A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UTI NEONATAL: BARULHENTA, ESTRESSANTE E DOLOROSA. Podemos mudar ! Paulo R. Margotto 2º Encontro Neonatal.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UTI NEONATAL: BARULHENTA, ESTRESSANTE E DOLOROSA. Podemos mudar ! Paulo R. Margotto 2º Encontro Neonatal."— Transcrição da apresentação:

1 UTI NEONATAL: BARULHENTA, ESTRESSANTE E DOLOROSA. Podemos mudar ! Paulo R. Margotto 2º Encontro Neonatal em Fortaleza de setembro de 2011 UTI NEONATAL: Sala de Intenso desenvolvimento cerebral Prof. Do Curso de Medicina da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS) – Hospital de Ensino- Hospital Regional da Asa Sul/SES/DF Estresse!!!

2 Feto: bem organizado no ambiente intra-uterino (estímulo materno desenvolvimento e emerge a organização) Nascimento: transição obrigatória que rompe a organização fetal O recém-nascido (RN) organiza-se para a resposta extra-uterina RN ORGANIZADO:-interage com o ambiente -tolera a intervenção sem interferências nas funções fisiológicas e comportamentais Blackburn,1998; Merestein,2006 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar!

3 Organização do Sistema Nervoso Central É o último a madurar (ao nascer é imaturo) Etapas Neurulação Migração (completa com semanas) Organização (5º -6º mês gestação a 1 ano) Mielinização (20ª sema gest a vida adulta) Experiências precoces positivas melhor organização das funções cerebrais Autocontrole dos estressores ambientais AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Tamez,2009

4 O desenvol. cerebral ocorre em um ambiente adverso em um momento crítico -são produzidas dezenas de milhares de células cerebrais por minuto! (neurônios corticais: aumenta 10x mais entre 17-32sem (pico entre 28-32sem): São programadas para locais específicos no cérebro A superestimulação de uma via neural (dor) pode levar a uma subestimulação ou subdesenvolvimento de outra via Rabinowicz,1996;Puchalski,2002;Als, 2004 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar!

5 Sistema Sensorial:sequência específica -estímulos táteis, propriocepção vestibular, olfatório, gustatório, audição e visão Na UTI Neonatal: exposto a estes estímulos ao mesmo tempo AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Tamez,2009; VandenBerg, 2007

6 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Desenvolvimento das vias sensórias Durante a gestação Exposição das vias sensórias na UTI Neonatal Blackburn, 1998 ConcepçãoTermo Contínuo Moderado Mínimo Tátil Vestibular Olfatório Gustatório Audição Visual Tátil Vestibular Olfatório Gustatório Audição Visual

7 Audição e visão: imaturos nos RN pré-termos (são os que mais recebem input sensoriais na UTI) Cérebro: fortifica e retem conexões usadas repetidamente (o uso impróprio pode afetar o desenvolvimento cerebral) O mesmo estímulo, se intenso ou em um tempo atípico interfere com o desenvolvimento do sistema, assim como os outros sistemas sensórios Graven, 2000 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar!

8 Ocorrendo excessiva estimulação no RN que necessita se organizar para promover organização neurocomportamental Afeta o status fisiológico com alterações comportamentais e fisiológicas Fontes de estresses Procedimentos médicos e cirúrgicos Dor Processos patológicos Intervenções para cuidados Ambiente físico: ruído e luz O ambiente importante papel na modificação do estressse Bremmer, 2003 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! RN em um estado de instabilidade fisiológico (prematuro) gasto energético; altera a cura e o recuperação e o crescimento

9 O Nascimento prematuro desvia para UTI o crescimento do cérebro fetal ( período rápido e crítico do desenvolvimento cerebral) rompe a progressão do desenvolvimento das estruturas cerebrais Afeta várias áreas críticas do cresc.cerebral: Migração celular Sinaptogênese Mielinização Organização do cérebro Cérebro sem habilidade de interação Com o estress, ruido, luz O desenv. Sensorial neonatal amadurece em uma seqüência especifica:audição visão Na UTI: desenvolvimento ao mesmo tempo VandenBerg KA, 2007 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar!

