A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I I. INTRODUÇÃO II. DEFINIÇÃO III. OBJETIVOS IV. CONSULTAS V. PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E CONDUTAS I. INTRODUÇÃO II. DEFINIÇÃO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I I. INTRODUÇÃO II. DEFINIÇÃO III. OBJETIVOS IV. CONSULTAS V. PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E CONDUTAS I. INTRODUÇÃO II. DEFINIÇÃO."— Transcrição da apresentação:

1 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I I. INTRODUÇÃO II. DEFINIÇÃO III. OBJETIVOS IV. CONSULTAS V. PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E CONDUTAS I. INTRODUÇÃO II. DEFINIÇÃO III. OBJETIVOS IV. CONSULTAS V. PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E CONDUTAS

2 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 INTRODUÇÃO REPRESENTA A ÚNICA OPORTUNIDADE PARA AS MULHERES SEREM ATENDIDAS EM CONSULTA MÉDICA PAÍSES POBRES DE ASSISTÊNCIA MÉDICA

3 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; NEME, 2000 DEFINIÇÃO Atendimento multidisciplinar que objetiva alcançar e manter a integridade das condições de saúde materna e fetal, cujos resultados devem ser avaliados a longo prazo, com a formação de pessoas física e intelectualmente úteis à comunidade e produtivas para o país. Atendimento multidisciplinar que objetiva alcançar e manter a integridade das condições de saúde materna e fetal, cujos resultados devem ser avaliados a longo prazo, com a formação de pessoas física e intelectualmente úteis à comunidade e produtivas para o país. ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I

4 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 OBJETIVOS ORIENTAR HÁBITOS DE VIDA: - Dieta, atividade física e sexual, vestuário, tabagismo,alcoolismo, drogas ilícitas, etc ORIENTAR HÁBITOS DE VIDA: - Dieta, atividade física e sexual, vestuário, tabagismo,alcoolismo, drogas ilícitas, etc ASSISTÊNCIA PSICOLÓGICA: - Resolver problemas e conflitos ASSISTÊNCIA PSICOLÓGICA: - Resolver problemas e conflitos PREPARO PARA O PARTO e NOÇÕES DE PUERICULTURA PREPARO PARA O PARTO e NOÇÕES DE PUERICULTURA DIAGNÓSTICO e TRATAMENTO DE DOENÇAS PRÉ-EXISTENTES DIAGNÓSTICO e TRATAMENTO DE DOENÇAS PRÉ-EXISTENTES PROFILAXIA, DIAGNÓSTICO e TRATAMENTO DAS DOENÇAS GRAVÍDICAS PROFILAXIA, DIAGNÓSTICO e TRATAMENTO DAS DOENÇAS GRAVÍDICAS ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I

5 CONSULTAS

6 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 CONSULTAS - 1 a CONSULTA - INTERVALO ENTRE AS CONSULTAS (RETORNOS) ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I

7 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, a 1 a CONSULTA - O MAIS PRECOCE POSSÍVEL Atraso menstrual e diagnóstico de gravidez - O MAIS PRECOCE POSSÍVEL Atraso menstrual e diagnóstico de gravidez - ANAMNESE - EXAME FÍSICO GERAL e TOCOGINECOLÓGICO - EXAMES COMPLEMENTARES DE ROTINA - ORIENTAÇÕES - INSCRIÇÕES NOS PROGRAMAS EDUCATIVOS - ENCAMINHAMENTOS e TERAPIAS, CONFORME NECESSIDADE - AGENDAR O RETORNO / CARTÃO DA GESTANTE ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I

8 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 INTERVALO ENTRE AS INTERVALO ENTRE AS CONSULTAS (RETORNOS) 1 0 RETORNO: 10 a 15 DIAS (RESULTADOS DOS EXAMES E, SE NECESSÁRIO, INICIAR TERAPIA) 1 0 RETORNO: 10 a 15 DIAS (RESULTADOS DOS EXAMES E, SE NECESSÁRIO, INICIAR TERAPIA) ATÉ A 32 a SEMANA: MENSAIS ATÉ A 32 a SEMANA: MENSAIS 32 a a 34 a SEMANA: QUINZENAIS 32 a a 34 a SEMANA: QUINZENAIS 36 a a 42 a SEMANA: SEMANAIS 36 a a 42 a SEMANA: SEMANAIS QUEIXA PRINCIPAL/EXAME OBSTÉTRICO/CONDUTAS/ORIENTAÇÕES ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I

9 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, a 1 a CONSULTA - ANAMNESE IDENTIFICAÇÃO:IDENTIFICAÇÃO: - Idade - Grupo Racial - Naturalidade - Procedência/Endereço atual - Idade - Grupo Racial - Naturalidade - Procedência/Endereço atual DADOS SÓCIO- ECONÔMICOS: ECONÔMICOS: - Grau de instrução - Profissão/ocupação - Situação conjugal - Número e idade de dependentes - Renda familiar per capita - Condições da moradia tipo, n o cômodos - Condições de saneamento água, esgoto, coleta de lixo - Grau de instrução - Profissão/ocupação - Situação conjugal - Número e idade de dependentes - Renda familiar per capita - Condições da moradia tipo, n o cômodos - Condições de saneamento água, esgoto, coleta de lixo ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I

10 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, a 1 a CONSULTA - ANAMNESE MOTIVO DA CONSULTA: MOTIVO - Queixa principal ANTECEDENTESFAMILIARES:ANTECEDENTESFAMILIARES: - Hipertensão - Diabetes - Doenças congênitas - Gemelaridade - Câncer de mama - Hanseníase - Tuberculose e outros contatos familiares - Hipertensão - Diabetes - Doenças congênitas - Gemelaridade - Câncer de mama - Hanseníase - Tuberculose e outros contatos familiares ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I

11 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, a 1 a CONSULTA - ANAMNESE ANTECEDENTESPESSOAIS:ANTECEDENTESPESSOAIS: - Hipertensão - Diabetes - Cardiopatias - Doenças renais crônicas - Anemia - Transfusões de sangue - Doenças neuropsíquicas - Viroses (rubéola/herpes) - Cirurgias - Alergias - Hanseníase - Tuberculose - Hipertensão - Diabetes - Cardiopatias - Doenças renais crônicas - Anemia - Transfusões de sangue - Doenças neuropsíquicas - Viroses (rubéola/herpes) - Cirurgias - Alergias - Hanseníase - Tuberculose SEXUALIDADE:SEXUALIDADE: - Idade da 1 a relação - Libido - Orgasmo - Dispareunia - Prática sexual na gestação atual e em anteriores - Número de parceiros/Coito protegido - Idade da 1 a relação - Libido - Orgasmo - Dispareunia - Prática sexual na gestação atual e em anteriores - Número de parceiros/Coito protegido ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I

