A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ELETRODIAGNÓSTICO E ELETROESTIMULAÇÃO DO MÚSCULO DESNERVADO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ELETRODIAGNÓSTICO E ELETROESTIMULAÇÃO DO MÚSCULO DESNERVADO."— Transcrição da apresentação:

1 ELETRODIAGNÓSTICO E ELETROESTIMULAÇÃO DO MÚSCULO DESNERVADO

2 LESÕES TRAUMÁTICAS DOS NERVOS PERIFÉRICOS

3 Diferenças entre Paralisias Periféricas e Centrais Tipo / Origem PeriféricasCentrais Foco da EnfermidadeCélula Motora do Corno Anterior da Medula; Trajeto Nervoso Periférico Cérebro Medula Causas, p. ex.Lesão Nervosa Traumática Poliomielite AVC Contusão, Trauma Medular ou Cerebral Comportamento do Músculo Sempre FlácidoPredominantemente Espástico Diagnóstico Excitabilidade Farádica Cronaxia Reflexo Próprio Diminuída ou Abolida Aumentada Diminuídos ou Abolidos Conservam-se Normalmente ou Hiperexcitabilidade Curvas i/tAlterações Típicas de Trajetória Normal ou Hiperexcitável

4 Consequências das Lesões Perda de controle neural Perda de controle neural Déficit de força muscular Déficit de força muscular Alterações de sensibilidade e Alterações de sensibilidade e Alterações do controle autonômico da região desnervada Alterações do controle autonômico da região desnervada

5 Unidade Motora O conjunto de um neurônio motor na medula, seu prolongamento axonal e as fibras musculares por ele inervadas. O conjunto de um neurônio motor na medula, seu prolongamento axonal e as fibras musculares por ele inervadas. O tipo da fibra muscular, 1 ou 2 (lenta ou rápida), é determinado pelo neurônio que a inerva. O tipo da fibra muscular, 1 ou 2 (lenta ou rápida), é determinado pelo neurônio que a inerva.

6 Lesão Nervosa e Degeneração A secção de um axônio motor produz degeneração de toda a unidade motora. A secção de um axônio motor produz degeneração de toda a unidade motora. Degeneração axonal começa 2-3 semanas após lesão. Degeneração axonal começa 2-3 semanas após lesão. Degeneração distal (degeneração Walleriana): Degeneração distal (degeneração Walleriana): –do ponto da secção até a placa motora. Degeneração retrógrada (proximal): Degeneração retrógrada (proximal): –alterações no corpo neural (hipertrofia citoplasmática).

7 ANATOMIA DOS NERVOS PERIFÉRICOS Endoneuro: reveste os axônios Endoneuro: reveste os axônios Perineuro: reveste o conjunto de axônios (feixes ) Perineuro: reveste o conjunto de axônios (feixes ) Mesoneuro: separa os fascículos contidos pelo epineuro Mesoneuro: separa os fascículos contidos pelo epineuro Epineuro: reveste o tronco nervoso Epineuro: reveste o tronco nervoso

8 Classificação Funcional das Lesões Em 1943, Seddon propôs uma classificação funcional descrevendo três graus de severidade para as lesões nervosas periféricas: Em 1943, Seddon propôs uma classificação funcional descrevendo três graus de severidade para as lesões nervosas periféricas: Neuroapraxia Neuroapraxia Axonotmese Axonotmese Neurotmese Neurotmese

9 Neuroapraxia –Afeta a bainha de mielina –Não afeta o axônio. –Causada por compressão, contusão, edema. –Afeta mais as fibras mielínicas grossas (problemas exclusivamente motores). –Sem degeneração axonal. –Tende a uma recuperação completa quando se regenera a mielina. –Pode levar semanas ou meses para se resolver.

