A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Professora: Elizabete Biedacha. Orações Subordinadas Adverbiais Para finalizar o estudo das orações subordinadas, estudaremos as orações subordinadas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Professora: Elizabete Biedacha. Orações Subordinadas Adverbiais Para finalizar o estudo das orações subordinadas, estudaremos as orações subordinadas."— Transcrição da apresentação:

1 Professora: Elizabete Biedacha

2 Orações Subordinadas Adverbiais Para finalizar o estudo das orações subordinadas, estudaremos as orações subordinadas adverbiais. Elas funcionam como adjunto adverbial, ou seja, são orações que indicam a existência de uma circunstância.

3 Oração subordinada adverbial É aquela que tem valor de um advérbio ( ou de locução adverbial) e exerce, em relação ao verbo da oração principal, a função de adjunto adverbial. Ex: Mandar um Claro Torpedo é como beijo na boca. Quando você começa, não quer mais parar. como dar beijo na boca- comparação quando você começa- tempo

4 Para que servem as orações adverbiais? As orações adverbiais estabelecem relações lógicas e coesivas importantes na construção do sentido de um texto. Servem para inserir noções de tempo, finalidade, condição, concessão ou, ainda, para estabelecer comparação, concomitância ou relações de causa e consequência entre dois fatos.

5 Para que servem as orações adverbiais? Embora as orações adverbiais sejam comuns na fala, alguns dos seus tipos aparecem mais frequentemente em textos escritos de acordo com a variedade padrão da língua e com certo grau de elaboração de ideias.

6 1 - Causal Funciona como adjunto adverbial de causa. Principais conjunções: porque, porquanto, visto que, já que, uma vez que, como, que. Exemplos: - Saímos rapidamente, visto que estava armando um tremendo temporal. - Como estivesse chovendo, não saímos de casa. - Por ter chegado atrasada, não pôde entrar na palestra.

7 Atenção Fazer a distinção entre uma oração coordenada explicativa e uma oração subordinada adverbial causal nem sempre é fácil, porque ambas podem ser introduzidas pelas conjunções que e porque.Para eliminar a dúvida, você deve fazer estas considerações: 1 - A oração coordenada explicativa explica a razão da afirmação feita na oração anterior: Ex: O sol estava muito forte, porque as flores estão murchas.

8 Atenção 2 - A oração subordinada adverbial causal tem o papel de advérbio em relação à oração principal, isto é, indica a causa do efeito expresso pelo verbo da oração principal: Ex: Fomos ao passeio porque houve algumas desistências. 3 - A oração coordenada explicativa é frequentemente empregada depois de orações imperativas e optativas : Ex: Não fique muito tempo diante do computador, que a sua coluna pode sentir. Deus te guie, porque você merece!

9 Por causa que ou causa de? Na variedade padrão da língua, emprega-se a locução por causa de. Em vez de, por exemplo, Voltei para casa por causa que ia chover, a variedade padrão recomenda outras construções, como voltei para casa porque ia chover, …uma vez que ia choverou …por causa da chuva.

10 2 - Comparativa Funciona como adjunto adverbial de comparação. Geralmente, o verbo fica subentendido. É iniciada por uma conjunção subordinativa comparativa. São elas: (mais)... que, (menos)... que, (tão)... quanto, como. Exemplos: - Vinícius era mais esforçado que o irmão. - Leal é tão esforçado como o irmão.

11 3 - Concessiva Funciona como adjunto adverbial de concessão. Principais conjunções: embora, conquanto, não obstante, apesar de que, se bem que, mesmo que, posto que, ainda que, em que pese. Exemplos: - Todos se retiraram, apesar de não terem terminado a prova. - Mesmo que ele tenha razão, posicionar-me-ei contrário às suas ideias.

12 4 - Condicional Funciona como adjunto adverbial de condição. Conjunções: se, a menos que, desde que, caso, contanto que. Também pode ser iniciada pela preposição a, estando o verbo no infinitivo. Exemplos: - Você terá um futuro brilhante, desde que se esforce. - Contanto que se esforce, conquistará aquela garota. - A continuar agindo dessa maneira, tudo se dificultará.

13 5 - Conformativa Funciona como adjunto adverbial de conformidade. Conjunções: como, conforme, segundo. Exemplos: - Pintamos sua casa, conforme havia pedido. - Como combinamos ontem, eis os documentos.

14 6 - Consecutiva Funciona como adjunto adverbial de consequência. É iniciada pela conjunção subordinativa consecutiva que. Na oração principal normalmente surge um advérbio de intensidade tal, tanto, tamanho(a): (tão)... que, (tanto)... que, (tamanho)... que. Exemplos: - Ele fala tão alto, que não precisa do microfone. - Ele é de tamanha capacidade, que a todos encanta.

15 7 - Temporal Funciona como adjunto adverbial de tempo. É iniciada por uma conjunção subordinativa temporal ou por uma locução conjuntiva subordinativa temporal. São elas: quando, enquanto, sempre que, assim que, desde que, logo que, mal. Também pode ser iniciada por ao, estando o verbo no infinitivo. Exemplos: -Fico triste, sempre que os alunos chegam atrasados. - Ao terminar essa discussão, sairemos daqui.

16 8 - Final Funciona como adjunto adverbial de finalidade. É iniciada por uma conjunção subordinativa final ou por uma locução conjuntiva subordinativa final. São elas: a fim de que, para que, porque. Também pode ser iniciada pela preposição para, estando o verbo no infinitivo. Exemplos: - Aqui estamos para estudar. - Eu vim para que todos tenham vida.

17 9 - Proporcional Funciona como adjunto adverbial de proporção. É iniciada por uma locução conjuntiva subordinativa proporcional. São elas: à proporção que, à medida que, tanto mais. Exemplo: - À medida que o tempo passa, mais experientes ficamos.


Carregar ppt "Professora: Elizabete Biedacha. Orações Subordinadas Adverbiais Para finalizar o estudo das orações subordinadas, estudaremos as orações subordinadas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google