12 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, a 1 a CONSULTA - ANAMNESE ANTECEDENTESGINECOLÓGICOS:ANTECEDENTESGINECOLÓGICOS: - Ciclos menstruais duração, intervalo e quantidade - Uso de métodos contraceptivos - Quais - Tempo de uso - Motivo do abandono - Infertilidade e esterilidade (tratamento) - DSTs tratamentos, incluindo o parceiro - Cirurgias ginecológicas - Mamas alteração, tratamento - Data do último exame colpocitológico - Ciclos menstruais duração, intervalo e quantidade - Uso de métodos contraceptivos - Quais - Tempo de uso - Motivo do abandono - Infertilidade e esterilidade (tratamento) - DSTs tratamentos, incluindo o parceiro - Cirurgias ginecológicas - Mamas alteração, tratamento - Data do último exame colpocitológico ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I

13 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, a 1 a CONSULTA - ANAMNESE ANTECEDENTESOBSTÉTRICOS:ANTECEDENTESOBSTÉTRICOS: - Número de gestações incluir aborto, ectópica, mola hidatiforme - Número de partos domiciliares, hospitalares, espontêneos, fórceps, cesárea (indicação) - Número de abortos espontâneos, provocados, complicados por infecções, curetagens - Número de filhos vivos - Idade na primeira gestação - Intervalo entre as gestações (meses) - Número de recém-nascidos - Pré-termo (< 37 semanas) - Pós-termo ( 42 semanas) - Número de recém-nascidos de baixo peso (<2.500g) e com mais de 4.000g - Número de gestações incluir aborto, ectópica, mola hidatiforme - Número de partos domiciliares, hospitalares, espontêneos, fórceps, cesárea (indicação) - Número de abortos espontâneos, provocados, complicados por infecções, curetagens - Número de filhos vivos - Idade na primeira gestação - Intervalo entre as gestações (meses) - Número de recém-nascidos - Pré-termo (< 37 semanas) - Pós-termo ( 42 semanas) - Número de recém-nascidos de baixo peso (<2.500g) e com mais de 4.000g ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I

14 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, a 1 a CONSULTA - ANAMNESE ANTECEDENTESOBSTÉTRICOS:ANTECEDENTESOBSTÉTRICOS: - Mortes neonatais precoces até 7 dias (n o e motivo) - Mortes neonatais tardias dias (n o e motivo) - Natimortos (idade gestacional) - Recém-nascidos com icterícia neonatal, transfusão, hipoglicemia, exosangüíneotransfusão - Intercorrências ou complicações em gestações anteriores - Complicações puerperais - Aleitamentos anteriores duração,motivo do desmame - Intervalo entre a última gestação e a atual - Mortes neonatais precoces até 7 dias (n o e motivo) - Mortes neonatais tardias dias (n o e motivo) - Natimortos (idade gestacional) - Recém-nascidos com icterícia neonatal, transfusão, hipoglicemia, exosangüíneotransfusão - Intercorrências ou complicações em gestações anteriores - Complicações puerperais - Aleitamentos anteriores duração,motivo do desmame - Intervalo entre a última gestação e a atual ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I

15 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, a 1 a CONSULTA - ANAMNESE GESTAÇÃOATUAL:GESTAÇÃOATUAL: - Data da última menstruação (DUM) - Data provável do parto (DPP) - Data da percepção dos primeiro movimentos fetais - Sinais e sintomas - Medicações - Gestação desejada ou não - Hábitos fumo (quantidade/dia), álcool, drogas ilícitas - Ocupação esforço físico intenso, exposição a agentes químicos e físicos, estresse - Data da última menstruação (DUM) - Data provável do parto (DPP) - Data da percepção dos primeiro movimentos fetais - Sinais e sintomas - Medicações - Gestação desejada ou não - Hábitos fumo (quantidade/dia), álcool, drogas ilícitas - Ocupação esforço físico intenso, exposição a agentes químicos e físicos, estresse ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I

16 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 EXAME FÍSICO GERAL:GERAL: - Peso e avaliação do estado nutricional - Medida e estatura - Freqüência cardíaca - Temperatura axilar - Pressão arterial - Inspeção de pele e mucosas - Palpação da tireóide - Ausculta cardiopulmonar - Abdome - Palpação de gânglios inguinais - Membros superiores e inferiores - Pesquisa de edema face, tronco e membros - Peso e avaliação do estado nutricional - Medida e estatura - Freqüência cardíaca - Temperatura axilar - Pressão arterial - Inspeção de pele e mucosas - Palpação da tireóide - Ausculta cardiopulmonar - Abdome - Palpação de gânglios inguinais - Membros superiores e inferiores - Pesquisa de edema face, tronco e membros ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I

17 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 EXAME OBSTÉTRICO - PESO calcular o ganho do peso - anotar no gráfico e avaliar estado nutricional - PRESSÃO ARTERIAL - PELE E MUCOSAS - MAMAS - PALPAÇÃO OBSTÉTRICA E ALTURA UTERINA - ANOTAR NO GRÁFICO - ASCULTA BATIMENTO CARDIOFETAL - PESQUISA DE EDEMA - EXAME ESPECULAR - LÂMINA A FRESCO (LEUCORRÉIA) - TOQUE VAGINAL COMBINADO - PESO calcular o ganho do peso - anotar no gráfico e avaliar estado nutricional - PRESSÃO ARTERIAL - PELE E MUCOSAS - MAMAS - PALPAÇÃO OBSTÉTRICA E ALTURA UTERINA - ANOTAR NO GRÁFICO - ASCULTA BATIMENTO CARDIOFETAL - PESQUISA DE EDEMA - EXAME ESPECULAR - LÂMINA A FRESCO (LEUCORRÉIA) - TOQUE VAGINAL COMBINADO ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I

18 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 EXAMES COMPLEMENTARES DE ROTINA 1. Grupo Sangüíneo e Fator Rh 2. Hemograma 3. Glicemia de Jejum* 4. Teste Anti-HIV 5. Sorologia para Lues (VDRL)* 6. Sorologia para Hepatite 1. Grupo Sangüíneo e Fator Rh 2. Hemograma 3. Glicemia de Jejum* 4. Teste Anti-HIV 5. Sorologia para Lues (VDRL)* 6. Sorologia para Hepatite ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I * TRIMESTRAIS 7. Sorologia para Toxoplasmose* 8. Sorologia para Rubéola 9. Colpocitologia Oncótica (s/n) 10. Urina tipo I* 11. Proctoparasitológico 12. Ultra-som 7. Sorologia para Toxoplasmose* 8. Sorologia para Rubéola 9. Colpocitologia Oncótica (s/n) 10. Urina tipo I* 11. Proctoparasitológico 12. Ultra-som

