A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Trauma Pediátrico e Abuso Infantil Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Trauma Pediátrico e Abuso Infantil Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc."— Transcrição da apresentação:

1 Trauma Pediátrico e Abuso Infantil Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

2 Introdução Lesões Multissistemicas São Mais Comuns Maior Impacto Por Superfície Corporal.Maior Impacto Por Superfície Corporal. Orgãos Mais Próximos.Orgãos Mais Próximos. Menos Tecido Adiposo e Conectivo.Menos Tecido Adiposo e Conectivo.

3 Introdução

4 Introdução Hipotermia é Mais Freqüente e Grave. Maior Superfície Corporal %Maior Superfície Corporal % Sempre Aquecer a Criança.Sempre Aquecer a Criança. Esqueleto Não Calcificado Fraturas Menos Freqüentes.Fraturas Menos Freqüentes. Maior Transmissão de Energia Para Órgãos Internos.Maior Transmissão de Energia Para Órgãos Internos.

5 Introdução Aspectos Psicológicos Cooperação da Criança exige Carinho e PACIÊNCIACooperação da Criança exige Carinho e PACIÊNCIATratamento ABC do Trauma - Igual ao AdultoABC do Trauma - Igual ao Adulto

6 A - Vias Aéreas Coluna Cervical Região Occipital Mais Proeminente.Região Occipital Mais Proeminente. Cabeça Fletida Normalmente.Cabeça Fletida Normalmente. Coxim DorsalCoxim Dorsal

7 A - Vias Aéreas Coluna Cervical Região Occipital Mais Proeminente.Região Occipital Mais Proeminente. Cabeça Fletida Normalmente.Cabeça Fletida Normalmente. Coxim DorsalCoxim Dorsal

8 A - Vias Aéreas Coluna Cervical Região Occipital Mais Proeminente.Região Occipital Mais Proeminente. Cabeça Fletida Normalmente.Cabeça Fletida Normalmente. Coxim DorsalCoxim Dorsal

9 A - Vias Aéreas Coluna Cervical Região Occipital Mais Proeminente.Região Occipital Mais Proeminente. Cabeça Fletida Normalmente.Cabeça Fletida Normalmente. Coxim DorsalCoxim Dorsal

10 A - Vias Aéreas Desobstrução de Vias Aéreas. Posição de CHEIRAR.Posição de CHEIRAR. Maior Propensão de Obstrução por Partes Moles.Maior Propensão de Obstrução por Partes Moles. Manobra Tríplice Manual.Manobra Tríplice Manual. Elevação do Mento.Elevação do Mento.

11 A - Vias Aéreas Manobra tríplice Manual Elevação do Mento

12 A - Vias Aéreas Manutenção de Vias Aéreas CÂNULA OROFARÍNGEA - GUEDELCÂNULA OROFARÍNGEA - GUEDEL Vítima Inconsciente.Vítima Inconsciente. Tamanho Adequado.Tamanho Adequado. Colocação sem Rotação.Colocação sem Rotação.

13 A - Vias Aéreas Manutenção de Vias Aéreas CÂNULA OROFARÍNGEA - GUEDELCÂNULA OROFARÍNGEA - GUEDEL Vítima Inconsciente.Vítima Inconsciente. Tamanho Adequado.Tamanho Adequado. Colocação sem Rotação.Colocação sem Rotação.

14 A - Vias Aéreas

15 B - Ventilação Sempre O2 Suplementar.Sempre O2 Suplementar. Máscara Facial Adequada - 12 a 15 l/min.Máscara Facial Adequada - 12 a 15 l/min.

16 B - Ventilação Freqüência RespiratóriaFreqüência Respiratória meses - 30 ou meses - 30 ou 50 7 meses a 13 anos - 20 ou 307 meses a 13 anos - 20 ou 30

17 B - Ventilação Ventilação Manual - Ambú + MáscaraVentilação Manual - Ambú + Máscara Freqüência - 30mvmFreqüência - 30mvm

18 B - Ventilação

19

20 Manobra de Sellick

21 C - Circulação

22 l Punção Periférica - 3 Tentativas ou 90. n >6 anos - Flebotomia. n < 6 anos - Punção Intra Óssea.

23 D - Neurológico l Combater Hipóxia - Hipotensão - Hipotermia. l Hemorragia de Couro Cabeludo - CHOQUE l Fontanela Aberta - Mascara Quadro l Hipertensão Intracraniana ( Edema) X Lesões Focais. l Convulsão Precoce - n Não necessariamente = Gravidade Trauma de Crânio

24 E - Exposição l Sempre Deverá Ser Feita. l Evitar Lesões Desapercebidas. l CUIDAR HIPOTERMIA

25 Trauma l Torácico l Fraturas Raras. l Parede Complacente - Transferência de Energia Para Órgãos Internos. l Mediastino Mais Móvel n Pneumotórax n Afundamento Tórax. l Abdominal l SNG Precoce l Difícil Avaliação l Coluna l Lesão Rara - 5% l Cuidar Imobilização

26 Trauma l Extremidades l Fraturas Grandes Ossos - Trauma Violento. l Hemorragias por Fraturas Proporcionalmente Mais Graves. l Imobilização Geralmente Com Talas.

