A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Carcinoma colorrectal. Epidemiologia Incidência e Mortalidade por Países Carcinoma colorrectal esporádico.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Carcinoma colorrectal. Epidemiologia Incidência e Mortalidade por Países Carcinoma colorrectal esporádico."— Transcrição da apresentação:

1 Carcinoma colorrectal

2 Epidemiologia Incidência e Mortalidade por Países Carcinoma colorrectal esporádico

3 Epidemiologia Carcinoma colorrectal esporádico

4 Epidemiologia Carcinoma colorrectal esporádico

5 Etiologia Esporádicos – 85% Hereditários – 15% Síndromas herediatários mais vezes identificados: »Familial Adenomatous Polyposis (FAP) »Hereditary Nonpolyposis Colorectal Cancer (HNPCC) Carcinoma colorrectal esporádico

6 Cancro colorrectal hereditário Hereditary Nonpolyposis Colorectal Cancer (HNPCC) Autossómica dominante; taxa de penetração 80% Responsável por 5-15% dos CCR Mutações germinativas do DNA mismatch repair genes (MSH2, MLH1, MSH6, PMS1, PMS2) Instabilidade de microssatélite

7 Hereditary Nonpolyposis Colorectal Cancer (HNPCC) Síndroma Lynch I Cólon proximal 40% desenvolvem carcinomas metácronos ao fim de 10 anos Síndroma Lynch II Associam-se a outros cancros : endométrio, ovário, gástrico,delgado, cérebro, pele.

8 Hereditary Nonpolyposis Colorectal Cancer (HNPCC) Critérios de Amsterdão CCR em pelo menos 3 membros da família, um deles parente em 1º grau dos outros dois. CCR em pelo menos 2 gerações sucessivas Um ou mais cancros diagnosticados antes dos 50 anos Critérios de Bethesda

9 Familial Adenomatous Polyposis (FAP) Mais de 100 pólipos cólicos adenomatosos Autossómica dominante, taxa de penetração 100% Responsável por 1% dos CCR Mutações germinativas do cromossoma 5q21 (gene APC)

10 Familial Adenomatous Polyposis (FAP) Associação de pólipos cólicos a manifestações extra-intestinais –Cistos epidermoides –Tumores desmoides abdominais –Osteomas –Tumores cerebrais: »Gliomas »Meduloblastomas 10 a 20% adquirem defeito genético por mutação espontânea História familiar – EDB a partir dos 10 anos

11 Cancro colorrectal esporádico Etiologia Factores que aumentam ou reduzem o risco de cancro: Factores genéticos Factores ambientais Interacção gene-ambiente Carcinoma colorrectal esporádico

12 Factores genéticos Adenoma Carcinoma(85%) Normal colon mucosa Minimal change hyperplasia Early adenoma Late adenoma Cancer APCK-ras MCC DCC p53 Etiologia Carcinoma colorrectal esporádico

13 Etiologia Inativação de genes implicados na diferenciação celular, ciclo celular e na reparação do DNA por fenómenos epigenéticos MSI DNA mismach repair: p14,p16,MLH1, MGMT Estado hipermutagénico Pólipos serreados A MSI influência o prognóstico e a selecção de terapêutica adjuvante Carcinoma colorrectal esporádico Factores genéticos (15%)

14 Etiologia Factores dietéticos Ácidos biliares pH fecal Obesidade e Actividade física Tabaco Álcool Hormona pós-menopausa Anti.inflamatórios não esteróides Factores de crescimento Insuline-like Carcinoma colorrectal esporádico Factores ambientais

15 Etiologia Carcinoma colorrectal esporádico a.Aporte energético b.Carne vermelha c.Fruta, vegetais e fibras d.Micronutrientes – cálcio e vit. D e.Folato e metionina Factores dietéticos

16 Etiologia Carcinoma colo-rectal esporádico Factores ambientais a.Aporte energético Factores dietéticos A ingestão total de calorias, independentemente da fonte energética ser lipídica, proteica ou glicídica, aumenta o risco de cancro colo-rectal.

