A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Disciplina – Teoria Sociológica II para CSO– UFSC 2011/2 Prof. Juliana Grigoli.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Disciplina – Teoria Sociológica II para CSO– UFSC 2011/2 Prof. Juliana Grigoli."— Transcrição da apresentação:

1 Disciplina – Teoria Sociológica II para CSO– UFSC 2011/2 Prof. Juliana Grigoli

2 TIPOS DE DOMINAÇÃO: Na Atividade Política: Se define pelo fato de se desenrolar no interior de um determinado território. Não é necessário que as fronteiras sejam fixas de forma rigorosa. Podem ser variáveis. Entretanto, sem a existência de um território que particularize o agrupamento, não se pode falar de política. (FREUND, 2010,p.160) Disso decorre a separação entre interior e exterior. Essa separação é inerente ao conceito de território.

3 Define também: Os que habitam no interior das fronteiras do agrupamento adota um comportamento que se orienta segundo esse território e a comunidade correspondente. Nesse sentido, sua atividade se acha condicionada pela autoridade encarregada da ordem, pelo uso do constrangimento. É importante frisar que o meio da política é a força e eventualmente a violência. A força é o seu meio específico.

4 O domínio está no âmago do político e o agrupamento político é um agrupamento de domínio. Segundo Freund, pode-se definir a política como uma atividade que reivindica para a autoridade instalada em um território o direito de domínio. (FREUND, 2010, p.161) O uso da força é legítima quando: É necessário manter a ordem interna; Defender a comunidade/sociedade de ameaças externas.

5 Assim, podemos deduzir que: o domínio é a manifestação concreta e empírica do poderio – Match. (FREUND, 2010, p.161) Weber define o poderio como a oportunidade de um indivíduo de fazer triunfar sua vontade contra as resistências. Domínio se dá com o estabelecimento de relações sociais junto à pessoas dispostas a obedecer à ordem que lhes é dada. Nem o poderio nem a dominação são peculiares apenas ao político, pois existem outras circunstâncias e peculiaridades – economia e pedagogia - em que o homem é levado a fazer triunfar sua vontade

6 Na base de todo domínio político existe a relação fundamental do mando e da obediência. (FREUND, 2010, p.162) Desde que a ordem é executada, a pessoa que domina possui a autoridade sejam quais forem as razões que levam os indivíduos a se submeterem a um determinado grupo ou ao Estado. A obediência significa que os membros de uma sociedade agem de acordo com a ordem. Definindo assim seus comportamentos sociais. O mando é fator de organização do agrupamento, fortemente estruturada, administrada e regulada por leis, normas e regras.

7 A relação entre mando e a obediência faz com que o domínio todo domínio seja exercido por um pequeno grupo que se impõe à maioria. A natureza e o número de atos que os governos dissimulam podem variar de um regime para outro. Mas, não existe domínio que não mantenha segredo em torno de alguns pontos essenciais. O poderio que um grupo exerce se faz acompanhar – orgulho e soberba - que pode assumir caráter conquistador. Podemos a partir dessas contribuições de Weber podemos analisar:

8 Como certo número de estruturas políticas estabelecem relações com outros grupos ou sociedades a partir das concepções de: grande potência, nação ou de imperialismo. Assim, podemos deduzir que: todo poderio político é um pretendente potencial ao prestígio. (FREUND, 2010, p.163) Papel histórico que se define: Nação de glórias!!!!!! Uma Nação que encontra soluções para seus problemas e necessidades e se impõe em relação aos outros Estados-Nação. E dessa forma exercem influências sobre as relações internacionais.

9 Para Weber, o imperialismo significa uma necessidade de prestígio. A Nação é antes de mais nada a expressão de uma potência que tem por base o prestígio. Assim, o prestígio de um poderio e o da cultura caminham juntos. O programa humanitário e igualitário de certos partidos são organizações de poderio.

10 Weber define programas humanitários como: socializações que tem por base um recrutamento livre de indivíduos. Objetivo principal é o de proporcionar aos dirigentes o poderio junto a um agrupamento político. E dos militantes - de mobilizar vantagens associadas aos seus objetivos ou à vantagens pessoais. Como os partidos políticos estabelecem o poder? E por quê?

