A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PROGRAMA DE DIBETES NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PRÁTICAS E ROTINAS MARIANA CANNIZZA MARIANA MADER URSULA FRAMIL.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PROGRAMA DE DIBETES NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PRÁTICAS E ROTINAS MARIANA CANNIZZA MARIANA MADER URSULA FRAMIL."— Transcrição da apresentação:

1 PROGRAMA DE DIBETES NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PRÁTICAS E ROTINAS MARIANA CANNIZZA MARIANA MADER URSULA FRAMIL

2 CRITÉRIO DE DIAGNÓSTICO CATEGORIAS GLICEMIAS(mg/dl) JEJUM MÍN 8HS 2HS APÓS 75g DE GLICOSE NORMAL <110 <140 GLICEMIA DE JEJUM >=110 e <126 <140 (se realizada) ALTERADA TOLERÂNCIA >=110 e =140 e <200 DIMINUÍDA DIABETES >=126 >=200 (SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES 2000)

3 CLASSIFICAÇÃO – SBD 2001 TIPO 1: DESTRUIÇÃO DAS CÉLULAS BETA DEFICIÊNCIA ABSOLUTA DE INSULINA AUTO IMUNE OU IDIOPÁTICA TIPO 2: RESISTÊNCIA INSULÍNICA COM RELATIVA DEFICIÊNCIA DE SECREÇÃO OBESIDADE OU OUTRAS SÍNDROMES PLURIMETABÓLICAS OUTROS TIPOS: DOENÇAS DO PÂNCREAS EXÓCRINO ENDOCRINOPATIAS INDUZIDO POR FÁRMACOS GESTACIONAL*

4 GRUPOS DE RISCO  IDADE > 40 ANOS  HISTÓRIA PRÉVIA DE ALTERAÇÃO DA GLICEMIA  HIPERTENSOS OU DISLIPIDÊMICOS  OBESOS  SEDENTÁRIOS  USO DE MEDICAMENTOS DIABETOGÊNICOS (CORTICOIDE)  HISTÓRIA FAMILIAR  HISTÓRIA DE DIABETES GESTACIONAL OU RN COM MAIS DE 4Kg

5 DIABETES GESTACIONAL  FATORES DE RISCO 1.IDADE SUPERIOR A 25 ANOS 2.OBESIDADE OU GANHO EXCESSIVO DE PESO NA ATUAL GESTAÇÃO 3.DEPOSIÇÃO CENTRAL DE GORDURA 4.HISTÓRIA FAMILIAR 5.CRESCIMENTO FETAL EXCESSIVO, POLIDRÂMNIA 6.HIPERTENSÃO, PRÉ-ECLÂMPSIA

6 DIABETES GESTACIONAL  CRITÉRIOS DE DIAGNÓSTICO GLICEMIA DE JEJUM NA PRIMEIRA CONSULTA <90mg/dl s/ fatores de risco: rastreamento negativo. <90mg/dl c/ 2 ou mais fatores de risco: repetir glicemia de jejum à parir da 20ª semana. >=90mg/dl e <110mg/dl: Rastreamento positivo. Solicitar TOTG entre 24 e 28 semanas. Se jejum<110 e 2h<140mg/dl; suspeita  repetir TOTG com 32 sem. Se jejum>110 e 2h>140mg/dl  Diabetes gestacional >=110: Rastreamento positivo  Diabetes gestacional CONTROLE IDEAL NA GESTAÇÃO: G.jejum<105mg/dl e G.2h pós prandial<120mg/dl

7 TRATAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA DE DIABETES DO MUNICÍPIO DO RJ PACIENTES COM DIABETES TIPO 2:  MODIFICAÇÃO DO ESTILO DE VIDA; PLANO ALIMENTAR, EXERCÍCIO, REDUÇÃO DE PESO (PARA OS OBESOS)  APÓS 2 A 3 MESES PERSISTINDO COM GLICEMIA INADEQUADA  METFORMIN (PARA OBESOS) OU SULFANILURÉIA (PARA OS NÃO OBESOS)  GLICEMIA INADEQUADA  METFORMIN + SULFANILURÉIA  GLICEMIA INADEQUADA  EDUCAÇÃO INDIVIDUAL E COM GRUPO DE APOIO COM EQUIPE DE SAÚDE  GLICEMIA INADEQUADA  ENDÓCRINOLOGISTA :PÓLO DE INSULINA PACIENTES COM DIABETES TIPO 1:  INICIAR INSULINOTERAPIA IMEDIATA

8 ROTINA MÍNIMA DE EXAMES COMPLEMENTARES  GLICEMIA 3 MESES  HEMOGLOBINA GLICOSILADA 6 MESES  TRIGLICERÍDEOS ANUAL  HDL COLESTEROL  LDL COLESTEROL  CREATININA PLASMÁTICA  EAS  RASTREAMENTO DE NEFROPATIA  FUNDO DE OLHO (RETINOPATIA) TIPO1: ANUAL A PARTIR DO 5º ANO DE DIAG TIPO2: ANUAL A PARTIR DO DIAG

