A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

EEL / UFSC Jorge Coelho João Carlos Machado Paulo H. M. Silva *Fernando C. Tomaz Marcelo L.L. Santos *Paulo Cezar Lapa Departamento de Engenharia Elétrica/LabPlan.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "EEL / UFSC Jorge Coelho João Carlos Machado Paulo H. M. Silva *Fernando C. Tomaz Marcelo L.L. Santos *Paulo Cezar Lapa Departamento de Engenharia Elétrica/LabPlan."— Transcrição da apresentação:

1 EEL / UFSC Jorge Coelho João Carlos Machado Paulo H. M. Silva *Fernando C. Tomaz Marcelo L.L. Santos *Paulo Cezar Lapa Departamento de Engenharia Elétrica/LabPlan UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina Tractebel Energia SA Gestão de Estoques: Uma Questão de Confiabilidade Operativa

2 EEL / UFSC Tipos de demanda constante ou regular - fluxo de material sem grandes flutuações. CMM Níveis? Entrega parcelada?

3 EEL / UFSC Tipos de demanda irregular - não ocorre por necessidade contínua. CMM permanente? reserva? programada?

4 EEL / UFSC Técnicas de previsão de demanda Média aritmética móvel - soma dos elementos de n períodos, dividida pelo número deles, onde a cada ocorrência, despreza-se o mais antigo. Dm =...D2 + D Dn + Dn+1 sendo: Dm = demanda média (neste estudo, sempre uma média mensal) Dx = valores individuais observados n = número de valores observados Dn+1 = demanda do último período. n

5 EEL / UFSC Técnicas de previsão de demanda Exemplo A: Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Dx Dm = = 330 = Exemplo B Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Dx Dm = = 330 =

6 EEL / UFSC Técnicas de previsão de demanda Dm = 55 (Exemplo A) Mês Dx (Dx i –Dm) 2 Jan Fev Mar Abr Mai 55 0 Jun (xi –Dm) 2 = 350

7 EEL / UFSC Ponto de pedido (modelo teórico - consumo regular) t Q LR LS TR IR LC EMáx TR NR LC TR = CONSTANTE EM

8 EEL / UFSC Cálculo dos Níveis de Estoque Fórmula: LS = Dm x F Exemplo: Dm = 55 unidades/mês Material tipo B2 (F = 0,4 – Fator arbitrário) LS = 55 x 0,4 = 22 unidades.

9 EEL / UFSC Cálculo dos Níveis de Estoque LR = (Dm x TR) + LS como LS = Dm x F, LR = (Dm x TR) + (Dm x F) LR = Dm (TR + F) quando TR e LS forem considerados em meses (Fator arbitrário) Exemplo: F = 0,4 Dm = 55 (demanda média) LR = 55 (2 + 0,4) LR = 55 x 2,4 LR = 132 unidades.

10 EEL / UFSC LC = Dm x IR Exemplo: IR = 6 meses Dm = 55 LC = 55 x 6 LC = 330 unidades. Cálculo dos Níveis de Estoque

11 EEL / UFSC Cálculo dos Níveis de Estoque EMáx = LS + LC como LS = Dm x F e LC = Dm x IR, EMáx = Dm (F + IR), ou ainda: se LS for estabelecido em meses, EMáx = Dm (LS + IR) Exemplo: LS = 0,4 meses IR = 6 meses Dm = 55 EMáx = 55 (0,4 + 6) EMáx = 352 unidades

12 EEL / UFSC Estoque Médio Teórico EM = ( LC / 2 ) + LS Exemplo: LC = 330 LS = 22 EM = ( 330 / 2 ) + 22 EM = = 187 unidades. Cálculo dos Níveis de Estoque

13 EEL / UFSC NR = LC + LR Exemplo: Dm = 55 IR = 6 meses TR = 2 meses F = 0,4 meses NR = 55 ( ,4 ) NR = 55 x 8,4 = 462 unidades Cálculo dos Níveis de Estoque

