A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda LUIZ ALBERTO BARBERINI Eng. Mecânico – Mauá Extensão Universitária em Transportes –

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda LUIZ ALBERTO BARBERINI Eng. Mecânico – Mauá Extensão Universitária em Transportes –"— Transcrição da apresentação:

1 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda LUIZ ALBERTO BARBERINI Eng. Mecânico – Mauá Extensão Universitária em Transportes – Mauá Pós Graduação Logística – FGV Certified Quality Engineer – American Society for Quality Control MBA – Mauá BSCM – APICS GREEN BELT Experiência nas empresas Ford, Rhodia, Souza Cruz, Laboratórios Pfizer, Embalagens Diadema, Nycomed Pharma Coordenador do Grupo de Transportes Perigosos ABIQUIM Seminários diversos em Transportes e Gestão de Demanda

2 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda DEMAND FORECASTING PREVISÃO DA DEMANDA

3 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Procurar petróleo perfurando perfurando a terra? Quer dizer procurar petróleo em baixo da terra? Voce é louco! Colegas do Edwin L. Drake tentando vender uma idéia nova in Esse tal do telefone é cheio de defeitos e não pode ser considerado seriamente como meio de comunicação. Ele não tem nenhum valor intrínseco para nos. Western Union - telégrafo, Máquinas voadoras mais pesadas que o ar são impossíveis. Lord Kelvin, presidente, Royal Society de Ciências, Avioes são brinquedos excelentes sem absolutamente nenhum valor militar. Marechal Ferdinand Foch, Professor de Estratégias de Guerra, Ecole Superieure de Guerre A caixa de música sem fio (rádio) não tem nenhum valor comercial. Não há mercado para mensagens enviadas para ninguém especificamente. Sócios do David Sarnoff, pioneiro em rádio, 1920s. Ninguem vai querer escutar atores falando. H.M. Warner, Warner Brothers, Essa bomba não vai se detonar e sou perito em bombas. Almirante William Leahy, Projeto da bomba atômica, EUA em É absolutamente impossível o ser humano alcançar a lua até mesmo considerando todas as possibilidades futuras da ciência. Dr. Lee De Forest, pai de televisão. 1940

4 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Não existe a mínima justificativa para alguém querer um computador em casa. Ken Olson, Presidente, Digital Equipment Corp., 1977 Depois de jogar no Milan, Inter, Barcelona, Real Madrid – Voces acham mesmo que esse cara vem prá cá??? Nunca !! Meu cunhado Luiz, novembro 2008 Acho que o mercado mundial para computadores deve estar em 5 máquinas no máximo. Thomas Watson, diretor-chefe da IBM, 1943 Computadores no futuro podem pesar apenas 1,5 toneladas. Revista Popular Mechanics, Já viajei muito nesse país e conversei com os melhores especialistas da área e sei agora que o processamento de dados é apenas moda superficial e não vai demorar nem um ano para sumir completamente. Chefe – Editora Prentice Hall, 1957 Nos não gostamos do som deles e, também, música de guitarra está caindo em popularidade. Decca Recording Co. rejeitando os Beatles, 1962.

5 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda

6 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda …é, não é fácil prever…

7 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Objetivos Entender os fatores que influenciam a demanda Reconhecer os tipos básicos de Demanda Descrever os princípios básicos de Previsão (Forecasting) Entender os princípios de coleta de dados Comparar técnicas básicas de Previsão (Forecasting) Entender os conceitos de sazonalidade Entender os motivos e tipos de erros de Previsão (Forecast)

8 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda SC Customer / Client Sales Forecast SFA PRO Doctor Marketing Promotion Demand Planning Supports & Suggests improvements Manage & Execute Capture Data and have it changed into info PSL SRC SSL SAV Manufact. Supplier Procurement Planning / MPS Product Supply Scheduling / MRPII Wholes aler Wholes aler DC Sales 3PL Warehouse NyBR POC DCO CSL POS-SL SRC-CD Point of Sale Distribution ISL S&OP S&OP

