A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Incapacidade Laborativa em Pós-operatórios Cardíacos Raquel Melchior Roman, Ms GEX Passo Fundo – RS Grupo de Trabalho – Projeto Diretrizes em Clínica Médica.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Incapacidade Laborativa em Pós-operatórios Cardíacos Raquel Melchior Roman, Ms GEX Passo Fundo – RS Grupo de Trabalho – Projeto Diretrizes em Clínica Médica."— Transcrição da apresentação:

1 Incapacidade Laborativa em Pós-operatórios Cardíacos Raquel Melchior Roman, Ms GEX Passo Fundo – RS Grupo de Trabalho – Projeto Diretrizes em Clínica Médica

2 Pós-operatórios Cardíacos: Revascularização Miocárdica Prótese Valvar Aórtica Plastia ou Prótese Valvar Mitral Atrioseptoplastia

3 Revascularização Miocárdica Indicações: Lesão TCE ou trivascular principalmente com disfunção VE ou DM. Angina apesar do tratamento clínico otimizado Lesões importantes não passíveis de tratamento percutâneo Complicações do infarto ( CIV, Ins Mitral aguda, Ruptura VE)

4 Revascularização Miocárdica Resultados do procedimento: Intercorrências ( infecção, arritmia, IAM ou AVC perioperatório, marcapasso) Enxertos utilizados ( arterial vs. venoso) Revascularização completa ou incompleta

5 Revascularização Miocárdica Resultados tardios: Progressão da Aterosclerose: controle fatores de risco Comorbidades (Diabete, DPOC, IRC) Disfunção Ventricular Seguimento pós-alta: Assintomáticos: Teste ergométrico em 6-12 meses para avaliar capacidade funcional Sintomáticos: I nvestigar causa cardíaca ( cintilografia ou eco estresse – local e extensão da isquemia ) Arq Bras Cardiol 2004; 82(V): 1-21

6 Incapacidade no Pós-op Revascularização Miocárdica Atividade LeveAtividade ModeradaAtividade Intensa 90 dias180 dias Considerar Reabilitação Profissional Limite Indefinido Revascularização incompleta com isquemia residual, arritmia, diabete não-controlado, Disfunção VE persistente

7 Prótese Valvar Aórtica Indicação: Estenose ou Insuficiência Urgência vs. Eletiva Endocardite, Doença da Aorta, DAC Outras valvulopatias Tipo prótese: metálica ou biológica Implante percutâneo

8 Prótese Valvar Aórtica Resultados esperados: Complicações perioperatórias: arritmia, marcapasso, infecção, sangramento Ecocardiograma pós-operatório - Posicionamento - Funcionamento - Leak paravalvar - Gradientes e área - Mismatch - Avaliação função VE Prótese Metálica Aórtica

9 Incapacidade no Pós-op Prótese Aórtica Atividade LeveAtividade ModeradaAtividade Intensa 90 dias180 dias Considerar Reabilitação Profissional Limite Indefinido Persistência dilatação cavidades, Disfunção VE, arritmia, Disfunção prótese Atividades com risco pela anticoagulação

10 Pós-operatório Mitral Tipo Lesão ESTENOSE INSUFICIÊNCIA Tipo de Cirurgia PLASTIA PERCUTÂNEA ou VALVOTOMIA TROCA VALVAR PLASTIA CIRÚRGICA TROCA VALVAR Avaliar Lesão residual BIOLÓGICA ou METÁLICA BIOLÓGICA ou METÁLICA Avaliar Lesão residual

11 Resultados em longo prazo Pós-plastia: 60% retorno sintomas em 9 anos 20% recorrência de estenose Outras causas: IM, DAC, arritmia, HAP IM isquêmica: pior prognóstico relacionado a cardiopatia de base Pós-operatório Mitral J Am Coll Cardiol 2006; 48(3):

12 Avaliação Prótese Ecocardiograma: Leak paravalvar Gradientes e área Dimensões cavidades VEs > 40mm Fração de Ejeção FE < 60% Pós-operatório Mitral Prótese Metálica Mitral Prótese Biológica Mitral

13 Incapacidade Laborativa Procedimento Percutâneo Atividade Moderada Intensa dias DCB cfe grau lesão residual 180 dias Considerar Reabilitação Profissional Limite Indefinido Persistência dilatação cavidades, Disfunção VE, Fibrilação atrial, Hipertensão Pulmonar, DAC associada Atividades com risco pela anticoagulação Atividade Leve Procedimento Cirúrgico Atividade LeveAtividade Moderada Intensa 90 dias

14 Fechamento CIA Mais comum: CIA ostium secundum Tratamento: fechamento percutâneo ou cirúrgico Taxa de sucesso oclusão: >98% Resultados esperados: Melhora classe funcional ( tolerância esforços) Redução dimensões VD e regressão HAP Dilatação persistente do VD: grandes shunts, correção tardia Amplatzer

15 Incapacidade Pós-op Fechamento Percutâneo Atividade Intensa ou HAP significativa 30 dias dias Correção Cirúrgica dias Considerar Reabilitação Profissional SVD, HAP persistente. Atividade laboral intensa CIA Ostium Secundum AE AD CIA

16 Considerações Finais: Incapacidade pós-operatório Patologia de base e repercussão Procedimento e resultados imediatos Resultados tardios Avaliação individualizada de acordo com o gesto profissional

17 Obrigado !


Carregar ppt "Incapacidade Laborativa em Pós-operatórios Cardíacos Raquel Melchior Roman, Ms GEX Passo Fundo – RS Grupo de Trabalho – Projeto Diretrizes em Clínica Médica."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google