A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A teoria psicogenética de HENRI WALLON. Nasceu em Paris em 1879 e morreu em 1962, com 83 anos Estudou Filosofia e Medicina Escreveu sobre Psicologia e.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A teoria psicogenética de HENRI WALLON. Nasceu em Paris em 1879 e morreu em 1962, com 83 anos Estudou Filosofia e Medicina Escreveu sobre Psicologia e."— Transcrição da apresentação:

1 A teoria psicogenética de HENRI WALLON

2 Nasceu em Paris em 1879 e morreu em 1962, com 83 anos Estudou Filosofia e Medicina Escreveu sobre Psicologia e Educação Participou das duas Guerras Mundiais Reconstrução da França: Plano Langevin Wallon Teve dois grandes interlocutores: Piaget e Freud Dedicou-se à Psicogênese da Pessoa Atribuiu à Psicologia um tratamento histórico, neurofuncional, multidimensional e comparativo Trouxe um novo olhar para a motricidade, a emoção e a cognição: o social

3 A teoria psicogenética de HENRI WALLON Trabalha com três conceitos chaves: preponderãncia, alternãncia e integração funcional O desenvolvimento é um processo contínuo e diálético O desenvolvimento da personalidade se dá em 5 etapas: - Estágio impulsivo/emocional - Estágio sensório-motor/projetivo - Estágio do personalismo - Estágio categorial - Estágio da adolescência

4 ETAPAS DA SOCIABILIDADE Simbiose fisiológica – 0 a 3 meses Tudo se agrupa em volta das necessidades que a criança tem que só a mãe pode satisfazer. Simbiose afetiva – 3 a 12 meses Até 6 meses as crianças podem desenvolver-se bem longe da mãe, desde que seja bem cuidada. Depois dos 6 meses ocorre uma reviravolta: a criança cuidada pela mãe, mesmo em condições desfavoráveis, desenvolve-se melhor (psíquica e biologicamente). Reações alternantes e recíprocas – 1 a 3 anos Quando a criança aprende a falar e andar descobre que existe outro pólo que não o dela: surgem os jogos de alternância. Constelação familiar e personalismo – 3 a 5 anos A criança se torna mais sensível à estrutura familiar: começa a ter consciência do seu lugar e a desejar autonomia --> conflito. Podem surgir complexos e ciúmes. A escola maternal passa a ser fundamental. Individuação e grupo – (período categorial) A criança começa perceber os outros que estão à sua volta, agrupando-se de acordo com seus interesses. A escola deve incentivar a cooperação e não a rivalidade. Acesso aos valores sociais – (adolescência) É preciso resgatar e aproveitar o gosto pelas aventuras, desenvolvendo a solidariedade e a responsabilidade. Período de muita ambivalência de atitudes e sentimentos.

5 MOVIMENTO PARA WALLON Os órgãos do movimento são: a musculatura as estruturas cerebrais responsáveis pela sua organização. As funções da atividade muscular: Cinética ou clônica: responsável pelo movimento visível, pela mudança de posição do corpo ou de segmento do corpo no espaço. É a atividade do músculo em movimento. postural ou tônica: responsável pela manutenção da posição assumida (atitude) e pela mímica. É a atividade do músculo parado. Tipologia do movimento: baseado nos centros de controle Movimentos reflexos: controlados ao nível da medula Movimentos involuntários ou automáticos - controlados em nível subcortical pelo sistema extrapiramidal Movimentos voluntários ou praxias - controlados no nível cortical pelo sistema piramidal

6 MOVIMENTO PARA WALLON Seqüência psicogenética do aparecimento dos diferentes tipos de movimentos: Movimentos impulsivos: globais e incoordenados - até por volta de 3 meses (medulobulbar) Movimentos expressivos: depende do amadurecimento das estruturas mesoencefálicas do sistema extrapiramidal e da sensação de bem-estar que recebe ao ser cuidado - de 3 meses até por volta de um ano Início dos movimentos instrumentais, práxicos tais como marcha, preensão e capacidade de investigação ocular sistemática: exige amadurecimento cortical - começa no segundo semestre e se impõe no final do primeiro ano Predominância práxica da motricidade: período sensório-motor Quase ao mesmo tempo que o predomínio anterior, surge a fase simbólica e semiótica, aliada ao amadurecimento da região temporal do córtex: as idéias projetam-se em atos - mímica, fala ou até gesto da escrita.