9 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Introdução O FORECAST - ou PREVISÃO - é o prelúdio do planejamento. É necessário para termos um horizonte do que fazer e quando. Algumas empresas, como MTO, precisam ter idéia de que estoques devem ser mantidos, assim como dos recursos a serem alocados. O processo no qual a PREVISÃO ou FORECAST está inserido é o PLANEJAMENTO ou GESTÃO DE DEMANDA – em inglês, DEMAND MANAGEMENT ou DEMAND PLANNING. DEMANDA É A NECESSIDADE DO ITEM. A VENDA PODE SER ABAIXO DA DEMANDA REAL !!!

10 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Fatores que Influenciam a Demanda CONDIÇÕES ECONOMICAS E DO BUSINESS FATORES COMPETITIVOS TENDENCIAS DE MERCADO PLANOS DA EMPRESA POSICIONAMENTO GLOBAL ___________________________ ENTENDER O QUE INFLUENCIA A COMPRA PARA ENTENDER A DEMANDA

11 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Gestão da Demanda Coordena estes interesses Porque da Gestão de Demanda O principal propósito de uma organização é atender ao cliente. MARKETING Foco em Atender necessidades OPERAÇÕES Prover os Recursos

12 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Gestão da Demanda Habilidade para prever a demanda Canal de comunicação com o mercado Poder de influência sobre a demanda Habilidade de prometer prazos Habilidade de priorização e alocação

13 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda … responde às Questões Logísticas Básicas… o que produzir e comprar quanto produzir e comprar quando produzir e comprar com que recursos produzir

14 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda ´60 ´70 ´90 ´80 Evolução dos computadores Bill of materials automatizada MRP - Material Requirements Planning MRPII - Manufacturing Resource Planning ERP - Enterprise Resource Planning BOM MRP BOM MRP MRPII BOM MRP MRPII ERP Escopo … usando ferramentas aprimoradas…

15 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Demand Forecast = Previsão de Demanda HojePassadoFuturo Vendas passado ciclicidade no passado tendência projetada no futuro ciclicidade projetada no futuro

16 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Demand Forecast = Previsão de Demanda Vendas vendas reais sazonalidade tendência

17 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Incerteza de Previsão

18 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Variação Acho que todas estouraram ao mesmo tempo

19 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda VENDA PREVISÃO GP PREVISÃO ESTAT = = = = = = D Variablidade pequena = 6

20 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Ciclo Virtuoso X Vicioso Erro / Acerto na Previsão de Vendas de Vendas Reunião Executiva de S&OP Planejamento de Demanda Planejamento de Demanda Planejamento da produção Vendas Levantamento de Dados Compra de MP Reunião Preliminar de S&OP Estoques PRODUTO / Ger. Produto Custo de pedido e despesas desnecessárias Menor poder de barganha Obsolescência Alto custo de oportunidade Falta de maior conhecimento do mercado / produto, com risco de repetição de erros no futuro. Baixa margem de contribuição no produto afeta lucro Baixo nível de serviço Reprogramação da produção – redução da produtividade Estoque adequado, sem perdas e de acordo com a demanda do mercado Planejamento alinhado com as áreas envolvidas Forte comunicação e integração Maior margem de contribuição, despesas reduzidas Otimização da programação de pedidos / Savings Alta produtividade Alto nível de serviço Afeta...

21 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Ciclo Virtuoso X Vicioso Erro / Acerto na Previsão de Vendas de Vendas Reunião Executiva de S&OP Planejamento de Demanda Planejamento de Demanda Planejamento da produção Vendas Levantamento de Dados Compra de MP Custo de pedido e despesas desnecessárias Menor poder de barganha Reunião Preliminar de S&OP Estoques Obsolescência Alto custo de oportunidade Falta de maior conhecimento do mercado / produto, com risco de repetição de erros no futuro. Baixa margem de contribuição no produto afeta lucro Baixo nível de serviço Reprogramação da produção – redução da produtividade Estoque adequado, sem perdas e de acordo com a demanda do mercado Planejamento alinhado com as áreas envolvidas Forte comunicação e integração Maior margem de contribuição, despesas reduzidas Otimização da programação de pedidos / Savings Alta produtividade Alto nível de serviço Afeta... PRODUTO / Ger. Produto

