A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

DOENÇA DE MÉNIÈRE (Ouvido interno – hipertensão endolinfática – hipoacusia + vertigem + zumbidos) Prof. Lucio A. Castagno

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "DOENÇA DE MÉNIÈRE (Ouvido interno – hipertensão endolinfática – hipoacusia + vertigem + zumbidos) Prof. Lucio A. Castagno"— Transcrição da apresentação:

1 DOENÇA DE MÉNIÈRE (Ouvido interno – hipertensão endolinfática – hipoacusia + vertigem + zumbidos) Prof. Lucio A. Castagno

2

3 Ouvido interno AUDIÇÃO AUDIÇÃO –Transforma na cóclea (A) a onda sonora mecânica em impulsos elétricos para o cérebro EQUILÍBRIO EQUILÍBRIO –Envia estímulos dos canais semicirculares (B), sáculo e utrículo para o cérebro

4 Cóclea Caracol com 2 3/4 voltas ao redor de um coluna óssea Caracol com 2 3/4 voltas ao redor de um coluna óssea Três canais: Três canais: –Escala Vestibular –Escala Timpânica –Escala Média Perilinfa Endolinfa

5 Fisiologia Perilinfa – similar ao LCR (alto Na+, baixo K+) Perilinfa – similar ao LCR (alto Na+, baixo K+) Endolinfa – produzida na Stria Vascularis (baixo Na+, alto K+); escala media Endolinfa – produzida na Stria Vascularis (baixo Na+, alto K+); escala media

6 Fluxo da endolinfa Teorias Teorias –Longitudinal – produzida na Stria Vascularis, flui até o saco endolinfático. –Difuso – produzida e absorvida pela Stria Vascularis ao longo de todo o labirinto membranoso (scala media). Andrews, JC, Intralabyrinthine fluid dynamics: Meniere disease 12(5) Oct 2004 pp

7 Órgão de Corti

8 Células ciliadas do Órgão de Corti Outer Hair Cells (células ciliadas externas) Inner Hair Cell (célula ciliada interna)

9 Função das células ciliadas externas e internas do Órgão de Corti

10 Sistema Vestibular 3 canais semicirculares 3 canais semicirculares Compartilha fluidos com a cóclea Compartilha fluidos com a cóclea EQUILÍBRIO EQUILÍBRIO

11 DOENÇA DE MÉNIÈRE Hipoacusia flutuante Hipoacusia flutuante Vertigem recorrente Vertigem recorrente Zumbidos (tinitus) Zumbidos (tinitus) Pressão nos ouvidos Pressão nos ouvidos Prosper Ménière ( )

12 DOENÇA DE MÉNIÈRE Histórico Prosper Ménière: descreve síndrome de surdez, tinitus e vertigem causada por lesão no labirinto Prosper Ménière: descreve síndrome de surdez, tinitus e vertigem causada por lesão no labirinto 1938 – Hallpike e Cairns: patologia da hipertensão (hidropsia) endolinfática 1938 – Hallpike e Cairns: patologia da hipertensão (hidropsia) endolinfática Hidropsia endolinfática

13 DOENÇA DE MÉNIÈRE Labirinto membranoso normalLabirinto membranoso dilatado (hidropsia endolinfática)

14 DOENÇA DE MÉNIÈRE Epidemiologia Predomínio em brancos Predomínio em brancos 1/1000 da população 1/1000 da população anos (raro em crianças) anos (raro em crianças) Bilateral em 40% Bilateral em 40%

15 DOENÇA DE MÉNIÈRE Etiologia MÉNIÈRE ? MÉNIERE ? MENIÈRE ?

16 DOENÇA DE MÉNIÈRE Etiologia Multifatorial 1) Anatômico: redução de pneumatização do mastóide e hipoplasia do aqueduto vestibular 2) Genético: 7.7% hereditário 3) Imunológico: deposição de imunocomplexos no saco endolinfático 4) Viral ?

17 DOENÇA DE MÉNIÈRE Etiologia Multifatorial 5) Vascular: associado a enxaqueca 6) Metabólico: bomba NaK na estria vascular; endolinfa rica em K 7) Psicológica: obsessivo; neurótico

18 D.MÉNIÈRE: Patofisiologia Hidropsia endolinfática(=hipertensão) leva a distorção da membrana de Reissner no labirinto membranoso Hidropsia endolinfática(=hipertensão) leva a distorção da membrana de Reissner no labirinto membranoso

19 D.MÉNIÈRE: Patofisiologia Hipertensão endolinfática pode causar microrupturas na membrana de Reissner. Hipertensão endolinfática pode causar microrupturas na membrana de Reissner. Essas rupturas são confirmadas em vários estudos histológicos. Essas rupturas são confirmadas em vários estudos histológicos. Review Article: Minor, Lloyd et al, Menieres Disease, Current Opinion in Neurology 17(1) Feb2004

