A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

INTRODUÇÃO - CAPITAL DE GIRO Prof. Amaury Rios

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "INTRODUÇÃO - CAPITAL DE GIRO Prof. Amaury Rios"— Transcrição da apresentação:

1

2 INTRODUÇÃO - CAPITAL DE GIRO Prof. Amaury Rios

3 Administração do capital de giro O capital de giro é conhecido também como capital circulante e corresponde aos recursos aplicados em ativos circulantes, que transformam-se constantemente dentro do ciclo operacional.

4 Administração do capital de giro A administração do Capital de giro envolve um processo contínuo de tomada de decisões voltadas principalmente para a preservação da liquidez da empresa, mas que também afetam a rentabilidade.

5 Administração do capital de giro Capital de Giro Em sentido restrito, o capital de giro corresponde aos recursos aplicados no ativo circulante, formado basicamente pelos estoques, contas a receber e disponibilidades.

6 Administração do capital de giro CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO (CCL): CCL = AC (ativo circulante) – PC (passivo circulante) O capital de giro líquido ou CCL é em geral definido como a diferença entre os ativos circulantes e os passivos circulantes.

7 Administração do capital de giro CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO (CCL): Entre empresas da mesma indústria e com a mesma quantia de ativos, a que tiver maior CCL é mais líquida, por que os ativos líquidos estão disponíveis para cobrir os passivos circulantes. Por causa desta linha de raciocínio, o CCL é sempre visto como um indicador da liquidez na administração do Capital de Giro.

8 Administração do capital de giro RENTABILIDADE E RISCO Há uma relação entre rentabilidade e risco. Quanto mais capital de giro líquido, maior sua liquidez, e portanto menor o seu risco.

9 Administração do capital de giro Indicadores de liquidez: São alguns indicadores que mostram, em termos, como a empresa está administrando seu capital de giro. CCL (capital circulante líquido) = AC (ativo circulante) – PC (passivo circulante) Liquidez Imediata = Disponível/ PC Liquidez Corrente = AC/PC Liquidez Seca = AC – estoques/ PC Liquidez geral = (AC + RLP-realizável a longo prazo) / (PC + ELP-exigível a longo prazo)

10 Administração do capital de giro Indicadores da atividade: São alguns indicadores que ajudam a interpretar a administração dos recebíveis e a pagar. Giro estoques = (CPV / Estoque) x 360 PMC (período médio de cobrança) = (contas a receber/ receita bruta) x 360 PMP (período médio de pagamento) = (contas a pagar/CMV) x 360

11 Administração do capital de giro Segundo Gitman, a ALAVANCAGEM FINANCEIRA é a capacidade da empresa de usar encargos financeiros fixos a fim da maximizar os efeitos de variações no lucro antes dos juros e impostos (LAJIR) sobre o lucro disponível. A alavancagem financeira mostra se a empresa está administrando seus custos fixos financeiros ou usando em demasia capital de terceiros para financiar capital de giro.

12 Administração do capital de giro O processo de Gestão do capital de Giro, assim como o da tesouraria da empresa está ancorado no regime de caixa. CAPITAL DE GIRO - REGIME DE CAIXA E REGIME POR COMPETÊNCIA

13 Administração do capital de giro O regime por competência reconhece as receitas no momento da venda e as despesas, quando incorridas. O regime de caixa reconhece as receitas e despesas apenas quando ocorrem entradas e saídas efetivas de caixa.

14 Administração do capital de giro DOA DE CAIXA (DEMONSTRAÇÃO DE ORIGENS E APLICAÇÃO DE CAIXA) É uma demonstração que analisa o fluxo de caixa histórico da empresa através do Balanço Patrimonial, buscando identificar desvios na administração do fluxo de recursos, e portanto também na administração do capital de giro.

15 Capital Próprio Capital de Terceiros ORIGENSORIGENS APLICAÇÕESAPLICAÇÕES

16 Administração do capital de giro São consideradas ORIGENS: Diminuição em qualquer ativo Aumento em qualquer passivo Lucro líquido após IR Depreciação e outros itens não desembolsáveis Venda de ações

17 Administração do capital de giro São APLICAÇÕES: Aumento em qualquer ativo Diminuição em qualquer passivo Prejuízo líquido Dividendos pagos Recompra e resgate de ações

18 EXERCÍCIO ANÁLISE DE INDICADORES Você é responsável pela análise da liquidez e atividade de uma pequena fábrica de móveis. Portanto, deve avaliar através desses indicadores como a empresa tem buscado a administração de seu capital de giro. Com base nas demonstrações Financeiras apresentadas, calcular e interpretar os indicadores econômico-financeiros: Indicadores de liquidez: CCL (capital circulante líquido) = AC (ativo circulante) – PC (passivo circulante) Liquidez Imediata = Disponível/ PC Liquidez Corrente = AC/PC Liquidez Seca = AC – estoques/ PC Liquidez geral = (AC + RLP-realizável a longo prazo) / (PC + ELP-exigível a longo prazo). Indicadores de atividade: Giro estoques = (CPV / Estoques) x 360 PMC (período médio de cobrança) = (contas a receber / receita bruta) x 360 PMP (período médio de pagamento) = (contas a pagar / CMV) x 360

19 BALANÇO PATRIMONIAL PARA CÁLCULO DOS ÍNDICES ATIVIDADE Demonstrações padronizadas, publicadas com notas explicativas, com assinatura do contador, com relatório da administração e auditado por auditores independentes.

20 ANÁLISE ATRAVÉS DE ÍNDICES DE LIQUIDEZ E ENDIVIDAMENTO Interpretação e Análise

21 EXERCÍCIO DOA DE CAIXA Você é responsável pela análise das origens e aplicações de caixa de uma empresa fabricante de auto peças. Portanto, deve avaliar de onde vem e para onde está indo o $ da empresa. Uma das ferramentas importantes nesta análise é avaliar a DOA de Caixa. Com base nas demonstrações Financeiras apresentadas em anexo, montar a DOA de Caixa (Demonstração de Origens e Aplicações de Caixa) ORIGENS APLICAÇÕES

22 EXERCÍCIO DOA DE CAIXA APLICAÇÕESORIGENS CONTAVALORCONTAVALOR


Carregar ppt "INTRODUÇÃO - CAPITAL DE GIRO Prof. Amaury Rios"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google