10 Neuropraxia Distúrbio Funcional de Condução

11 Axonotmese Há lesão axonal e da bainha de mielina, mas a estrutura do nervo se mantém intacta. Há lesão axonal e da bainha de mielina, mas a estrutura do nervo se mantém intacta. Tecido axonal tem resistência e propriedades elásticas inferiores a do tecido conjuntivo (epineuro, perineuro e endoneuro). Tecido axonal tem resistência e propriedades elásticas inferiores a do tecido conjuntivo (epineuro, perineuro e endoneuro). Ocorre por tração ou esmagamento. Ocorre por tração ou esmagamento. Todas as funções ficam comprometidas. Todas as funções ficam comprometidas. O tempo para a recuperação funcional é o da regeneração do axônio (1mm / día). O tempo para a recuperação funcional é o da regeneração do axônio (1mm / día). O prognóstico de reinervação é favorável, embora possam ocorrer danos irreversiveis no tecido muscular. O prognóstico de reinervação é favorável, embora possam ocorrer danos irreversiveis no tecido muscular.

12 Músculos Receptores Sensoriais Axonotmese

13 Músculos Receptores Sensoriais Degeneração Walleriana Axonotmese

14 Neurotmese –Secção completa do nervo. –Lesões por arma de fogo, armas brancas, vidros. –A regeneração espontânea é impossivel. –Grandes chances de formação de neuromas. –É necessário intervenção cirúrgica.

15 Músculos Receptores Sensoriais Neurotmese

16 Músculos Receptores Sensoriais Brotamentos terminais Degeneração Walleriana Neurotmese

17 Classificação de Suderland

18 Degeneração Walleriana

19 Degeneração e Regeneração Degeneração: se um axônio for secionado, a porção distal sofre degeneração devido a alterações químicas na bainha de mielina. Quando seccionado a porção distal degenera, deixando o neurilema vazio. Degeneração: se um axônio for secionado, a porção distal sofre degeneração devido a alterações químicas na bainha de mielina. Quando seccionado a porção distal degenera, deixando o neurilema vazio. Regeneração: do segmento proximal o neurônio cresce para o interior desse neurilema vazio e, posteriormente, regenerar-se-á também a mielina. Regeneração: do segmento proximal o neurônio cresce para o interior desse neurilema vazio e, posteriormente, regenerar-se-á também a mielina. O processo de regeneração pode durar 20 meses O processo de regeneração pode durar 20 meses

20 A possibilidade de reconstrução de um nervo lesado depende: A possibilidade de reconstrução de um nervo lesado depende: Da intensidade da lesão (conforme classificação de Seddon e Sunderland) Da intensidade da lesão (conforme classificação de Seddon e Sunderland) Da integridade do tubo endoneural e da coluna de células de Schwann. Da integridade do tubo endoneural e da coluna de células de Schwann.

21

22

23 Regeneração e Brotamento Colateral A reinervação se dá por dois mecanismos: A reinervação se dá por dois mecanismos: –Regeneração dos axônios lesados (regeneração walleriana) –Brotamento colateral de outros axônios não lesados. Implica que um motoneurônio aumente o número de fibras musculares que inerva. Unidades motoras sadias adotam fibras musculares que não tinha inervação axonal

24 Unidades motoras normais

25 Lesão de um motoneurônio, mas não do outro.

26 Processo de degeneração dos axônios e desenervação das fibras musculares

27 Desnervação Parcial

28 Processo de brotamento axonal para reinervar as fibras musculares que perderam seus suprimentos nervosos motores.

29 Os neurônios sobreviventes geraram brotamentos axonais às fibras musculares que eram previamente servidas pelo neurônio que se degenerou, e agora essas fibras são novamente capazes de se contrair

30 Novos brotamentos: pode haver nova degeneração por esforço excessivo

31 CARACTERÍSTICAS DE UM MÚSCULO DENERVADO

32 MÚSCULO INERVADO vs DENERVADO Músculo normal: abastecido com um suprimento contínuo de substancias tróficas dos motoneurônios que mantém a integridade fisiológica das fibras musculares. Desenervação: interrompe a influencia trófica e as fibras musculares passam por alterações degenerativas progressivas até que suas fibras sejam reinervadas por axônios colaterais vindos de motoneurônios íntegros ou por axônios que se regeneram no sítio da lesão. Caso não ocorra a regeneração dentro de dois anos, todos os elementos contráteis do músculo serão substituídos por fibras de tecido conjuntivo e a recuperação funcional não será mais possível.