17 Etiologia Carcinoma colo-rectal esporádico Factores ambientais b.Carne Vermelha Factores dietéticos A carne vermelha é fonte de gordura saturada, ferro e carcinogénios que podem actuar como depletores de antioxidantes. A sua ingestão aumenta o risco relativo do cancro do cólon.

18 Etiologia Carcinoma colo-rectal esporádico Factores ambientais c.Fruta, vegetais e fibras Factores dietéticos O consumo de frutas vegetais e fibras está associado a menor risco de cancro de colo-rectal, porque diminuem a fixação de carcinogénios, têm efeito anti- oxidante e inibem a formação de nitrosaminas.

19 Etiologia Carcinoma colorrectal esporádico Factores ambientais d.Micronutrientes Factores dietéticos Cálcio A ingestão de cálcio está associada à redução do risco de cancro colorrectal. O cálcio promove a fixação de ácidos biliares secundários e ácidos gordos ionizados, formando sabões insolúveis no lúmen do cólon, reduzindo assim a sua acção sobre a mucosa intestinal.

20 Etiologia Carcinoma colorrectal esporádico Factores ambientais d.Micronutrientes Factores dietéticos Selénio O suplemento de selénio reduz a formação de adenomas. Vitamina D R eduz o risco de cancro porque influencia a diferenciação celular através da proteína quinase C.

21 Etiologia Carcinoma colorrectal esporádico Factores ambientais d.Micronutrientes Factores dietéticos Vitamina A, C e E Associadas a risco diminuído do cancro do cólon pelo seu efeito anti-oxidante.

22 Etiologia Carcinoma colorrectal esporádico Factores ambientais e.Folato e Metionina Factores dietéticos A maior fonte dietética de folato são os vegetais, e da metionina as aves domésticas e o peixe. Reduzem o risco de displasia, adenomas e cancro colo- rectal em cerca de 75%.

23 Etiologia Carcinoma colorrectal esporádico Factores ambientais Ácidos biliares Colecistectomia – aumento do risco do cólon direito. A relação ácido desoxicólico / ácido cólico será um indicador de risco. pH fecal pH alcalino das fezes aumenta a concentração de ácidos biliares livres e outros carcinogéneos agressivos para o DNA da mucosa intestinal. Indivíduos com pH fecal mais elevado têm uma taxa aumentada de cancro do cólon.

24 Etiologia Carcinoma colorrectal esporádico Factores ambientais Obesidade e inactividade física A obesidade e a inactividade física estão associadas a um risco aumentado de cancro do cólon. Favorecem um estado de hiperinsulinemia (a insulina é mitogénica para a mucosa normal do cólon) e aumentam as PGE2 na mucosa rectal. Tabaco O tabaco leva à produção de hidrocarbonetos aromáticos, policíclicos que constituem adducts do DNA. O tabaco é apontado como um iniciador da carcinogénese.

25 Etiologia Carcinoma colo-rectal esporádico Factores ambientais Álcool O consumo elevado de álcool está associado a um risco aumentado de cancro. Tem efeito antagonista do metabolismo do folato e da metionina. Hormona pós-menopausa O uso de estrogénios na pós-menopausa reduz o risco de cancro colo-rectal em 30%.

26 Etiologia Carcinoma colorrectal esporádico Factores ambientais Anti-Inflamatórios Não-Esteróides Têm efeito protector no cancro colo-rectal. Factores de crescimento Insulina-Like Influenciam a progressão adenoma – carcinoma.

27 Interacção gene-ambiente Normal colon mucosa Minimal change hyperplasia Early adenoma Late adenoma Cancer APCK-ras MCC DCC p53 Etiologia Carcinoma colorrectal esporádico Tabaco Folato vegetais Carne Vermelha Obesidade e Inactividade Física Insulina IGF

28 Rastreio Carcinoma colorrectal esporádico Indivíduos com idade superior a 50 anos Pesquisa de sangue oculto nas fezes Rectosigmoidoscopia

29 Condições pré-malignas Carcinoma colorrectal esporádico Colite ulcerosa Incidência de neoplasia é de 1% por ano, ao fim de 10 anos Displasia colectomia Estadios mais avançados Doença de Crohn Incidência de 7% ao fim de 20 anos Estenoses cólicas/segmentos excluídos em cirurgia de by-pass

