A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SAÚDE.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SAÚDE."— Transcrição da apresentação:

1 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SAÚDE 3ª POLICLÍNICA - NITERÓI Projeto do Programa de Controle de Diabetes Melitus Cap Priscilla Gil Cap Viviane Salles

2 O Diabetes Melitus Definido como doença crônica caracterizada pela elevação da glicemia seja por deficiência de insulina ou por resistência à ação desta. Sua prevalência está aumentando em todo mundo : em 2030 estima-se que haverá no mundo cerca de 366 milhões de diabéticos.

3 Diagnóstico Glicemia de jejum > 126 mg/dl em 2 ocasiões distintas ou Glicemia > 200 mg/dl (independente de jejum) Hemoglobina glicada > 6,5% em 2 ocasiões distintas

4

5

6

7 Prevenção

8 Tratamento

9

10 Justificativa O diabetes melitus constitui fator de risco para eventos cardiovasculares fatais e não-fatais (risco >20% em 10 anos pelo Escore de Framingham). Cada aumento de 1% na hemoglobina glicada representa uma elevação em 18% no risco cardiovascular.

11 Objetivos A hemoglobina glicada é o parâmetro mais importante para avaliação do risco de complicações, devendo ser realizada a cada 3 meses. Pra bom controle da doença seus níveis devem manter-se < 7%. Para tanto devemos assegurar ao paciente diabético, tratamento eficaz e educação continuada em diabetes.

12 Profissionais envolvidos Coordenação geral: Ten Cel José Coordenação do Programa: Cap Viviane Salles Endocrinologistas: Cap Priscilla Gil e Cap Viviane Salles Enfermagem: Maj Flávia Curi Nutrição: Cap Serpa Assistente social:Cap Gleicy

13 Metodologia METODOLOGIA (Etapas e Instrumentos Utilizados) ETAPAS DO PROGRAMA 1ª Etapa: Divulgação acontecerá através de Publicação no Portal da 3ª Policlínica, em Boletim Ostensivo e no Infosaúde. 2ª Etapa: Inscrição O Serviço de Endocrinologia da 3ª Policlínica irá acolher todos os casos previamente confirmados, através de encaminhamento médico. As inscrições serão realizadas pela recepção da Policlínica. Pré-requisitos para inscrição: idade > 18 anos; estar cadastrado na DGS.,

14 Metodologia 3ª Etapa: Formação dos Grupos serão formados grupos de 20 pacientes. Os encontros serão mensais, organizados de forma a proporcionar o atendimento individualizado em associação à palestras de interesse para o público diabético. 4ª Etapa: Metodologia 1- Padronização de atendimento Endocrinologista : periodicidade mensal e trimestral após o controle; a cada consulta será realizado teste de glicemia capilar. Nutricional: periodicidade mensal e trimestral após o controle; Enfermagem: bimestral; Serviço social: quando necessário.

15 Metodologia 2- Padronização de rotina de exames: Para pacientes em controle satisfatório, serão realizados cada 3 meses: hemograma completo, lipidograma, glicemia, HbA1c, uréia, creatinina, sódio, potássio, ácido úrico, EAS + urinocultura. Pacientes mal controlados (HbA1c >7%), deverão ser avaliados de forma precoce, com inclusão de exames de urgência como ECG e Radiografia de tórax, por exemplo. Anualmente, os pacientes deverão ser submetidos à fundoscopia e análise da urina de 24h (clearance de creatinina e microalbuminúria). 3- Padronização de terapêutica: medicamentos -Sulfoniluréias:Glibenclamida 5mg Glimepirida 1, 2,3, 4 e 6 mg -Biguanidas: Metformina 500mg e 500 mg XR, 750mg XR, 850mg e 1000mg. -Insulinas: regular e NPH.

16 Resultados A cada 3 meses será realizada estatística objetivando verificar o controle da doença (Hb. Glicada <7%)

17 Considerações finais Através de controle rigoroso e suporte multidisciplinar, reduzimos as complicações microvasculares (retinopatia, nefropatia e neuropatia) e macrovasculares (doença cerebrovascular, doença coronariana e doença vascular periférica). O acompanhamento ambulatorial adequado representa menor número de internações e redução de custos, contribuindo para melhoria da qualidade de vida.

18 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SAÚDE 3ª POLICLÍNICA - NITERÓI Tel: e


Carregar ppt "GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DIRETORIA GERAL DE SAÚDE."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google