33 DESENERVAÇÃO E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA O MÚSCULO Após denervação: músculos sofrem alterações fisiológicas, bioquímicas, mecânicas e elétricas que levam a: – ATROFIA – DEGENERAÇÃO – FIBROSE MUSCULAR

34 ATROFIA Processo progressivo, determinado pela inatividade muscular e perda das influências neurotróficas secretadas nas fibras musculares pelos n. motores. Músculos denervados perdem massa rápida e acentuadamente nos dois primeiros meses de denervação (espécie – dependente): 30% no 1º mês 50 a 60% no 2º mês 60 a 80% em 120 dias, quando se estabiliza

35 DEGENERAÇÃO MUSCULAR Principais Causas:. Estase vascular intramuscular prolongada: paralisia vasoconstritora e perda da ação de bomba do músculo. O acúmulo de sangue no músculo e possíveis trombose prejudicam a nutrição das fibras, que se degradam.. Traumas associados ou sobrepostos: as fibras musculares lesadas não possuem os recursos necessários para reparar danos.

36 FIBROSE INTRAMUSCULAR Quando avançada, pode agir como uma barreira física à reinervação das fibras musculares remanescentes, pois ocorre a perda da contratibilidade muscular. A degeneração e fibrose muscular são os reais inimigos, pois um músculo atrofiado, enquanto se mantiver músculo, pode se hipertrofiar quando for reinervado.

37 A Questão Reinervação - Regeneração Reinervar não é somente crescimento dos axônios em direção às fibras musculares: as fibras musculares devem ser capazes de serem reinervadas. Se elas se degeneram (substituídas por tecido fibroso), a função já não poderá ocorrer.

38 OUTRAS ALTERAÇÕES DECORRENTE DA DENERVAÇÃO. Descaracterização da Placa Motora Terminal: [perda do ponto motor]. Fibrilação: m. denervado não é totalmente inativo; possui contrações espontâneas e descoordenadas das suas fibras [despolarização espontâneas da fibra muscular].. Alterações elétricas da membrana: diminuição do potencial de repouso do sacolema para 65mV (80mV) e aumento na resistência transmembrana. Hipersensibilidade à Ach: receptores de Ach incorporam-se a toda extensão do sarcolema. Entretanto, essa hipersensibilidade a Ach pode não contribuir no processo de reinervação; a placa terminal denervada não se torna hipersensível a Ach. A hipersensibilidade a Ach inicia-se nos primeiros 2 dias após a denervação.

39

40 Na presença de degeneração walleriana, o processo de transmissão do potencial de ação fica interrompido e a fibra muscular sofre alterações em sua excitabilidade e contratibilidade. Como investigar os distúrbios de excitabilidade dos nervos periféricos?

41 Exames para a Detecção das LNPs Eletro- diagnóstico (ED) ED detecção ED estímulo Repouso EMG clássica Contração voluntária EMG de estímulo - detecção ED clássico Curvas i/t Excitabilidade Galvânica Excitabilidade Farádica Reobase Cronaxia Acomodação

42 Profª. Berenice Cataldo Oliveira Valério A ELETRONEUROMIOGRAFIA NAS PARALISIAS FLÁCIDAS

43 ELETRONEUROMIOGRAFIA Método de estudo neurofisiológico que se baseia no registro da atividade elétrica gerada no sistema neuromuscular, sendo amplamente usado no diagnóstico de lesão do sistema nervoso periférico DIMITRU, 1995 DIMITRU, 1995