27 Imobilização e Transporte l Variações de Tamanho l Importante Uso De Material Adequado.

28 Imobilização e Transporte l IMPROVISAÇÃO E l BOM SENSO

29 Imobilização e Transporte l Variações de Tamanho l Importante Uso De Material Adequado. l IMPROVISAÇÃO E l BOM SENSO

30 Imobilização e Transporte l IMPROVISAÇÃO E l BOM SENSO

31 RESUMO

32 ARMADILHAS FALTA DE INFORMAÇÃO SOBRE O ACIDENTE EXAME FÍSICO INCOMPLETO HIPOTERMIA DENTES DE LEITE PODEM SER ASPIRADOS MÚLTIPLAS LESÕES E AS OCULTAS NUNCA ESQUECER DE TRATAR A DOR DO PACIENTELIBERAR PRESENÇA OU NÃO DE FAMILIARES COM A CRIANÇA.

33 CUIDADOS PARA UMA CRIANÇA SEGURA

34 Crianças menores de 10 anos devem atravessar a rua sempre acompanhadas de um adulto. Ensine seu filho a parar na calçada ou no canto da rua e observe se vem carro dos dois lados. Atravesse na faixa de pedestre e respeite os sinais de trânsito. Treinamento Cuidados Para Uma Criança Segura

35 Lugar de criança é no banco de trás ! Use uma cadeirinha de segurança até que seu filho esteja apto a usar o cinto do carro. Este deve passar pelo centro do ombro, peito e quadril. Treinamento Cuidados Para Uma Criança Segura

36

37

38 Crianças devem usar capacete para andar de bicicleta, patins, patinetes e skates. Use capacete apropriado para o seu tamanho. Ele deve ser bem ajustado na cabeça e preso sob o queixo. Treinamento Cuidados Para Uma Criança Segura

39 Crianças devem sempre ser observadas quando próximas a rios, piscinas, lagos e praias, mesmo que saibam nadar. Fique atento, estes acidentes também ocorrem em banheiras, baldes, vasos sanitários e tanques de lavar roupa. Treinamento Cuidados Para Uma Criança Segura

40 Objetos ou brinquedos pequenos e alimentos pequenos e alimentos em grãos devem ser mantidos em grãos devem ser mantidos longe do alcance das crianças. Treinamento Cuidados Para Uma Criança Segura

41 Bebês podem se sufocar com objetos macios e lençóis que cubram seus rostinhos dentro do berço. Retire todos os brinquedos, travesseiros e bichinhos de pelúcia para o bebê dormir. Treinamento Cuidados Para Uma Criança Segura

42 Crianças não devem brincar próximas a janelas sem proteção, telhados ou lajes das casas. Instale grades ou redes de segurança nas janelas e coloque portões no topo e nos pés da escada. Treinamento Cuidados Para Uma Criança Segura

43 Mantenha as crianças AFASTADAS DA COZINHA, longe do fogo e de fogos de artifícios. Verifique a temperatura da água antes do banho e não segure seu filho quando estiver fumando ou tomando líquidos quentes. Treinamento Cuidados Para Uma Criança Segura

44

45 Guarde os produtos de limpeza, higiene e venenos longe do alcance de crianças, bem como medicamentos. Estes produtos devem ser armanzenados em armários altos e trancados. Treinamento Cuidados Para Uma Criança Segura

46

47 Mantenha armas de fogo longe do alcance das crianças. Armas de fogo devem ser guardadas trancadas em local seguro, descarregadas e separadas da munição. Ensine seu filho que armas não são brinquedos. Treinamento Cuidados Para Uma Criança Segura

48 ENSINE AS CRIANÇAS A TELEFONAREM PARA 190 EM CASO DE EMERGÊNCIA E A DAREM SEU ENDEREÇO MANTENHA SEMPRE TELEFONES DE EMERGÊNCIA PRÓXIMOS AOS TELEFONES TELEFONES DE EMERGÊNCIA Treinamento Cuidados Para Uma Criança Segura

49 Abuso Infantil

50 QUADRO CLÍNICO l Lesões de pele e TCSC n Equimoses n Escoriações n Contusões n Hematomas n Queimaduras

51

52 Quando suspeitar ? Local Achado Fêmur e úmero distal, punhoFraturas de canto metafisário Múltiplos locaisFraturas em estágios cicatrização Fêmur, úmero e tíbiaFraturas em espiral (< 1ano ) Arco costal post, avulsão processos espinhosos Fraturas não habituais nos < 5anos Várias fraturas de crânioMúltiplas fraturas do occipital sugerem abuso infantil Fraturas com vários calos ósseosImplica várias fraturas s/ imobilização Fraturas metacarpo e metatarsoFraturas não habituais nos < 5anos Fraturas do esterno e escápula Fraturas corpo vertebral e luxação

53

54

55

56 Para pensar... l 50% das crianças que retornam ao lar voltam a ser espancadas l Destas, 20% acabam evoluindo para a morte l Papel fundamental do socorrista: n Só se faz o diagnóstico daquilo que se procura, e só se procura aquilo que se conhece

57 É nossa obrigação como pais, mães, profissionais de saúde, cidadãos GARANTIR UMA INFÂNCIA SEM VIOLÊNCIA AS NOSSAS CRIANÇAS!!!! Obrigadoooo!!!


Carregar ppt "Trauma Pediátrico e Abuso Infantil Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google