19 PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E CONDUTAS PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E CONDUTAS

20 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E CONDUTAS ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I 1. Cálculo da Idade Gestacional 2. Cálculo da Data Provável do Parto 3. Peso 4. Pressão Arterial 5. Edema 6. Altura Uterina & Acompanhamento do Crescimento Fetal 7. Batimento Cardiofetal 1. Cálculo da Idade Gestacional 2. Cálculo da Data Provável do Parto 3. Peso 4. Pressão Arterial 5. Edema 6. Altura Uterina & Acompanhamento do Crescimento Fetal 7. Batimento Cardiofetal 8. Movimentação Fetal 9. Exames Complementares de Rotina 10. Vacinação 11. Nutrição 12. Orientações: Vestuário/Esportes/ Viagens 13. Queixas mais Freqüentes na Gestação e Condutas 8. Movimentação Fetal 9. Exames Complementares de Rotina 10. Vacinação 11. Nutrição 12. Orientações: Vestuário/Esportes/ Viagens 13. Queixas mais Freqüentes na Gestação e Condutas

21 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 CÁLCULO DA IDADE GESTACIONAL (IG) DATA DA ÚLTIMA MENSTRUAÇÃO CONHECIDA DESCONHECIDA 1. USO DO CALENDÁRIO 1. PERÍODO DO MÊS É CONHECIDO - Contar o número de semanas a partir do 1 o dia da última menstruação, até o dia da consulta - DPP: final da 40 a semana, contada a partir do 1 o dia da última menstruação - Contar o número de semanas a partir do 1 o dia da última menstruação, até o dia da consulta - DPP: final da 40 a semana, contada a partir do 1 o dia da última menstruação 2. USO DO DISCO OU GESTOGRAMA Exemplo: DUM - 01 / 01 / 2003 IG - 5 semanas e 1 dia DPP - 11 / 10 / 2003 Exemplo: DUM - 01 / 01 / 2003 IG - 5 semanas e 1 dia DPP - 11 / 10 / DATA E PERÍODO DESCONHECIDOS - Início mês considerar dia 5 - Meio mês considerar dia 15 - Final mês considerar dia 25 - USO: Calendário / Disco / Gestograma - Início mês considerar dia 5 - Meio mês considerar dia 15 - Final mês considerar dia 25 - USO: Calendário / Disco / Gestograma - Exame obstétrico - Ultrassom - Exame obstétrico - Ultrassom ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I

22 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 CÁLCULO DA DATA PROVÁVEL DO PARTO (DPP) - CALENDÁRIO - REGRA DE NAGËLE - GESTOGRAMA - Final da 40 a semana, contada a partir do 1 o dia da última menstruação. Exemplo: - DUM - 01 / 01 / DPP - 11 / 10 / Final da 40 a semana, contada a partir do 1 o dia da última menstruação. Exemplo: - DUM - 01 / 01 / DPP - 11 / 10 / Primípara soma-se 10 ao dia da semana e subtrai 3 ou soma 9 do mês. Exemplo: - DUM: 12/04/02 - DPP: 22/01/ Primípara soma-se 10 ao dia da semana e subtrai 3 ou soma 9 do mês. Exemplo: - DUM: 12/04/02 - DPP: 22/01/ Multípara soma-se 7 ao dia da semana e subtrai 3 ou soma 9 do mês. Exemplo: - DUM: 12/04/02 - DPP: 19/01/ Multípara soma-se 7 ao dia da semana e subtrai 3 ou soma 9 do mês. Exemplo: - DUM: 12/04/02 - DPP: 19/01/ DIAS OU 40 SEMANAS A PARTIR DA DATA DA ÚLTIMA MENSTRUAÇÃO ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I

23 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 PESO - Até o final da gestação: 6 a 16 Kg IDADE GESTACIONAL GANHO PONDERAL(g) Até 10 semanas Até 20 semanas Até 30 semanas Até 40 semanas Até 10 semanas Até 20 semanas Até 30 semanas Até 40 semanas g:- Feto - Líqüido amniótico - Placenta - Mama - Útero - Volume sangüíneo g:- Feto - Líqüido amniótico - Placenta - Mama - Útero - Volume sangüíneo g: mãe (reserva lactação) ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I

24 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 PESO E IDADE GESTACIONAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I NORMAL: NORMAL: O valor do aumento do peso estiver entre o percentil 25 e o 90

25 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 PESO E IDADE GESTACIONAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I ACHADOSCONDUTAS - Ponto entre as 2 curvas - Seguir calendário habitual - Explicar que o peso está adequado para a idade gestacional - Dar orientação alimentar - Seguir calendário habitual - Explicar que o peso está adequado para a idade gestacional - Dar orientação alimentar

26 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 PESO E IDADE GESTACIONAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I ACHADOSCONDUTAS - Ponto abaixo da curva do p 25 Gestante de risco. Peso insuficiente para a idade gestacional. Investigar: - História alimentar - Hiperêmese gravídica - Infecções - Parasitoses - Anemias - Doenças debilitantes Remarcar consulta médica em intervalo menor que o fixado em calendário habitual Gestante de risco. Peso insuficiente para a idade gestacional. Investigar: - História alimentar - Hiperêmese gravídica - Infecções - Parasitoses - Anemias - Doenças debilitantes Remarcar consulta médica em intervalo menor que o fixado em calendário habitual

27 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 PESO E IDADE GESTACIONAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I ACHADOSCONDUTAS - Ponto acima da curva do p 90 Gestante de risco. Peso superior ao aceito para idade gestacional. Investigar: - Obesidade - Polidrâmnio - Macrossomia fetal - Edema - Prenhez múltipla Remarcar consulta médica em intervalo menor que o fixado em calendário habitual O ganho durante toda a gestação não deve ultrapassar a faixa de 16 Kg Gestante de risco. Peso superior ao aceito para idade gestacional. Investigar: - Obesidade - Polidrâmnio - Macrossomia fetal - Edema - Prenhez múltipla Remarcar consulta médica em intervalo menor que o fixado em calendário habitual O ganho durante toda a gestação não deve ultrapassar a faixa de 16 Kg

28 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 PESO E IDADE GESTACIONAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I ACHADOSCONDUTAS - Traçado com inclinação ascendente entre as curvas - Traçado com inclinação ascendente entre as curvas Bom estado nutricional (ganho de peso adequado): - Seguir calendário habitual - Orientação alimentar para que a gestante mantenha dentro da faixa de normalidade Bom estado nutricional (ganho de peso adequado): - Seguir calendário habitual - Orientação alimentar para que a gestante mantenha dentro da faixa de normalidade