20 D.MÉNIÈRE: Patofisiologia Review Article: Minor, Lloyd et al, Menieres Disease, Current Opinion in Neurology 17(1) Feb2004 MICRORUPTURAS NA MEMBRANA DE REISSNER HIPERTENSÃO ENDOLINFÁTICA Crises VERTIGEM HIPOACUSIA TINITUS Cicatrização HIPOACUSIA FLUTUANTE (melhora audição)

21 Vincent van Gogh (Holanda ) Auto-retrato com orelha enfaixada (1890) Noite Estrelada (1889) DOENÇA DE MÉNIÈRE ?

22 Patofisiologia O que causa a hidropsia? O que causa a hidropsia? –Obstrução do ducto ou saco endolinfático. –Alteração na absorção da endolinfa (síndrome de mal absorção da endolinfa?) –Lesão imunológica no ouvido interno (níveis elevados de Ig na endolinfa)

23 DOENÇA DE MÉNIÈRE Diagnóstico Anamnese Anamnese Audiometria Audiometria Eletrococleografia Eletrococleografia Eletronistagmografia Eletronistagmografia CT-ouvidos CT-ouvidos

24 DOENÇA DE MÉNIÈRE Quadro clínico Hipoacusia + vertigem + tinitus Hipoacusia + vertigem + tinitus Enfermidade crônica dinâmica Enfermidade crônica dinâmica –Estágio I: vertigem; assintomático nas remissões. –Estágio II: hipoacusia sensorial para sons graves (flutuante -> permanente); sem vertigem. –Estágio III: surdez; vertigem->desequilíbrio. (AAOHNS 1972, 1985 e 1995)

25 DOENÇA DE MÉNIÈRE Audiometria a) Hipoacusia em freqüências graves (tinitus de baixa freqüência= graves) a) Hipoacusia em freqüências graves (tinitus de baixa freqüência= graves) b) Hipoacusia em graves e agudos (melhor audição em 2kHz) b) Hipoacusia em graves e agudos (melhor audição em 2kHz) c) Hipoacusia em todas as freqüências c) Hipoacusia em todas as freqüências

26 Cóclea: Freqüências Agudos = janela oval e turno basal Graves = apex

27 Definition of Menieres Disease –Possible Meniere's disease Episodic vertigo of the Meniere's type without documented hearing loss, or Episodic vertigo of the Meniere's type without documented hearing loss, or Sensorineural hearing loss, fluctuating or fixed, with dysequilibrium but without definitive episodes Sensorineural hearing loss, fluctuating or fixed, with dysequilibrium but without definitive episodes Other causes excluded Other causes excluded –Probable Meniere's disease One definitive episode of vertigo One definitive episode of vertigo Audiometrically documented hearing loss on at least one occasion Audiometrically documented hearing loss on at least one occasion Tinnitus or aural fullness in the treated ear Tinnitus or aural fullness in the treated ear Other causes excluded Other causes excluded –Definite Meniere's disease Two or more definitive spontaneous episodes of vertigo 20 minutes or longer Two or more definitive spontaneous episodes of vertigo 20 minutes or longer Audiometrically documented hearing loss on at least one occasion Audiometrically documented hearing loss on at least one occasion Tinnitus or aural fullness in the treated ear Tinnitus or aural fullness in the treated ear Other cases excluded Other cases excluded –Certain Meniere's disease Definite Meniere's disease, plus histopathologic confirmation Definite Meniere's disease, plus histopathologic confirmation Committee on Hearing and Equilibrium Guidelines for Diagnoses and Evaluation of Therapy in Menieres Disease, AAOHNS Board of Directors March 1994

28 DOENÇA DE MÉNIÈRE Tratamento Empírico; etiologia desconhecida Empírico; etiologia desconhecida Efeito placebo Efeito placebo Vertigem desaparece após anos (70% dos casos) Vertigem desaparece após anos (70% dos casos)

29 Hipócrates (Grécia, Cós, AC) Primun non nocere (primeiro não faça mal) Primun non nocere (primeiro não faça mal) Pai da medicina Pai da medicina Medicina X Religião Medicina X Religião Escolas gregas de medicina: Escolas gregas de medicina: –Cnido: diagnósticos –Cós: prognósticos; tratamento passivo (ag, cron, crise, endêmico, epidêmico, reagudização, resolução... Hipócrates! ) Primun non nocere (primeiro não faça mal) Primun non nocere (primeiro não faça mal) Pai da medicina Pai da medicina Medicina X Religião Medicina X Religião Escolas gregas de medicina: Escolas gregas de medicina: –Cnido: diagnósticos –Cós: prognósticos; tratamento passivo (ag, cron, crise, endêmico, epidêmico, reagudização, resolução... Hipócrates! )

