A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Sujeito e modernidade: o projecto reflexivo do Self Apresentação por José Caselas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Sujeito e modernidade: o projecto reflexivo do Self Apresentação por José Caselas."— Transcrição da apresentação:

1 Sujeito e modernidade: o projecto reflexivo do Self Apresentação por José Caselas

2 Modernidade O carro de Jagrenᨠum engenho descontrolado de enorme potência que, colectivamente, enquanto seres humanos, podemos conduzir até certo ponto, mas que também ameaça fugir ao nosso controlo e despedaçar-nos. Giddens, 2002, 97 ¨ Juggernaut

3 Níveis de confiança nas culturas pré- modernas Parentesco – modo estável de organizar feixes de relações através do espaço e do tempo. Comunidade local – ponto de localização de feixes de relações sociais. As populações viviam de forma imóvel e isolada. Cosmologia religiosa – forneciam interpretações morais e práticas da vida pessoal e social fornecendo um ambiente de segurança para o crente. Tradição – o tempo é governado pela lógica da repetição (o passado é uma forma de organizar o futuro).

4 Características da Modernidade tardia (Giddens) A separação do tempo e do espaço – a rotina da tradição e a confiança na continuidade do passado, presente e futuro deixa de existir sendo substituída pela confiança nos sistemas abstractos. Desenvolvimento de mecanismos de descontextualização das instituições sociais – a interferência dos sistemas abstractos anula as formas preexistentes de controlo social. Eles desqualificam e fragmentam Reflexividade institucional – a narrativa biográfica é continuamente revista. A certeza do conhecimento, mesmo das ciências é sujeita à revisão.

5 Viver na «sociedade de risco» significa adoptar uma atitude calculadora em relação às possibilidades de acção abertas, positivas ou negativas, com as quais, enquanto indivíduos e globalmente, somos confrontados de modo contínuo na nossa existência social contemporânea. Giddens, 1997, 26

6 O que é a reflexividade da modernidade? É a possibilidade de a maioria dos aspectos da actividade social, e das relações materiais com a natureza, serem revistos radicalmente à luz de novas informações ou conhecimentos. Giddens, 1997, 18 Global

7 Questões existenciais Existência e ser A experiência dos outros Finitude e vida Humana Auto- identidade

8 A Trajectória do Self Que fazer? Como agir? Quem ser? No projecto reflexivo do self, a narrativa de auto-identidade é inerentemente frágil. Experiências cambiantes do dia- a-dia Fragmentação das instituições modernas

9 Autoterapia Janette Rainwater, Self-Therapy Como estabelecer uma narrativa do self (auto-identidade)? 1. Projecto reflexivo (Nós somos não o que somos, mas sim o que fazemos de nós). 2. Apropriar o passado. Assumir o tempo de vida. 3. Auto-observação –monitorização reflexiva. O que está a acontecer neste momento? Em que estou a pensar? O que estou a fazer? O que estou a sentir? Como estou a respirar?

10 4. Tornar explícita a narrativa do self (manter um diário ou escrever uma autobiografia). 5. A auto-realização implica o controlo do tempo (o tempo pessoal (viver a vida em pleno). 6. Consciência do corpo (exercício e dieta). Experimentar o corpo. 7. Fazer um equilíbrio entre oportunidade e risco. Largar o passado, através de técnicas de se libertar de hábitos opressivos. Colonizar o futuro. 8. A auto-realização implica autenticidade. (Ser honesto consigo mesmo). Recuperar ou repetir. Ser honesto para consigo é um processo de autoconstrução. 9. As passagens da vida: Correr riscos conscientes de modo a poder alcançar as novas oportunidades. 10. O self é internamente referencial. Os pontos-chave de referência são estabelecidos a partir de dentro.

11 Estilo de vida O culto do corpo, através de considerações de dieta, vestuário, aparência facial e outros factores, é uma qualidade comum das actividades do estilo de vida na vida social contemporânea. Giddens, 1997, 163

12 O problema do narcisismo – patologias do self Defesa contra a raiva infantil, uma tentativa de compensação pelo recurso a fantasias omnipotentes do self privilegiado. O indivíduo torna-se o ponto focal da reflexão e da preocupação Christopher Lasch, The Culture of Narcisism O individuo faz exigências excessivas aos outros para satisfação emocional cultivando um desprendimento.