29 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 PESO E IDADE GESTACIONAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I ACHADOSCONDUTAS - Traçado entre as curvas e com inclinação horizontal ou descendente - Traçado entre as curvas e com inclinação horizontal ou descendente - Traçado abaixo da curva do p 25, com inclinação horizontal, descendente ou ascendente, sem atingir a faixa considerada normal - Traçado abaixo da curva do p 25, com inclinação horizontal, descendente ou ascendente, sem atingir a faixa considerada normal Gestante de risco, ganho de peso inadequado: - Déficit alimentar - Infecções - Parasitose - Anemia Remarcar consulta médica em intervalo menor que o fixado em calendário habitual Gestante de risco, ganho de peso inadequado: - Déficit alimentar - Infecções - Parasitose - Anemia Remarcar consulta médica em intervalo menor que o fixado em calendário habitual Gestante chegar no final da gestação com ganho de peso mínimo de 8 Kg Gestante chegar no final da gestação com ganho de peso mínimo de 8 Kg

30 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 PESO E IDADE GESTACIONAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I ACHADOSCONDUTAS Gestante chegar no final da gestação com ganho de peso máximo de 16 Kg Gestante chegar no final da gestação com ganho de peso máximo de 16 Kg - Ponto acima da curva do p 90 Gestante de risco, ganho de peso superior ao ideal para a idade gestacional: - Obesidade - Diabetes - Edema Avaliar e tratar, se persistir serviço de alto risco - Hipótese de: polidrâmnio, macrossomia, prenhez múltipla serviço de alto risco Gestante de risco, ganho de peso superior ao ideal para a idade gestacional: - Obesidade - Diabetes - Edema Avaliar e tratar, se persistir serviço de alto risco - Hipótese de: polidrâmnio, macrossomia, prenhez múltipla serviço de alto risco

31 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 PRESSÃO ARTERIAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I HIPERTENSÃO ARTERIAL NA GESTAÇÃO AUMENTO: 30 mmHg NA PRESSÃO SISTÓLICA e/ou 15 mmHg PRESSÃO NA DIASTÓLICA AUMENTO: 30 mmHg NA PRESSÃO SISTÓLICA e/ou 15 mmHg PRESSÃO NA DIASTÓLICA PRESSÃO: 140 X 90 mmHg PRESSÃO: 140 X 90 mmHg

32 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 PRESSÃO ARTERIAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I NÍVEIS DE PA CONHECIDOS E NORMAIS ANTES DA GESTAÇÃO NÍVEIS DE PA CONHECIDOS E NORMAIS ANTES DA GESTAÇÃO NÍVEIS DE PA DESCONHECIDOS ANTES DA GESTAÇÃO NÍVEIS DE PA DESCONHECIDOS ANTES DA GESTAÇÃO - Manutenção dos mesmos níveis ou - Elevação da pressão sistólica < 30 mmHg e < 15 mmHg da diastólica - Manutenção dos mesmos níveis ou - Elevação da pressão sistólica < 30 mmHg e < 15 mmHg da diastólica - PA 140 x 90 mmHg NÍVEIS TENSIONAIS NORMAIS MANTER CALENDÁRIO HABITUAL DE CONSULTA

33 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 PRESSÃO ARTERIAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I NÍVEIS DE PA CONHECIDOS E NORMAIS ANTES DA GESTAÇÃO NÍVEIS DE PA CONHECIDOS E NORMAIS ANTES DA GESTAÇÃO NÍVEIS DE PA DESCONHECIDOS ANTES DA GESTAÇÃO NÍVEIS DE PA DESCONHECIDOS ANTES DA GESTAÇÃO - PA 140 x 90 mmHg - Elevação da pressão sistólica 30 mmHg e 15 mmHg da diastólica - Elevação da pressão sistólica 30 mmHg e 15 mmHg da diastólica PRÉ-NATAL DE ALTO RISCO - DHEG - HIPERTENSÃO ARTERIAL ANTES DA GRAVIDEZ - DHEG - HIPERTENSÃO ARTERIAL ANTES DA GRAVIDEZ

34 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 EDEMA ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I - GESTANTE EM DECÚBITO DORSAL OU SENTADA, SEM MEIAS - PRESSIONAR A PELE NA REGIÃO PERIMALEOLAR E NA PERNA (REGIÃO PRÉ-TIBIAL) - GESTANTE EM DECÚBITO DORSAL OU SENTADA, SEM MEIAS - PRESSIONAR A PELE NA REGIÃO PERIMALEOLAR E NA PERNA (REGIÃO PRÉ-TIBIAL) MINISTÉRIO DA SAÚDE, GESTANTE EM DECÚBITO LATERAL OU SENTADA - PRESSIONAR A PELE NA REGIÃO SACRA COM O POLEGAR - GESTANTE EM DECÚBITO LATERAL OU SENTADA - PRESSIONAR A PELE NA REGIÃO SACRA COM O POLEGAR MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000

35 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 EDEMA ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I - AUSENTE - Acompanhar a gestação - TORNOZELO, SEM HIPERTENSÃO OU - AUMENTO SÚBITO DE PESO - TORNOZELO, SEM HIPERTENSÃO OU - AUMENTO SÚBITO DE PESO - Postural - Final do dia - Tipo de calçado - Postural - Final do dia - Tipo de calçado - MEMBROS INFERIORES, COM HIPERTENSÃO OU - AUMENTO DE PESO - MEMBROS INFERIORES, COM HIPERTENSÃO OU - AUMENTO DE PESO - Aumentar repouso em DLE - Avaliada pelo médico - Hipertensão alto risco - Aumentar repouso em DLE - Avaliada pelo médico - Hipertensão alto risco - GENERALIZADO OU MANIFESTA AO ACORDAR ACOMPANHADO OU NÃO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL - GENERALIZADO OU MANIFESTA AO ACORDAR ACOMPANHADO OU NÃO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL - Pré-eclâmpsia ou outra situação patológica ALTO RISCO - Pré-eclâmpsia ou outra situação patológica ALTO RISCO ACHADOS CONDUTA

36 FIM

37

38 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II V. PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E CONDUTAS VI. QUEIXAS MAIS COMUNS E CONDUTAS V. PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E CONDUTAS VI. QUEIXAS MAIS COMUNS E CONDUTAS

