pilórica Gastropatia hipertrófica do antro gástrico Vômito Crônico Retardo do esvaziamento gástrico Neoplasias (intraluminais, intramurais ou extramurais) Granulomas (fúngico, eosinofílico) Causas de obstrução mecânica do fluxo gástrico

45 Causas SISTÊMICASCausas OBSTRUTIVAS GASTRITE CRÔNICA (Principal causa) Doenças PRIMÁRIAS Inflamatórias do trato gastrintestinal VÔMITO CRÔNICO

46 Causas SISTÊMICASCausas OBSTRUTIVAS GASTRITE CRÔNICA - ETIOLOGIA Dieta (Intolerância ou alergia alimentar) Bactéria (Helicobacter spp.) Parasitária (Physaloptera spp., Ollulanus tricuspis) Refluxo biliar enterogástrico (síndrome do vômito bilioso) Idiopática (Linfocítico-plasmocitária, eosinofílica) Doenças PRIMÁRIAS Inflamatórias do trato gastrintestinal VÔMITO CRÔNICO

47 Causas SISTÊMICASCausas OBSTRUTIVAS Doenças PRIMÁRIAS do trato gastrintestinal VÔMITO CRÔNICO Gastrite crônica Doença intestinal inflamatória Colites Neoplasias (linfoma)

48 Causas SISTÊMICASCausas OBSTRUTIVAS Doenças PRIMÁRIAS Inflamatórias do trato gastrintestinal VÔMITO CRÔNICO PONTOS CHAVES PARA O DIAGNÓSTICO Exclusão das causas obstrutivas e sistêmicas Endoscopia e biopsia Testes terapêuticos

49 Gastrite crônica Tratamento ESPECÍFICO Gastrite parasitária - Antiparasitários (Pamoato de pirantel ou fembendazol) Helicobacter spp. Antibióticos (Amoxicilina, metronidazol, omeprazol) Alergia/intolerância alimentar Dietas testes (hipoalergênicas?) Idiopática Dietas e imunossupressores (prednisona,prednisolona)

50 4 a SITUAÇÃO CLÍNICA Esforço e Vômito não produtivo

51 Cães de raças grandes DVG Dilatação/vólvulo gástrico Esforço e Vômito não produtivo

52 Dilatação/vólvulo gástrico (DVG)

53 Dilatação/vólvulo gástrico (DVG) - Fisiopatologia Coração FígadoEstômago dilatado e torcido Veia cava caudal Veia porta

54 Terapia complementar Internação por 48 a 72 horas, fluidoterapia Antibióticos Antiarritmicos (hipocalemia) Antiácidos (ranitidina ou omeprazol) Dilatação/vólvulo gástrico (DVG)

55 Prof. Paulo Renato dos Santos Costa Departamento de Veterinária Universidade Federal de Viçosa


Carregar ppt "Prof. PAULO RENATO DOS SANTOS COSTA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA - MG GASTROPATIAS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google