A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

LOGÍSTICA EMPRESARIAL – 3 Modais em Transportes. URBANAINTERURBANAINTERNACIONAL PASSAGEIROSÔNIBUSTREMMETRÔ AUTOMÓVEL PARTICULAR TAXIVANÔNIBUSAUTOMÓVELPARTICULARAVIÃOTREMÔNIBUSNAVEGAÇÃOAUTOMÓVELPARTICULARAVIÃO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "LOGÍSTICA EMPRESARIAL – 3 Modais em Transportes. URBANAINTERURBANAINTERNACIONAL PASSAGEIROSÔNIBUSTREMMETRÔ AUTOMÓVEL PARTICULAR TAXIVANÔNIBUSAUTOMÓVELPARTICULARAVIÃOTREMÔNIBUSNAVEGAÇÃOAUTOMÓVELPARTICULARAVIÃO."— Transcrição da apresentação:

1 LOGÍSTICA EMPRESARIAL – 3 Modais em Transportes

2 URBANAINTERURBANAINTERNACIONAL PASSAGEIROSÔNIBUSTREMMETRÔ AUTOMÓVEL PARTICULAR TAXIVANÔNIBUSAUTOMÓVELPARTICULARAVIÃOTREMÔNIBUSNAVEGAÇÃOAUTOMÓVELPARTICULARAVIÃO CARGASCAMINHÃOVANMOTOCICLETACAMINHÃOTREMNAVEGAÇÃODUTONAVEGAÇÃOCAMINHÃOTREMAVIÃODUTO T IPODEDEMANDA ESCALA DOS FLUXOS DE TRANSPORTES

3 SISTEMAS INTERMODAL E MULTIMODAL A otimização das operações de transportes inclui a utilização conjunta de vários tipos de modais, de forma a obter o máximo de cada um deles.

4 SISTEMAS INTERMODAL E MULTIMODAL É a integração de todos os tipos de transportesÉ a integração de todos os tipos de transportes. Eficiência, rapidez e segurança não podem ser comparados separadamente quando se decide transportar qualquer mercadoriaEficiência, rapidez e segurança não podem ser comparados separadamente quando se decide transportar qualquer mercadoria.

5 INTERMODALIDADE Utilização conjunta de mais de um modal, onde são utilizados documentos fiscais individuais para cada tipo de modal. Lei 9.611, de 19 de fevereiro de 1988, regulamentou a figura do operador de transporte multimodal ( OTM ), que pode realizar operações porta a porta ( da origem ao destino ) regidas por um único contrato. Há necessidade de possuir ativos necessá rios à execução do transporte.

6 MULTIMODALIDADE Integração total da cadeia de transporte, de modo a permitir um gerenciamento integrado dos modais utilizados, bem como das operações de transferência, com a aplicação de um único documento. Uma das maiores dificuldades apresentadas na utilização está na operação de transbordo de carga de um modal para outro.

7 Tipos de Transportes RodoviárioRodoviário Aéreo Aéreo FerroviárioFerroviário Áquaviário Áquaviário DutosDutos

8 Logística dos Transportes (cenários para o ano e 2010) Carga Transportada Shell Planet 55,6% Rodovia-1997: 55,6% 37,2% 37,2% 39,7% 39,7% 22,6 Ferrovia-1997: 22,6% 30,4% 30,4% 30,5% 30,5% 17,1 Aquaviário-1997:17,1% 24,9% 24,9% 22,0% 22,0% 4,3 Dutos-1997: 4,3% 6,0% 6,0% 5,5% 5,5% 0,4 Aéreo-1997: 0,4% 1,5% 1,5% 2,3% 2,3% FONTE: PLANET-UFRJ e SHELL - 1999

9 TRANSPORTE E CARGAS Rodovia: ideal para cargas de peso médio e para distâncias de 500 km, com prazo de entregaRodovia: ideal para cargas de peso médio e para distâncias de 500 km, com prazo de entrega em torno de 24 horas. em torno de 24 horas.

10 TRANSPORTE E CARGAS Ferrovia : Ferrovia : indicada para cargas pesadas, com valor agregado relativamente baixo e ou menos visadas, com o prazo de entrega bem equacionado.indicada para cargas pesadas, com valor agregado relativamente baixo e ou menos visadas, com o prazo de entrega bem equacionado. Deve ser utilizado para distâncias superiores a 500 km e inferiores a 1.000 km.Deve ser utilizado para distâncias superiores a 500 km e inferiores a 1.000 km.

11 TRANSPORTE E CARGAS Aéreo : cargas leves de maior valor agregado, distâncias acima de 1.000 km e menor tempo para entrega.Aéreo : cargas leves de maior valor agregado, distâncias acima de 1.000 km e menor tempo para entrega.

12 TRANSPORTE E CARGAS AQUAVIÁRIO :AQUAVIÁRIO : Cargas diversas, tendência conteinerizada, face à rapidez na movimentação de embarque e desembarque, garantia na qualidadeCargas diversas, tendência conteinerizada, face à rapidez na movimentação de embarque e desembarque, garantia na qualidade do produto até seu destino. do produto até seu destino. Prazo de entrega bem equacionada e valor de frete considerado aceitável.Prazo de entrega bem equacionada e valor de frete considerado aceitável.

