A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Sistema de Gestão Vale Júlio Yamacita Gerente Geral de Mineração – Minas de Itabira.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Sistema de Gestão Vale Júlio Yamacita Gerente Geral de Mineração – Minas de Itabira."— Transcrição da apresentação:

1 Sistema de Gestão Vale Júlio Yamacita Gerente Geral de Mineração – Minas de Itabira

2 Agenda Histórico Excelência Operacional Sistema de Produção Vale (VPS) Abordagem de Implantação do VPS Papéis e Responsabilidades Governança do VPS Discussão em Grupo Encerramento

3 Histórico

4

5 Excelência Operacional

6 Excelência Operacional Criação de Vantagem Competitiva Durante os ciclos de baixa da mineração: Durante os ciclos de alta da mineração: Necessidade de operar a plena capacidade Otimizar ao máximo a capacidade instalada Habilidade para reduzir custos é crucial Facilidade no processo de tomada de decisão referente a investimento de capital Tempo Preço Tendência atual Proveito durante ciclos de alta Proteção nos ciclos de baixa A Excelência Operacional auxilia na velocidade e flexibilidade necessárias para responder de forma eficiente e eficaz às mudanças no mercado. A jornada de Excelência Operacional proporciona uma fonte sustentável de vantagem competitiva:

7 Sistema de Produção Vale VPS

8 O Sistema de Produção Vale (VPS) é constituído por Dimensões e Requisitos Complementares, que têm o papel de estruturar e organizar a forma de produzir da Vale. Estrutura do VPS Sistema de Produção Vale OperaçãoManutençãoGestãoPessoasSaúde e SegurançaSustentabilidade A dimensão de Operação inclui os processos produtivos da Vale, em qualquer um de seus negócios A importância dos ativos para a Vale faz com que a Manutenção seja uma atividade imprescindível para a empresa A Gestão possui uma função de organização e disciplina na execução das atividades do dia- a-dia A abordagem de implantação do VPS através de melhoria contínua depende de Pessoas capacitadas e comprometidas Trabalhar com excelência é também potencializar a Sustentabilidade. Para a Vale, ser excelente é valorizar a vida, atendendo aos requisitos de Saúde e Segurança Operação Manutenção Pessoas Gestão Produtividade e Custo Saúde e Segurança Sustentabilidade

9 Sistema de Produção Vale – VPS O Conceito do VPS Metodologias e padrões claramente definidos Análises e tomadas de ações baseadas em fatos e dados e verificação da atuação frente ao modelo de referência Boas práticas compartilhadas e aperfeiçoamento contínuo Cultura de Excelência Operacional difundida Por meio de processos, metodologias, modelo de gestão, indicadores e padrões, o VPS conduz a jornada pela Excelência e pela Melhoria Contínua, de modo a alavancar os resultados operacionais e garantir a sustentabilidade dos resultados do negócio. A adesão ao VPS é alcançada quando há: Operação Manutenção Pessoas Gestão Produtividade e Custo Saúde e Segurança Sustentabilidade

10 Estágio A idéia geral da sequência de estágios é a de que os níveis mais básicos estejam sólidos antes que os níveis mais sofisticados sejam implantados. Os processos são agrupados em estágios que, quando alcançados definem um nível de desempenho específico. Estrutura do VPS Pirâmide de Excelência Pessoas, Gestão, Operação, Manutenção e Saúde e Segurança

11 Para cada Dimensão e Requisito Complementar do VPS existe um conjunto de processos ou perguntas, organizados em uma sequência lógica de estágios e representados por triângulos (Dimensões e Requisito Complementar de S&S). Estrutura do VPS Pirâmide de Excelência Gestão Manutenção Operação Pessoas VPS Manutenção VPS Operação VPS Gestão VPS Pessoas Dimensões do VPS Saúde e Segurança Sustentabilidade VPS Sustentabilidade Requisitos Complementares do VPS VPS Saúde e Segurança

12 Triângulos de Excelência Modelo de Referência de Manutenção Modelo de Referência Estágios do Triângulo Engenharia de Confiabilidade Prevenção de Falhas Tratamento de Perdas Gestão de Projetos de Intervenção Instalação de Ativos Rotina de Manutenção Custo Ciclo Vida do Ativo Padronização de Ativos Planejamento Gestão de Recursos Gestão dos Riscos Operacionais Melhoria de Processos Plano Diretor da Manutenção Desenvolvimento de Materiais e Fornecedores Controle Inicial Tratamento de Gargalos Acordo de Níveis de Serviço Monitoramento e Controle Limpeza e Organização Estágio 4 Excelência Estágio 3 Avançado Estágio 2 Intermediário Estágio 1 Básico