10 Estresse: (inicia com 23 semanas!) estado antagônico resultante de fatores que ameaçam a homeostase ou o bem estar de um organismo Tolerância excedida sofrimento Efeitos adversos no desenv e cresc cérebro lesão hipotalâmica AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Barker,1996

11 SOM: vibração em um meio (ar) que tem intensidade, frequência, periodicidade e duração OUVIR: habilidade de discriminar entre sons de diferentes frequencias, intensidades e duração RUÍDO: som indesejável; potente estressor (comparável aos efeitos detrimentais dos aminoglicosídeos no desenvolvimento da cóclea) Som/Níveis de Som: AAP: manter <45dB ( a noite:35dB) (UTIs:50-90dB com pico de 120dB) AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! BARULHO Bremmer, 2003; Buckland,2003

12 ambiente inapropriado para o desenvolvimento neuropsicomotor do prematuro (interrompe o ciclo do estado de sono alerta) ambiente muito iluminado ruídos contínuos (alarmes de incubadoras, bombas de infusão, ventiladores, conversas, telefones, fechamento de portas estressores para um cérebro em desenvolvimento AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! UTI Neonatal Consequências: dificuldades de atenção/aprendizado;dificuldades em permanecer alerta/quieto;alterações nos padrões normais do sono Tamez,2009 Margotto,PR,2011

13 UTI Neonatal: experiência dolorosa 1 0 s 14dias: 14 proced/dia (1/3-analgésicos) (Estes RN ficam por cerca de 20 min sem manuseio !) (RN de 23 sem-488 proced dolorosos -a maioria no primeiro dia -63,6%: aspiração do tubo (a cada 4 hs) Cordero L(2001): 4hs (90RN) 8 hs (90RN) -27 sem sem diferenças em: infecção nosocomial/pneumonia associada a ventilação/colonização bact via aérea/reintubação,DBP/mortalidade A redução da aspiração traqueal parece ser segura! Barker,1995;Anand, 2001; Simons,2003;Badr,2010; Carvalho, 2000 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar!

14 Quanto mais prematuro, mais frequentes são as interrupções nas 24 horas (interfere no biorritmo e o ciclo de variação noite/dia) Consequências: dificuldades de atenção/aprendizado;dificuldades em permanecer alerta/quieto;alterações nos padrões normais do sono Tamez, 2009;Bremmer, 2003 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar!

15 BARULHO Tamez,2009 Desenvolvimento da audição

16 Tamez,2009; Bremmer, 2003 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! BARULHO Os níveis de ruídos chegam a ultrapassar 90 dB Margotto,PR,2011

17 E durante o transporte de recém-nascidos doentes? AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! BARULHO Os níveis de som foram maiores em aviões e helicópteros do que em ambulâncias, chegando a ser maior que 120dB Buckland,2003

18 Os PRÉ-TERMOS tem menor autonomia e são mais vulneráveis ao barulho pela inabilidade de filtrar e processar estímulos nervosos 26-28sem: o sistema autônomo insuficientemente maduro. (assim o barulho pode causar mudanças fisiológicas em coração, pressão arterial (PA), respiração e oxigenação) Manter o estado psicológico estável é crucial, especialmente durante este tempo crítico de desenvolvimento SNC, quando os circúitos neurais são mais rapidamente formados AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! BARULHO Wachman, 2011 Margotto,PR,2011

19 Repetida excitação: -depleção dos recursos fisiológicos e reservas energéticas -interferência com o sono:fadiga fadiga, FC pressão intracraniana - oxigenação -agitação, choro,irritabilidade, peristalse intestinal Interação com drogas ototóxicas (aminoglicosídeos): efeito aditivo na perda auditiva BARULHO AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Wachman,2011;Graven, 2000; Blackburn, 1998 Consumo de glicose Margotto,PR,2011