13 TRANSPORTE E CARGAS DUTOS :DUTOS : Produtos especializados na forma de gás, líquida e granulada, no sistema pipeline com terminais e rotas fixas.Produtos especializados na forma de gás, líquida e granulada, no sistema pipeline com terminais e rotas fixas. Transfere grande quantidade de produtos.Transfere grande quantidade de produtos.

14 Rodovias no Brasil Pesquisa da Confederação Nacional de Transporte – 2004 74,7 % das estradas brasileiras estão em estado precário.74,7 % das estradas brasileiras estão em estado precário. Em 8.000 km há fundamentos, ondulações e buracos.Em 8.000 km há fundamentos, ondulações e buracos. Para recuperar todas as rodovias são necessários investimentos de 8 bilhões de reais.Para recuperar todas as rodovias são necessários investimentos de 8 bilhões de reais.

15 Rodovias no Brasil PAVIMENTADA PAVIMENTADA TOTAL NÃO SIM Nordeste : 356.427,6 53.045,6 435.623,6 1.413.982,0 196.093,9 1.751.862,0 Brasil : 1.413.982,0 196.093,9 1.751.862,0 FONTE: CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE TRANSPORTES-2004 Total de Cargas transportadas: 517 milhões de toneladas / ano. 517 milhões de toneladas / ano.

16 FERROVIAS Extensão da malha ferroviária : Total : 29.798 km Concedida : 28.761 km ( 96 % ) Transporte de carga : 345.096.000 toneladas Transporte de passageiros : 1,55 milhão de pessoas 1,55 milhão de pessoas FONTE : Anuário Exame 2004-2005

17 FERROVIAS A malha ferroviária é de 29.798 km.A malha ferroviária é de 29.798 km. O traçado da malha é 30 % mais longo que as das rodovias ( sinuosidades e fortes rampas ).O traçado da malha é 30 % mais longo que as das rodovias ( sinuosidades e fortes rampas ). Velocidade média dos trens é de apenas 23 km/hora contra 35,5 km/hora dos trens americanos.Velocidade média dos trens é de apenas 23 km/hora contra 35,5 km/hora dos trens americanos. Distâncias entre trilhos (bitolas) diferentes entre trechos da malha.Distâncias entre trilhos (bitolas) diferentes entre trechos da malha. Fonte : Agência Nacional de Transportes Ferroviários- ANFT

18 FERROVIAS Frota ferroviária : Vagões 67.717 unidades Vagões : 67.717 unidades Carros 108 unidades Carros : 108 unidades Locomotivas 2.371 unidades Locomotivas : 2.371 unidades Fonte : Associação Nacional dos Transportes Ferroviários- ANTF-2005

19 FERROVIAS Preço médio do equipamento : Nacional Importado Nacional Importado Vagões : R$ 150.000 US$ 65.000 Carros : R$ 150.000 ------ Locomotivas : R$ 1 milhão * US$ 2 milhões * Locomotiva importada usada e nacionalizada FONTE : Associação Nacional de Transportes Ferroviários- ANTF-2500

20 FERROVIAS

21 FERROVIAS DO NORDESTE EXTENSÃO: 6.358 Km.EXTENSÃO: 6.358 Km. Concessões:Concessões: Companhia Ferroviária do Nordeste – CFN Companhia Ferroviária do Nordeste – CFN AL, PE, PB, RN, CE, PI, MA ( 4.534 km ). AL, PE, PB, RN, CE, PI, MA ( 4.534 km ). Ferrovia Centro Atlântica – FCA Ferrovia Centro Atlântica – FCA BA, SE ( 1.824 km ). BA, SE ( 1.824 km ).

22 FERROVIAS DO NORDESTE

23 AQUAVIÁRIO HIDROVIÁRIO HIDROVIÁRIO O setor aquaviário tem crescido 20% ao ano.O setor aquaviário tem crescido 20% ao ano. Extensão da malha hidroviária brasileiraExtensão da malha hidroviária brasileira 42.500 km. 42.500 km. Extensão utilizada atualmente : 8.500 km (20,2 % ).Extensão utilizada atualmente : 8.500 km (20,2 % ).

24 HIDROVIAS Cargas transportadas : 25.293.021 toneladas Cargas transportadas : 25.293.021 toneladas O movimento de cargas é muito baixo se O movimento de cargas é muito baixo se comparado ao de outros tipos de transporte. comparado ao de outros tipos de transporte. O Brasil é um dos países que menos usa o O Brasil é um dos países que menos usa o transporte hidroviário. transporte hidroviário. O uso das hidrovias nunca foi uma prioridade, O uso das hidrovias nunca foi uma prioridade, foi construída uma série de obras que atrapalham foi construída uma série de obras que atrapalham a navegação. a navegação. Pontes que dificultam passagem, falta de eclusas Pontes que dificultam passagem, falta de eclusas e muitas usinas hidrelétricas. e muitas usinas hidrelétricas.