13 Triângulos de Excelência Modelo de Referência de Operação Otimiza ção do Ciclo Redesen ho de Projetos Racional. De Ativos Parceria com Cliente e Fornecedores Operações LEAN Alinhamento de Operações Integradas Análise da Cadeia de Valor Racionalização de Produtos e Serviços Gestão das Limitações Externas Qualidade Assegurada Automação dos Sistemas de Controle Gestão de Risicos Operacionais Histórico Operacional Análise do Perfil de Perda Operacional Remoção de Gargalos Qualidade Planejamento dos Requisitos Operacionais Programação de Produção Gestão de Suprimentos e Serviços Gestão de Estoque e Produto Métricas e Controle Operacional Prontidão de Equipamentos Execução do Plano Limpeza e Organização Modelo de Referência Estágios do Triângulo Estágio 4 Excelência Estágio 3 Avançado Estágio 2 Intermediário Estágio 1 Básico

14 Triângulos de Excelência Modelo de Referência de Pessoas Modelo de Referência Engajamento Organizacional Remuneração por Desenvolvimento Carreira e Sucessão Desenvolvimento de Gestão e Liderança Desenvolvimento Profissional Equilíbrio entre a Vida Profissional e Pessoal Relações Trabalhistas Treinamentos Básicos Rotina de Pessoal Recrutamento e Seleção Condições Gerais de Trabalho Planejamento de RH Estrutura Organizacional Cargos e Salários Benefícios Modelo de Referência Estágios do Triângulo Estágio 4 Excelência Estágio 3 Avançado Estágio 2 Intermediário Estágio 1 Básico

15 Triângulo de Excelência Modelo de Referência de Saúde e Segurança Liderança em S&SRequisitos Legais Identificação e Controle de Riscos Planejamento em S&S Desenvolvimento Comportamental Comunicação em S&S Análise de Acidentes Inspeção de S&S Contratadas Controle Operacional Manutenção e Integridade Requisitos deS&S para Projetos Resposta a Emergências Auditoria de S&S Análise de Quase- Acidentes Boas Práticas e Aprendizado Organizacional Gerenciamento de Mudanças Implantação dos RAC Consulta a Partes Interessadas Modelo de Referência Estágios do Triângulo Estágio 4 Excelência Estágio 3 Avançado Estágio 2 Intermediário Estágio 1 Básico

16 Diagnóstico de Excelência O papel do diagnóstico é oferecer uma visão completa do nível de Excelência Operacional da área, através da análise de processos e resultados alcançados, permitindo criar planos de ação para aumentar o nível de Excelência. Preenchimento do Questionário do Diagnóstico de Excelência Cálculo do Índice de ExcelênciaDefinição do estágio de excelência, com base no Índice de Excelência Estágio Estrutura do VPS Diagnóstico de Excelência

17 Sistema de Produção Vale – VPS Desenvolvimento de Planos de Ação Com os resultados do diagnóstico, através da metodologia PDCA, é desenvolvido e implementado um plano de ação na área. O PDCA é uma sequência interativa de atividades para resolver problemas, usada em melhorias de processos de negócios. Definição de Ações Um importante recurso a ser utilizado nas iniciativas identificadas são os Belts da área. Belts são profissionais capacitados para revisar processos e práticas, melhorando o desempenho das áreas e atingindo as metas propostas.

18 A utilização disciplinada dos métodos e modelos insere o VPS na rotina da área. Estrutura do VPS Modelo de Gestão

19 Abordagem de Implantação do VPS

20 Abordagem para Implantação do VPS Visão da Jornada Jornada da Vale rumo à Excelência Operacional Desenvolvimento das primeiras iniciativas de Excelência Operacional: CEG, SGM, etc. Manganês, Ásia e Nova Caledônia, Europa e África, Peru, Chile, Argentina, DIFM Criação do Departamento de Melhorias Operacionais (DIMO). Piloto do VPS no Corredor Norte (Carajás e São Luís) DIFS, Canadá, UK (Wales), Austrália, Moçambique, DIFC, DIOC, DIFL, DINA, Colômbia, Indonésia, CSC, DILN, DIPE, DIPE (Omã), DIFN, DIPN, DICF, DIVM, DIOP. DIOC, DIFL, Logística, Pelotização, Colômbia, Indonésia, CSC.

21 Abordagem para Implantação do VPS Implantação do VPS no Corredor Norte Áreas Impactadas Capacitações Rede de Mudança Ciclos de Diagnóstico Diretorias: 3 (DIFN, DILN, DIOP) Gerencias Gerais: 8 Gerências de Área: 36 Total de Impactados: ~7.000 empregados 18 reuniões de Roadshow, com ~260 participantes 23 diagnosticadores de Operação e Gestão capacitados 41 empregados de capacitados no PGV 21 Reuniões da Rede de Mudança realizadas ~300 Agentes de Mudança formados 2 Ciclos Oficiais de Diagnóstico, envolvendo as dimensões Operação, Manutenção, Gestão e Pessoas 13 Ciclos de Manutenção (SGM) 12 Ciclos do CEG (Gestão) Em 2009 ocorreu o primeiro ciclo de implantação do VPS, no Corredor Norte. Mina Usina Ferrovia Porto Atuação – Corredor Norte