44 OBJETIVO DO EXAME: OBJETIVO DO EXAME: localizar a lesão no sistema nervoso periférico localizar a lesão no sistema nervoso periférico informações sobre a fisiopatologia informações sobre a fisiopatologia avaliar o grau de comprometimento avaliar o grau de comprometimento curso temporal da doença curso temporal da doença ELETRONEUROMIOGRAFIA

45 EMG de superfície

46 ENMG estímulo

47 Laudo Típico de ENMG História: queda de bicicleta com trauma do ombro E. História: queda de bicicleta com trauma do ombro E. Exame: Plegia na abd do ombro, flx cotovelo e sup. Antebraço. Exame: Plegia na abd do ombro, flx cotovelo e sup. Antebraço. Achados: sem potenciais para n. axilar Achados: sem potenciais para n. axilar EMG de supra e infraespinhoso, deltóide, biceps e braquioradial sem potenciais voluntários e presença de fibrilação (desnervação ativa) EMG de supra e infraespinhoso, deltóide, biceps e braquioradial sem potenciais voluntários e presença de fibrilação (desnervação ativa) Conclusão: Desnervação grave (degeneração axonal) no território do tronco superior do plexo braquial E. Conclusão: Desnervação grave (degeneração axonal) no território do tronco superior do plexo braquial E.

48 Se existe a eletro-neuro-miografia... Se existe a eletro-neuro-miografia...

49 Modificações na Excitabilidade do Músculo PROBLEMA CLÍNICO Avaliar a excitabilidade (ED) Escolha adequada dos parâmetros de estimulação Indução pela EE de contração da fibra muscular desnervada

50 O ED nos dá a caracterização da excitabilidade muscular para a escolha dos parâmetros da estimulação elétrica; O ED nos dá a caracterização da excitabilidade muscular para a escolha dos parâmetros da estimulação elétrica; Permitir o acompanhamento da evolução do caso. Permitir o acompanhamento da evolução do caso.

51 Eletrodiagnóstico de Estímulo

52 1)

53 Técnica de Estimulação TÉCNICA MONOPOLAR ELETRODO CANETA

54 Eletrodiagnóstico Clássico Prova de Excitabilidade Galvânica Prova de Excitabilidade Farádica

55 PROVA DE EXCITABILIDADE GALVÂNICA Mesmo valor da Reobase Mesmo valor da Reobase Prova qualitativa/quantitativa Corrente galvânica interrompida manualmente (T > 100 ms até 1 s = grande). O que se procura? A mínima intensidade para desencadear uma contração do músculo desnervado Alterações qualitativas na resposta do músculo

56 Alterações Qualitativas Frente a um estimulo de crescimento rápido: Frente a um estimulo de crescimento rápido: –Músculo com inervação normal - resposta viva, brusca e rápida. –Músculo desnervado: resposta lenta (vermicular). Contração Lenta Contração Lenta Inversão Polar: contrai + com polo positivo. Inversão Polar: contrai + com polo positivo. Deslocamento do Ponto Motor Deslocamento do Ponto Motor

57 Ponto motor Descaracterização do Ponto Motor Descaracterização do Ponto Motor Desestruturação da placa motora Desestruturação da placa motora Deslocamento para a junção miotendínea Deslocamento para a junção miotendínea Músculo isoexcitável Músculo isoexcitável Para Tratamento: técnica bipolar é melhor (conforto). Para Tratamento: técnica bipolar é melhor (conforto).