22 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda PODER - segredos significam poder, e poder garante a segurança de quem o detém COMPETIÇÃO - modelo mais aberto, empresa sofre uma queda de moral MIOPIA - grande lucro no curto prazo como resultado de inovações formidáveis dos gênios da mercadologia POLÍTICA - frente a qualquer idéia nova, não fazer nada e ficar inerte são sempre as primeiras decisões tomadas pelos grupos estabelecidos. Por que NÃO Prever Demanda?

23 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Planejamento Planejar as necessidades futuras de capacidade produtiva Planejar os materiais comprados Planejar os níveis adequados de estoques Programar atividades de produção Ser capaz de saber e de informar a respeito da situação dos recursos e das ordens Ser capaz de prometer os menores prazos possíveis ao cliente e cumprí-los Ser capaz de reagir eficazmente

24 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Hierarquia do Planejamento mês 1mês 12mês 3mês 2 sem 1sem 2sem 3sem 4sem 5sem 6sem 11sem 12 Longo prazo Médio prazo Curto prazo Curtíssimo prazo sem 1sem 2sem 3sem 4 segterquaquisexsab Famílias Produtos Componentes Operações desagregação

25 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Demanda X Venda DEMANDA É A NECESSIDADE DO ITEM. A VENDA PODE SER ABAIXO DA DEMANDA REAL !!! LEMBRANDO QUE ESTOQUES SÃO OS REGULADORES DESTE CICLO

26 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Exemplo do Mercado Farma Sell-In Venda Sell-out Demanda Em um processo ainda MAKE TO STOCK, permanece a dificuldade de alinhar VENDA E DEMANDA

27 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Características da Demanda A demanda é avaliada em 3 níveis : Quanto ao seu Padrão Se é Estável ou Dinâmica Se é Demanda Dependente ou Independente

28 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Padrões de Demanda O comportamento da Demanda tem : Tendência Sazonalidade Variação Aleatória Variação Cíclica

29 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Padrão - Tendência Sugestão de para onde vaia demanda. Pode ser Crescente, Decrescente ou Flat A demanda flat ou estável varia dentro de um certo comportamento previsivel

30 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Padrão - Sazonalidade É a variação de demanda baseada em um período de tempo. Não necessariamente anual, mas com intervalos regulares.

31 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Padrão - Variação Aleatória Muitos fatores afetam a demanda durante períodos especificos e ocorrem numa base aleatória (randômica). O padrão pode ser estimado e, em alguns casos, decifrado.

32 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Padrão - Cíclica Ciclos de longa e curta duração também influenciam na demanda. O histórico de crescimento e recessão é um exemplo disso. Aplica-se, por exemplo, a uma curva de queda de moda.

33 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Estática X Dinâmica Demanda Estática mantém um padrão no tempo. A demanda Dinâmica tende a ser errática

34 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Demanda Dependente X Independente Itens de demanda independente são geridos pelo seu comportamento de mercado. Itens de demanda dependente são aqueles atrelados à itens de demanda independente. Farol Parachoque Pneu (??)

35 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Princípios de Forecast Raramente são 100% certos ao longo do tempo Devem incluir uma estimativa de erro São mais acurados para familias e linhas de produtos que para SKUs São mais acurados em horizontes próximos de tempo O tamanho do erro projetado vai ajudar no processo de planejamento – gera o estoque de segurança conforme nível de serviço desejado

36 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Coleta e Preparação de Dados Previsões são normalmente baseadas em dados históricos. Assim, uma previsão é tão boa quanto a base de dados na qual é feita. Para isso, três princípios são importantes: Coletar dados na mesma base usada para demanda –Salsicha em unidades ou metros? Coletar circunstâncias relativas aos dados –Aumento de consumo de Digestivo nas festas de São João Coletar demandas separadamente por grupos de eventos –Diferentes grupos possuem diferentes demandas A demanda muda, pois os fatores mudam !!!!