22 Abordagem para Implantação do VPS Implantação do VPS em 2010 Áreas Impactadas Capacitações Rede de Mudança Ciclos de Diagnóstico Diretorias: 11 (DIOC, DINA, CSC, DIPE, DIFL, DICF, DIVM, DIOP, DILN, DIFN e DIPN) Unidades Internacionais: 3 (Colômbia, Paraguai e Indonésia) Gerencias Gerais: 80 Gerências de Área: Reuniões de Roadshow, com 914 participantes 704 Diagnosticadores capacitados 981 Empregados treinados nas REGs do VPS 45 Reuniões da Rede de Mudança realizadas 735 Agentes de Mudança formados 3 Ciclos Oficiais de Diagnóstico, envolvendo as dimensões Operação, Manutenção, Gestão e Pessoas Em 2010 Implantamos o VPS em 11 unidades nacionais e 3 unidades internacionais. Mina Usina Ferrovia Porto Pelotização Atuação VPS 2010

23 Abordagem para Implantação do VPS Desafios para 2011 Implantar o VPS em áreas com grande dispersão geográfica Internacionalização

24 Abordagem para Implantação do VPS Desafios para 2011 Fortalecer o VPS na base operacional com conceitos e ferramentas

25 Papéis e Responsabilidades

26 Modelo de Governança Estrutura de Implantação - Organograma Kick-Off do VPS * O Ponto Focal de P&C contará com o apoio dos consultores Deloitte (1 por dimensão a cada 15 dias) e INDG na rotina de implantação, além do suporte oferecido pela equipe da DIMO (1 ou 2 trainees ??). CLM/CLO/CLG P&C Líder de Dimensão na Área Ponto Focal de Dimensão Área Líder de Implantação na Área Ponto Focal da Área Diretor Líder do VPS na Área Obs.: A dimensão Pessoas e os requisitos complementares Sustentabilidade e Saúde e Segurança, possuem reporte hierárquico à DIDH, DIAM e DISI respectivamente. GG de Complexo PMO

27 Modelo de Governança Papéis e Responsabilidades LIDER DE DIMENSÃO E REQUISITOS COMPLEMENTARES NA ÁREA Definir o time dedicado a implantação do VPS na Área Garantir o comprometimento dos Gerentes de Área e Supervisores na implantação do VPS Validar o planejamento para implantação na Gerência Geral e acompanhar os resultados da implantação Representantes Gerentes Gerais das áreas de implantação ou o maior nível executivo no assunto. LIDER DO VPS NA ÁREA Patrocinar o envolvimento de toda a Diretoria na implantação do VPS Garantir o comprometimento dos Gerentes Gerais na implantação do VPS Acompanhar os resultados da implantação na rotina de reuniões (GERROT) da área e reportar no Comitê Executivo Representantes Diretor responsável pela área do escopo de implantação.

28 Governança do VPS

29 Reuniões de acompanhamento Modelo de Governança Fluxo de Informações Status de Implantação Local GERROT GGGERROT DI Reunião de Implantação GERROT DIMO Freq. Participantes Material de Input Quinzenal P&C (Local)* Ponto Focal da Área Avanço físico do cronograma da área Resumo Executivo Identificação de Riscos e Problemas Mensal GG* GA Ponto Focal da Área P&C (Local) Curva S do Cronograma da GG Resumo Executivo da GG (Riscos e Problemas Indicadores da GG Mensal DI* GG Ponto Focal da Área P&C (Local) Curva S do Cronograma da DI Resumo Executivo da DI (Riscos e Problemas Indicadores da DI Quinzenal P&C* Líder de Implantação do VPS GM Mensal Líder VPS DIMO* P&C GM Lideres da Dimensão Avanço físico do cronograma da área Relatório de Acompanhamento das Localidades Identificação de Riscos e Problemas Curva S do cronograma geral Curva S do cronograma das dimensões Resumo Executivo das Dimensões (Riscos e Problemas) Resultados dos Diagnósticos Comitê Executivo A cada 45 dias Líder VPS DIMO* DE DI (L5 e L4) Material consolidado das DIs Levantamento de pontos para discussão / deliberação 6 6 *Responsável pela Reunião Reunião de acompanhamentoReunião de rotinaReunião de Comitê Atuação das áreas Atuação da DIMO Atuação conjunta (área e DIMO)

30 SharePoint RoadShow CSC O VPS conta com um portal para que se possa compartilhar informações e documentos relativos as implantações. Principais funcionalidades: Perfis de acesso personalizados (visitante; colaborador; controlador) Quadro de avisos Calendário estático Repositório de arquivos Listas (ex. lista de contato do VPS)

31 Resultados

32

33 Muito Obrigado!

34


Carregar ppt "Sistema de Gestão Vale Júlio Yamacita Gerente Geral de Mineração – Minas de Itabira."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google