20 Turk et al(2009): AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! BARULHO RN <1000g 14 sobreviventes em até meses Com os tampões pontuaram mais que os controles no Bayley Mental Development Index

21 Stromswold and Sheffield (2004) –Barulho nas UTIN sobre linguagem e desenvolvimento –382 pais de crianças ex-pré-termos avaliararam retrospectivamente o nível de som das suas crianças na UTI Neonatal e avaliaram o desenvolvimento linguístico da criança O nível de barulho foi melhor preditor independente de desenvolvimento de linguagem que IG, peso ao nascer ou status socioeconômico AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! BARULHO Linguagem e desenvolvimento Efeitos no neurodesenvolvimento a longo prazo Ob:estudo limitado pela subjetividade

22 Li WG, 2009: Randomizaram 100 RN ventilados para uso de plug no ouvido Resultados: Perda auditiva -total:23% plug x 35% controle(p<0,05) -leve:15% pug x 23% controle (p<0,05) Hemorragia intraventricular ou leucomalácia periventricular -21% plug x 42% controle (p<0,05) Inteligência -MDI e PDI: maior no grupo plug x controle (p<0,05) AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! BARULHO

23 Riscos para os cuidadores Alterações nas respostas fisiológicas: hipertensão, hiperglicemia, aumento de colesterol, aumento da motilidade gastrintestinal, etc Alterações nas respostas emocionais e comportamentais:fadiga, irritabilidade Pode provocar lesões auditivas Pode provocar problemas em dormir, distúrbios na concentração e comunicação (risco de erros na administração de medicamentos) Thomas, 2000 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! BARULHO

24 Agência de Proteção Ambiental dos EUA:exposição ao ruído em adultos -não exceder 90dB (máximo 8 hs);95dB (máximo de 4 hs) e 100 dB (máximo de 2 hs) -não expor a níveis contínuos >115dB ou esporádicos >140dB AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! BARULHO Tamez,2009

25 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! LUZ!!! LUZ: Iluminação das UTI Neonatais Tem aumentado 5-10 vezes mais em relação aos últimos 30 anos Desenvolvimento do Sistema visual: último a se desenvolver Fielder, 2000;Tamez,2009

26 Desenvolvimento do Sistema visual: último a se desenvolver AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! LUZ!!! LUZ Tamez,2009 Maturação do sistema visual: depende da interação do ambiente

27 LUZ: recomendação (AAP) -máximo de 60 foot-candles (fc=650 lux) para observação e -100 fc (1080 lux )para procedimento. UTIS: varia entre fc (260 a 1512 lux)! Outras exposições a luz -procedimento com luz: fc -fototerapia: ftc (cobertura ocular: segura 90% da luz; no entanto, 50% destas coberturas saem) -RN de muito baixo peso Maior suceptibilidade de exposição da retina à luz -olhos slitlike do que fechados -maior tamanho da pupila -diminuição da resposta pupilar a luz -exame oftalmoscópico: dilatação pupilar dura 18 horas Fielder, 2000; Blackburn, 1998 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! LUZ!!!

28 LUZ input visual alterados (animais) modifica a resposta dos neurônios corticais e pode interferir com o desenvolvimento da visão e o processamento visual Pré-termos: maior risco para problemas visuais: -estrabismo, erros de refração, ambliopia, deficits de processamento visual e retinopatia da prematuridade AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Blackburn, 1998 LUZ!!!

