A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Pode ser definido como uma lesão dos tecidos orgânicos em decorrência de um trauma de origem térmica. Podendo variar de uma simples flictema na pele,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Pode ser definido como uma lesão dos tecidos orgânicos em decorrência de um trauma de origem térmica. Podendo variar de uma simples flictema na pele,"— Transcrição da apresentação:

1

2

3 Pode ser definido como uma lesão dos tecidos orgânicos em decorrência de um trauma de origem térmica. Podendo variar de uma simples flictema na pele, até grave agressão, capaz de desencadear um grande número de respostas sistêmicas proporcionais à extensão e a profundidade dessas lesões (GOMES-2006).

4

5 Estima-se que no Brasil ocorram cerca de de acidentes por ano, sendo que pacientes procuram atendimento hospitalar e, destes, cerca de pacientes irão falecer direta ou indiretamente de suas lesões.

6

7 I GRAU II GRAU III GRAU

8

9 Queimadura de II Grau

10

11

12

13 As queimaduras químicas tem a profundidade agravada enquanto o agente químico permanece em contato com a pele.

14 A lesão tecidual nas queimaduras químicas dependem : Concentração do agente químico; Quantidade da substância; Modo e duração de contato do agente com a pele; Extensão corporal ao agente; Mecanismo de ação da droga.

15 Tratamento das queimaduras químicas: Despir completamente o paciente; Remoção física da substância; Diluição do agente com água corrente e abundante, diminuindo assim a reação entre a substância e o tecido corporal. Os agentes químicos devem ser diluídos o mais rápido possível; Os agentes químicos devem ser diluídos o mais rápido possível; Produtos em pó devem ser espanados inicialmente, depois removidos em água corrente. Produtos em pó devem ser espanados inicialmente, depois removidos em água corrente.

16 b) Queimaduras elétricas: são produzidas pelo contato direto entre o corpo e a fonte elétrica. A gravidade é determinada pelo trajeto da corrente através do corpo. Lesões musculares Desordens elétricas do miocárdio Lesões ósseas e de órgãos vitais

17 Fisiologia da queimadura elétrica CORRENTE ELÉTRICA Contração tetânica dos músculos, podendo ocasionar fraturas e luxações como efeitos retardados da descarga elétrica. As manifestações CARDIOVASCULARES ocorrem logo após o acidente. A ANÓXIA e a FIBRILAÇÃO VENTRICULAR são as principais causas de morte imediata. Uma das complicações mais graves é a NECROSE TUBULAR AGUDA, devido a rabdomiólise, levando a uma IRA.

18 c) Queimaduras por frio: a gravidade das queimaduras produzidas pelo frio é influenciada pelos seguintes fatores: Temperatura Tempo de exposição Presença de doenças vasculares prévias

19 Lesão de III grau atingindo mais 10% SCQ adulto e 5% criança; Lesão de II grau atingindo área superior a 20% adulto e 10% criança; Queimaduras de face, mãos, pés, genitália e região perineal; Queimadura circunferencial de extremidades

20 Queimaduras elétricas; Intoxicações por fumaças; Lesões de vias aéreas; Queimaduras menores concomitantes a outros importantes traumas.

21

22 ESTABILIZAÇÃO DO QUEIMADO 1. Abordagem das vias aéreas e ventilação: Queimadura de pêlos nasais; Queimadura de cílios e sobrancelhas; Tosse e rouquidão; Aumento da freqüência e profundidade respiratória. Obs.: A inalação de gases nocivos é encontrado comumente em vítimas que permaneceram em lugares fechados, em ambientes com fumaça ou sofreram queimaduras em face, pescoço e tórax.

23 Sinais e sintomas decorrentes da inalação do monóxido de carbono: Cefaléia Tontura Alteração do nível de consciência Náuseas Pele e mucosa de coloração rósea Taquidispnéia Taquicardia O bs.: O Monóxido de carbono tem 240 vezes mais afinidade com a hemoglobina do que o Oxigênio.

24 Manter ventilação com máscara de Venturi 50% (fluxo de 12 a 15 litros/min de oxigênio); Avaliar necessidade de intubação endotraqueal pela presença dos seguintes sintomas: * Confusão mental * Cianose perilabial e de extremidades * Dispnéia * Alteração na dosagem de gases arteriais * Agitação psicomotora * Edema progressivo de face * Edema de orofaringe * Rouquidão

25 c) Abordagem hemodinâmica: o restabelecimento do padrão hemodinâmico deve obedecer as seguintes etapas: Manter dois acessos venosos calibrosos e seguros Determinar a reposição volêmica para o período de 24 h após o acidente, que deverá obedecer a fórmula de Parkland: 2 a 4 ml de RL x Kg x % área queimada A metade do volume deverá ser infundido nas primeiras 8 h após a queimadura, e a outra metade nas próximas 16 h.

