A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Bruna Valle França R2 Medicina Esportiva Orientador: Prof. Dr. Simão Lottenberg.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Bruna Valle França R2 Medicina Esportiva Orientador: Prof. Dr. Simão Lottenberg."— Transcrição da apresentação:

1 Bruna Valle França R2 Medicina Esportiva Orientador: Prof. Dr. Simão Lottenberg

2 Estado de hiperglicemia DM tipo1: perda das células ß por autoimunidade - insulinopenia DM tipo 2: resistência à ação da insulina – hiperinsulinemia DM gestacional: hormônio lactogênio placentário (HLP) utilização de glicose pela mãe hiperinsulinemia. Definições

3 Glicemia de jejum ou Teste de Tolerência Oral à Glicose (GTTO 75g) Glicemia de jejum > 126mg/dl (jejum >8h) OU Sintomas (polidipsia, poliúria, perda de peso) E glicemia casual >200mg/dl OU Glicemia >200mg/dl no GTTO 75g após 2 horas OU Hemoglobina glicada 6,5%. Gestante: GTTO 100g - Valores: >95 em jejum; >180 em 1h; >155 em 3h; >140 em 3h Diabetes Care" January 2010". American Diabetes Association. Retrieved Diabetes Care" January 2010" Diagnóstico

4 Diagnóstico HbA1C: Diabetes se > 6,5%; pré-diabetes se entre 5,7% e 6,4%.

5 Sedentarismo Antecedente familiar Antecedente de DG ou parto de RN acima de 4kg Hipertensão (>140/90mmHg) Dislipidemia: HDL 250mg/dl Ovários policísticos Pré-diabetes prévio Doença vascular Fatores de Risco

6 Assintomáticos: em qualquer idade, se sobrepeso ou obesidade, além de um ou mais fatores adicionais de risco para o diabetes. Sem fatores de risco: após os 45 anos de idade. Mulheres com diabetes gestacional: entre 6 a 12 semanas após o parto. Rastreio

7 Idade e características do DM; Padrões alimentares, história ponderal e quantificar atividade física; Tratamentos prévios, história de hipoglicemias ou cetoacidose; Complicações. Avaliação Inicial

8 PA normal e ortostática; Fundo de olho; Exame neurológico e dos pés e pulsos; Pele. Laboratório: HbA1C, perfil lipídico, enzimas hepáticas, função renal, microalbuminúria. Exame Físico

9 Auto-exame: calos, cortes, ulcerações, olhar entre os dedos. Pedir ajuda ou usar espelho. Não usar escalda-pés ou bolsas de água quente ou gelo. Secar cuidadosamente, especialmente entre os dedos, não deixar resíduos. Verificar objetos estranhos. Não cortar calos, cutículas, cantos das unhas. Cuidados com os Pés

10 Manter as unhas retas, usar instrumentos adequados. Verificar objetos estranhos. Evitar esparadrapos, sprays. Meias sem costura, nunca ficar descalço. Calçados fechados e sem costuras. Não usar sapatos apertados, abertos, bico fino, salto alto. Cuidados com os Pés

11 Auto-monitoração: 3 ou mais vezes ao dia se insulina em mais de 1 aplicação ou em bomba. Único modo de acessar a glicemia pós-prandial. HbA1C: pelo menos 2 vezes ao ano, cuidado com doenças hematológicas. Ref: <6% Controle Glicêmico

12 Sintomas Riscos Causas: erro de dose, mudança na sensibilidade, redução do consumo Insuf. Renal, uso de álcool, doença hepática Orientações 15 g a 20 g de glicose, podendo ser repetidos. Lanche para evitar recidiva. Glucagon se hipoglicemia severa (aumento das metas glicêmicas). Hipoglicemia

13 HbA1C<7% Glicemia pré-prandial Glicemia pós-prandial<180 mg/dl PA<130/80 LDL<100mg/dl Triglicérides<150mg/dl HDL>50mg/dl Metas American Diabetes Association. Standards of Medical Care in Diabetes – Diabetes Care 33(Suppl 1):S11-S61, 2010.

14 Não Medicamentoso (orientações, cuidados com os pés, além dos exercícios e dieta). Exercícios: pelo menos 150 minutos semanais de atividade aeróbica moderada. Perda de 5 a 10% do peso corpóreo. Medicamentoso: Insulina Antidiabéticos orais Tratamento # Bariátrica se IMC > 35 + DM.

15 TipoInício ação (h) Pico ação (h) Duração efetiva (h) Duração máxima (h) Lenta NPH Glargina>2Sem24 Regular Lispro e Aspart <

16 Evitar associar drogas com o mesmo mecanismo!!!

17 Considerar o uso de ácido acetilsalicílico ( mg/dia) como estratégia de prevenção primária em pacientes com DM-1 ou DM-2 com risco cardiovascular aumentado. Homens com mais de 50 anos e a maioria das mulheres com mais de 60 anos que apresentam pelo menos mais um fator adicional de risco Uso de AAS

18 O EF tem sido crescentemente promovido como parte do regime terapêutico do DM. Além dos seus efeitos benéficos cardiovasculares, o exercício pode também melhorar o controle glicêmico, resultante de uma sensibilidade tecidual aumentada à insulina. EF no DM

19 Retinopatia proliferativa: evitar exercício isométrico intenso (levantamento de peso), o que pode causar uma elevação significativa da pressão arterial que pode precipitar hemorragia intraocular. Neuropatia: evitar exercícios de sustentação de peso traumáticos (como corridas de longa distância ou esqui em declive prolongado), o que pode precipitar fraturas de estresse nos pequenos ossos do pé e tornozelo, e o desenvolvimento de úlceras de pressão nos dedos do pé e no pé. São necessários também calçados protetores bem ajustados e sapatos confortáveis. Evitar excessos de temperatura (autonômica). Cuidados nas Complicações

20 Aplicação de Insulina

21 Injetar a insulina em um local diferente do que será exercitado para prevenir aumento da absorção da insulina. Também é prudente administrar a insulina de 60 a 90 minutos antes do exercício para minimizar o problema do aumento de absorção. Reduzir gradativamente as doses diárias de 15 a 20% se EF leve a moderado, chegando a 50% se intenso. Medir glicemia antes, durante e após os exercícios (prever mudanças para as próximas sessões). Aplicação de Insulina

22 Hidratar continuamente às sessões de exercícios com líquidos livres de açúcar. Evitar exercício se glicemia > 250mg/dL. Se glicemia < 100mg/dL, fazer suplementação de carboidrato pré exercício. Ingerir de 20 a 30g de CHO por hora de exercício leve e 30 a 60g por hora de exercício intenso. O exercício não substitui a insulina e deve ser encarado como uma medida de APOIO. EF no DM1

23 Risco de hipoglicemia tardia (4 a 8 horas após o término do exercício) devido ao reabastecimento dos depósitos de glicogênio depletados. Isso geralmente pode ser evitado pela ingesta de carboidratos de baixa velocidade de absorção (frutas secas, barras de granola) imediatamente após o exercício. Cuidado no exercício vespertino, pela hipoglicemia noturna. A reposição inadequada de carboidratos antes, durante e após o exercício é a causa mais comum de hipoglicemia associada ao exercício. O exercício deve ser praticado no mesmo horário, otimizado com relação à ingesta alimentar e as aplicações de insulina. Quando isso é feito, a mudança na concentração de glicose sérica é geralmente previsível e reprodutível. EF no DM1

24


Carregar ppt "Bruna Valle França R2 Medicina Esportiva Orientador: Prof. Dr. Simão Lottenberg."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google