9 NÍVEIS IDEAIS GLICEMIA DE JEJUM 110mg/dl GLICEMIA PÓS PRANDIAL 140mg/dl GLICOSÚRIA TODAS NEGATIVAS COLESTEROL TOTAL <200 HDL >45mg/dl LDL <100mg/dl TRIGLICERÍDEOS <150mg/dl IMC kg/m² PA <135 × 80 mmHg

10 NEFROPATIA DIABÉTICA  HISTÓRIA NATURAL: MICROALBUMINÚRIA  PROTEINÚRIA MACROSCÓPICA  CLEARENCE DE CREATININA < 10 ml/min (DÇ RENAL TERMINAL).  RASTREAMENTO: PROTEÍNA DE EAS + DOSAGEM DE PROTEÍNA EM URINA DE 24h  >500mg  NEFROPATIA CLÍNICA - REPETIR EM 1 ANO  PACIENTE COM NEFROPATIA CLÍNICA: IECA – NEFRO-PROTEÇÃO CONTROLAR PA ENCAMINHAR PARA NEFROLOGISTA QUANDO CLEARENCE DE CREATININA <40ml/min EAS – ITU? FUNDO DE OLHO DOENÇAS CARDIOVASCULARES

11 PÉ DIABÉTICO  FATORES PREDISPONENTES: NEUROPATIA; VASCULOPATIA PERIFÉRICA; INFECÇÃO-PORTA DE ENTRADA, GERALMENTE DE ORIGEM POLIMICROBIANA  PÉ NEUROPÁTICO: TEMPERATURA NORMAL COLORAÇÃO NORMAL OU AVERMELHADA VEIAS DISTENDIDAS QD EM REPOUSO SENSIBILIDADE DIMINUÍDA – TESTE COM MONOFILAMENTO REFLEXOS PROFUNDOS AUSENTES RESSECAMENTO E RACHADURA CALOSIDADE NA REGIÃO PLANTAR (NOS PONTOS DE ALTA PRESSÃO)  MAL PERFURANTE

12 PÉ DIABÉTICO  PÉ ISQUÊMICO: PELE FRIA SEM PÊLOS E PÁLIDA PULSOS DIMINUÍDOS CLAUDICAÇÃO ÚLCERAS EM REGIÕES MARGINAIS DE PRESSÃO CONTÍNUA  ISQUEMIA E GANGRENA

13 PÉ DIABÉTICO  PROTOCOLO PARA ACOMPANHAMENTO: PÉ DE RISCO - SENSIBILIDADE DIMINUÍDA, ÚLCERA AUSENTE OU CICATRIZADA, CALOSIDADE/ HIPERDERATOSE/ DEFORMIDADE: Aspectos educacionais; revisão clínica a cada 3/6 meses Encaminhamento para terapia ocupacional Controle de PA, glicemia, parar tabagiamo ÚLCERAS: Curativos; Anti- sepsia da pele – Clorexidina tópica ; Desbridamento; Medidas de alívio de pressão; Avaliar encaminhamento para cirurgia ( isquemia, osteomielite, necrose) INDICAÇÕES PARA INTERNAÇÃO IMEDIATA: Infecção profunda – celulite, abscesso, osteomielite Gangrena ou necrose seca extensa

14 PÉ DIABÉTICO ROTINA DE ANTIBIÓTICOS: Lesões superficiais infectadas: Cefalexina 500mg VO 6/6hs 7 – 14 dias Lesões mais profundas: Amoxicilina + Clavulanato 500mg VO 8/8hs 14 dias Infecção profunda: Internação + ATB sistêmico

15 PÉ DIABÉTICO  CUIDADOS GERAIS: 1.EXAMINAR O PÉ DIARIAMENTE 2.PROCURAR O MÉDICO SE TIVER: RACHADURAS, CALOS, FERIDAS 3.USAR MEIAS SEMPRE LIMPAS – ALGODÃO OU LÃ 4.NÃO USAR SANDÁLIAS E SIM SAPATOS MACIOS COM MEIAS 5.NÃO ANDAR DESCALÇO, EXAMINAR OS SAPATOS ANTES DE VESTÍ- LOS 6.LAVAR OS PÉS DIARIAMENTE COM ÁGUA E SABÃO. SECAR BEM ENTRE OS DEDOS 7.USAR HIDRATANTES 8.CORTAS AS UNHAS RETAS 9.NÃO MEXER EM CALOS OU UNHAS ENCRAVADAS


Carregar ppt "PROGRAMA DE DIBETES NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PRÁTICAS E ROTINAS MARIANA CANNIZZA MARIANA MADER URSULA FRAMIL."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google