14 EEL / UFSC Técnicas de previsão de demanda Exemplo A: Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Dx Dm = = 330 = Exemplo B Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Dx Dm = = 330 =

15 EEL / UFSC Técnicas de previsão de demanda Dm = 55 (Exemplo B) Mês Dx (Dx i –Dm) 2 Jan Fev Mar Abr Mai Jun (xi –Dm) 2 = 5600

16 EEL / UFSC Modelo de Controle por Estoque Padrão (ou Estoque Base) Tempo Médio de Vida (TMV) - Tempo médio durante o qual uma peça ou componente permanece em operação sem qualquer defeito. Em geral, essa informação é fornecida inicialmente pelos fabricantes e posteriormente confirmada ou atualizada em função dos registros gerados na Empresa.

17 EEL / UFSC Modelo de Controle por Estoque Padrão (ou Estoque Base) Número de Peças Instaladas (NPI) - Quantidade total de peças em operação em cada universo considerado, independente do tipo ou quantidade dos equipamentos onde estão instaladas.

18 EEL / UFSC Modelo de Controle por Estoque Padrão (ou Estoque Base) Tempo de Reposição (TR) - Espaço decorrido entre a data na qual a necessidade de suprimento é formalizada e aquela em que o material é recebido e considerado em condições de utilização

19 EEL / UFSC Modelo de Controle por Estoque Padrão (ou Estoque Base) Risco de Falta - Estabelecido em função da Criticidade, correspondendo à uma constante K relativa ao nível de atendimento desejado.

20 EEL / UFSC Modelo de Controle por Estoque Padrão (ou Modelo de Controle Estoque Base) Critici- dade Risco de falta 1 ou igual a 2,33) 2 > que 1 % e ou igual a 1,65 e < que 2,33) 3 > que 5 % e ou igual a 1,28 e < que 1,65).

21 EEL / UFSC Modelo de Controle por Estoque Padrão (ou Estoque Base) O Estoque Base (EB), dados os valores das variáveis e o risco de falta desejável, pode ser calculado pela seguinte fórmula: K = Constante estabelecida em função do risco de falta; NPI = Número de peças instaladas; p = probabilidade de quebra (falha).

22 EEL / UFSC Para o cálculo de p, temos: (desvio padrão) = Tempo Médio de Vida / 4; Como a condição mais desfavorável ocorre durante o Tempo de Reposição (TR), maior probabilidade de quebra se verifica entre a média ( ), + ½ TR, isto é, - ½ TR e + ½ TR. Modelo de Controle por Estoque Padrão (ou Estoque Base)

23 EEL / UFSC Modelo de Controle por Estoque Padrão (ou Estoque Base) + ½ TR - ½ TR

24 EEL / UFSC Modelo de Controle por Estoque Padrão (ou Estoque Base) O intervalo para cálculo da maior probabilidade de quebra é dado por Z = (Y - ) /, logo: Z1 = [ ( - TR / 2 ) - ] / Z1 = ( - TR / 2 ) / = ( -TR / 2 ) x ( 1 / ) = - TR / 2 ou Z2 = [ ( + TR / 2 ) - ] / Z2 = ( TR / 2 ) / = ( TR / 2 ) x ( 1 / ) = TR / 2 p = duas vezes a área da curva normal relativa ao Z (Z1 ou Z2 ) calculado.

25 EEL / UFSC Modelo de Controle por Estoque Padrão (ou Estoque Base) Exemplo: Dados: NPI = 100 peças; K = 2,33 (criticidade 1); TMV = 3 anos TR = 0,12 ano (45 dias) Calcular EB. = TMV / 4 = 3 / 4 = 0,75 z = TR / 2 = 0,12 / 1,5 = 0,08 área = 0,0319 (pela tabela do Anexo I) p = 2 x 0,0319 = 0,0638 ~ 0,064

26 EEL / UFSC Modelo de Controle por Estoque Padrão (ou Estoque Base) EB = 2,33 x 2, ,4 = 12,1 ~ 13, isto é, são necessárias, no mínimo, 13 peças como ESTOQUE BASE para atender a possibilidade de quebra simultânea em função da quantidade de peças instaladas e dos demais dados apresentados.