37 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Técnicas de Forecast METODOS DE PREVISÃO QUANTITATIVOSQUALITATIVOS MÉDIAS MÓVEIS PROJEÇÃO TENDENCIAS DECOMPOSIÇÃO AMORTECIMENTO BOX JENKINS REGRESSÃO SIMPLES REGRESSÃO MÚLTIPLA METODOS ECONOMETRICOS METODOS DELPHI PESQUISA DE MERCADO SIMULAÇÃO DE CENÁRIOS PROJEÇÃOCORRELAÇÃO INTRÍNSECO EXTRINSECO INTRINSECO

38 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Técnicas de Forecast Qualitativas Quantitativas Extrínsecas Intrínsecas

39 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Técnicas de Forecast Qualitativas Intuitivas. Baseadas em opinião informal, tendendo a ser subjetivas. Usadas principalmente em novos produtos Quantitativas Técnicas matemáticas baseadas em dados históricos, assumem que o que ocorreu no passado se repetira no futuro. Mais usada em planejamento de produção, por exemplo, e os dados estão acessíveis nos registros da empresa.

40 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Técnicas de Forecast Extrínsecas Baseadas no princípio de causa e efeito, chamadas também de técnicas casuísticas. Por exemplo, construções impactarão no aumento de venda de telhas. Usam indicadores externos para os quais os dados estão disponíveis. Quando uma demanda para um grupo está relacionada a um indicador, este indicador pode ser usado para previsão. Intrínsecas Baseada em fatores internos ex. Vendas históricas

41 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Consenso do comitê executivo: executivos com capacidade de discernimento, de vários departamentos da organização, formam um comitê que tem a responsabilidade de desenvolver uma previsão de vendas. Método Delphi: usado para se obter o consenso dentro do comitê, podendo ser obtida uma previsão com a qual a maioria dos participantes concordou, apesar de ter ocorrido uma discordância inicial. Pesquisa de equipe de vendas: estimativas de vendas regionais futuras são obtidas e combinadas para formar uma estimativa de vendas única para todas as regiões, que deve então ser transformada pelos executivos em uma previsão de vendas para assegurar estimativas realísticas. Métodos Qualitativos

42 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Pesquisa de clientes: clientes individuais são pesquisados para determinar quais quantidades dos produtos da empresa eles pretendem comprar em cada período de tempo futuro. Analogia histórica: o conhecimento das vendas de um produto durante várias etapas de seu ciclo de vida é aplicado às estimativas de vendas de um produto similar. Pode ser especialmente útil na previsão de vendas de novos produtos. Pesquisa de mercado: questionários por correspondência, entrevistas telefônicas ou de campo formam base para testar hipóteses sobre mercados reais. Métodos Qualitativos

43 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Algumas Técnicas Importantes Média Móvel Amortecimento Exponencial Simples Decomposição Clássica Projeção por Taxas de Crescimento Box Jenkins (Exponencial Dupla) Holt Winter (Exponencial Multipla)

44 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Técnica Média Móvel Usada para filtrar variações aleatórias; Longos períodos atenuam variações aleatórias; Se existe uma tendência, fica difícil detecta-la; Cálculos manuais podem ser complexos com relação a longos períodos MAIS USADA !!!!

