A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CERATOCONJUTIVITE SECA KERATOCONJUNCTIVITIS SICCA 18/06/2009 Daniel Portela Dias Machado Graduando em Medicina Veterinária na Universidade Federal de Viçosa.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CERATOCONJUTIVITE SECA KERATOCONJUNCTIVITIS SICCA 18/06/2009 Daniel Portela Dias Machado Graduando em Medicina Veterinária na Universidade Federal de Viçosa."— Transcrição da apresentação:

1 CERATOCONJUTIVITE SECA KERATOCONJUNCTIVITIS SICCA 18/06/2009 Daniel Portela Dias Machado Graduando em Medicina Veterinária na Universidade Federal de Viçosa GEAC-UFV

2 ANATOMOFISIOLOGIA

3 CELULAS NÃO CALICIFORMES

4 CAMADA MUCOSA CELULAS CALICIFORMES CELULAS NÃO CALICIFORMES FONIX E CONJUNTIVA PALPEBRAL ESTIMULO AGONISTAS PARASSIMPATOMIMÉTICOS PROSTAGLANDINAS HISTAMINA ADESÃO DO FILME LACCRIMAL A CORNEA CONJUNTIVA

5 CAMADA AQUOSA Glândula lacrimal = 60% Glândula da terceira pálpebra = 40% Fluidez à lagrima CAMADA LIPÍDICA Glândulas tarsais Evita a evaporação Evitar o extravasamento (tensão superficial)

6 LÁGRIMA LUBRIFICANTE LAVAGEM ANTIBIÓTICO FORNECE OXIGÊNIO ATM, CÉLULAS INFLAMATÓRIAS E ANTI-CORPOS AJUDA NA REFRAÇÃO DOS RAIOS DE LUZ MOVIMENTAÇÃO MOVIMENTO DAS PALPEBRAS GRADIENTE DE CONCENTRAÇÃO DO MEIO

7 O que é KCS Ceratoconjutivite seca É a inflamação da conjuntiva e lesões de córnea causadas pela deficiência na produção do filme lacrimal principalmente de sua camada aquosa.

8 CAUSAS COMUNS Induzida por fármacos Induzida por cirurgia Idiopática Auto-imune Traumatismo orbital e supra orbital Infecciosa Sulfas (sulfadiazina, sulfassalazina...) Remoção da terceira pálpebra prolapsada Infiltração por linfócitos Ex. cinomose (disfunção temporária ou permanente)

9 CAUSAS COMUNS Congênita Radiação Agentes anestésicos e pré-anestésicos Agenesia de glândula Radioterapia na cabeça Redução temporária Anestesia geral Atropina Redução temporária Anestesia geral Atropina

10 Caso Especial Ectrópio causando KCS A KCS não estava fazendo mal algum ao animal então não se instituiu nenhum tratamento

11 Sinais Clínicos Blefarospasmo DOR

12 Secreção mucóide e purulenta Caso na terça feira Sem secreção da camada aquosa

13 Ulceração Corneana

14 Vascularização corneana e pigmentação

15 Resumo das lesões

16 Diagnóstico Sinais Clínicos Exame por oftalmoscopia direta Teste lacrimal de Schirmer 1 e 2 Rosa de Bengala (se necessário) Perfil Hematológico sérico e bioquímico (avaliar efeitos de doenças concomitantes auto-imunes).

17 Diagnóstico Teste lacrimal de Schirmer 1 (mais usado) Não manusear muito Colocar no saco conjuntival inferior Esperar 1 min e ler imediatamente Valores normais: 12 – 15mm

18 Schirmer artezanal Papel filtro cortado em tiras

19 Tratamento Lacrimo mimético e lacrimo estimulantes R$ 51,62 R$ 32,80 Os lacrimo estimulantes podem ser a pilocarpina e a ciclosporina

20 Tratamento Ciclosporina tópica Imunossupreção Pode ser manipulado em local confiável R$ 104,50

21 Antibiótico R$ 24,80 R$ 17,98

22 Corticóide Cuidado em caso de ulceras de córnea Usado também após a cura de ulceras com cicatrizes muito grandes Em caso de ulceras e uveíte grave fazer injeção sub- conjuntival ( ex. Depo medrol) R$ 20,11 R$ 11,08

23 Soro autógeno Ajuda na reconstituição da córnea


Carregar ppt "CERATOCONJUTIVITE SECA KERATOCONJUNCTIVITIS SICCA 18/06/2009 Daniel Portela Dias Machado Graduando em Medicina Veterinária na Universidade Federal de Viçosa."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google