39 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E CONDUTAS ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II 1. Cálculo da Idade Gestacional 2. Cálculo da Data Provável do Parto 3. Peso 4. Pressão Arterial 5. Edema 6. Altura Uterina & Acompanhamento do Crescimento Fetal 7. Batimento Cardiofetal 1. Cálculo da Idade Gestacional 2. Cálculo da Data Provável do Parto 3. Peso 4. Pressão Arterial 5. Edema 6. Altura Uterina & Acompanhamento do Crescimento Fetal 7. Batimento Cardiofetal 8. Movimentação Fetal 9. Exames Complementares de Rotina 10. Vacinação 11. Nutrição 12. Orientações: Vestuário/Esportes/ Viagens 13. Queixas mais Freqüentes na Gestação e Condutas 8. Movimentação Fetal 9. Exames Complementares de Rotina 10. Vacinação 11. Nutrição 12. Orientações: Vestuário/Esportes/ Viagens 13. Queixas mais Freqüentes na Gestação e Condutas

40 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ALTURA UTERINA E ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO FETAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II ALTURA UTERINA MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000 EXTREMIDADE DA FITA FIXADA NA MARGEM SUPERIOR DO PUBE COM UMA MÃO. DESLIZAR A FITA ENTRE OS DEDOS INDICADOR E MÉDIO DA OUTRA MÃO, ATÉ ALCANÇAR O FUNDO DO ÚTERO COM A MARGEM CUBITAL DA MÃO (CLAP)

41 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ALTURA UTERINA E ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO FETAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II LIMTES DA NORMALIDADE: LIMTES DA NORMALIDADE: percentil 10 e 90

42 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ALTURA UTERINA E ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO FETAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II ACHADOSCONDUTAS - Ponto entre as 2 curvas - Seguir calendário de atendimento de rotina - Seguir calendário de atendimento de rotina

43 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ALTURA UTERINA E ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO FETAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II ACHADOSCONDUTAS - Acima da curva superior - Erro de data da idade gestacional - Avaliar a possibilidade de: - Polidrâmnio - Macrossomia fetal - Gemelaridade - Mola hidatiforme - Obesidade Dúvida retorno em 15 dias para reavaliação e se possível, encaminhar para serviço de alto risco - Erro de data da idade gestacional - Avaliar a possibilidade de: - Polidrâmnio - Macrossomia fetal - Gemelaridade - Mola hidatiforme - Obesidade Dúvida retorno em 15 dias para reavaliação e se possível, encaminhar para serviço de alto risco

44 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ALTURA UTERINA E ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO FETAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II ACHADOSCONDUTAS - Abaixo da curva inferior - Erro de data da idade gestacional - Avaliar a possibilidade de: - Feto morto - Oligodrâmnio - Retardo de crescimento intra-uterino Dúvida retorno em 15 dias para reavaliação e se possível, encaminhar para serviço de alto risco - Erro de data da idade gestacional - Avaliar a possibilidade de: - Feto morto - Oligodrâmnio - Retardo de crescimento intra-uterino Dúvida retorno em 15 dias para reavaliação e se possível, encaminhar para serviço de alto risco

45 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ALTURA UTERINA E ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO FETAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II ACHADOSCONDUTAS - Evoluindo entre as curvas superiores e inferiores - Evoluindo entre as curvas superiores e inferiores - Seguir calendário básico de consultas

46 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ALTURA UTERINA E ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO FETAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II ACHADOSCONDUTAS - Evoluindo acima da curva superior e com a mesma inclinação - Evoluindo acima da curva superior e com a mesma inclinação - Pode ser IG maior que a estimada - Consulta para: - Confirmar o tipo de curva - Confirmar a IG - Pode ser IG maior que a estimada - Consulta para: - Confirmar o tipo de curva - Confirmar a IG - Evoluindo abaixo da curva inferior e com a mesma inclinação - Evoluindo abaixo da curva inferior e com a mesma inclinação - Pode ser IG menor que a estimada - Suspeita de desvio do crescimento fetal serviço de alto risco - Pode ser IG menor que a estimada - Suspeita de desvio do crescimento fetal serviço de alto risco

47 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ALTURA UTERINA E ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO FETAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II ACHADOSCONDUTAS - Evoluindo acima da curva superior e com inclinação maior - Evoluindo acima da curva superior e com inclinação maior - Gestação múltipla - Polidrâmnio - Macrossomia fetal - Gestação múltipla - Polidrâmnio - Macrossomia fetal - Evoluindo abaixo da curva inferior e com inclinação menor - Evoluindo abaixo da curva inferior e com inclinação menor - Provável retardo de crescimento intra-uterino

48 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 BATIMENTO CARDIOFETAL (BCF) ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II ULTRASSOM: ESTETOSCÓPIO DE PINARD: ESTETOSCÓPIO DE PINARD: - A partir de 16 a 20 semanas de gestação - A partir de 10 semanas de gestação SONAR DOPPLER: - A partir de 7 a 8 semanas de gestação MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000 ESTETOSCÓPIO DE PINARD SONAR DOPPLER

49 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 BATIMENTO CARDIOFETAL (BCF) ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II - Normal 120 a 160 bpm - Ausculta antes e após: - Contração uterina - Movimentação fetal - Movimentação fetal - Estímulo mecânico sobre o útero - Estímulo mecânico sobre o útero - Ausculta antes e após: - Contração uterina - Movimentação fetal - Movimentação fetal - Estímulo mecânico sobre o útero - Estímulo mecânico sobre o útero AUMENTO TRANSITÓRIO DA FCF - SINAL DE BOA VITALIDADE DESACELERAÇÃO OU NÃO ALTERAÇÃO DA FCF - SINAL DE ALERTA AUMENTO TRANSITÓRIO DA FCF - SINAL DE BOA VITALIDADE DESACELERAÇÃO OU NÃO ALTERAÇÃO DA FCF - SINAL DE ALERTA

50 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 MOVIMENTAÇÃO FETAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II MULTÍPARAS: 16 a a 18 a semana MULTÍPARAS: 16 a a 18 a semana PRIMIGESTAS: 18 a - 20 a semana PRIMIGESTAS: 18 a - 20 a semana PERCEPÇÃO MOVIMENTOS FETAIS

51 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 MOVIMENTAÇÃO FETAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II REGISTRO DIÁRIO DA MOVIMENTAÇÃO FETAL REGISTRO DIÁRIO DA MOVIMENTAÇÃO FETAL METODOLOGIA GESTANTE EM REPOUSO DECÚBITO LATERAL ESQUERDO GESTANTE EM REPOUSO DECÚBITO LATERAL ESQUERDO CONTAGEM DOS MOVIMENTOS FETAIS: INTERVALOS DE 1 HORA DE DURAÇÃO, DISTRIBUÍDOS PELOS 3 PERÍODOS DO DIA CONTAGEM DOS MOVIMENTOS FETAIS: INTERVALOS DE 1 HORA DE DURAÇÃO, DISTRIBUÍDOS PELOS 3 PERÍODOS DO DIA ALARME: < 10 MOVIMENTOS EM 12 HORAS ALARME: < 10 MOVIMENTOS EM 12 HORAS ÓBITO FETAL IMINENTE: - DIMINUIÇÃO ABRUPTA OU - PARADA DE MOVIMENTAÇÃO FETAL ÓBITO FETAL IMINENTE: - DIMINUIÇÃO ABRUPTA OU - PARADA DE MOVIMENTAÇÃO FETAL