27 EEL / UFSC Objetivos Confiabilidade íApresentar uma metodologia para Controle de Estoques de itens que possuem Demanda Irregular, baseado em índices de controle, sob a ótica da Confiabilidade; Estoque Base íTornar conhecido o método de Controle Dinâmico de Estoques - Estoque Base; análise de risco íFocar a análise de risco do ponto de vista do decisor.

28 EEL / UFSC Introdução íItens que se encontram em reserva operativa ou em estoque devem ser otimizados e controlados; Simulador íApós definido o estoque, o Sistema de Apoio à Decisão (Simulador) auxiliará o gestor de estoques em suas decisões;

29 EEL / UFSC Tipos de Demanda íEfetuar classificação de demanda: Demanda Regular; Demanda Irregular; íDemanda Regular – obtenção determinística; íDemanda Irregular – obtenção probabilística através de Processos estocásticos/probabilísticos: Processo de Poisson Não-Homogêneo Processo de Poisson Não-Homogêneo (NHPP).

30 EEL / UFSC

31 Demanda Regular Coeficiente de Variação í1. Coeficiente de Variação anual (desvio padrão do consumo anual/ média do consumo anual) < 20%, determina que o consumo será considerado regular. Controle por Níveis íControle de estoques => algoritmo de Controle por Níveis (ou modelo Dente de Serra).

32 EEL / UFSC Demanda Irregular íVariáveis levadas em consideração: NPI - Número de Peças Instaladas; TR - Tempo de Reposição; TVM - Tempo de Vida Médio; GI - Grau de Importância (ou Criticidade). íCurva de Distribuição Normal --> probabilidade de quebra (p) do item; íEstoque Base:

33 EEL / UFSC Demanda Irregular íClassificação do Grau de Importância (GI) e K:

34 EEL / UFSC Demanda Regular íEfetua-se a classificação ABC;

35 EEL / UFSC Demanda Regular íLotes: Mínimo, Máximo e de Compra: í. íTabela de Níveis*: cada Lote => valor associado. í*A Tabela de Níveis atribui pesos a cada classe ABC associadas ao seu Tempo de Reposição (15, 30, 45, 60, 90 ou 120 dias).

36 EEL / UFSC Demanda Regular íTabela de Níveis:

37 EEL / UFSC Análise do Risco Através do Simulador Simulação de Estoques íO software CEST apresenta a opção de Simulação de Estoques:

38 EEL / UFSC Análise do Risco Através do Simulador íBanco de Dados (BD) de uma usina termelétrica :

39 EEL / UFSC Análise do Risco Através do Simulador íO ambiente do Simulador:

40 EEL / UFSC Análise do Risco Através do Simulador íO item selecionado: código 2883 Estoque Base íOs valores originais do Estoque Base : NPI: 08 peças; TR: 60 dias; TVM: 03 anos; GI: 01; Saldo Original em Estoque: 03 peças; Estoque Base Estoque Base para Valores Originais: 03 peças. Risco relacionado ao EB: 0,3%.

41 EEL / UFSC Análise do Risco Através do Simulador í Variação do Saldo em Estoque:

42 EEL / UFSC Análise do Risco Através do Simulador í Variação do Tempo de Reposição (TR):

43 EEL / UFSC Análise do Risco Através do Simulador í Variação do Tempo de Vida Médio (TVM):

44 EEL / UFSC Análise do Risco Através do Simulador í Variação do Grau de Importância (GI):

45 EEL / UFSC Conclusões íO simulador pode ser utilizado para avaliar contratos e licitações para compra de material; íO simulador permite avaliar a performance dos equipamentos em campo; íO tomador de decisões assumirá o risco frente o resultado das simulações.


Carregar ppt "EEL / UFSC Jorge Coelho João Carlos Machado Paulo H. M. Silva *Fernando C. Tomaz Marcelo L.L. Santos *Paulo Cezar Lapa Departamento de Engenharia Elétrica/LabPlan."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google