25 PORTOS Extensão da costa marítima : 3.347 km Extensão da costa marítima : 3.347 km Número de portos : Número de portos : Tipos Quantidade Tipos Quantidade Terminais privativos fora do cais 43 Terminais privativos fora do cais 43 Portos de administração pública 36 Portos de administração pública 36 Portos de administração privada 3 Portos de administração privada 3 Total 82 Total 82

26 PORTOS Quantidade anual de carga operada nos portos Tipo Quantidade % ( toneladas ) ( toneladas ) Carga de granéis sólidos 301.972.374 57 Carga de granéis líquidos 163.135.324 31 Carga geral 63.897.353 12 Total 529.005.051 ---

27 PORTOS Tipos de navegação utilizados no transporte de carga Tipo Quantidade % (toneladas) (toneladas) Navegação de longo curso 370.783.000 70 Navegação de cabotagem 137.024.000 26 Outros tipos 21.198.000 4 Total 529.005.000 ----

28 PORTOS Quantidade anual de contêineres operados nos portos Tipo Quantidade % Navegação de longo curso 1.824.179 80 Navegação de cabotagem 455.830 20 Total 2.280.009 ---

29 AQUAVIÁRIO A PREFERÊNCIA PELA CABOTAGEM:A PREFERÊNCIA PELA CABOTAGEM: Ela apresenta uma grade economia quando se trata de distância acima de 1.000 km, chegando a reduzir os fretes em até 50 %.Ela apresenta uma grade economia quando se trata de distância acima de 1.000 km, chegando a reduzir os fretes em até 50 %. Como o transporte aquaviário é menos sujeito a roubo de cargas, as alíquotas de seguro também são mais baratas e os produtos não sofrem danos durante a viagem.Como o transporte aquaviário é menos sujeito a roubo de cargas, as alíquotas de seguro também são mais baratas e os produtos não sofrem danos durante a viagem.

30 AQUAVIÁRIO Panorama da cabotagemPanorama da cabotagem Evolução do número de navios porta contêneires na cabotagem.Evolução do número de navios porta contêneires na cabotagem. 1996 21996 2 1999 81999 8 2002 102002 10 2008 172008 17

31 AQUAVIÁRIO Desbalanceamento do fluxo de carga em contêineres( 2001 )Desbalanceamento do fluxo de carga em contêineres( 2001 ) Sul/Sudeste para Norte/Nordeste : 58 %Sul/Sudeste para Norte/Nordeste : 58 % Norte/Nordeste para Sul/Sudeste : 13 %Norte/Nordeste para Sul/Sudeste : 13 % Norte/Nordeste para Norte/Nordeste : 26 %Norte/Nordeste para Norte/Nordeste : 26 % Sul/Sudeste para Sul/Sudeste : 3 %Sul/Sudeste para Sul/Sudeste : 3 % TOTAL TRANSPORTADO(2001) : 78.265.896 toneladasTOTAL TRANSPORTADO(2001) : 78.265.896 toneladas FRETE GERADO (2001) : US$ 327,4 milhõesFRETE GERADO (2001) : US$ 327,4 milhões

32 AQUAVIÁRIO

33 MARÍTIMO O Brasil possui quatro hub port ( portos concentradores de cargas ) Suape – PE, Sepetiba – RJ, Suape – PE, Sepetiba – RJ, Santos – SP e Rio Grande – RS. Santos – SP e Rio Grande – RS.

34 AÉREO Quantidade de aeroportos Tipo Quantidade Aeroportos domésticos 36 Aeroportos internacionais 30 Aeródromos e pequenos aeroportos 2.624

35 AÉREO Movimentação aeronáutica anual Tipos de vôos Número de Movimento Movimento pousos e de carga passageiros pousos e de carga passageiros decolagens (toneladas) decolagens (toneladas) Domésticos 1.649.312 657.392 61.268.864 Internacionais 116.283 557.221 9.946.946 Total 1.765.595 1.214.613 71.215.810

36 AÉREO A grande característica é a velocidade, oferencendo tempo em trânsito mais rápido que qualquer outro modal. Para a maioria das empresas aéreas o tráfego de cargas era consequência o do tráfego de passageiros, inibindo o o crescimento do segmento de cargas neste modal. As empresas aéreas demonstram a intenção de disputar esse mercado com outros modais.

37

38 VISITE O SITE : www.marciliocunha.com.br


Carregar ppt "LOGÍSTICA EMPRESARIAL – 3 Modais em Transportes. URBANAINTERURBANAINTERNACIONAL PASSAGEIROSÔNIBUSTREMMETRÔ AUTOMÓVEL PARTICULAR TAXIVANÔNIBUSAUTOMÓVELPARTICULARAVIÃOTREMÔNIBUSNAVEGAÇÃOAUTOMÓVELPARTICULARAVIÃO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google