45 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Técnica Média Móvel A previsão de demanda é baseada nos meses anteriores: janeiro63( ) fevereiro913 março83Abril = _____ fevereiro91( ___ ) março833 abril___Maio = _____ =

46 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Técnica Média Móvel A previsão de demanda é baseada nos meses anteriores: janeiro63( ) fevereiro913 março83Abril = _____ fevereiro91( ___ ) março833 abril79Maio = _____ = =

47 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Exemplo Plotar a demanda - Forecast para meses 4, 5 e 6 - Melhor Forecast para mês 7

48 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Exemplo Plotar a demanda - Forecast para meses 4, 5 e 6 - Melhor Forecast para mês 7

49 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Técnica Amortecimento Exponencial Técnica que reduz a quantidade de dados necessários e faz com que o cálculo de médias móveis seja mais simples, especialmente em cálculos automáticos. Método rotineiro para atualizar forecast Funciona bem para demanda estática – não indicada para baixa ou intermitente Satisfatório para forecast de curto período Detecta tendências, mas pode causar defasagem

50 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Vantagens –Relativamente fácil de calcular e implementar –Observações passadas recebem pesos decrescentes com a idade. Maior peso para os dados mais recentes. Desvantagens –Sensível a dados extremos (outliers), especialmente com valores de elevados ( ~ 1). –O AES é indicado a séries com média estável –Séries com tendência e/ou sazonalidade: Usar método modificado Técnica Amortecimento Exponencial

51 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Técnica Amortecimento Exponencial FC 1 = D 0 + ( 1 - ) X FC 0 FC 2 = D 1 + ( 1 - ) X FC 1 = Pesos complementares de forma a ter uma reação mais ou menos rápida à previsão. Entre 0 e 1, algoritmo genérico, empírico.

52 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Combinar duas informações, como itens Previsto e Realizado Ex: Previsto para Maio = 800 Realizado em Maio = 900 Previsão para Junho = ??? Média ponderada das duas informações Caso - maior ênfase no Forecast Maio30% Real + 70% Previsto Maio Caso - maior ênfase no Realizado em Maio70% Real + 30% Previsto Maio Técnica Amortecimento Exponencial

53 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Amortecimento exponencial ( = 0.3) Técnica Amortecimento Exponencial

54 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Amortecimento exponencial ( = 0.3) Técnica Amortecimento Exponencial

55 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Amortecimento exponencial ( = 0.3) Técnica Amortecimento Exponencial

56 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Amortecimento exponencial ( = 0.3) Técnica Amortecimento Exponencial

57 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Amortecimento exponencial ( = 0.3) Técnica Amortecimento Exponencial

58 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Técnica Amortecimento Exponencial

59 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Técnica Amortecimento Exponencial

60 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Técnica Amortecimento Exponencial

61 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Amortecimento Exponencial ( = 1) Caso especial, onde a previsão = último valor observado Processo sem memória Situação comum no mundo real: mercados eficientes Previsão de ativos de Risco: Ações, Commodities, US$,... Técnica Amortecimento Exponencial

62 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Relação de equivalência (mesma idade média): = 2 / (n + 1) Maior n, menor alfa! Para n=1 (menor valor), alfa =1 (maior valor) Para n=3, alfa = 0.50 Para n=7, alfa = 0.25 Para alfa = 0.10, n= 19 Relação Média Móvel X Amortecimento

63 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda A decomposição clássica consiste em separar a demanda histórica em dois ou mais padrões, quase sempre com uma tendência embutida Cada classe é estudada separadamente, e depois reagrupada em modelos; na prática o modelo considera apenas a tendência e a variação sazonal. T = aX + b O valor T da tendência pode ser determinado usando análise de regressão linear. Assim, o valor de pela equação da reta de regressão, onde a e b foram determinados anteriormente X são os períodos de tempo Decomposição Clássica Tendência Sazonalidade Variação Aleatória Variação Cíclica

64 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Metodologia de previsão de demanda baseada em dados fixos de crescimento Aproxima-se de modelo de extrapolação Não leva em conta particularidades como sazonalidades É de difícil separação em períodos menores, carregando incertezas. Taxa de Crescimento

65 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Box Jenkins Também chamada de Exponencial Dupla. Leva em conta a decomposição da previsão em modelos lineares + aleatórios (2 ou mais eventos que podem se combinar). A metodologia implica em decompor a demanda e estuda-la separadamente, para em seguida, matematicamente, recompor suas componentes. Leva grandemente em conta sazonalidades.