52 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II EXAMES COMPLEMENTARES DE ROTINA GRUPO SANGÜÍNEO E FATOR Rh MÃE Rh (-) / PAI Rh (+) MÃE Rh (+) / PAI Rh (+) MÃE Rh (-) / PAI Rh (-) MÃE Rh (+) / PAI Rh (-) MÃE Rh (+) / PAI Rh (+) MÃE Rh (-) / PAI Rh (-) MÃE Rh (+) / PAI Rh (-) POSITIVO DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL COOMBS INDIRETO QUALITATIVO NEGATIVO 1/16: ESPECTOFOTOMETRIA 1/16: ESPECTOFOTOMETRIA REPETIR: 28 a, 32 a E 36 a SEMANAS DE GESTAÇÃO 15 DIAS ANTES DO PARTO REPETIR: 28 a, 32 a E 36 a SEMANAS DE GESTAÇÃO 15 DIAS ANTES DO PARTO COOMBS INDIRETO QUANTITATIVO

53 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II HEMOGRAMA 11g/dl < 11g/dl - 8g/dl < 8g/dl AUSÊNCIA ANEMIA SUPLEMENTAÇÃO DE FERRO A PARTIR 20 a SEMANA Sulfato ferroso: 1 drágea (300mg)/dia 30 min antes refeição SUPLEMENTAÇÃO DE FERRO A PARTIR 20 a SEMANA Sulfato ferroso: 1 drágea (300mg)/dia 30 min antes refeição ANEMIA LEVE A MODERADA ANEMIA GRAVE PRÉ-NATAL - ALTO RISCO (ETIOLOGIA/CONDUTA) PRÉ-NATAL - ALTO RISCO (ETIOLOGIA/CONDUTA) - PROCTOPARASITOLÓGICO - SULFATO FERROSO (VO) 3 DRÁGEAS/DIA - REPETIR EXAME EM 30 OU 60 DIAS: Hb manter tratamento até Hb chegar a 11 g/dl, após, iniciar dose de manutenção (1 drágea/dia) e repetir Hb no 3 o trimestre Hb ou estacionária pré-natal alto risco - PROCTOPARASITOLÓGICO - SULFATO FERROSO (VO) 3 DRÁGEAS/DIA - REPETIR EXAME EM 30 OU 60 DIAS: Hb manter tratamento até Hb chegar a 11 g/dl, após, iniciar dose de manutenção (1 drágea/dia) e repetir Hb no 3 o trimestre Hb ou estacionária pré-natal alto risco EXAMES COMPLEMENTARES DE ROTINA

54 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II GLICEMIA DE JEJUM - TRIMESTRAL - NORMAL 90 mg% - ALTERADO OU GRUPO DE RISCO teste oral de tolerância à glicose - TRIMESTRAL - NORMAL 90 mg% - ALTERADO OU GRUPO DE RISCO teste oral de tolerância à glicose EXAMES COMPLEMENTARES DE ROTINA

55 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II TESTE ANTI-HIV ANTI-HIV: POSITIVO AZT: - 14 a SEMANA DE GESTAÇÃO - TRABALHO DE PARTO - PARTO - RECÉM-NASCIDO AZT: - 14 a SEMANA DE GESTAÇÃO - TRABALHO DE PARTO - PARTO - RECÉM-NASCIDO EXAMES COMPLEMENTARES DE ROTINA

56 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II SOROLOGIA PARA LUES VDRL POSITIVO VDRL NEGATIVO REPETIR TRIMESTRALMENTE REPETIR TRIMESTRALMENTE SÍFILIS 1 a (< 1 ANO) SÍFILIS 1 a (< 1 ANO) SÍFILIS RECENTE (ATÉ 1 ANO) SÍFILIS RECENTE (ATÉ 1 ANO) SÍFILIS TARDIA ( 1 ANO OU DESCONHECIDA) SÍFILIS TARDIA ( 1 ANO OU DESCONHECIDA) Penicilina Benzatina UI ( UI em cada nádega) Penicilina Benzatina UI ( UI em cada nádega) Penicilina Benzatina UI ( UI/semana UI em cada nádega) Penicilina Benzatina UI ( UI/semana UI em cada nádega) Penicilina Benzatina UI ( UI/semana UI em cada nádega) Penicilina Benzatina UI ( UI/semana UI em cada nádega) TRATAR O PARCEIRO EXAMES COMPLEMENTARES DE ROTINA

57 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II SOROLOGIA PARA HEPATITE - Hepatite C anti-HCV - Hepatite B HBsAg e anti-HBc 1 dos dois + solicitar anti-Hbe (replicação viral) - solicitar vacina para o RN até 12 horas pós-parto - Hepatite C anti-HCV - Hepatite B HBsAg e anti-HBc 1 dos dois + solicitar anti-Hbe (replicação viral) - solicitar vacina para o RN até 12 horas pós-parto EXAMES COMPLEMENTARES DE ROTINA

58 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II SOROLOGIA PARA TOXOPLASMOSE IgG (+) / IgM (-) IMUNE (*imunodeprimidas) IgG (-) / IgM (-) SUSCETÍVEL IgG (-) / IgM (+) INFECÇÃO AGUDA IgG (+) / IgM (+) INFECÇÃO RECENTE OU AGUDA PROFILAXIA EXAMES COMPLEMENTARES DE ROTINA

59 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II SOROLOGIA PARA RUBÉOLA IDEAL FAZER SOROLOGIA PRÉ-CONCEPÇÃO VACINA 3 MESES ANTES DA GESTAÇÃO IgG NEGATIVA EXAMES COMPLEMENTARES DE ROTINA

60 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II CITOLOGIA ONCÓTICA (PAPANICOLAOU) EXAME ANUAL EXAME A CADA 3 ANOS DOIS EXAMES ANUAIS SEGUIDOS APRESENTAREM RESULTADO NEGATIVO PARA DISPLASIA OU NEOPLASIA EXAMES COMPLEMENTARES DE ROTINA