13 Patologias do self Se o indivíduo não mantém as «aparências normais» (Goffman) na sua narrativa do self pode surgir um falso self ou um self desencarnado. Laing, Divided Self 1.O sistema de falso self torna-se cada vez mais envolvente e prevalecente. 2.Torna-se mais autónomo das rotinas corporais. 3.Torna-se assediado por fragmentos de comportamento compulsivo. 4.As acções do corpo tornam-se cada vez mais mortas, irreais, falsas, mecânicas.

14 As relações puras A expectativa da intimidade fornece talvez os laços mais próximos entre o projecto reflexivo do self e a relação pura. A intimidade, ou a busca dela, encontra-se no coração das formas modernas de amizade e das relações sexuais estabelecidas. A relação pura depende da confiança mútua entre parceiros, a qual, por sua vez, se relaciona de perto com a conquista da intimidade. Giddens, 1997, 88-89

15 1. A relação pura não se sustenta em condições externas. 2. Ela é procurada apenas por aquilo que a relação possa trazer aos parceiros em causa. 3. É sujeita a um auto-exame e ao projecto reflexivo do self. (Como é que eu estou?). 4. É estabelecida com base no compromisso. (necessita de elementos de reciprocidade). 5. A relação pura tem como alvo a intimidade (que se distingue da falta de privacidade das culturas pré-moderna). 6. Depende da confiança mútua (não é adquirida, mas tem que ser ganha). 7. A auto-identidade é negociada (histórias partilhadas). Giddens, 1997,

16 Amor romântico e amor confluente Os ideais de amor romântico tendem a fragmentar-se sob a pressão da emancipação sexual e da autonomia feminina. Giddens, 2001, 41 O amor confluente é activo, contingente e, por isso, choca com as qualidades de «para sempre» e «único e exclusivo» do complexo do amor romântico. Não a pessoa especial mas a relação especial.

17 Relação codependente É uma relação de fixação onde se pretende controlar o outro (pôr o outro na ordem). 1.Não permitem a admoestação do próprio e do outro, tão vital na relação pura. 2.Submergem a auto-identidade de um indivíduo quer no outro, quer em rotinas fixas. 3.Impedem a abertura ao outro que constitui uma pré- condição de intimidade. 4.Tendem a preservar como desiguais as diferenças de género e as práticas sexuais. Giddens, 2001, 63

18 Dependência vs Intimidade Para uma relação não dependente é preciso definir limites - Obsessão de encontrar alguém para amar - Necessidade de gratificação imediata - Pressionar o companheiro para sexo ou envolvimento - Desequilíbrio de poder - Ter o controlo - Regra de não falar se as coisas não funcionam - Manipulação - Falta de confiança - Tentativas de mudar o companheiro - Desenvolvimento do self como prioridade - Desejo de compromisso e desenvolver a relação - Liberdade de escolha - Equilíbrio e reciprocidade na relação - Compromisso e reciprocidade na relação - Partilha de vontades e sentimentos - Frontalidade - Confiança adequada - Aceitação das perspectivas

19 Dependência vs Intimidade (cont.) - Relação baseada na desilusão e no evitamento do que é desagradável - A relação é sempre a mesma - Expectativa de que o companheiro liberte o outro - Fusão (obsessão com problemas e sentimentos mútuos) - Paixão confundida com medo - Acusar-se a si ou ao outro - Ciclo de medo e desespero - A relação tem a ver com todos os aspectos da realidade - A relação está em permanente mudança - Auto-cuidado por parte de ambos - Liberdade afectuosa (crescimento simultâneo e desprendimento) - O sexo cresce com amizade e ternura - Resolução conjunta de problemas - Ciclo de conforto e satisfação Giddens, 2001, 66-67

20 Pais tóxicos Reforçam a dependência e a desprotecção dos filhos. A negatividade mina a auto-estima dos filhos. ControladoresSarcasmo, insultos Para Giddens a relação pais-filhos deve aproximar-se da relação pura.

21 Giddens considera que a terapia tem a ver com a relação pura, visto que este tipo de relações podem constituir um fardo. Desprovida de critérios morais externos, a relação pura é vulnerável como fonte de segurança nos momentos decisivos e noutras transições maiores da vida.

22 O corpo e a auto-realização O corpo é essencial para a auto-identidade e para a narrativa do self Adornos / modos de vestir / o prazer e a dor O cuidado do corpo é alvo de uma contínua atenção reflexiva e uma pluralidade da escolha

23 O cuidado do corpo Que significa dizer que o corpo se tornou parte da reflexividade da modernidade? Os regimes do corpo e a organização da sensualidade na modernidade tardia tornaram-se abertos a uma contínua atenção reflexiva, sobre o pano de fundo da pluralidade da escolha. Giddens, 1997, 95

24 Os indivíduos procuram colonizar o futuro para si próprios enquanto parte intrínseca do seu planeamento de vida. É inevitável pensar em termos de risco (risco cultivado / risco calculado). Globalização – desenvolvimento tecnológico.