58 PROVA EXCITABILIDADE FARÁDICA Procuramos a mínima amplitude necessária para uma contração muscular. O músculo responde a um trem de pulso de curta duração (1 ms)? Procuramos a mínima amplitude necessária para uma contração muscular. O músculo responde a um trem de pulso de curta duração (1 ms)? A (mA) T (ms) T = 1 ms R = 20 ms A (mA) T (ms) TON= 1 s TOFF = 1 s Músculos desnervados não respondem a pulsos de curta duração

59 2)

60 Eletrodiagnóstico de Curvas i/t ReobaseCronaxiaAcomodação

61 Equipamentos Geradores Universais de Pulsos: Geradores Universais de Pulsos: Corrente Farádica Corrente Farádica Pulsos Quadrados e Pulsos Exponenciais de Tempo de Duração Variável Pulsos Quadrados e Pulsos Exponenciais de Tempo de Duração Variável T = 0, ms. T = 0, ms.

62 Geradores para realização do eletrodiagnóstico e terapia seletiva dos músculos lesados. No Brasil, alguns dos aparelhos indicados são:

63 CURVAS DE EXCITABILIDADE (CURVAS I/T) Porquê e como são feitas? Porquê e como são feitas? Padrão de excitabilidade conhecido frente aos estímulos excitantes Uso de pulsos com T variável: T = 0,05 – 1000 ms Monofásicos retangulares Monofásicos exponenciais

64 X X Um pulso a cada dois segundos Variar T do maior para o menor Encontrar a contração mínima para cada T

65 Pontos Indicativos do ED de curvas ReobaseCronaxiaAcomodação

66 REOBASE Mínima intensidade de corrente necessária para produzir uma contração muscular mínima (T=1000 ms; R=2000 ms; A=?) Mínima intensidade de corrente necessária para produzir uma contração muscular mínima (T=1000 ms; R=2000 ms; A=?) A (mA) T (ms) X REOBASE T = 1000 ms R = 2000 ms

67 Reobase Contração frente a um estímulo teoricamente infinito. Contração frente a um estímulo teoricamente infinito. Substitui a Prova de Excitabilidade Galvânica. Substitui a Prova de Excitabilidade Galvânica. Isoladamente não tem valor diagnóstico. Isoladamente não tem valor diagnóstico. Serve para verificação de alterações qualitativas. Serve para verificação de alterações qualitativas. Tendência: aumento nas LNP (hipoexcitabilidade) Tendência: aumento nas LNP (hipoexcitabilidade) Indispensável para se obter a cronaxia. Indispensável para se obter a cronaxia.

68 CRONAXIA: a mínima duração de pulso necessária para uma contração muscular, com intensidade = ao dobro da reobase CRONAXIA: a mínima duração de pulso necessária para uma contração muscular, com intensidade = ao dobro da reobase (A = 2 x reobase; R = 2000 ms; T = ?) (A = 2 x reobase; R = 2000 ms; T = ?) A (mA) T (ms) 2x REOBASE X R = 2000 ms T = ? CRONAXIA T = ?

69 Cronaxia - isoladamente é o melhor índice de lesão - Em um músculo normalmente inervado a cronaxia sempre será inferior a 1 ms (entre 0,10 y 0,70 ms). Em um músculo normalmente inervado a cronaxia sempre será inferior a 1 ms (entre 0,10 y 0,70 ms). Quanto maior a cronaxia, mais grave a lesão. Quanto maior a cronaxia, mais grave a lesão. –Valores entre 1 e 3 ms indicam denervação parcial com lesão leve. –Valores entre 3 e 6 ms indicam denervação parcial com lesão moderada. –Valores entre 6 e 30 ms indicam denervação parcial com lesão grave. –Valores superiores a 30 ms indicam denervação total.

70 Cronaxia Músculos denervados em fase de reinervação: Músculos denervados em fase de reinervação: –cronaxia diminui a medida que aumenta o número de fibras inervadas (acompanhar evolução) Músculo parcialmente denervado: Músculo parcialmente denervado: –duração do impulso terapêutico não deve ser menor que 30 ms (pega todas as fibras) Cronaxia em músculos inervados: Cronaxia em músculos inervados: –permite personalizar a EE. –Tempos pequenos = sem efeito; –Tempos grandes = desconforto. –Duração ótima: igual o da cronaxia do músculo.