29 LUZ Entre sem :iluminação excessiva interfere com o desenvolvimento do sistema ocular, desconforto, estresse e alterações fisiológicas e comportamentais Escuridão por períodos prolongados: interferência no desenvolvimento da retina Exposição contínua a luz: alterações comportamentais e estados de organização, alterações no ciclo do sono, queda de SatO 2 Ciclo circadiano (dia/noite):melhor ganho ponderal, maior estabilidade do sistema respiratório, reduz FC, PA e atividade motora A implementação da luz cíclica para o RN pré -termo pode ajudá-lo a promover o ritmo circadiano e crescimento e desenvolvimento antes e após a alta hospitalar. Rivkees, 2000;Tamez, 2009; Brandon, 2002;Jobe, 2002 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! LUZ!!! O SEU USO É RECOMENDADO NA UTI NEONATAL

30 LUZ A diminuição da iluminação produz imediata e transitório abertura das pálpebras que prolonga, se mantém diminuição da luz Produz estabilidade cardiorespiratória Reduz a atividade motora Melhora o prognóstico médico e neurocomportamental AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! LUZ!!! Fielder, 2000; Lester, 2011 Tamer,2010

31 O RN sente dor?Até 1980 acreditava-se que não. No entanto, sabemos: -a partir de 12 sem: conexão entre neurônio sensorial e células cuneiformes da columa espinhal semanas: vias incompletas entre coluna espinhal e córtex: -sem sensibilização cognitiva da dor ou da fonte -capaz de retirada reflexa a estimulo doloroso semanas: conexões completas -percepção dolorosa cortical é possível RN está equipado para saber de onde vem a dor/reação de defesa -30 semanas: mielinização completa do tronco cerebral e trato talâmico -37 semanas: todo o trato noceptivo está completamente mielinizado Nervos não mielinizados conduzem impulsos tão bem quanto os mielinizados Puchalski M, 2002Margotto.PR AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! DOR!!!

32 - Maior limiar de dor nas extremidades superiores Por quê? Fibras inibitórias descendentes ainda tem que crescer para porção lombar MUITO MAIS DOR NAS EXTREMIDADES INFERIORES -Inabilidade inata de enfrentar a dor o método primário: SUCCÃO (estimula as fibras sensoriais que bloqueiam a transmissão da dor) Importância dos cuidadores na implementação do Cuidado do Desenvolvimento Anand, 2001; Puchalsky,2002; Lawhon,2010 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! DOR!!!

33 As respostas comportamentais e fisiológicas a dor repetitiva pode: – Extensão da Hemorragia intraventricular ou contribuir diretamente para: -hipoxia, hipercapnia,acidose,hiperglicemia, assincronia com o respirador, pneumotórax (causas importantes de hemorragia intraventricular) Anand, 1998, 2001 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Repercussões a longo prazo! DOR!!!

34 Hemorragia intraventricular (HIV) - Mainous et al(2007):punção de calcanhar (12 RN) queda da SatO 2 /aumento da PaCO 2 com dilatação dos vasos cerebrais/ aumento do FSC Risco de HIV/IHPV (em 2/12 RN) A enfermagem tem posição chave neste desfecho AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Repercussões a longo prazo! DOR!!!

35 Estudo com Near-infrared spectroscopy (NISRS:mede a atividade funcional do córtex) demonstrou, em RN pré-termos extremos (25 sem) (Bartocci, 2006): -clara atividade evocada no córtex em resposta a dor -maior resposta nos meninos e no hemisfério esquerdo com venopunção no lado direito AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Repercussões a longo prazo! DOR!!!

36 Buskila D (2003):Avaliação quantitativa da dor:120 (60 a termos/60 pré-termos) adolescentes (12-18 anos): ex- pré-termos apresentaram maior sensibilidade a dor somática com significância maior nas meninas Os pré-termos podem ser mais pronos a desenvolveram síndromes dolorosas no futuro AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Repercussões a longo prazo! DOR!!!

37 Hohmeiser, 2010:resposta cerebral a dor-estímulo térmico- na idade de anos de ex-pré-termos (<=31sem) e a termo na UTI Neonatal x Controles- RM funcional Aumento significativo de ativação cerebral a nível do córtex somatossensorial, córtex cingulado anterior e ínsula anterior* Pré-termo: vermelho; A termo: azul, Controles:verde *componente efetivo da dor Cor magenta AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Repercussões a longo prazo! DOR!!!