25 Os usos da terapia O indivíduo sente-se só (quebra da comunidade e da tradição) A terapia fornece alguém a quem nos podemos dirigir, uma «versão secular do confessionário.» Mas também «um sistema pericial profundamente implicado no projecto reflexivo do self.»

26 A política da vida É uma política de auto-realização num ambiente ordenado reflexivamente, onde essa reflexividade liga o self e o corpo a sistemas de âmbito global. Giddens, 1997, 197 O corpo está mais disponível para ser trabalhado

27 Projecto reflexivo do self Decisões da vida Estilo de vida Auto- identidade (conquista reflexiva)

28 O self ideal é essencial é central para a auto-identidade e para a sua narrativa Ansiedades Falhanço de viver à altura das expectativas Ansiedade ao transgredir as imposições do superego

29 Dilemas do self Autoridade vs Incerteza Experiência personalizada vs mercadorizada Incapacidade vs apropriação Unificação vs fragmentação

30 Autoridade vs Incerteza Em condições de modernidade tardia, em muitas áreas da vida – incluindo o domínio do self – não há autoridades determinantes, existem antes muitos candidatos à autoridade – bastantes mais do que nas culturas pré- modernas. Giddens, 1997, 178

31 Exp. personalizada vs Exp. mercadorizada Padrões de consumo Publicidade Crescimento económico mercadorização Projecto do self Estilo de vida conjunto mais ou menos integrado de práticas que um indivíduo adopta não só porque essas práticas satisfazem necessidades utilitárias, mas porque dão forma material a uma narrativa particular de auto-identidade. Giddens, 1997, 75

32 O mercado alimenta-se da infelicidade que gera: os medos, ansiedades e sofrimentos de inadequação pessoal que induz libertam o comportamento do consumidor indispensável à sua continuação. Bauman, cit em Giddens, 1997, 183

33 A pluralidade de escolhas e a confiança nos sistemas abstractos condiciona o nosso planeamento de vida (aceitamos o saber técnico mas duvidamos dele. Essa pluralidade está presente nas transformações da intimidade. Na política da vida, o corpo e o self é trabalhado numa apropriação reflexiva, uma busca de identidade (reprodução biológica, contracepção, fertilização in vitro, diagnóstico de pré-implantação, problemas ecológicos, energia nuclear, tecnologia militar, globalização)

34 Será que esta auto-interrogação é uma absoluta novidade moderna? O filósofo Michel Foucault desenvolve uma reflexão sobre a «cultura de si» na Antiguidade grega, romana e cristã de forma a destacar a existência de um CUIDADO DE SI que se expressava numa Dietética (arte da relação do indivíduo com o seu corpo), numa Económica (arte da conduta do homem como chefe de família) e numa Erótica (arte da conduta do homem e do rapaz na relação de amor). O Uso dos Prazeres Regime dos aphrodisia

35 Austeridade sexual A enkrateia caracteriza-se mais por uma forma activa de domínio de si que permite resistir ou lutar e assegurar o domínio no campo dos desejos e dos prazeres. Foucault, 1994, 77

36 Modos de subjectivação Reflexão sobre si As reflexões morais na Antiguidade grega ou greco-romana foram muito mais orientadas para as práticas de si e para a questão da askésis do que para as codificações de condutas e para a definição estrita do permitido e do proibido. Foucault, 1983, Constituição de si próprio como sujeito

37 Referências Giddens, Anthony, (2002) As Consequências da Modernidade, Oeiras, Celta ______________, (1997) Modernidade e Identidade Pessoal, Oeiras, Celta ______________, (2001) Transformações da Intimidade. Sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas, Oeiras, Celta Beck, Ulrich, (2001) La Société du Risque. Sur la voie dune autre modernité, Paris, Flammarion Foucault, Michel, (1994) História da Sexualidade II O Uso dos Prazeres, Relógio DÁgua ____________, (1994) História da Sexualidade III O Cuidado de Si, Relógio DÁgua ____________, [1983] Usage des plaisirs et techniques de soi in Dits et écrits, Vol IV, Gallimard, 1994, p. 539


Carregar ppt "Sujeito e modernidade: o projecto reflexivo do Self Apresentação por José Caselas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google