61 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II URINA TIPO I - RESULTADOS: SOLICITAR TRIMESTRALMENTE PROTEINÚRIA: Traços repetir em 15 dias Traços + hipertensão e/ou edema pré- natal alto risco Maciça pré-natal alto risco PROTEINÚRIA: Traços repetir em 15 dias Traços + hipertensão e/ou edema pré- natal alto risco Maciça pré-natal alto risco PIÚRIA OU BACTERIÚRIA: Urocultura com antibiograma PIÚRIA OU BACTERIÚRIA: Urocultura com antibiograma HEMATÚRIA: + Piúria urocultura Isolada excluir sangramento genital Consulta especializada HEMATÚRIA: + Piúria urocultura Isolada excluir sangramento genital Consulta especializada CILINDRÚRIA: Pré-natal de alto risco EXAMES COMPLEMENTARES DE ROTINA

62 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II PROCTOPARASITOLÓGICO A PARTIR DA 20 a SEMANA SE NECESSÁRIO TERAPIA EXAMES COMPLEMENTARES DE ROTINA

63 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II ULTRASSOM - Entre a 11ª e 13ª semana: - Idade gestacional - Medir a translucência nucal (identificar fetos com risco de aneuploidias) - Entre a 11ª e 13ª semana: - Idade gestacional - Medir a translucência nucal (identificar fetos com risco de aneuploidias) - Entre a 20ª e 24ª semana: - Avaliar o crescimento fetal - Análise morfológica do feto - Entre a 20ª e 24ª semana: - Avaliar o crescimento fetal - Análise morfológica do feto - Entre a 34ª e 37ª semana: - Avaliar o crescimento fetal - Morfologia fetal (algumas malformações se manifestam em fases posteriores da gestação (microcefalia, rins policísticos, atresias intestinais baixas e acondroplasia) - Entre a 34ª e 37ª semana: - Avaliar o crescimento fetal - Morfologia fetal (algumas malformações se manifestam em fases posteriores da gestação (microcefalia, rins policísticos, atresias intestinais baixas e acondroplasia) EXAMES COMPLEMENTARES DE ROTINA

64 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 VACINAÇÃO ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II - Tuberculose (BCG) não usar, exceto se contágio for muito importante - Hepatite B pode ser administrada durante a gestação - Gripe imunodeprimidas - RUBÉOLA CONTRA-INDICAÇÃO ABSOLUTA - Ideal: vacina 3 meses antes da gestação - RUBÉOLA CONTRA-INDICAÇÃO ABSOLUTA - Ideal: vacina 3 meses antes da gestação - Febre amarela após o 1 o trimestre (área endêmica: qualquer fase da gestação) - Febre amarela após o 1 o trimestre (área endêmica: qualquer fase da gestação)

65 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 VACINAÇÃO ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II ANTI-TETÂNICA 1 a DOSE 2 a DOSE * 3 a DOSE - GESTANTE NÃO VACINADA: Precoce dias da 1 a dose 180 dias depois da 2 a dose Precoce 60 dias da 1 a dose 60 dias depois da 2 a dose *A segunda dose deve ser aplicada até 20 dias, no máximo, antes da DPP - Reforços de 10 em 10 anos - Antecipar a dose de reforço se ocorrer nova gravidez em 5 anos, ou mais, depois da aplicação da última dose *A segunda dose deve ser aplicada até 20 dias, no máximo, antes da DPP - Reforços de 10 em 10 anos - Antecipar a dose de reforço se ocorrer nova gravidez em 5 anos, ou mais, depois da aplicação da última dose - GESTANTE VACINADA: - GESTANTE VACINADA: completar o esquema básico de 3 doses: - Se recebeu 1 dose aplicar mais duas doses - Se recebeu 2 doses aplicar 1 dose - GESTANTE VACINADA: - GESTANTE VACINADA: completar o esquema básico de 3 doses: - Se recebeu 1 dose aplicar mais duas doses - Se recebeu 2 doses aplicar 1 dose

66 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 NUTRIÇÃO ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II - 36 cal / Kg / dia - Proteina 1 g / Kg / dia - Ferro único a ser reposto - Puerpério: até terminar amamentação ou 2 meses não lactantes - Ácido Fólico 2mg/dia - Prevenção de malformações do tubo neural (anencefalia, espinha bífida) - Iniciar três meses antes da gravidez e mantendo-se até a 8ª semana de gestação - GANHO DE PESO não ultrapassar 20% do peso ideal - 36 cal / Kg / dia - Proteina 1 g / Kg / dia - Ferro único a ser reposto - Puerpério: até terminar amamentação ou 2 meses não lactantes - Ácido Fólico 2mg/dia - Prevenção de malformações do tubo neural (anencefalia, espinha bífida) - Iniciar três meses antes da gravidez e mantendo-se até a 8ª semana de gestação - GANHO DE PESO não ultrapassar 20% do peso ideal

67 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ORIENTAÇÕES ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II - VESTUÁRIO - ESPORTE - VIAGENS - VESTUÁRIO - ESPORTE - VIAGENS

68 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II QUEIXAS MAIS FREQÜENTES E CONDUTAS QUEIXAS MAIS FREQÜENTES E CONDUTAS

69 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 QUEIXAS MAIS FREQÜENTES E CONDUTAS ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II NÁUSEAS E VÔMITOS - Explicar que são sintomas comuns no início da gestação - ORIENTAR: Dieta fracionada (6 refeições leves/dia) Evitar frituras, gorduras, alimentos com odores fortes, líqüidos durante as refeições (usar nos intervalos) Ingerir alimentos sólidos pela manhã (antes de levantar) Consulta médica necessidade de uso de medicamentos Pré-natal de alto risco vômitos freqüentes - ORIENTAR: Dieta fracionada (6 refeições leves/dia) Evitar frituras, gorduras, alimentos com odores fortes, líqüidos durante as refeições (usar nos intervalos) Ingerir alimentos sólidos pela manhã (antes de levantar) Consulta médica necessidade de uso de medicamentos Pré-natal de alto risco vômitos freqüentes

70 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II PIROSE D - ORIENTAR: Dieta fracionada (6 refeições leves/dia) Ingerir leite frio Evitar frituras, café, chá preto, mates, doces, álcool, fumo Em alguns casos, à critério médico antiácidos D - ORIENTAR: Dieta fracionada (6 refeições leves/dia) Ingerir leite frio Evitar frituras, café, chá preto, mates, doces, álcool, fumo Em alguns casos, à critério médico antiácidos QUEIXAS MAIS FREQÜENTES E CONDUTAS

71 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II SIALORRÉIA - ORIENTAR: Dieta igual à para náuseas e vômitos Deglutir saliva e tomar líqüidos em abundância - ORIENTAR: Dieta igual à para náuseas e vômitos Deglutir saliva e tomar líqüidos em abundância QUEIXAS MAIS FREQÜENTES E CONDUTAS