38 O comportamento do RN conceitua-se na linha de funcionamento de 5 subsistemas que se interagem entre si promovendo o equilíbrio entre eles permite o desenvolvimento do plano de cuidado específico para cada prematuro de acordo com o seu grau de desenvolvimento AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Tamez,2009 Redução do impacto do ambiente na UTI Neonatal

39 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Desenvolvimento da organização comportamental Subsistemas do desenvolvimento (Als,1982) Os subsistemas e suas alterações permitem dizer ao RN quando está pronto para uma interação; se algo não está bem, se necessita de mudança Tamez,2009

40 RN ORGANIZADO: pode interagir com o ambiente e tolerar a intervenção sem interferir com as funções fisiológicas e comportamentais Para um cuidado efetivo: atenção nos comportamentos auto-regulatórios ou de organização e comportamentos de estresse AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Redução do impacto do ambiente na UTI Neonatal Tamez,2009

41 Sinais de comportamento organizado AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Veja a importância do cuidador!

42 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Sinais de estresse

43 NIDCAP Programa de Avaliação e Cuidados Individualizados para o Desenvolvimento do Neonato. Envolve: Avaliação Observação recomenda intervenções facilitar o equilíbrio dos subsistemas do RN Cada UTI Neonatal: 2 profissionais certificados para avaliação, planejamento das intervenções apropriadas para cada pré-termo Objetivo: Promoção do crescimento neuropsicomotor Em resumo: Observar Responder ao estado Atuar Estabilizar AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Tamez,2009 Redução do impacto do ambiente na UTI Neonatal INTERVENÇÕES:

44 Musicoterapia Metanálise recente de Hartling et al (2009): -há preliminar evidência de algum benefício terapêutico (parâmetros fisiológicos, dor) -há necessidade de confirmação em ensaios com metodologia mais rigorosa antes de qualquer recomendação -Krebs (2011): RN <=1850g:aumento do índices de aleitamento materno AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Redução do impacto do ambiente na UTI Neonatal INTERVENÇÕES: EVITAR!!!

45 Recomendações para diminuir os níveis de ruídos Aos pais: contar histórias com voz suave (observar respostas fisiológicas e comportamentais do RN) Uso de incubadoras com menor ruído (<40dB) Remover o acúmulo de água dos circuitos dos ventiladores, Hood e CPAP nasal Ambiente: pias/lavabos de porcelana/ telefones com indicador luminoso/piso de linóleo laminado; forro com azulejos acrílicos acústicos;diminuir conversas AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Redução do impacto do ambiente na UTI Neonatal INTERVENÇÕES: Tamez,2009 Margotto,PR,2011

46 Recomendações para diminuir a iluminação e claridade -não utilizar vendas para os olhos (interfere com o desenvolvimento da retina) -diminuir a luminosidade por um período de descanso (a noite):promoção do ciclo dia/noite -usar foco de luz individual quando necessário -manter longe de janelas com intensa luminosidade -RN em foto: usar biombo -evitar exposição direta do RN a luz (principalmente os submetidos a exames oculares (pupilas ficam dilatadas até por 4 horas!) -cobrir isoletes no período em que o pré-termo dorme AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Redução do impacto do ambiente na UTI Neonatal INTERVENÇÕES: Tamez,2009

47 OS VILÕES!!!! AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! COM CERTEZA!

48 OS VILÕES!!!! AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! COM CERTEZA!

49 OS VILÕES!!!! AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! COM CERTEZA!

50 OS VILÕES!!!!

51 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! COM CERTEZA! OS VILÕES!!!!