30 DOENÇA DE MÉNIÈRE Tratamento Crise aguda: cinarizina/flunarizina; diazepam Crise aguda: cinarizina/flunarizina; diazepam Manutenção: restrição sal; diuréticos (furosemide/hct); betahistidina; cinarizina/flunarizina; corticóides Manutenção: restrição sal; diuréticos (furosemide/hct); betahistidina; cinarizina/flunarizina; corticóides

31 DOENÇA DE MÉNIÈRE Prescrição 1. Restrição de sódio 2. Hidroclorotiazida (Drenol R ) 25-50mg qD 2-3m 3. Betahistidina (Labirin R ) 24mg q12h 2-3s 4. Flunarizina 10 mg (Vertix R ) 1c qD 3-4 s 5. Dimenidrinato 100mg (Dramin R ) q6h prn Obs: Diversos outras drogas também podem ser usadas e a posologia é muito variável de acordo com a intensidade do quadro clínico. A prescrição acima representa apenas uma entre várias alternativas.

32 DOENÇA DE MÉNIÈRE Tratamento cirúrgico Ablativo: destruição do neuroepitélio do ouvido interno; injeção intratimpânica de gentamicina (90% controle da vertigem e 25% risco de surdez coclear). Ablativo: destruição do neuroepitélio do ouvido interno; injeção intratimpânica de gentamicina (90% controle da vertigem e 25% risco de surdez coclear).Cirúrgico: a) Conservador: drenagem saco endolinfático; secção do nervo vestibular. b) Destrutivo: labirintectomia; cocleosaculotomia.

33 DOENÇA DE MÉNIÈRE Sumário Etiologia multifatorial Etiologia multifatorial Hidropsia endolinfática Hidropsia endolinfática Diagnóstico: vertigem, hipoacusia e zumbidos Diagnóstico: vertigem, hipoacusia e zumbidos Doença crônica (longos períodos de remissão) Doença crônica (longos períodos de remissão) Tratamento clínico (cirurgia apenas em vertigem severa incapacitante) Tratamento clínico (cirurgia apenas em vertigem severa incapacitante)

34 CASO CLÍNICO 1 JB, fem., 48anos: episódios vertiginosos há 5 meses (duração dias); hipoacusia flutuante e pressão OE; tinitus OE contínuo. JB, fem., 48anos: episódios vertiginosos há 5 meses (duração dias); hipoacusia flutuante e pressão OE; tinitus OE contínuo. ENG normal ENG normal CT e IRM normais CT e IRM normais AUDIOMETRIA AUDIOMETRIA

35 Caso 1 Diagnóstico é ?

36 Doença de MÉNIÈRE OE Doença de MÉNIÈRE OE

37 CASO CLÍNICO 2 RH,masc.,50 anos: tontura, hipoacusia flutuante e tinitus OE há 5 anos; crises de vertigem (duração horas). RH,masc.,50 anos: tontura, hipoacusia flutuante e tinitus OE há 5 anos; crises de vertigem (duração horas). Cofose OD secundária a cirurgia de decompresão do saco endolinfático há 10 anos. Cofose OD secundária a cirurgia de decompresão do saco endolinfático há 10 anos. AUDIOMETRIA AUDIOMETRIA

38 Caso 2 Diagnóstico é ?

39 Doença de MÉNIÈRE BILATERAL Doença de MÉNIÈRE BILATERAL

40 CASO CLÍNICO 3 JM, masc., 76 anos: vertigem fugaz (minutos) ao virar na cama, com náuseas e vômitos, há 3 semanas; ausência de tinitus e pressão; hipoacusia progressiva bilateral há cerca de 10 anos (não flutuante). JM, masc., 76 anos: vertigem fugaz (minutos) ao virar na cama, com náuseas e vômitos, há 3 semanas; ausência de tinitus e pressão; hipoacusia progressiva bilateral há cerca de 10 anos (não flutuante). AUDIOMETRIA AUDIOMETRIA

41 Caso 3 Diagnóstico é ?

42 VERTIGEM POSICIONAL PAROXÍSTICA BENIGNA VERTIGEM POSICIONAL PAROXÍSTICA BENIGNA... Nem tudo é sempre Doença de Ménière !

43 Charles Robert Darwin (Inglaterra ) A Origem das Espécies (1859)A Origem das Espécies (1859) Viagem de 5 anos no HMS Beagle Viagem de 5 anos no HMS Beagle Doença de Ménière Doença de Ménière

44


Carregar ppt "DOENÇA DE MÉNIÈRE (Ouvido interno – hipertensão endolinfática – hipoacusia + vertigem + zumbidos) Prof. Lucio A. Castagno"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google