11 Os partidos são socializações – constituem relações sociais. Possuem um objetivo preciso, com a realização de um programa e de negociações – com outros partidos, grupos empresariais, grupos sociais, o Estado e suas instituições. Constituem uma espécie de empresa destinado a exercer poder e a instituir o domínio. Como manifestam seu poder? Racional-legal, tradicional ou carismáticos. Os partidos são organizações de lutas e negociações e sua eficácia no campo político depende do prestígio do chefe que o dirige.

12 Em geral essas organizações são de puro patronato em benefício de interesses materiais. Os três tipos de legitimidade: Para Weber há três tipos de domínio legítimo: Domínio legal – é de caráter racional – crença na validade dos regulamentos estabelecidos racionalmente e na legitimidade dos chefes designados nos termos da lei. É impessoal. Reconhece-se o domínio legal pelas seguintes características: Direito e a justiça. Regulam as relações dos chefes, dos grupos e dos indivíduos. Burocracia

13 Domínio tradicional Tem por base a crença nas tradições em vigor e na legitimidade dos que são chamados ao poder em virtude de costume. Domínio carismático Repousa no abandono dos membros ao valor pessoal de um indivíduo que se distingue por suas características – santidade, heroísmo, honestidade, confiabilidade.

14 Todo domínio carismático implica na entrega dos indivíduos à pessoa do chefe, que se acredita predestinado a uma missão. Seu fundamento é emocional e não racional. O carisma é a ruptura da continuidade – legal ou tradicional. Quebra as instituições, põe em dúvida a ordem estabelecida Institui uma nova forma de relações sociais e de relações de poder. Um domínio carismático dificulta o exercício do domínio racional-legal. Burla-se leis e instituições, altera-se as regras burocráticas.

15 A Burocracia É o tipo mais característico de domínio legal. Tem como princípios a correspondência as estruturas próprias da modernidade. Anteriormente – Egito, Roma, China tinha-se a presença da burocracia, mas a forma eram diferentes da atual. As burocracias antigas tinham um caráter essencialmente patrimonial – os funcionários não tinham garantia de estabilidade, tampouco de um salário/remuneração pelos serviços prestados.

16 Portanto o debate de Weber está centrado na burocracia moderna, que desenvolveu-se com a economia financeira moderna. A democracia moderna é mais complexa porque... Tem a presença do direito. A importância do fenômeno de massa As facilidades de comunicações e centralizações das empresas. A extensão da intervenção estatal aos domínios mais diversos. Desenvolvimento da racionalização técnica.

17 O que interessa a sociologia? As transformações impulsionadas pela burocracia nas sociedades modernas. Em que medida a burocracia contribuiu para a formação e consolidação de uma cultura moderna? Nivelamento Plutocratização. Impessoalidade. Espírito formalista, pautado em processos. Instituição de noras, regras e estatutos.

18 Numa concepção de dominação tradicional a burocracia assume a forma patrimonialista. Não é código constitucional que determina as regras burocráticas, mas A pessoa do soberano que perpetua o eterno ontem. A disciplina se dá por sujeição e obediência. A autoridade é fundamentalmente pessoal e não racional. Não há uma separação clara entre a esfera privada e a esfera oficial.

19 Em síntese: A característica fundamental do domínio patrimonial consiste em: Um sistema cujas oportunidades residam em geral de alto a baixo na escala na apropriação privada na maioria das funções. (FREUND, 2010,p.175)

20 E por fim: O domínio carismático é sobretudo o meio mais freqüente de subverter ou abolir o regime tradicional ou racional. Está ligado as revoluções, a importância de um líder ou um chefe para orientar o processo de transformação de um sociedade. No entanto é frágil, porque está centrado numa pessoa. A conseqüência dessa prática é fundar uma tradição. Ou fundar um regime racional.


Carregar ppt "Disciplina – Teoria Sociológica II para CSO– UFSC 2011/2 Prof. Juliana Grigoli."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google