52 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! COM CERTEZA! OS VILÕES!!!! Discussão clínica à beira do leito

53 Conforto e Controle da dor nas UTI Neonatais Os tipos de abordagem não farmacológica da dor neonatal incluem: Medidas Físicas, Cognitivas maternas e ambientais. Para a parte física: posicionamento, o falar, música. Aranda,2005; Butt,2000;Bo, 2000 EVITAR! AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Redução da dor

54 Glicose/Sucção não nutritiva Dilen B (BIRTH 37:2 June 2010). Melhor do que creme anestésico local Liu:JCN 2010;19: 1604–1611 A sucção não nutritiva tem-se mostrado mais efetiva que a glicose Stevens,1999;Carbajal, 1999 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Redução da dor

55 Glicose Harrison D et al,Pediatrics, jun/Nov, 2010 Analgesic effects of sweet-tasting solutions for infants: current state of equipoise. Crianças de 1-12 meses (imunização):reduz choro (RR:0,80 (0,69-0,93) Efficacy of sweet solutions for analgesia in infants between 1 and 12 months of age: a systematic review. Clicar aqui Para artigo integral AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Redução da dor

56 Conforto materno: as endorfinas são acionadas pelo contato físico; a ocitocina conjuga, regula e potencializa a excreção de opiáceos endógenos. A combinação de glicose e o contato físico: mais efetivo que medidas isoladas (RN a termo) Administrar leite materno antes da venopunção mostrou redução da dor nos RN a termo. Upadhyay, 2004;Guinsburg, 2010 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Redução da dor

57 Imagem cedida – UTI Neonatal do Hospital Anchieta AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Redução da dor

58 Antes do procedimento PREPARAR O AMBIENTE: desligar rádio, alarmes desnecessários, falar baixo, evitar ações perturbadores ao redor do bebê PREPARAR O BEBÊ (respeitar a dignidade do pré-termo:ele deve saber o que vai acontecer a seguir) -acordar o bebe conversando suavemente, afagando, acariciando,tocando, para acordar seguro -glicose na língua 2 minutos antes -presença dos pais acariciando e conversando -restaurar a sensação de segurança (não deixar o bebê sozinho com a sua dor):presença dos pais Halimaa, 2003 A dor é um importante fator de qualidade de vida do bebê pré-termo. Aliviar a sua Dor é parte do seu cuidado diário AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Redução da dor

59 Portanto, há várias razões para considerar o tratamento da dor e do estresse do neonato. É humano e ético dar conforto e aliviar a dor. AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Redução da dor

60 CORRELAÇÃO DA ANÁLISE DOS GASES ARTERIAIS, VENOSOS E CAPILARES. Yildizdas D, Yapicioglu H, Yilmaz HL, Sertdemir Y. (Turquia) Arch Dis Child 2004; 89: AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Redução da dor

61 CORRELAÇÃO DA ANÁLISE DOS GASES ARTERIAIS, VENOSOS E CAPILARES. Yildizdas D, Yapicioglu H, Yilmaz HL, Sertdemir Y. (Turquia) Arch Dis Child 2004; 89: AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Redução da dor

62 RETINOPATIA DA PREMATURIDADE EXAME -exame doloroso -glicose não alivia completamente -O´Sullivan,2010:glicose/enrolar o bebê/sucção não nutritiva: menos dor) -Sun,2010: Metanálise demonstra redução de escores,embora altos -anestésico tópico: efetividade limitada (Metha,2010:10 Exame, com 5 min-sem diferenças; melhor no 2 0 exame) Na UTI Neonatal do HRAS:Anestalcon R (cloridrato de proximetacaína* 0,5% (1 gota em cada olho 3 min antes) CIRURGIA -processo doloroso -anestésico tópico não trata adequadamente -infusão contínua de remifentanil (Ultiva R ) -Sammantino, 2003:0,7 a 1 µg/kg/min em 6 RN -Sweeten, soother and swaddle for retinopathy ofSweeten, soother and swaddle for retinopathy of prematurity screening: a randomised placebo controlled trial. Adoçar, Chupeta e Enrolar * corresponde a proparacaína AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Redução da dor