71 2)

72 ERVILHA & ARAUJO. Revista Brasileira de Fisioterapia, 1997

73 O valor de cronaxia será relevante para a eleição do pulso de tratamento 1 ms FES CR IFC FAR EVA CC UE CD Pulsos monofásicos exponenciais e quadrados de longa duração

74 ACOMODAÇÃO: capacidade inerente dos nervos sãos de não responder a estímulos elétricos de crescimento lento. Procuramos a mínima amplitude necessária para uma contração muscular (T = 1000 ms; R = 2000 ms; A = ?) ACOMODAÇÃO: capacidade inerente dos nervos sãos de não responder a estímulos elétricos de crescimento lento. Procuramos a mínima amplitude necessária para uma contração muscular (T = 1000 ms; R = 2000 ms; A = ?) A (mA) T (ms) X ACOMODAÇÃO T = 1000 ms R = 2000 ms

75 Acomodação Fenômeno Fisiológico: Fenômeno Fisiológico: –Um tecido excitável se acomoda quando o potencial de membrana se eleva lentamente e o potencial de ação não é gerado. Propriedade do neurilema Propriedade do neurilema –Sarcolema não apresenta acomodação. EE do nervo: EE do nervo: –impulso deve atingir um limiar de excitação (intensidade suficiente) e instaurar-se de forma brusca (impulso retangular). Impulso exponencial (subida lenta): Impulso exponencial (subida lenta): –favorece a acomodação, isto é, é necessário maior intensidade para estimular (3-5 x reobase). Músculos com LNP: Músculos com LNP: –perdem a capacidade de acomodação Estímulos exponenciais de crescimento lento: Estímulos exponenciais de crescimento lento: –possibilitam uma seletividade de respostas de fibras musculares desnervadas.

76 Índice de Acomodação 2,7 < α < 6: Normal 2,7 < α < 6: Normal 1 < α < 2,7: Reação de Degeneração Parcial 1 < α < 2,7: Reação de Degeneração Parcial α = 1: Reação de Degeneração Total α = 1: Reação de Degeneração Total α α = ACOMODAÇÃO REOBASE NEMESIS = problemas com esse índice

77 Curvas i / t com Pulsos Quadrados

78 X X Reobase Cronaxia Curva obtida com pulsos quadrados

79 Curvas i / t com Pulsos Exponenciais

80 X X X Curva obtida com pulsos exponenciais

81 X Acomodação

82 Mas o que acontece com a excitabilidade do músculo desnervado? A contração do músculo, quando ocorre, não é instantânea, mas sim lenta e vermiforme; A contração do músculo, quando ocorre, não é instantânea, mas sim lenta e vermiforme; A duração do pulso para a estimulação está aumentada; A duração do pulso para a estimulação está aumentada; O músculo só se contrai com a estimulação direta do mesmo. O músculo só se contrai com a estimulação direta do mesmo.

83 Reobase Cronaxia Curva obtida com pulsos quadrados

84 Acomodação Curva obtida com pulsos exponenciais

85 Cronaxia, um índice para caracterizar LNPs CRONAXIA > 1 ms = LNP 1-10 ms NEUROPRAXIA ms AXONOTMESE > 30 ms NEUROTMESE

86 Por que tratar eletricamente um músculo desnervado?

87 Indicações da Eletroestimulação no tratamento de LNP Amenizar ou impedir a atrofia da fibra muscular; Amenizar ou impedir a atrofia da fibra muscular; Melhorar suprimento sanguíneo para este músculo; Melhorar suprimento sanguíneo para este músculo; Estimular ou não atrapalhar o processo de reinervação; Estimular ou não atrapalhar o processo de reinervação; Poupar a maquinaria gênica e células satélites no músculo; Poupar a maquinaria gênica e células satélites no músculo; Diminuir a proliferação de tecido conjuntivo. Diminuir a proliferação de tecido conjuntivo.