7 Pensamento equivale à inteligência porque inclui a inteligência: O pensamento através do qual se realiza a inteligência aparece como condutas concretas perante situações também concretas. Parte da filogenia (espécie): As categorias presentes em qualquer pensamento em evolução revelam-se de caráter provisório, relativo, na gênese do pensamento. Representação: Enquanto para Piaget, a relação entre significado e significante seria resultado da atividade prática (sensório-motora) onde através desta atividade a criança captaria o objeto, para Wallon, para chegar apreender o objeto, é preciso representá-lo e para isso, é preciso transformar o objeto em símbolo para o qual é fundamental a palavra. PENSAMENTO E LINGUAGEM, SEGUNDO WALLON

8 Pensamento: é um processo de diferenciação e de identificação progressiva: índice de que o pensamento em desenvolvimento se modifica por si mesmo e se transforma ao mesmo tempo com cada novo objeto percebido dado que toda a reestruturação sensório-motora abriga a uma nova percepção, sob outra luz do já percebido, e o objeto transformando passa a integrar o conceito juntamente com a percepção anterior que o originou. Descontinuidade: A primeira coisa que ressalta é a descontinuidade, indecisões assinaladas por crises ou conflitos. Nas crises intervêm dois fatores: amadurecimento do sistema nervoso e o social. Cada época tem suas verdades, que são o seu material de idéias e de linguagem. Cada indivíduo tem sempre as suas, que dependem da idade psicobiológica e da integração social.

9 PENSAMENTO E LINGUAGEM, SEGUNDO WALLON A transição do ato motor em ato mental assinala a entrada do sistema cortical. A imitação propriamente dita é considerada cortical. A imitação inscreve-se entre dois termos contrários: fusão, alienação de si na coisa ou participação no objeto, e desdobramento entre o ato a executar e o modelo (Wallon, Do acto ao pensamento, 1942, p. 148). A imitação passaria por etapas até chegar as suas formas superiores: 1- o mimetismo, 2- a imitação simbólica (onde a criança é ao mesmo tempo participante, se colocando na ação do outro e replicante, espelhando a ação do outro); 3- imitação real que surge somente na segunda metade do segundo ano (imitação inteligente), quando a criança tem seus próprios motivos para agir e a referência dada pelas ações do outro não é mais a única alternativa.

10 PENSAMENTO E LINGUAGEM, SEGUNDO WALLON A imitação realiza a passagem do sensório-motor ao mental. A reprodução dos gestos do modelo por se reduzir a uma impregnação postural: o ato se torna simples atitude. Este congelamento corporal da ação constituiria o seu resíduo último antes de se virtualizar em imagem mental. A imitação dá lugar à representação que lhe fará antagonismo: enquanto ato motor, ela tenderá a ser reduzida e desorganizada pela interferência do ato mental.

11 PENSAMENTO E LINGUAGEM, SEGUNDO WALLON Desenvolvimento das representações: sinal, índice, simulacro, símbolo, signo Sinal – estabelece-se por simples repetição de concomitância e é abolido por repetição de não-concomitância. É a parte que induz ao todo, de que ainda não está separado. Indício – não está ligado ao sujeito, mas a própria situação. Não é apenas o pormenor que precede o todo, é um vestígio distinto do todo. É necessário fazer induções, empregar o raciocínio para se perceber a separação entre o indivíduo e o fato correspondente. Simulacro – representação do objeto, sem nenhum objeto substituto, pura mímica, onde o significante é o próprio gesto.

12 Símbolo – é um objeto substituto de outra realidade: objeto, pessoas, ações, instituições, grupos, etc. Troca a sua própria realidade por aquela que representa e por isso, converte-se em significado. Signo – permite o acesso ao plano da representação verdadeira e pode não Ter com o objeto correspondente qualquer laço de pertença, de semelhança ou analogia. É artificial na medida em que a sua forma e significação se fazem mais abstratas e tem sempre como matriz a sociedade, por isso tem sempre uma origem histórica.

13 PENSAMENTO E LINGUAGEM, SEGUNDO WALLON Dinâmica do pensamento infantil: Wallon apoia-se no pensamento discursivo, fazendo entrevistas com crianças de 5 a 9 anos. Ele complicava as respostas das crianças para perceber as contradições e os mecanismos próprios. Descobriu que o pensamento infantil é regido por uma dinâmica binária, que compõe os objetos em pares. Classificou o pensamento infantil em duas categorias: pensamento sincrético o pensamento categorial. Pensamento sincrético: Características: dualidade, descontextualidade e indiferenciação Fenômenos: fabulação (originalidade), contradição, tautologia (repetição) e elisão (eliminação) Predomínio: fatores afetivos sobre os lógicos e objetivos

14 Pensamento e linguagem para Wallon Pensamento categorial: Características: - Intensifica-se as diferenciações, principalmente, eu/outro Torna-se capaz de organizar o real em séries, classes Supõe a separação entre a qualidade e coisa Os atributos e circunstâncias são independentes do objeto Dimensões: Definir: a atribuição das qualidades específicas de um objeto, resultando em integração numa classe maior, diferenciando-o. Para que haja definição é preciso diferenciação e integração. Explicar a realidade: é determinar as condições de existência, nos seus mais variados aspectos: espaciais, temporais, modais, causais. Permite a análise e síntese, a generalização e a comparação. Exige um amadurecimento orgânico (centros de inibição e discriminação) e depende do meio cultural.

15


Carregar ppt "A teoria psicogenética de HENRI WALLON. Nasceu em Paris em 1879 e morreu em 1962, com 83 anos Estudou Filosofia e Medicina Escreveu sobre Psicologia e."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google