63 Dor: consequência inevitável. Faltam mais estudos Lesão tecidual: profunda resposta fisiológica Controle da dor: melhora dos resultados no PO* Aliviar o estresse e a dor pré-operatória RN estressado, não vestido, hipotérmico, superestimulado pelo barrulho, e luz e com experiência da dor altos níveis de hormônios da adrenal (cortical como medular) mais suceptíveis ao estresse e complicações no PO) Uso de glicose oral no PO de pequenas cirurgias Paracetamol: (via oral): Inibem a ação das prostaglandinas e do tromboxane, liberados durante a agressão tecidual mg/kg- RN a termo (cada 6-8hs) 10 mg/kg - RN prematuro (cada 8-12hs) EV: 20mg/kg, seguido de 10mg/kg/dose cada 6 hs (32-44 semanas)-10mg/ml) -não afeta a temperatura nos normotérmicos; nos febris: queda de 0,8 nas 1 ras 2 hs *PO: pós-operatório Aleegaert, 2011; Hopchet, 2011;AAP,CPS,2007; Hardcastle, 2010; Margotto,2009 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! Redução da dor Pós-Cirúrgico

64 Os pré-termos emergem de um ambiente uterino seguro para um ambiente -barrulhento,estressante e doloroso Falta-lhes a maturidade autonômica e funcional Esta exposição pode alterar o desenvolvimento cerebral com repercussões comportamentais para toda a vida O nascimento pré-termo rompe a progressão do desenvolvimento das estruturas cerebrais e afeta o desenvolvimento dos sistemas sensoriais Não basta somente aumentar a taxa de sobrevida, mas também o sucesso do neurodesenvolvimento Badr,2010;Sullivan,2008 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar!

65 O estresse crônico na UTI Neonatal Aumenta níveis de cortisol: altera a memória,o comportamento, capacidade de atenção, aumento do gasto energético com alteração no crescimento UTI NEONATAL: SALA DE INTENSO DESENVOLVIMENTO CEREBRAL A efetiva estratégia para diminuir a dor do RN na UTI Neonatal é restringir os procedimentos dolorosos : Punções de calcanhares,aspiração de traquéia, fixação de cateteres, agrupar Procedimentos. EVITAR: DBP, ECN, HIV,ROP:causas de morbidade a longo prazo Kennedy,1999;Lawhon,2010 ; AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar!

66 O caminho é longo..... Dragão do Mar, Fortaleza AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar!

67 O crescimento cerebral depende de experiência. A experiência do bebe cujo cérebro está se desenvolvimento na UTI será afetado pela qualidade do atendimento e do cuidado, do manuseio que fazemos. Temos apenas um único cérebro durante toda a vida. Todas as experiências são importantes Somos o que somos, mas somos principalmente o que fazemos para mudarmos o que somos Lawhon,2010 AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar!

68 UTI NEONATAL: SALA DE INTENSO DESENVOLVIMENTO CEREBRAL! ME RESPEITEM! Só temos um cérebro! Pense agora em tudo isso... Vou ficar de olho!...amanhã serei um adulto!Quero ser feliz! AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar! COM CERTEZA! Na UTI Neonatal cuidamos de cérebros!

69 -O Cuidado Intensivo é uma experiência dolorosa com repercussões no amanhã para o RN prematuro -Devemos estar atentos ao intenso desenvolvimento cerebral que está ocorrendo nestes prematuros Devemos ser facilitadores nesta difícil travessia: -ser menos invasivos -propiciar ambiente sem ruído, sem luz excessiva -menos agressivos nas drogas A DIFERENÇA ESTÁ NO AMANHÃ: SÃO INDIVÍDUOS COM POTENCIAL DE ANOS DE VIDA! AMBIENTE DA UTI NEONATAL: Podemos mudar!

70 OBRIGADO! Nós, ex-prematuros queremos também poder desfrutar de toda beleza de Fortaleza!


Carregar ppt "UTI NEONATAL: BARULHENTA, ESTRESSANTE E DOLOROSA. Podemos mudar ! Paulo R. Margotto 2º Encontro Neonatal."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google