66 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Sazonalidade Previsões são feitas para demandas médias. A sazonalidade é a variação da demanda baseado em dados temporais. Se a sazonalidade existe, pode ser calculada. Um índice sazonal mede a variação da demanda de um item no tempo Venda Média no Período Indice sazonal = Venda média em todos os períodos

67 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Indice Sazonal - Exemplo

68 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Demanda Sazonalizada Demanda Sanonalizada é a Demanda média linear para o período estudado. A equação para achar o índice sazonal é a mesma para trabalhar a Demanda Sazonal. Relaciona Demanda com Indice Demanda Sazonal = Indice Sazonal X Demand linear

69 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Exemplo

70 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Entendendo o Forecast Tracking As previsões são, por definição, erradas !!!! Se determinarmos quanto nossas previsões são corretas, podemos melhorar o modelo utilizado. Para tanto, é importante Acompanhar o Forecast O Forecast Traking é o processo de comparar a demanda real com o forecast realizado. Economia Oportunidades Crise Corinthians TransitoPessoas Concorrenci a Mercado

71 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Forecast Error Forecast Error (Erro da previsão) é a diferença entre a demanda atual e a demanda prevista. Pode ser por variação de tendência ou aleatório.

72 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Forecast Error – Bias ou Tendências É o comportamento apresentado pelo forecast quando os erros são concentrados em uma tendência, positiva ou não. Possível influência intrínseca ao processo. ERROS SEMPRE PARA VALOR ACIMA DO REAL

73 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Forecast Error – Variação Aleatória Aleatória : ocorre quando a demanda real acumulada é diferente do forecast acumulado, mas sem um padrão definido que permita análise (influência extrínseca).

74 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Desvio Médio Absoluto (MAD) Podemos ter demandas com variação total nula, mas variando mês a mês. Uma forma de avaliar este erro é calculando a média em valor absoluto. MêsForecastAtualVariação (erro) Erro absoluto Total MAD = Soma dos desvios absolutos Numero de Observações

75 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Desvio Médio Absoluto (MAD) Podemos ter demandas com variação total nula, mas variando mês a mês. Uma forma de avaliar este erro é calculando a média em valor absoluto. MêsForecastAtualVariação (erro) Erro absoluto Total MAD = Soma dos desvios absolutos Numero de Observações MAD = 24 6 = 4

76 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Quando temos várias famílias para projeção, é importante avaliarmos o erro médio, ponderando-se o impacto em cada família. Mean Average Porcentage Error - MAPE Calculo do Forecast Accuracy: (Forecast [units] x MAPE) Forecast Accuracy = Forecast [units]

77 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda ( x 1% x 4% x 50%) Forecast Accuracy = = 96,45 % Mean Average Porcentage Error - MAPE

78 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda D Distribuição Normal % 15% 30% 30% 15% 4% Importante: Média (Forecast) e Dispersão

79 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Revisão de conceitos 1. Qual dos itens abaixo é uma característica da demanda? a. Variação Absoluta Média b. Variação Sazonal c. variação Média d. Desvio Padrão

80 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Revisão de conceitos 2. O produto A é feito dos componentes B e C. O componente B é feito com as partes D e E. Qual destes itens deve ter sua demanda projetada? a. Somente o item A b. A, B e C c. D e E d. B, C, D, e E

81 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Revisão de conceitos 3. Qual das seguintes observações é a melhor sobre princípios de Forecasting? a. Previsões são melhores para indivíduos que para grupos de itens b. Previsões são mais precisas para longos períodos de tempo c. Toda previsão deve conter uma estimativa de erro d. Previsões são normalmente acuradas

82 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Revisão de conceitos 4. Qual importante hipótese é considerada sobre métodos de previsão estatísticos (quantitativos)? a. O passado é um indicador válido de futuro b. Tendência de demanda é linear c. Variações Sazonais são pequenas d. Variações aleatórias são pequenas

83 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Revisão de conceitos 5. Qual técnica de previsão considera como importante a demanda em alguns períodos de tempo passados? a. Média de tendência no tempo b. Média móvel c. Amortecimento da demanda d. Analises Qualitativas

