A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

OSTEOMIELITE. Infecção piogênica do tecido ósseo, em região metafisária (hematogênica) ou diafisária (ferimentos penetrantes e fraturas expostas) ou meta-epifisária.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "OSTEOMIELITE. Infecção piogênica do tecido ósseo, em região metafisária (hematogênica) ou diafisária (ferimentos penetrantes e fraturas expostas) ou meta-epifisária."— Transcrição da apresentação:

1 OSTEOMIELITE

2 Infecção piogênica do tecido ósseo, em região metafisária (hematogênica) ou diafisária (ferimentos penetrantes e fraturas expostas) ou meta-epifisária em recém-natos e idosos.

3 : Referências: Goldman L, et all. Cecil Medicine. USA. Elsevier, 2007 Mandell L G, et all. Principles and Practice of Infectious Diseases. Fifth ed. - USA: Churchill Livingstone, Tavares W, et all. Rotinas de Diagnóstico e Tratamento das Doenças Infecciosas e Parasitárias. São Paulo; Atheneu, Tierney LM, et all. Current Medical Diagnosis & Treatment. 47.ª ed. – USA: McGraw-Hill, 2008.

4 OSTEOMIELITE Infecção óssea envolvendo canal medular, osso esponjoso e cortical. Propagação rápida, com extensa destruição óssea e tendência à cronificação. De fácil diagnóstico e potencialmente curável na fase inicial.

5 CLASSIFICAÇÃO Osteomielite hematogênica aguda Osteomielite pós-traumática Osteomielite crônica Osteomielite específica (TB)

6 MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS –dor produzida pela pressão –enrubescimento pela hiperemia –tumefação pela infiltração celular –exsudação local (polimorfonucleares) –perda da função pela dor –derrame articular reacional

7 Hematogênica Ferida penetrante Fratura exposta Infecções cutâneas e IVAS Tuberculosa Doenças sistêmicas (leucemia, agamaglobulinemia, anemia falciforme) Micoses (blastomicose, aspergilose, actinomicose) TIPOS DE INFECÇÃO

8 Staphylococcus aureus (90%) Pneumococos Streptococcus Escherichia coli Pseudomonas Haemophilus influenzae (crianças entre 4 meses e 6 anos) ETIOLOGIA

9 PATOGENIA

10 Sistema de Havers e osteócito Lamelas concênctricas canalículos Osso Compacto Vaso linfático Canal medular Canais Haversianos Trabéculas do osso esponjoso Periósteo Canais de Volkmann Vasos sangüíneos Periósteo Canais de Havers Lacuna Osteócito

11 –alojamento das bactérias nos vasos metafisários –multiplicação bacteriana –obstrução vascular –foco infeccioso inicial –abscesso metafisário (48h) –invasão cortical (Havers e Volkmann) –descolamento periostal –necrose óssea (seqüestro) –neoformação óssea periostal (invólucro) PATOGENIA

12 OSTEOMIELITE HEMATOGÊNICA

13 Classificação

14 DIAGNÓSTICO EMINENTEMENTE CLÍNICO

15 A presença de dor aguda, tumefação, enrubescimento e calor em área metafisária da extremidade de uma criança, é uma osteomielite hematogênica até prova em contrário. DIAGNÓSTICO

16 MÉTODOS DIAGNÓSTICOS AUXILIARES

17 EXAMES COMPLEMENTARES Hemograma completo VHS Hemocultura Cultura e antibiograma Radiologia Ultra-sonografia Cintilografia Tomografia computadorizada Ressonância Nuclear magnética

18 BIOQUÍMICA –Hemocultura (resultado em 24h, positividade de 60%) –Leucograma (leucocitose acima de , predominância de polimorfonucleares) (descartar leucemia) –VHS ( gradual durante a 1ª semana; independente do tratamento) –ASLO, PCR, Mucoproteínas –Eletroforese de proteínas (deficiência globulínica)

19 RADIOLOGIA –tumefação de partes moles (2º - 4º dia) –rarefação óssea (abscesso) –neo-formação óssea periostal (15º dia)

20

21 RADIOLOGIA

22

23

24

25 CINTILOGRAFIA –polifosfato de tecnécio 99 –citrato de gálio 67 –diagnóstico na fase de hiperemia

26 ASPIRAÇÃO ÓSSEA –fase do descolamento periostal

27 Com a drenagem operatória do material necrótico, o quadro tende a se tornar menos intenso.

28 A osteomielite aguda é de tratamento relativamente fácil uma vez que ainda não se formou uma caverna avascular ou uma região de seqüestro ósseo. A partir daí o prognóstico tende a ficar mais sombrio

29 Intervenção operatória –irrigação intramedular –sequestrectomia Terapia antimicrobiana –Antibiótico adequado por 4 a 6 semanas TRATAMENTO

30 Staphylococus aureus são os agentes etiológicos mais comuns da forma aguda na osteomielite crônica são quase sempre resistentes aos -lactâmicos (penicilinas e algumas cefalosporinas) pela produção da enzima -lactamase que digere o anel - lactâmico que é o composto ativo da penicilina. Sensíveis à Penicilina – Penicilina cristalina Cefalosporinas de 1ª G Resistente à Penicilina – Oxacilina Resistente à Oxacilina - Vancomicina

31 Hemophilus influenzae agente freqüente de osteomielite em paciente menores de 2 anos de idade. sensível a cefalosporinas Bactérias Gram negativas Conforme o antibiograma, quinolonas, cefalosporinas

32 Pseudomonas infecção óssea extremamente rara e a presença desta ocorre somente quando há fatores complicadores. o tratamento é baseado no antibiograma, aminoglicosídios, cefalosporinas de 3ª ou 4ª geração, antipseudomonas, carbapenêmicos.

33 Osteomielite Específica Tuberculose Mal de Pott Evolução insidiosa: Febre baixa Dor moderada Vértebras; joelho e quadril Deformidade

34 Mal de Pott

35 Osteomielite Específica Tuberculose Mal de Pott

36 Mal de Pott menino, 2 anos Lesão em T11 (RNM) Destruição da vértebra e abcesso para-espinal


Carregar ppt "OSTEOMIELITE. Infecção piogênica do tecido ósseo, em região metafisária (hematogênica) ou diafisária (ferimentos penetrantes e fraturas expostas) ou meta-epifisária."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google