88 Como tratar seletivamente as fibras musculares desnervadas?

89 Reobase Cronaxia

90 X Acomodação

91 Revisando...

92 Eletrodiagnóstico Eletrodiagnóstico Reobase: A = ?; T = 1,0 s; R = 2,0 s; pulso monopolar quadrado; Cronaxia: T = ?; A = 2 x reobase; R = 2,0 s; pulso monopolar quadrado; Acomodação: A = ?; T = 1,0 s; R = 2,0 s; pulso monopolar exponencial. Parametrização da Eletroestimulação

93 ED m. sãos

94 ED m. lesados

95 Tratamento seletivo das fibras musculares desnervadas mA T Desnervado normal Não Faradizável

96 Tratamento elétrico: curvas i/t Pulso monofásico exponencial (FES, se permitir modificações em T e R); Pulso monofásico exponencial (FES, se permitir modificações em T e R); Duração de pulso suficientemente alta para despolarizar fibras musculares desnervadas; Duração de pulso suficientemente alta para despolarizar fibras musculares desnervadas; Intervalo de pulso (R) = 2 x T; Intervalo de pulso (R) = 2 x T; Amplitude: nível motor; Amplitude: nível motor; 20 contrações; 20 contrações; Atente para sinais de fadiga – caso ocorra: cesse o tratamento. Atente para sinais de fadiga – caso ocorra: cesse o tratamento. O tratamento deve ser iniciado o mais rápido possível: melhores resultados. O tratamento deve ser iniciado o mais rápido possível: melhores resultados.

97 Protocolo de Eletroestimulação <1ms>1ms Corrente Farádica T = 1,0ms F = 50Hz TON = 3,0s TOFF = 6,0s Amplitude = motor 20 contrações Corrente Exponencial Monopolar T = 2 x cronaxia F = 20Hz TON = 3,0s TOFF = 6,0s Amplitude = motor 20 contrações

98 Passos para avaliação ED Realizar a Prova Farádica no músculo Realizar a Prova Farádica no músculo Pergunta: o músculo responde a pulsos < 1ms? Pergunta: o músculo responde a pulsos < 1ms? SIM: tratamento com NMES ou a própria Farádica SIM: tratamento com NMES ou a própria Farádica Freqüências: Hz; Freqüências: Hz; Ciclo ON/OFF: 1:3 Ciclo ON/OFF: 1:3 Amplitude: Nível motor Amplitude: Nível motor Duração pulso: NMES ( μs) ou Farádica (1ms) Duração pulso: NMES ( μs) ou Farádica (1ms) NÃO? IDENTIFIQUE REOBASE, CRONAXIA E ACOMODAÇÃO e Trace as curvas i/t. NÃO? IDENTIFIQUE REOBASE, CRONAXIA E ACOMODAÇÃO e Trace as curvas i/t.

99 Tratamento Elétrico Músculo Desnervado

100 Pulso monofásico exponencial de longa duração (extraído do ED); Pulso monofásico exponencial de longa duração (extraído do ED); Duração de pulso: >>> valor de cronaxia (2x, 3x, 4x... >); com certeza, não será inferior!!!! Duração de pulso: >>> valor de cronaxia (2x, 3x, 4x... >); com certeza, não será inferior!!!! Amplitude: motor; Amplitude: motor; Freqüência: 20 – 30Hz com Ciclo ON/OFF 1:3, se possível. Freqüência: 20 – 30Hz com Ciclo ON/OFF 1:3, se possível. Caso T muito grande: usar regra R = 2 x T Caso T muito grande: usar regra R = 2 x T Número de contrações: variável – dia (Dow et al, 2004). Número de contrações: variável – dia (Dow et al, 2004). Eletrodos: técnica bipolar preferencialmente. Eletrodos: técnica bipolar preferencialmente.


Carregar ppt "ELETRODIAGNÓSTICO E ELETROESTIMULAÇÃO DO MÚSCULO DESNERVADO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google