84 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Revisão de conceitos 6. Porque é importante monitorar a previsão ou forecast? a. Para comparar as vendas atuais com o forecast feito b. Para melhorar nossas técnicas de previsão c. Para atualizar dados atuais de vendas d. Para satisfazer os dados que marketing precisa ter

85 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Revisão de conceitos 7. Qual dos seguintes itens é o mais correto? a. As flutuações de demanda que dependem da época do ano, semana ou dia são chamadas de tendências b. O índice sazonal é uma estimativa de quanto a demanda durante uma certa época estará acima ou abaixo da demanda média c. Sazonalidade sempre ocorre no verão, Outono, Inverno ou Primavera d. Variações aleatórias são constantes de período a período

86 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Revisão de conceitos 8. Qual dos itens abaixo causa erro no forecast? a. Variações aleatórias da demanda média b. Erros em monitorar a previsão ou o forecast c. Diferenças em lead times de produção d. Diferenças entre Venda e Demanda

87 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Revisão de conceitos 9. Qual das seguintes é mais correta? a. Itens de demanda independente deve ser previsionados b. Uma previsão de vendas para o próximo ano não será tão precisa quanto uma previsão para um ano a partir de agora c. Previsões para famílias e grupos de produtos devem ser construídas a partir de previsões de itens individuais d. Previsões são quase sempre precisas

88 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Revisão de conceitos 10. Qual dos abaixo é o mais correto? a. Se desejamos prever a demanda, vendas passadas devem ser usadas na previsão b. Previsões em R$ para vendas totais devem ser usadas em Produção c. Previsões devem ser feitas para SKUs em um grupo de produtos d. Circunstancias relativas a dados de demanda devem ser registradas

89 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda PROCESSO DE GESTÃO DA DEMANDA S&OP

90 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Não é... É... Demand Planning

91 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Buscando... atingir o nível de serviço esperado pelo negócio, adequar os inventários, reduzir os lead-times operacionais, otimizar o fluxo de caixa, garantir a integridade da interface dos processos de Demand Planning e S&OP. Demand Planning

92 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Processo de Previsão de Demanda

93 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda -Coleta de dados estatísticos -Preparação e estudo pelo Demand Manager -Suporte a Mkt / Business – análise do histórico -Gerenciamento de alterações na previsão -Cálculo dos indicadores de desempenho -S&OP Meeting – só o que interessa e com quem decide! Demand Planning - Processo

94 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Demand Planning - KPI

95 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda 1- Ter um único conjunto de números. 2- Ferramentas estatísticas 3- Planilhas hierarquizadas por apresentação, famílias, gerências de produto, gerências de MKT e divisões de Negócio. 4- O time de Marketing é responsável pela geração e aprovação final dos volumes de vendas 5- Variações passadas e futuras serão analisadas quando apresentarem variações superiores a 20% e os produtos estratégicos serão analisados mensalmente. 6- Processo de Planejamento de Demanda e S&OP tem periodicidade mensal, sendo os meses M e M+1 firmes. Demand Planning - DICAS !!!!

96 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda. Defina processo, papéis e responsabilidades. Crie ferramente. Tenha base histórica. Busque Comprometimento. Tenha assertividade Demand Planning - DICAS !!!!

97 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Previsões nunca são 100% corretas. Elas irão variar, é natural e esperado!! 80% - 120% já é um target desafiador! Previsões são mais acuradas para um futuro próximo do que um futuro distante Previsões devem sempre considerar uma estimativa de erros O sucesso deste processo depende do comprometimento e envolvimento de TODOS! Demand Planning - Finalizando

98 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda OBRIGADO Luiz Alberto Barberini

99 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda BACK UP

100 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda STOCKS – DAYS IN INVENTORY Processo S&OP – Outputs

101 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Supply Chain – Brazil SL and SFA evolution from 2004 to 2008

102 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Supply Chain – Brazil Net Sales and Inventory evolution from 2004 to 2008