30 Clínica Carcinoma colorrectal esporádico Sintomas e sinais Características do tumor Localização Complicações eventuais ( obstrução, perfuração, hemorragia)

31 Clínica Carcinoma colorrectal esporádico Dor abdominal Alteração do ritmo intestinal Hemorragia (rectorragias, melenas) Tenesmo Falsas vontades Emagrecimento Astenia Tonturas/anemia Suboclusão/oclusão intestinal

32 Clínica Carcinoma colorrectal esporádico Cólon proximal Tumores volumosos Produtores de muco diarreia Hemorragia melenas Anemia (tonturas, fadiga, palpitações) Massa palpável nos quadrantes direitos

33 Clínica Carcinoma colorrectal esporádico Cólon distal Tumores estenosantes Dor tipo cólica Alteração do trânsito intestinal Rectorragias Oclusão

34 Clínica Carcinoma colorrectal esporádico Toque rectal Classificação York-Mason Móvel Semi-móvel Fixo

35 Diagnósticos diferenciais Carcinoma colorrectal esporádico Hemorragia digestiva Alterações do trânsito intestinal Doença diverticular Colite isquémica Colite ulcerosa Doença de Crohn Pólipos benignos

36 Exames auxiliares de diagnóstico Carcinoma colorrectal esporádico Analíticos Hemograma Bioquímica Marcadores tumorais – CEA, Ca19,9 Colonoscopia 75% pólipos síncronos 9% tumores síncronos Biópsia – Tipo histológico, grau de diferenciação Polipectomia

37 Exames auxiliares de diagnóstico Carcinoma colorrectal esporádico

38 Exames auxiliares de diagnóstico Clister opaco de duplo contraste Carcinoma colorrectal esporádico

39 Exames auxiliares de diagnóstico Ecoendoscopia T – Grau de penetracção do tumor na parede N – Adenopatias ( neoplásicas? inflamatórias?) Carcinoma colorrectal esporádico

40 Exames auxiliares de diagnóstico TAC abdomino-pélvica Invasão de orgãos vizinhos Adenopatias Metastização a distância Carcinoma colorrectal esporádico

41 Exames auxiliares de diagnóstico Carcinoma colorrectal esporádico

42 Exames auxiliares de diagnóstico Carcinoma colorrectal esporádico

43 Exames auxiliares de diagnóstico Carcinoma colorrectal esporádico

44 Exames auxiliares de diagnóstico RMN Recidivas loco-regionais Carcinoma colorrectal esporádico PET Recidivas loco-regionais

45 Exames auxiliares de diagnóstico Rx pulmonar Carcinoma colorrectal esporádico

46 Cirurgia Carcinoma colorrectal esporádico Curativa Ressecção Paliativa Ressecção Derivação interna Ostomias Abordagem Aberta Laparoscópica

47 Cirurgia Carcinoma colorrectal esporádico Hemicolectomia direita Hemicolectomia esquerda Colectomia segmentar Ressecção anterior do recto Ressecção abdomino-perineal Colectomia subtotal Protocolectomia total Operação tipo Hartmann

48 Cirurgia Carcinoma colorrectal esporádico

49 Cirurgia Carcinoma colorrectal esporádico

50 Cirurgia Carcinoma colorrectal esporádico

51 Estadio Carcinoma colorrectal esporádico Classificação TNM Classificação de Dukes Classificação de Astler-Coller AJCC/UICC

52

53

54

55

56

57

58 Carcinoma colo-rectal esporádico

59 Radioterapia e quimioterapia Carcinoma colorrectal esporádico Primária ou neoadjuvante (T3 e T4 - Ca. recto) Adjuvante (R0) Complementar (R1 e R2) Paliativa

60 Factores de prognóstico Carcinoma colorrectal esporádico Clínicos Idade Oclusão intestinal Localização tumoral Patológicos Estadio Grau de diferenciação Margens radiais Tipo histológico Ploidia e parâmetros do ciclo celular Invasão vascular Micrometástases Biológicos Oncogenes Ras TGF Genes supressores p53 DCC


Carregar ppt "Carcinoma colorrectal. Epidemiologia Incidência e Mortalidade por Países Carcinoma colorrectal esporádico."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google