72 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II FRAQUEZAS E DESMAIOS - ORIENTAR: Não fazer mudanças bruscas de posição e evitar a inatividade Dieta fracionada Chá ou café com açúcar, como estimulantes Melhora a sensação de desmaio e fraqueza: - Sentar com a cabeça abaixada ou deitar-se em decúbito lateral, respirando profundamente - ORIENTAR: Não fazer mudanças bruscas de posição e evitar a inatividade Dieta fracionada Chá ou café com açúcar, como estimulantes Melhora a sensação de desmaio e fraqueza: - Sentar com a cabeça abaixada ou deitar-se em decúbito lateral, respirando profundamente QUEIXAS MAIS FREQÜENTES E CONDUTAS

73 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II DOR ABDOMINAL, CÓLICAS, FLATULÊNCIAS E OBSTIPAÇÃO INTESTINAL - Excluir contrações uterinas - Flacidez da parede abdominal: Uso de cinta (não a elástica) e exercícios - Flatulência ou Obstipação: Dieta rica em resíduos frutas cítricas, verduras, mamão, ameixa e cereais integrais Aumentar a ingesta de líqüidos Evitar alimentos de alta fermentação repolho, couve, ovo,feijão, leite e açúcar Caminhadas - Se necessário: Dimeticona (gases) Supositório de glicerina (obstipação) Hioscina (2/dia - cólica) Proctoparisotológico - Excluir contrações uterinas - Flacidez da parede abdominal: Uso de cinta (não a elástica) e exercícios - Flatulência ou Obstipação: Dieta rica em resíduos frutas cítricas, verduras, mamão, ameixa e cereais integrais Aumentar a ingesta de líqüidos Evitar alimentos de alta fermentação repolho, couve, ovo,feijão, leite e açúcar Caminhadas - Se necessário: Dimeticona (gases) Supositório de glicerina (obstipação) Hioscina (2/dia - cólica) Proctoparisotológico QUEIXAS MAIS FREQÜENTES E CONDUTAS

74 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II HEMORRÓIDAS - Dieta para evitar obstipação - Se necessário, supositório de glicerina - Não usar papel higiênico colorido ou áspero (molhar) - Higiene perianal com água e sabão neutro, após defecar - Banhos de vapor ou compressas mornas - Reavaliar se necessita cirurgia dor ou sangramento anal persistente - Dieta para evitar obstipação - Se necessário, supositório de glicerina - Não usar papel higiênico colorido ou áspero (molhar) - Higiene perianal com água e sabão neutro, após defecar - Banhos de vapor ou compressas mornas - Reavaliar se necessita cirurgia dor ou sangramento anal persistente QUEIXAS MAIS FREQÜENTES E CONDUTAS

75 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II LEUCORRÉIA - Explicar que existe aumento do fluxo vaginal na gestação - Tratamento: Secreções de cor amarelada ou esverdeada Odor fétido Prurido - Explicar que existe aumento do fluxo vaginal na gestação - Tratamento: Secreções de cor amarelada ou esverdeada Odor fétido Prurido QUEIXAS MAIS FREQÜENTES E CONDUTAS

76 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II QUEIXAS URINÁRIAS - Explicar que existe aumento do número de micções no início e no final da gestação (aumento útero e compressão da bexiga) - Solicitar URINA TIPO I e UROCULTURA em caso de disúria ou hematúria, com ou sem febre - Explicar que existe aumento do número de micções no início e no final da gestação (aumento útero e compressão da bexiga) - Solicitar URINA TIPO I e UROCULTURA em caso de disúria ou hematúria, com ou sem febre QUEIXAS MAIS FREQÜENTES E CONDUTAS

77 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II FALTA DE AR / DIFICULDADE PARA RESPIRAR - Ocorrem devido ao aumento do útero - Orientar para decúbito lateral - Ouvir sobre as angustias - Descartar doenças pulmonares e/ou cardíacas - Ocorrem devido ao aumento do útero - Orientar para decúbito lateral - Ouvir sobre as angustias - Descartar doenças pulmonares e/ou cardíacas QUEIXAS MAIS FREQÜENTES E CONDUTAS

78 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II DOR NAS MAMAS - Descartar patologias mamárias - Recomendar o uso constante de sutiã - Descartar patologias mamárias - Recomendar o uso constante de sutiã QUEIXAS MAIS FREQÜENTES E CONDUTAS

79 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II DOR LOMBAR - Correção da postura ao sentar e andar - Sapatos de salto baixo e confortáveis - Aplicar calor local - Se necessário usar analgésico - Correção da postura ao sentar e andar - Sapatos de salto baixo e confortáveis - Aplicar calor local - Se necessário usar analgésico QUEIXAS MAIS FREQÜENTES E CONDUTAS

80 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II CEFALÉIA - Descartar: - Patologias neurológicas - DHEG - Hipertensão arterial sistêmica - Descartar: - Patologias neurológicas - DHEG - Hipertensão arterial sistêmica QUEIXAS MAIS FREQÜENTES E CONDUTAS

81 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II VARIZES - ORIENTAR: Repousar 20 minutos várias vezes ao dia, com as pernas elevadas Não usar roupas justas e, se possível usar meia-calça elástica para gestante - ORIENTAR: Repousar 20 minutos várias vezes ao dia, com as pernas elevadas Não usar roupas justas e, se possível usar meia-calça elástica para gestante QUEIXAS MAIS FREQÜENTES E CONDUTAS

82 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II CÃIBRAS - ORIENTAR: Massagear e aplicar calor local no músculo contraído Evitar excesso de exercícios - ORIENTAR: Massagear e aplicar calor local no músculo contraído Evitar excesso de exercícios QUEIXAS MAIS FREQÜENTES E CONDUTAS

83 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II CLOASMA - ORIENTAR: Explicar que é comum na gravidez e pode desaparecer após o parto Orientar para não expor o rosto diretamente ao sol - ORIENTAR: Explicar que é comum na gravidez e pode desaparecer após o parto Orientar para não expor o rosto diretamente ao sol QUEIXAS MAIS FREQÜENTES E CONDUTAS

84 REZENDE, 1998; FEBRASGO, 2000; MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000; NEME, 2000 ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL II ESTRIAS - ORIENTAR: Explicar que são resultado da distensão dos tecidos e que não existe método eficaz de prevenção - ORIENTAR: Explicar que são resultado da distensão dos tecidos e que não existe método eficaz de prevenção QUEIXAS MAIS FREQÜENTES E CONDUTAS

85 FIM


Carregar ppt "ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL I I. INTRODUÇÃO II. DEFINIÇÃO III. OBJETIVOS IV. CONSULTAS V. PADRONIZAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E CONDUTAS I. INTRODUÇÃO II. DEFINIÇÃO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google