26 Obs.: A quantidade e a velocidade do fluxo administrado é controlado pela PA, FC e débito urinário. Realizar sondagem gástrica Realizar sondagem vesical para monitorar o volume urinário. DÉBITO URINÁRIO ESPERADO: Adulto: 30 a 50 ml/hora Criança menor de 1 ano: 2 ml/kg/hora Criança maior de 1 ano: 1ml/kg/hora

27 c.1) Manutenção da circulação periférica: na vigência de comprometimento da perfusão será necessário a ESCAROTOMIA, com o objetivo de aliviar a compressão exercida pelo EDEMA ( limitada a tecidos não viáveis). d) Cuidados imediatos com as lesões: lavá-las com clorexidine 2% e cobri-las com campo estéril; As bolhas NÃO devem ser rompidas; Desbridar tecido necrótico (sob sedação/analgesia); Utilizar pomada de SULFADIAZINA DE PRATA 1% ou DERMACERIUM nos curativos diários. A FASCIOTOMIA só é indicada em casos de QUEIMADURAS ELÉTRICAS em alta voltagem ou que envolvam LESÕES EM FÁSCIA MUSCULAR.

28 e) Uso de analgésicos e narcóticos: devem ser utilizados cautelosamente em pequenas doses, somente por via endovenosa. f) Profilaxia do tétano g) Aporte nutricional após 48 h h) Reabilitação

29 IDADE % CORPO QUEIMADOSOBREVIDAMORTALIDADE Menor de 5 anos 50%66%34% 5 a 40 anos 50%80%20% 40 a 60 anos 50%51%49% + 60 anos 50%9%91%

30

31 Balneoterapia com desbridamento Manutenção de uma nutrição adequada Profilaxia da hipotermia Controle da dor Manutenção da mobilidade articular Instituir métodos de controle de infecção Avaliação e monitorização da ferida

32 FINALIDADE – Diminuir ainda mais a intensa população e manter a formação de um filme residual do produto degermante, com o intuito de reduzir o número de colônias por grama de tecido lesado.

33 CLOREXIDRINA n Utilizada na degermação diária. n Potente expectro de ação. n Baixa toxicidade.

34 PVPI DEGERMANTE n Sua ação está na dependência da liberação do iodo. n Possui propriedades viricidas, bactericidas e fungicidas. n Esta liberação só ocorre após 5 minutos de contato com o tecido. n Alta toxicidade.

35 SULFADIAZINA DE PRATA n Creme hidrossolúvel, bactericida, branco, contendo o agente antimicrobiana em forma micronizada. n Substância de baixa solubilidade. Processo que permite a exposição da célula bacteriana a maiores contatos com a superfície corporal untada de creme. Seu mecanismo de ação atua através da membrana celular bacteriana. Seu mecanismo de ação atua através da membrana celular bacteriana.

36

37

38 Sulfadiazina de Prata a 1%

39

40

41

42

43

44

45

46 Avaliar as condições de segurança do local Interromper o contato da vítima com o agente agressor Assegurar manutenção do suporte básico de vida Proteger a vítima e suas lesões de outros agravos Observar traumas associados. Portanto, especial atenção deve ser dado à proteção da coluna vertebral, à possibilidade de choque hemodinâmico e existência de fraturas

47

48 Segurança nas construções é fundamental, consulte antes os bombeiros Verifique as condições do seu carro antes de uma viagem Atenção ao manusear com material quente em ambiente de trabalho Sol em excesso pode provocar queimaduras sérias

49 Bebida e cigarro não combinam Não jogue ponta de cigarro acesa no cesto de lixo Cuidado com chuveiro elétrico Não acenda fósforo para procurar vazamento de gás

50 Foguetes e bombas não são brinquedos de criança Não solte balões Não solte pipa perto de rede elétrica Cuidado com fio solto pela casa Procure cobrir as saídas de energia de sua casa Muita atenção no banho da criança

51 Choque elétrico

52

53

54

55

56

57

58

59

60

61

62

63

64

65

66

67

68

69 Escarotomia

70 TECIDO DE GRANULAÇÃO

71 ENXERTIA DE PELE PARCIAL

72 FOTOFITODERMATITE QUEIMADURAS CUTÂNEAS CAUSADAS POR CONTATO COM SUBSTÂNCIAS DE ORIGEM VEGETAL, ATIVADAS PELA LUZ SOLAR. QUEIMADURAS CUTÂNEAS CAUSADAS POR CONTATO COM SUBSTÂNCIAS DE ORIGEM VEGETAL, ATIVADAS PELA LUZ SOLAR.

73

74 FOTOFITODERMATITE

75

76 Dermatomo de Blair

77 RETIRADA DE PELE

78 ENXERTO DE PELE

79 Área doadora

80 Curativo oclusivo

81 PREVINAM-SE CONTRA AS QUEIMADURAS PREVINAM-SE CONTRA AS QUEIMADURASOBRIGADO!


Carregar ppt "Pode ser definido como uma lesão dos tecidos orgânicos em decorrência de um trauma de origem térmica. Podendo variar de uma simples flictema na pele,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google