103 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda KPI – Sales Forecast Accuracy

104 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda KPI – Customer Service Level

105 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda SC Customer / Client Sales Forecast SFA PRO Doctor Marketing Promotion Demand Planning Supports & Suggests improvements Manage & Execute Capture Data and have it changed into info PSL SRC SSL SAV Manufact. Supplier Procurement Planning / MPS Product Supply Scheduling / MRPII Wholes aler Wholes aler DC Sales 3PL Warehouse NyBR POC DCO CSL POS-SL SRC-CD Point of Sale Distribution ISL S&OP S&OP

106 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Pharma LEVEL SELECTION This is a short guide to show how our intranet tool works.

107 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda PAST INFORMATION

108 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda

109 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Previsão das vendas de sanduíche

110 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda S&OP Características TípicasS&OPMPS Horizonte de planejamento12 a 24 meses2 a 5 meses Período de replanejamento1 a 2 meses1 semana Item planejadofamílias de produtosprodutos finais Participantes do planejamento Superintendência, Diretorias de Manufatura, Marketing, Finanças e Engenharia Gerências de Manufatura e Marketing/Vendas

111 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Gestão de demanda e MPS formando um processo integrado

112 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Requisitos da boa previsão de vendas conhecer os mercados, suas necessidades e comportamentos conhecer os produtos e seus usos saber analisar os dados históricos conhecer a concorrência e seu comportamento conhecer as ações da empresa que afetam a demanda formar uma base de dados relevantes para a previsão documentar todas as hipóteses feitas na elaboração da previsão trabalhar com fatos e não apenas opiniões articular diversos setores para a elaboração da previsão

113 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Controlando os erros das previsões

114 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda NÍVEL: TENDÊNCIA: PREVISÃO: M t = * R t + (1- ) * (M t-1 + T t-1 ) T t = * (M t - M t-1 ) + (1- ) * T t-1 P t+n = M t + n * T t Técnica Amortecimento Exponencial Duplo de Holt

115 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Séries com tendência e sazonalidade Método de Holt-Winters: Amortecimento Exponencial Triplo (Recomendado!) Métodos alternativos: Decomposição Clássica Box e Jenkins Redes Neurais,...

116 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Índices Sazonais Índice sazonal (S k, k = 1,..,12): peso relativo do mês k em relação a um mês médio. S k = 1: mês neutro (médio) S k > 1: mês forte S k < 1: mês fraco Atenção: Os índices mensais devem somar 12 ! Exemplos:

117 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Índices sazonais

118 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Amortecimento Exponencial Triplo Método de Holt-Winters: Definido por três amortecimentos: Nível, Tendência e Sazonalidade (índices sazonais). M t = * R t / S t-L + (1- ) * (M t-1 + T t-1 ) T t = * (M t - M t-1 ) + (1- ) * T t-1 P t+n = (M t + n * T t ) * S t-L+n S t = * R t / M t + (1- ) * S t-L PREVISÃO: Valores estimados ao final do processo

119 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Amortecimento Exponencial Triplo M t = T t = S t = PREVISÕES: Valores estimados ao final do processo P t+1 = P t+2 = P t+3 = P t+4 =

120 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Exemplo Plotar a demanda - Forecast para meses 4, 5 e 6 - Melhor Forecast para mês 7

121 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Demand Planning S & O P FG Warehousing MPS MRP Procurement WAY Production FG Distribution IMPORTS Supply Chain Antes jan/07 Industrial Fronteiras do Supply Chain e Industrial

122 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Demand Planning S & O P FG Warehousing MPS MRP Procurement WAY Production FG Distribution IMPORTS Supply Chain Industrial Reporting to SC Após jan/07 Fronteiras do Supply Chain e Industrial

123 Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda Cenário Planejamento


Carregar ppt "Curso de Especialização em Engenharia de Negócios Gestão de Demanda LUIZ ALBERTO BARBERINI Eng. Mecânico – Mauá Extensão Universitária em Transportes –"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google